Topo
pesquisar

Etiopatogenia dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT): uma ótica da medicina tradicional chinesa e da medicina ocidental - Revisão bibliográfica

Saúde

Mesmo com tantas divergências, e óticas cientificas diferente, o estudo de ambas as medicinas proporcionam conhecimentos específicos válidos de suas etiopatogenias em relação aos Distúrbios Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho, considerando suas bases científicas.

índice

1. RESUMO

A ótica dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), pela Medicina Tradicional Chinesa, relata que as causas dessas lesões estão inerentes às emoções, horas de trabalho, descanso entre as jornadas de trabalho e má alimentação do trabalhador durante sua vida produtiva, como também, explica que os meios externos como: o Vento, o Frio e a Úmidade, podem causar também essas lesões de trabalho. Já a Medicina Ocidental relata que os principais fatores de causas ao surgimento dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho são: os excessos de trabalho, os movimentos repetitivos e vibratórios no trabalho, as ergonomias incorretas no ambiente de trabalho, como também, as posições incorretas do trabalhador durante a jornada de trabalho, além, das atividades laborativas precisas e estáticas por longo tempo e o estresse na execução dessas atividades. Com tantas evidências de agentes etiológicos em relação aos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho, fica claro, que os conhecimentos aqui abordados pelas medicinas: Tradicional Chinesa e Ocidental podem ser conciliada de forma complementar aos futuros estudos científicos.

Palavras-chave: DORT; Etiopatogenias, Medicina Tradicional Chinesa e Medicina Ocidental.

ABSTRACT

The perspective of Musculoskeletal Disorders Related to Work (MDRW), through Traditional Chinese Medicine, reports that the causes of these injuries are inherent to emotions, working hours, rest between working hours and poor workers' meals during their productive life, as well as it explains that external means such as: Wind, Cold and Humidity can also cause these injuries work. Already the Western Medicine reports that the main factors that causes the emergence of Musculoskeletal Disorders Related to Work are: overwork, repetitive movements and vibration at work, incorrect ergonomics in the workplace, but also incorrect worker positions during working hours, in addition, the precise work activities and static for a long time and stress in performing these activities. With so much evidence of etiologic agents in relation to work-related musculoskeletal disorders, it is clear that knowledge here addressed by medicine: Traditional Chinese and Western can be reconciliated in a complementary way to future scientific studies.

Palavras-chave: MDWR; Etiology, traditional Chinese medicine versus Western medicine.

2. INTRODUÇÃO

O presente artigo é uma revisão bibliográfica que aborda as etiopatogenias dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT), sob a visão da Medicina Tradicional Chinesa e Medicina Ocidental.

Cada medicina aborda o assunto com linguagem e pensamentos totalmente diferentes, pois, as mesmas baseiam-se de acordo com os seus conhecimentos e bases cientificas.

A medicina chinesa relata que as emoções, as horas de trabalho, o pouco tempo de descanso, como também, a má alimentação e fatores externos: Vento, Frio e a úmidade, contribuem para ocasionar as lesões osteomusculares nos trabalhadores.

Numa outra visão, a medicina ocidental, relata que as doenças ocupacionais têm como causa, os movimentos repetidos continuadamente com pouco tempo de descanso ou que exigem muita força na sua execução, como também, as atividades laborativas com vibração e trabalhos manuais que exijam precisão. As posturas inadequadas, a ergonomias incorretas do ambiente de trabalho e estresse constante nas atividades laborativas, são alguns dos fatores que contribuem para o surgimento das doenças relacionadas ao trabalho intituladas como: Distúrbios osteomusculares relacionadas ao trabalho (DORT).

É esse o objetivo de reunir em só artigo cientifico, a ótica das Medicinas Tradicional Chinesa e Medicina Ocidental em relação às DORT´s.

3. CONCEITO DOS DISTURBIOS OSTEOMUSCULARES DO TRABALHO (DORT) PELA VISÃO OCIDENTAL

Para que se possa caracterizar determinada lesão se é ou não de responsabilidade laborativas, devesse primeiro obter informações de vários fatores que possam interligar a doença aos riscos de acometimentos que o individuo é sujeitado, devido à execução de suas atividades laborativa. Na LEI Nº 8.213 de 24 de julho de 1991 – DOU DE 14/08/91: Art. 19. Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do Art. 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. No Art. 20. Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior, as seguintes entidades mórbidas: I – Doença profissional: assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social. II – Doença do trabalho: assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I.

Segundo Ranney (2000, p.68):

Quando a exposição a um risco no local de trabalho associa-se diretamente a um dado resultado para a saúde (como a associação do cloreto de vinil ao carcinoma), o termo “doença ocupacional” é apropriado. Entretanto, quando existem, no trabalho, múltiplos fatores associados à doença e até quando as exposições não ocupacionais podem produzi-la, então o termo “doença relacionada ao trabalho” é o mais adequado. Se o resultado para a saúde apresenta um claro processo ou agente patológico, então o termo “doença” é apropriado. Todavia, quando alguns dos resultados são de patogênese incerta, podendo consistir de sintomas sem sinais óbvios, então o termo “distúrbio” é mais preciso. Por esta razão, os resultados de interesse são aqui denominados distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) ou à atividade ocupacional.

Todo entendimento do contexto das etiopatogenias, se refere às causas e aos mecanismos de como se produz uma doença (CODO E ALMEIDA, 1998; BORSOI, 2006).

Para a medicina tradicional chinesa e medicina ocidental, o conceito de distúrbios osteomusculares relacionadas ao trabalho é amplo e, são ricas em detalhes de investigações, fatores e causas.

4. CAUSAS DOS DISTURBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT) SEGUNDO A MEDICINA OCIDENTAL

As forças geradas nos músculos, tendões e tecidos conjuntivos dependem do desenvolvimento de força muscular ativa, tanto a nível muscular quanto em nível de unidade motora individual. A estas se devem acrescentar as forças externas que afetam o sistema locomotor (RANNEY, 2000). Ainda em texto, explica que os diferentes tipos de forças mecânicas que ocorrem nos músculos, tendões e tecidos conjuntivos, são de forças tênseis, de cisalhamento e fricções, e quando essas forças internas excedem o ponto de resistência tecidual, ocorre uma lesão aguda.

Quando um músculo se contrai, aumenta a pressão hidrostática nos tecidos musculares devido as grandes intensidades dinâmicas das atividades do trabalho, na qual ocorrerão pelo excesso da pressão hidrostática nos músculos, alterações histológicas em forma de atrofia muscular, ruptura de fibras, edema e diminuição da tensão de oxigênio muscular (HARGENS, SCHIMIDT, EVANS et al.,1981).

Para que se possa entender sobre lesão osteomuscular em ambiente de trabalho, é preciso saber que suas causas podem ocorrer por trauma, excesso de calor ou frio, agente miotóxicos, isquemia, distrofia, inflamação e contração muscular (APPELL, 1990). Como também, podem ser provocadas por outros fatores extrínsecos como contusões musculares que são: câimbras, contraturas e estiramentos ou rompimento de fibras (CROS, MULLER, BOUJU et al., 1999).

As lesões musculotendíneas baseiam-se no conceito da biomecânica musculoesquelética, que defini: Lesão é todo dano causado por traumatismo físico sofrido pelos tecidos do corpo, e ainda, afirma que os mecanismos responsáveis por uma lesão, são muitos, e variados, mas, pode citar alguns mecanismos de lesão como: Contato ou impacto, sobrecarga dinâmica, uso excessivo (overuse), vulnerabilidade estrutural muscular, inflexibilidade musculo-tendino, desequilíbrio muscular e crescimento rápido do individuo (WILLIAM e RONALD, 1998). Em texto, ainda afirma que existe outras fontes como: a deformação por esmagamento, o impacto impulsivo, a aceleração esquelética, a absorção de energia, a extensão e o grau de deformação tecidual como mecanismo de causas dos distúrbios osteomusculares do trabalho.

A resposta mecânica ao tecido biológico no momento de uma agressão depende da organização estrutural do tecido muscular (não celular) incluindo seu material componente, como também, a orientação, a densidades e as substâncias conectoras “estruturas adjacentes” (WILLIAM e RONALD, 1998).

Por outro lado, os aspectos bioquímicos, são causas também das lesões osteomusculares, que são caracterizadas pelas alterações morfológicas e histoquímicas que por sua vez causa déficit funcional no segmento afetado (APPELL, 1986).

Porém, os principais fatores de causa dos Distúrbios Osteomuscares Relacionados ao Trabalho são: o excesso de trabalho, os movimentos repetitivos, a ergonomia incorreta dos acessórios e mobiliários no ambiente de trabalho, posturas incorretas, biomecânica articular incorreta, força muscular, atividades laborativas com vibração, posturas estáticas ou dinâmicas de forma constante e única (RANNEY, 2000).

4.1 Principais fatores que causam Distúrbios Osteomuscular Relacionados ao Trabalho (DORT) segundo a Medicina Ocidental:

  • Excesso de trabalho sem descanso / Fatores químicos: quando é gerada uma ação mecânica nos músculos e tendões, fisiologicamente é liberado várias substâncias químicas que não prejudicam o sistema músculo esquelético, mas, ao excesso dessas atividades laborativas, causará danos aos tecidos musculotendíneo, onde será liberado algumas substâncias como potássio no espaço intersticial (espaço entre as fibras musculares), que induzirá estímulos de dor no sistema nervoso central (SJOGAARD, 1990).

  • Movimento de alta frequência (movimentos repetitivos): em alta velocidade causará um deslizamento do tendão combinada com contração estática dos músculos mais proximais, fará com que desenvolva tenossinovite, mialgia e síndrome da tensão cervical (RANNEY, 2000). A distensão muscular aguda é causada por uma sobrecarga dinâmica de um músculo tanto concêntrica como excêntrica ou por um estiramento excessivo passivo de um músculo (HADDAD, ROY, ZHONG et al 2003). Como também, as agressões promovidas pelos movimentos repetitivos resultarão em lesões em músculos, tendões, fáscias ou nervos (CODO, ALMEIDA, 1995; ANAMT, 1998).

  • Ergonomia: no ambiente de trabalho incorreto, levará o trabalhador exercer exaustivamente suas atividades laborativas, elevando em grau máximo os fatores causais dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (WISNER, 1987).

  • Posturas com biomecânica articular incorreta: o membro inclinado em relação à linha da gravidade requer-se um momento de força articular com a necessidade de forças musculares ou ligamentares para suporta-lo e, se um ângulo articular próximo à amplitude de movimento final (postura extrema), sempre sobrecarregará os ligamentos, podendo comprimir vasos sanguínea, e afeta os nervos por tração. Em texto, afirma que posições articulares distantes da amplitude funcional adequada da articulação, altera a geometria dos músculos e tendões que cruzam a articulação, e que pode tornar uma tarefa mais fatigante ou estressante, como também, a alteração ou a falta de alteração na postura durante a execução do trabalho, pode ser prejudicial, caso tome uma das duas como forma permanente de execução das atividades laborativas, pois, o adequado é a inter-relação entre as duas posturas dinâmica e estática (RANNEY, 2000).

  • Altas Forças no momento da execução das atividades laborativas: causará tensão em tendões e músculos: altas forças de curta duração podem levar à ruptura tecidual: forças moderadas de longa duração podem levar a deslizamentos dos tendões ou fadiga muscular, com possíveis tendinites e estiramento muscular (RANNEY, 2000).

  • Exercício de força em posturas inadequadas: levará ao aumento da fadiga, onde causará dor muscular e mialgias do antebraço (RANNEY, 2000).

  • Postura extrema: implicará na compressão dos vasos sanguíneos ou nervos, que resultará em uma síndrome do túnel do carpo (RANNEY, 2000).

  • Trabalho com levantamento acima da cabeça: isso causará um aumento da pressão intramuscular no supra-espinhoso com redução do fluxo sanguíneo, resultando em mialgia do trapézio ou supra-espinhoso e tendinite do supra-espinhoso (RANNEY, 2000).

  • Vibração em tudo: implicará no aumento da contração dos discos intervertebrais, causando lombalgia inferior (RANNEY, 2000).

  • Vibração da mão/braço: irá gerar um aumento da força de preensão para manter o controle de objeto, onde acometerá o tecido nervoso, que irá contribuir para o aumento da fadiga, dor muscular e síndrome do túnel do carpo (RANNEY, 2000).

  • Postura imóvel: gerará contração estática dos músculos e o surgimento de mialgias e síndrome das tensões cervical (RANNEY, 2000).

5. EMOÇÕES: CONSEGUÊNCIA DOS DISTURBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO SEGUNDO A MEDICINA OCIDENTAL

Os sintomas psicológicos (emoções) estão associados após o aparecimento das lesões do trabalho, pois o trabalhador recebe a excitação fisiológica biomecânica (execução das atividades laborativas), que é produzida como uma reação a um estímulo desconfortável (excesso de esforço repetitivo), após esses fatores, vem secundariamente às evidências de um conjunto de dores osteomusculares, para depois vir às emoções como consequência dessas lesões (RANNEY, 2000). Ainda texto, o mesmo relata que é preciso ter maior importância sobre os fatores psicológicos resultantes das lesões do trabalho, pois, alguns trabalhadores ao enfrentar essas situações não têm habilidades para lidar com esses estresses patológicos, gerando problemas do sono, que por consequência transcorrerá para uma fadiga, como também, a depressão.

No âmbito do adormecimento e formigamento, quase sempre resultam em sensações de ansiedade e irritabilidade devido às dores sentidas, e por outro lado, há trabalhadores que não produzindo na mesma velocidade que antes, ficam irritados e frustrados, causando uma serie de consequências sociais para sua sintomatologia (RANNEY, 2000).

6. CONCEITO DAS DOENÇAS SEGUNDO A MEDICINA CHINESA

O conceito de Yin-Yang é o mais importante e distinto da teoria da Medicina Chinesa. Pode se dizer que toda fisiologia, patologias e tratamento podem ser reduzidos ao conhecimento do Yin-Yang (MACIOCIA,1996).

O Yin e Yang são como duas fases de um movimento cíclico como: a atividade refere-se ao Yang e o descanso ao Yin, como também, existem dois estágios de transformação, ou seja, ao final de uma fase começa a outra: o dia termina e começa a noite, e assim, ciclicamente sem deixar de ser interdependente, porém, com consumo mútuo, como também, inter-relacionamento entre eles (MACIOCIA,1996).

O Yin e o Yang na medicina chinesa são referencias de acordo com os sinais e sintomas: O Yin é (patologias crônicas, início gradual, patologias lentas e ao frio), já o Yang referem-se as (patologias aguda, início rápido, mudanças patológicas rápidas e ao calor) como também, em estruturas de órgãos e energias como aqui mencionados: os de natureza Yang são exteriores como pele e músculos, como também, são ligados a alguns órgãos como: Vesícula Biliar, Intestino Delgado, Estômago, Intestino Grosso, Bexiga e suas funções, e também ao Qi e ao Qi defensivo (Wei Qi); já os de natureza Yin são de Interiores como os órgãos: Fígado, Coração, Baço Pâncreas, Pulmão, Rim, como também, são relacionados a algumas estruturas dos órgãos: sangue (Xue), Fluidos corpóreos (Jin Ye) e o Qi nutritivo (Ying Qi) (MACIOCIA, 2005).

No corpo humano existe um sistema de segmentos energéticos que integram todas as partes do corpo. Essas ramificações são chamadas de Jing (canais) e Luo (colaterais) que tem a função de promover conexões entre órgão (Zang) e vísceras (Fu), comunicando estes Zang Fu com as extremidades, tecidos e órgãos sensoriais, regulando a função de cada parte do corpo, para manter o equilíbrio entre o exterior e interior, direita e esquerda, alto e baixo, Yin e Yang, portanto, é por esses canais e colaterais que circulam o Qi (energia) e o sangue (Xue) em todo o corpo (MACIOCIA, 2007).

A relação dos órgãos na medicina chinesa interage da seguinte forma: O pulmão influencia a pele à medida que difundem o Qi defensivo na pele e no espaço entre a pele e os músculos (Cou Li), controla também, a abertura e o fechamento dos poros. Já o Baço influencia os músculos, causando fraqueza muscular quando se encontra deficiente. O Fígado por sua vez influência os tendões e cartilagens, que são nutridos e lubrificados pelo seu sangue. O Coração governa o sangue e influência o estado dos vasos sanguíneos e os Rins influenciam os ossos e a medula óssea como também, é o responsável pela Essência do Rim que nutre os ossos e a medula óssea. Portanto, algumas disfunções nesses cinco tecidos prontamente mostrarão os estados patológicos de seus órgãos relacionados (MACIOCIA, 2005).

As causas das doenças eram diferenciadas de acordo com três amplas categorias: externas (decorrentes do clima), internas (decorrentes das emoções) e variadas (outras causas). Atualmente, essa classificação não é mais pertinente devido algumas doenças estarem presentes nas variadas, portanto, a ordem aproximada da importância e frequência das causas das doenças ficou reformulada da seguinte forma: Hereditariedade, emoções, excesso de trabalho, dieta, clima, trauma, drogas incluindo imunizações, drogas “recreativas”, atividade sexual excessiva (MACIOCIA, 2005).

7. CAUSAS DAS LESÕES OSTEOMUSCULARES PELA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Nas patologias do sistema musculoesquelético há quase sempre uma ligação entre as patologias dos Canais Musculares e dos Canais de Conexão (MACIOCIA, 2007).

Os Canais Musculares integram os músculos e tendões dentro do sistema de canais, e são os mais superficiais que os canais principais e correm ao lado dos músculos, já os Canais de Conexão são como uma rede de pequenos canais que ocupam o espaço entre os Canais Principais e a pele, ele também, possuem uma camada energética mais profunda que fica abaixo dos Canais Principais e estão relacionados ao sangue (MACIOCIA, 2007).

Por esses Canais percorre energia nutritiva que é provida das energias próprias dos órgãos (Fígado, Coração, Baço, Pulmão, Rim) e, é por esse motivo que temos o equilíbrio orgânico que chamamos de saúde (MACIOCIA, 2007).

Além desta energia nutritiva, existe também, outra defesa que recebe o nome de Wei Qi, que percorre os canais que chamamos de tendino-musculares, como também, recobrem por debaixo da epiderme e sobre os músculos, impedindo a penetração das energias perversas procedentes do exterior. Por tanto, quando falta essa malha protetora (Wei Qi), penetra no organismo qualquer elemento desequilibrante procedente do exterior (vento, calor, secura, umidade ou frio), que provoca alterações na energia dos órgãos (MACIOCIA, 2007).

As patologias que acometem os canais Musculares e de conexões, estão essencialmente relacionadas apenas com a invasão de fatores patogênicos externos (Vento, Frio e Umidade) ou com traumas (MACIOCIA, 2005).

As patologias desses dois Canais são diferentes, pois, os Canais Musculares estão sempre envolvidos nas patologias da síndrome da obstrução dolorosa e de outras síndromes musculoesqueléticas, que ao sofrerem invasão de fatores patogênicos externos, sofrem estagnação do Qi que afeta os músculos, onde também, poderá causar: dor muscular, sensação de peso nos músculos, entorpecimento, espasmo e rigidez. Já os Canais de Conexões estão sempre envolvidos em fatores patogênicos como o Vento, Frio e a Úmidade, que resulta em estagnação do Qi e do Sangue nos canais e nas articulações (MACIOCIA, 2007).

O principal sintoma de envolvimento dos Canais de conexão superficiais na síndrome da obstrução dolorosa e, em outras síndromes musculoesqueléticas é a dor articular, já para os canais de conexão profundo (sangue), tem envolvimento nas patologias da síndrome da obstrução dolorosa crônica quando há fleumas nas articulações (manifestando deformidades ósseas) e estase de Sangue que provoca rigidez e dor intensa.

As Síndromes da obstrução dolorosa (Bi), trauma e lesão por esforço repetitivo, são patologias dos canais e não dos Órgãos Internos, onde apresentam sintomas de: dor, sensibilidade ou entorpecimentos dos músculos, rigidez de tendões ou articulações em decorrência da invasão do Vento, Frio ou Umidade exterior (MACIOCIA, 2007).

Essa síndrome “Bi” é assim chamada devido à idéia de “obstrução”, pois à invasão dos fatores climáticos exteriores, impedem que o Qi e o Sangue circulem corretamente nos Canais, deixando uma deficiência preexistente e temporária do Qi e do sangue, onde permitirão a penetração do Vento, Frio e Umidade nos Canais Musculares e de Conexão (MACIOCIA, 2007).

Segundo Maciocia (2007, p.537):

Há, portanto, três tipos principais de síndrome da obstrução dolorosa, de acordo com fator causativo:

Síndrome da obstrução dolorosa decorrente de Vento (ou síndrome da obstrução dolorosa migratória): é causada pelo Vento e caracterizada por sensibilidade e dor nos músculos e nas articulações, limitação de movimento, com dor movendo-se de articulação para articulação.

Síndrome da obstrução dolorosa decorrente de Umidade (ou síndrome da obstrução dolorosa fixa): é causada pela Umidade e caracterizada por dor, sensibilidade e inchaço nos músculos e nas articulações, com sensação de peso e entorpecimento dos membros, a dor sendo fixa em um lugar e agravada por tempo úmido.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Síndrome da obstrução dolorosa decorrente de Frio (ou síndrome da obstrução dolorosa dolente): é causada pelo Frio e caraterizada por dor intensa em uma articulação ou um músculo com limitação de movimento, normalmente unilateral.

Conceito antigo das causas da Síndrome da obstrução dolorosa “Síndrome Bi” pela Medicina Tradicional Chinesa:

Segundo Wang (1984, cap.43) apud Maciocia (2007, p. 537):

Classificação da síndrome da obstrução dolorosa de acordo com o tecido e o órgão afetado diz: “Os cincos órgãos Yin estão relacionados com os cinco tecidos em que uma doença crônica pode se alojar. Na síndrome da obstrução dolorosa do Osso, o fator patogênico alcança o Rim; na síndrome da obstrução dolorosa do tendão, ele alcança o Fígado; na síndrome de obstrução dolorosa do Vaso Sanguíneo, ele alcança o coração; na síndrome da obstrução dolorosa do Músculo, alcança o Baço; e na síndrome da obstrução dolorosa da Pele, alcança o Pulmão.” Diz depois: “A síndrome da obstrução dolorosa nos ossos é grave; nos vasos sanguíneos, conduz à estase do Sangue; nos tendões, causa rigidez; nos músculos, conduz à fraqueza; e na pele provoca Frio.” No mesmo capítulo, relata: “Quando a síndrome da obstrução dolorosa afeta os órgãos, ela causa a morte; quando está localizada nos ossos ou nos tendões, torna-se crônica; quando está situada nos músculos ou na pele é facilmente eliminada.”

Por tanto, a síndrome da obstrução dolorosa, provoca sensação de fraqueza nos músculos e, em especial nas patologias crônicas, é pouco provável que o acometimento seja de apenas de uma classe de canais, pois, com frequência os canais Musculares, os de conexões e Principais, estão todos envolvidos, mas, em particular os dois primeiros citados “Musculares e de conexões” (MACIOCIA, 2007).

7.1 Fatores de causa das lesões Osteomusculares segunda a Medicina

Tradicional Chinesa:

  • Emoções: são estímulos que influenciam nossa vida afetiva sobre circunstâncias normais e, não são causas de doenças, mas, quando em excesso, prolongadas, reprimidas e não reconhecidas, nesse caso, se transformam em doenças e trazem transtorno ao estado de espírito. Um trauma emocional profundo em período da adolescência (puberdade até os 20 anos) pode contribuir como causa ao somatizar com problema de saúde do trabalho futuramente na fase dos 21 anos em diante, quando o individuo for executar suas atividades laborativas de forma exacerbada (MACIOCIA, 2005). Nesse contexto, a principal causa das doenças do trabalho na fase adulta em diante, são as emoções, pois, o excesso de trabalho (não o trabalho físico, mas o hábito de trabalhar longas horas todos os dias sem repouso adequado, normalmente acompanhado por alimentação irregular durante muitos anos) levará o trabalhador a possíveis déficits energéticos entre os órgãos, que somatizará com os desequilíbrios energéticos anteriores causados pelas emoções. Por essa razão, as emoções em excesso perturbam a Mente, corpo e o Espírito, alteram o equilíbrio dos órgãos internos e a harmonia do Qi e do sangue, que por sua vez, causa desequilíbrio energético ao Zang e Fu, resultando em doenças que agridem os órgãos internos diretamente, devido ao estresse emocional.

Qualquer emoção em excesso acomete diretamente o órgão especifico a que corresponde, porém, pode indiretamente acometer outros órgãos e causar patologias indiretamente (MACIOCIA, 2005).

TABELA 1 – Grupos Categóricos de Síndromes e patologias decorrentes das emoções segunda a Medicina Chinesa

EMOÇÕES

SINDROMES

PATOLOGIAS

Raiva

Deficiência do Qi e do Sangue do Fígado

Enfraquecimento dos músculos e tendões

Preocupação

Deficiência do Sangue do Fígado

Enfraquecimento dos músculos e tendões

Deficiência do Baço

Músculos flácidos

Tristeza

Deficiência do Qi e do Sangue do Fígado

Enfraquecimento dos músculos e tendões

Deficiência dos Rins

Rigidez articular.

Medo

Deficiência do Sangue do Fígado

Enfraquecimento dos músculos e tendões.

Deficiência do Yin do Rim e da Essência

Rigidez articular.

  • Raiva: o efeito da raiva sobre o fígado depende da reação da pessoa ao estímulo emocional e, por outro lado, de outros fatores concomitantes, pois, se a raiva é contida, causa estagnação do Qi do Fígado, porém, se for expressa, causa ascensão do Yang do Fígado ou explosão do Fogo do Fígado, mas em mulheres, a estagnação do Qi do Fígado leva facilmente a estase do sangue do Fígado (MACIOCIA, 2005). Em texto, relata que, se há uma estase do Qi do Fígado e uma deficiência do Sangue do Fígado, ocorrerão falta na nutrição dos músculos, tendões, como também, rigidez articular.

  • Preocupação: As mudanças sociais e profissionais levam o individuo a preocupação e, com isso uma desarmonia nos Órgãos internos, caso tenha um desequilíbrio preexistente ou não (MACIOCIA, 2005). Em texto, menciona que a preocupação prende o Qi e, provoca a estagnação do Qi que afeta os Pulmões e o Baço. O baço é responsável pelos pensamentos e pelas idéias, portanto, a preocupação é contraparte patológica da atividade mental do Baço em gerar idéias, como também, a sua deficiência lesa as musculaturas tornando-as flácidas e fracas. Em alguns casos, o Fígado também é afetado pela preocupação que resulta em estagnação do Qi do Pulmão e, segundo o os Cinco Elementos, é o Metal agredindo a Madeira e, com isso as lesões sobre o pescoço e ombros que ficam tensos e se tornam rígidos e dolorosos (MACIOCIA, 2005).

  • Tristeza: causa esgotamento do Qi e como consequência a deficiência do Sangue do Fígado caso venha esse emoção acontecer varias vezes. Embora a tristeza provoque a deficiência do Qi, o Fígado é afetado quando agride a Alma Etérea, provocando confusão mental, como também, deixa o Yin do Fígado debilitado, causando contrações nos tendões (MACIOCIA, 2005). Em texto, relata que a tristeza gera a mágoa que ao ser sentido por longos anos, perturbam o metabolismo dos fluidos dentro dos Rins, que em sua deficiência acometerá os ossos.

  • Medo: vem acometer o sangue do Fígado quando afeta a Vesícula Biliar, devido o individuo se tornar uma pessoa medrosa. Dessa forma, comprometendo o Sangue do Fígado, causará lesões aos músculos e tendões (MACIOCIA, 2005). Em texto, menciona também, que o medo esgota o Qi do Rim e a Essência, que poderá acometer a nutrição dos ossos.

  • Excesso de Trabalho: não pelo esforço físico repetitivo, mas, pelas tensões e horas de trabalho sem descanso que irá desgastar as funções energéticas dos órgãos, assim também, menciona que o excesso de trabalho nos trabalhadores é provavelmente a causa comum de deficiência de Yin do Rim, do Sangue do Fígado e dependendo das circunstâncias do Yin do Estomago, contribuindo assim, para um desequilíbrio energético, e como consequências, debilitando as defesas energéticas contra agentes patológicos externos, proporcionando, possíveis surgimentos das lesões laborativas (MACIOCIA, 2005). O excesso de trabalho é provavelmente a causa mais importante da doença na meia-idade, devido às pessoas normalmente atingirem o ponto máximo da vida profissional, que impõe as maiores demandas e infelizmente, esse momento chega em uma época da vida quando nossa energia (Qi) está naturalmente diminuindo e, o Qi do Rim começa também a declinar. Em texto, relata ainda que, a maioria das pessoas faz exigências intensas de seus corpos e, esperam que a energia seja a mesma de quando tinha idade mais jovem, sem ter a ideia da necessidade de repousar, causando pelo excesso de trabalho uma deficiência no Rim (MACIOCIA, 2005).

  • Vento (síndrome da obstrução dolorosa do tipo vento ou síndrome da obstrução dolorosa do tipo móvel): é o mais pernicioso de todos os fatores patogênicos e quase sempre se combina com outros fatores, e no caso dos músculos causará rigidez e dor migratória em vários grupos de músculos (MACIOCIA, 2007).

  • Frio (síndrome da obstrução dolorosa do tipo frio ou síndrome da obstrução dolorosa do tipo contínua e localizada): pode invadir os meridianos diretamente e causar síndrome de obstrução dolorosa nos músculos e articulações, causando, dor em uma ou mais articulações, rigidez e contrações nos tendões, principalmente em algumas partes do corpo como: mãos, braços, pés, joelhos e ombros, pois, o frio contrai os tecidos e obstrui a circulação do Yang Qi e do Sangue (Xue) causando dor (MACIOCIA, 1996).

  • Umidade (síndrome da obstrução dolorosa do tipo umidade ou síndrome da obstrução dolorosa do tipo fixa): instala-se nos músculos causando dor, inchaço, entorpecimentos e sensação de peso nos músculos (MACIOCIA, 2007).

  • Calor (síndrome da obstrução dolorosa tipo calor): é proveniente de qualquer uma das síndromes (vento, frio e umidade), pois, quando o fator patogênico externo se transforma em calor no interior, dando origem a síndrome do tipo calor, especialmente pela Deficiência do Yin, que é caracterizada por dor e calor, vermelhidão e inchaço das juntas, limitações do movimento e dor severa (MACIOCIA,1996).

  • Óssea (síndrome da obstrução dolorosa do tipo óssea): ocorre apenas em casos crônicos e se desenvolve a partir das síndromes (vento, frio, umidade e calor), pois a obstrução persistente das juntas pelos fatores patogênicos gera retenção de fluidos corpóreos, que vai se transformando em mucosidade e obstrui as juntas e os meridianos. Isto irá gerará: atrofia muscular, inchaço e deformidade dos ossos das articulações, devido a forma extrema de mucosidade que se transformou em síndrome do interior, onde irá afetar os músculos, juntas e meridianos, como também, órgão internos (MACIOCIA,1996). Em texto relata ainda, que em quadros prolongados dessas síndromes, causará o desenvolvimento da obstrução na circulação do Qi, Sangue e Fluidos corpóreos causados pela mucosidade, e como consequência a estase de Sangue que causará rigidez articular e nos tendões dor devido o sangue estagnado não nutrir e umedecer os tendões. Portanto dois órgãos importantes então envolvidos nessa síndrome óssea são eles: Fígado (responsável pela nutrição dos tendões pelo seu sangue que na sua deficiência gerará dor e rigidez nas juntas) e o Rim (responsável em nutrir os ossos e que em sua deficiência causará deformidades e mucosidade nas juntas).

  • Deficiência do Qi: é proveniente do excesso de trabalho e da dieta irregular que enfraquecem o Qi do Estômago e Baço e o Qi Original, que reside no campo Inferior do Elixir, aqui compartilha um lugar com Fogo Ministro (fisiológico), pois se o Fogo Ministro é atiçado pelo excesso de trabalho e por problemas emocionais, torna-se patológico, deslocando o Qi Original no Campo Inferior do Elixir para baixo ou em sentido de ascenção (MACIOCIA, 2005).

  • Deficiência de Sangue (Xue) do Fígado: O Sangue do Fígado é responsável em nutre os tendões e na deficiência causará rigidez nas articulações (MACIOCIA, 2007). A causa do dolorimento muscular pode ser decorrente da deficiência do sangue do Fígado, nesse caso é bem brando (o cansaço) e vem acompanhado de formigamento (dormência). Em texto, explica que entorpecimento e formigamento podem ser causados pela estagnação do Qi e do sangue nos membros, nesse caso é aliviado pelos exercícios suaves, e quando o assunto é dor articular, o mesmo relata que a deficiência geral de Qi e de Sangue pode causar dor articular branda (dor cansada) e melhora com o repouso (MACIOCIA, 2005).

  • Deficiência do Rim: é outro fator causador, pois, o Rim é fonte de nutrição dos ossos e, quando ele está deficiente, os ossos ficam privados de nutrição e isso permite que a fleuma se desenvolva nas articulações na forma de tumefações (MACIOCIA, 2007).

7.2 Interações das causas das lesões do trabalho com fatores anteriores.

É raro haver apenas uma causa de doença, pois, quase sempre uma doença resulta da combinação de, pelo menos, duas causas, pois, uma causa ocorre em certo ponto da vida do individuo e, outra em tempos depois, iniciando um processo de desarmonia energética por causa da somatização dessas causas (MACIOCIA, 2005).

  • Interação de trauma com clima: um traumatismo musculoesquelético sofrido em um período anterior pode passar pelo processo da cura sem nenhuma intervenção, porém, mas tarde o individuo pode sofrer uma invasão de Frio ou Umidade no mesmo seguimento afetado pelo trauma, proveniente do ambiente de trabalho, e pode desenvolver a Síndrome de Obstrução Dolorosa e ser declarado como doença do trabalho (MACIOCIA, 2005).

  • Interação de constituição hereditária fraca com dieta: um individuo de constituição fraca do Estômago e do Baço, vai melhorando amiúde após os 7 anos de idade em diante, porém, se na fase adulta o individuo passar e ter uma dieta pobre em nutrientes, principalmente quando tornasse vegetariano, causará uma interação dos hábitos da dieta com a constituição fraca preexistente do Estomago e Baço, causando uma deficiência do Qi do Baço e, possivelmente, também uma deficiência do sangue (MACIOCIA, 2005). Em texto, ainda explica que a constituição fraca do Baço causa músculos flácidos e que a maior causa da constituição fraca do Baço é normalmente proveniente da dieta inadequada ou excesso de trabalho da mãe durante a gravidez. Portanto, a deficiência do sangue irá causar uma desnutrição dos tendões, músculos e articulações (MACIOCIA, 2005).

7.3 Sintomas causados pelas síndromes da obstrução dolorosa citadas pela Medicina Tradicional Chinesa

  • Na Deficiência do Qi e do Sangue (Xue): causará dor pela subnutrição dos canais. Nesse caso, a dor será branda mais como um incômodo e claramente aliviada pelo repouso (MACIOCIA, 2005).

  • Frio: A dor localizada é normalmente decorrente de Fleuma, estase de sangue ou obstrução por Frio e Umidade ou ambos. Quando a dor é branda indica Deficiência, em quanto a dor aguda intensa é decorrente de plenitude. A dor por plenitude é decorrente da obstrução dos canais por um fator patogênico. Todos esses fatores patogênicos obstruem a circulação de Qi ou de Sangue, ou de ambos, e, portanto, causam dor (MACIOCIA, 2005).

  • Dolorimento: é uma dor surda que normalmente ocorre nos membros ou no tronco, e é normalmente decorrente de uma condição de deficiência ou de umidade (MACIOCIA, 2005).

  • Sensação de peso: é também uma dor surda, acompanhada por uma sensação de peso, normalmente ocorre nos membros, cabeça ou no corpo todo. É típica de Umidade ou Fleuma (MACIOCIA, 2005).

  • Sensação de frio: normalmente é uma dor aguda com sensação de frio em forma de pontada que pode ocorrer em abdome e membros e, indica frio por Plenitude ou por Vazio, ou até mesmo por deficiência do Yang (MACIOCIA, 2005).

  • Distensão (edemas): é típica da estagnação de Qi, especialmente do Fígado. Entretanto outros órgãos também podem sofre estagnação de Qi também, notavelmente Estômago, Baço e Pulmões (MACIOCIA, 2005).

  • Queimação: é uma dor acompanhada de uma sensação de queimação, sempre indica Calor, ou Calor por vazio, e pode correr no epigástrio ou nos membros (MACIOCIA, 2005).

  • Dor durante o dia: é normalmente decorrente de uma disfunção do Qi ou do Sangue (MACIOCIA, 2005).

  • Dor durante a noite: é decorrente de uma deficiência do Yin ou da estase de sangue (MACIOCIA, 2005).

  • Dor intermitente: é decorrente de uma deficiência do Qi ou de estagnação do Qi (MACIOCIA, 2005).

  • Dor contínua: é decorrente de estase de sangue (MACIOCIA, 2005).

8. CONCLUSÃO

Em virtude das etiopatogenias dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), a pesquisa evidenciou que as medicinas chinesa e ocidental, têm alguns pontos em comum em relação às etiologias das lesões, porém, com potencialidades e ordem diferente.

Aos agentes responsáveis pelas causas das lesões em ambientes do trabalho, a medicina chinesa menciona que as emoções apresentam-se em destaque quando a mesma é somatizada com fatores existes no ambiente do trabalho para possíveis doenças laborativas e, não por sua ação imediata e única por causa das atividades do trabalho. Além das emoções causarem um desequilíbrio energético entre os Zang e Fu, causam também, um déficit nas defesas (Wei Qi) que percorrem os Canais Musculares como proteção contra os agentes externos: o Vento, Frio e a Úmidade, que são causas de doenças musculoesqueléticas (síndromes Bi). Existem outros fatores que contribuem para causas das lesões em ambientes de trabalho como: as horas continua de trabalho e má alimentação, que podem contribuir para essa falta de equilíbrio energético que são causadoras das doenças laborativas.

Por outra ótica, a medicina ocidental, alega que o maior fator de causa, são os grandes esforços repetitivos dos músculos por longo tempo ao realizar as atividades laborativas com pouco tempo de descanso, como também, as biomecânicas incorretas dos trabalhadores ao executar as atividades do trabalho, além do ambiente de trabalho não ser adaptado ergonomicamente aos trabalhadores, como também, as vibrações de algumas tarefas laborativas e as forças extremas ao realizar essas atividades em ambiente de trabalho.

No entanto, é de grande valia o conhecimento de ambas as medicinas, mesmo com tantas divergências, e óticas cientificas diferente, mas, que proporcionam conhecimentos específicos válidos de suas etiopatogenias em relação aos Distúrbios Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho.

9. REFERÊNCIAS

ANAMT. Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho - DORT. Informativo, n. 5, 1998.

APPELL, H. J. Muscular atrophy following immobilization. A review. Sports Med 10 (1): 42-58, 1990.

APPELL, H. J. Skeletal muscle atrophy during immobilization. Int J Sports Med 7 (1): 1-5, 1986.

BROOKS, S. V.; FAULKNER, J. A.; OPITECK, J. A. Injury to skeletal muscle fibers during contractions: conditions of occurrenceand prevention. Phys Ther. 73 (12): 92-101, 1993.

BORSOI, I. C. F., et al. Trabalhadores Amedrontados, Envergonhados e (In)Válidos: Violência e Humilhação nas Políticas de Reabilitação Por Ler/Dort. Revista de Psicologia Política, v 6, Cap 12, 2006.

COSTA, S.; KATTAN, R.; LOPES, A. S.; LOPES, R. S.; MOURA, C. E. Diagnóstico e tratamento das lesões musculares parciais e totais. Rev Bras Ortop. 30 (10): 744-752, 1953.

CODO, W.; ALMEIDA, M. C. C. G. Lesões por esforço repetitivos (LER) diagnostico, tratamento e prevenção. 4 ed., Vozes Petrópolis, Rio de Janeiro, 1998.

CROS, N.; MULLER, J.; BOUJU, S.; PIETU, G.; JACQUET, C.; LEGER, J. J.; MARINI, J. F.; DECHESNE, C. A. Upregulation of M-creatine kinase and glyceraldehyde3-phosphate dehydrogenase: two markers of muscle disuse. Am J Physiol 276 (2 Pt 2):R308-316, 1999.

ENGEL, A. G.; FRANZINI, A. C. Miology Basic and Clinical. 2º ed. Palatino: Mcgraw-Hill, 1994.

HADDAD, F.; ROY, R. R.; ZHONG, H.; EDGERTON, V. R.; BALDWIN, K. M. Atrophy responses to muscle inactivity. II. Molecular markers of protein deficits. J Appl Physiol 95 (2): 791-802, 2003.

HARGENS, A.; SCHMIDT, D.; EVANS, K. et al. Quantitation of skeletal-musclenecrosis in a model compartment syndrome. J Bone Joint Surg 63A:631636, 1981.

Presidência da República. Decreto nº6.042 de 12 de fevereiro de 2007: Fator Acidentário de Prevenção – FAP e do nexo técnico epidemiológico, e dá outras providencias. Virtual Boolks, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6042.htm

Previdência Social. Doenças do Trabalho. Virtual Books 2015, Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/?s=doen%C3%A7as+do+trabalho

JENSEN, BR.; SJOGAARD, G.; BORNMYR, S. et al. Instramuscular laser-doppler flowmetry in the supraspinatus muscle during isometric contractions. Eur J Appl Physiol 72:373-378, 1995b.

LARSSON, L.; LI, X.; BERG, H. E.; FRONTERA, W. R.. Effects of removal of weight-bearing function on contractility and myosin isoform composition in single human skeletal muscle cells. Pflugers Arch 432 (2): 320-328, 1996.

MACIOCIA, G.. A prática da Medicina Chinesa: tratamento de doenças com acupuntura e ervas chinesa. São Paulo, Ed. Roca, 1996.

MACIOCIA, G.. Canais de acupuntura: Uso clínicos dos canais secundários e dos oitos vasos extraordinários. São Paulo, Ed. Roca, 2007.

MACIOCIA, G.. Diagnóstico na Medicina Chinesa – Um guia geral. São Paulo, Ed. Roca, 2005.

MACIOCIA, G.. Fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa. São Paulo, Ed. Roca, 1996.

RANNEY, D.. Distúrbios Osteomusculares Crônicos Relacionados ao Trabalho. Traduzido do Original Chronic Musculoskeletal Injuries in the workplace copyright. 1997, ed. Roca, São Paulo, 2000.

ROSS, J.. ZANG FU Sistemas de órgãos e vísceras da Medicina Tradicional Chinesa. Ed. Roca, 1994.

SJOGAARD, G. Exercise-induced muscle fatigue: The significance of potassium. Acta Physiol Scand 140 (suppl 593): 1-64, 1990.

WILLIAM, C. W.; RONALD, F. Z. Biomecânica da lesão musculoesquelética. Ed.Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro – RJ, 2001.

WISNER, A. Por dentro do Trabalho. Ergonomia: Método e Técnica. Ed. Oboré Ltda, São Paulo, 1987.


Publicado por: JOSÉ CASSIANO FERREIRA NETO

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola