Topo
pesquisar

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Educação

Benefícios e importância do lúdico e como ele promove na educação infantil uma prática educacional de conhecimento de mundo, oralidade, regras e socialização.

índice

1. RESUMO

O presente trabalho tem como intuito o estudo da Importância do Lúdico na Educação Infantil para aprendizagem dos alunos. Para isso foi realizada uma investigação sobre a importância do tem em questão como cita Knebel (2014, p.278) a atividade lúdica é a ação expressada por meio de brincadeiras e jogos. O ato de brincar pode ser conduzido independentemente de tempo, espaço, ou de objetos isto proporciona que a criança crie, recrie, invente e use sua imaginação, tornando o espaço escolar atrativo. Assim a partir da problemática levantada foi delimitado o objetivo geral que teve como princípio refletir sobre a importância dos jogos e das brincadeiras, numa perspectiva lúdica, no processo de ensino aprendizagem do aluno da educação infantil. Para, tanto os objetivos específicos foram delimitados em realizar um estudo bibliográfico sobre a importância dos jogos e brincadeiras numa perspectiva lúdica, para a educação infantil; identificar os benefícios das atividades lúdicas na educação infantil e observar qual o papel do professor em relação aos jogos e brincadeiras na educação infantil. Para a realização do trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica a fim de colher informações de autores que já abordaram o tema e uma pesquisa de campo com o intuito de observar os jogos e brincadeiras na educação infantil bem como a mediação do professor através do lúdico que ensinam sem “cobranças”, o que torna a aprendizagem mais prazerosa.

Palavras chaves: Lúdico, Jogos, e Brincadeiras, Educação Infantil

ABSTRACT
The present work aims to study the Importance of Play in Early Childhood Education for students' learning. For that, an investigation was carried out on the importance of the subject in question as Knebel citation (2014, p.278). The play activity is the action expressed through play and games. The act of playing can be conducted independently of time, space, or objects. This allows the child to create, recreate, invent and use his imagination, making the school space attractive. Thus, based on the problematic raised, the overall objective was to reflect on the importance of games and games, in a playful perspective, in the process of teaching learning of the child's education student. For both the specific objectives were delimited in carrying out a bibliographical study on the importance of games and games in a playful perspective, for children's education; To identify the benefits of play activities in early childhood education and to observe the role of the teacher in relation to games and games in early childhood education. For the accomplishment of the work a bibliographical research was carried out in order to gather information from authors who have already approached the subject and a field research with the intention of observing the games and games in the children's education as well as the teacher's mediation through the ludic that they teach Without "charge," which makes learning more enjoyable. 

Key words: Play, Games, Jokes, Early Childhood Education

2. INTRODUÇÃO

O presente trabalho de cunho monográfico tem como objeto de Estudo da Importância do Lúdico através dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil para aprendizagem dos alunos.

Segundo Fantacholi ([s/d], p.3), na educação de modo geral, e principalmente na Educação Infantil os jogos e brincadeiras são um potente veículo de aprendizagem experiencial, visto que permite, através do lúdico, vivenciar a aprendizagem como processo social. 

Para isto foi realizado uma pesquisa bibliográfica do tema através de livros, revistas, internet entre outros. Assim foi realizado um levantamento teórico objetivando a compreensão do conceito lúdico dos jogos e brincadeiras procurando diagnosticar como os mesmos podem auxiliar na aprendizagem das crianças da educação infantil.

Nesta perspectiva a problemática trabalhada foi o lúdico na educação infantil e a importância dos jogos e brincadeiras para a aprendizagem do aluno.

O lúdico promove na educação infantil uma pratica educacional conhecimento de mundo, oralidade, pensamento e sentido.

Segundo Ribeiro (2013, p.1), o lúdico é parte integrante do mundo infantil da vida de todo ser humano. O olhar sobre o lúdico não deve ser visto apenas como diversão, mas sim, de grande importância no processo de ensino-aprendizagem na fase da infância.

Fantacholi ([s/d], p. 5), explica que por meio da ludicidade a criança começa a expressar-se com maior facilidade, ouvir, respeitar e discordar de opiniões, exercendo sua liderança, e sendo liderados e compartilhando sua alegria de brincar.

O lúdico é um recurso metodológico de suma importância para auxiliar a aprendizagem das crianças da educação infantil.

Os jogos ensinam os conteúdos através de regras, pois possibilita a exploração do ambiente a sua volta, os jogos proporcionam aprendizagem maneira prazerosa e significativa assim agrega conhecimentos.

Segundo Carvalho (1992, p.14), os jogos na vida da criança são de fundamental importância, pois quando brinca, explora e manuseia tudo aquilo que está a sua volta, através de esforços físicos se mentais e sem se sentir coagida pelo adulto, começa a ter sentimentos de liberdade.

O jogo é um instrumento pedagógico muito significativo. No contexto cultural e biológico é uma atividade livre, alegre que engloba uma significação. É de grande valor social, oferecendo inúmeras possibilidades educacionais, pois favorece o desenvolvimento corporal, estimula a vida psíquica e a inteligência, contribui para a adaptação ao grupo, preparando a criança para viver em sociedade, participando e questionando os pressupostos das relações sociais tais como estão postos. (KISHIMOTO, 1996 p. 26).

Assim como os jogos as brincadeiras são de suma importância para o desenvolvimento da criança na educação infantil, pois através da mesma a criança aprende a respeitar regras e favorece a autonomia da criança.

Segundo Fantacholi ([s/d p.6) o brincar se torna importante no desenvolvimento da criança de maneira que as brincadeiras e jogos que vão surgindo gradativamente na vida da criança desde os mais funcionais até os de regras

Os jogos e as brincadeiras são fontes inesgotáveis de interação lúdica e afetiva. Para uma aprendizagem eficaz é preciso que o aluno construa o conhecimento, assimile os conteúdos. E o jogo é um excelente recurso para facilitar a aprendizagem (FANTACHOLI [s/d p.6).

De acordo com Silva (2012, p.10), as brincadeiras e os jogos são imprescindíveis no desenvolvimento da criança, tornando-se atividades adequadas no processo de ensino e na aprendizagem significativa dos conteúdos curriculares. Pois, possibilita o exercício da concentração, da atenção e da produção do conhecimento.

Segundo Violada (2011, p. 1), as brincadeiras e os jogos são sem dúvida a forma mais natural de despertar na criança a atenção para uma atividade. Os jogos devem ser apresentados gradativamente: por meio de o simples brincar, aprimorar a observação, comparação, imaginação e reflexão.

Tanto os jogos como as brincadeiras ensinam regras, despertam a atenção desenvolvem as características pessoais, sociais e culturais da criança e também colaboram para a saúde mental facilitando a socialização, comunicação e expressão das crianças.

Porém para que os jogos e brincadeiras tenham sucesso na sua aplicação é necessária a mediação do professor que precisa planejar suas atividades com objetivos pré-estabelecidos a serem alcançados.

Ao utilizar jogos e brincadeiras o professor introduz o lúdico no ensino aprendizagem para o aluno da educação infantil, isto contribui para conhecimento da criança.

A partir da problemática levantada o objetivo geral foi refletir sobre a importância dos jogos e das brincadeiras, numa perspectiva lúdica, no processo de ensino aprendizagem do aluno da educação infantil. Para, tanto os objetivos específicos foram: Realizar um estudo bibliográfico sobre a importância dos jogos e brincadeiras numa perspectiva lúdica, para a educação infantil; Identificar os benefícios das atividades lúdicas na educação infantil;

A escolha do tema se deu pelo fato de estar em contato direto com a educação infantil e por perceber como o lúdico através dos jogos e brincadeiras podem auxiliar na aprendizagem dos alunos que interagem entre si através das brincadeiras mediadas pelo professor.

Para a realização desse trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica a fim de colher informações de autores que já abordaram o tema. Assim foi realizado um levantamento teórico objetivando a compreensão do conceito lúdico dos jogos e brincadeiras procurando diagnosticar como os mesmos podem auxiliar na aprendizagem das crianças da educação infantil.

A divulgação do trabalho tem por objetivo proporcionar a visualização da importância dos jogos e brincadeiras trabalhados de forma lúdica na educação infantil através da mediação do professor. O tema escolhido é pertinente, porque através dele pode-se desmistificar o trabalho do lúdico dos jogos e brincadeira na aprendizagem das crianças da educação infantil.

Assim se o lúdico através dos jogos e as brincadeiras forem mediados pelo professor, são ferramentas que proporcionam a aprendizagem para os alunos da educação infantil.

3. O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Neste marco teórico foram abordados os temas necessários para o desenvolvimento do trabalho, para isto foi realizado uma pesquisa bibliográfica sobre a importância do lúdico na educação infantil bem como: o lúdico e a aprendizagem; o espaço para o lúdico; o que os teóricos recomendam para o lúdico; os jogos e brincadeiras na educação infantil; a importância do brincar; o jogo e suas características a brincadeira é coisa séria.

Este marco teórico apresenta uma breve discussão teórica e foram ligados a delimitação do tema, dos objetivos, hipóteses, problemas e justificativas do trabalho em questão. Serve também de base para a análise e interpretação dos dados coletados na fase de elaboração do relatório final.

O lúdico na educação infantil é de fundamental importância, porque proporciona uma aprendizagem interativa e prazerosa, pois através do mesmo a criança aprende brincando.

O lúdico tem sua origem na palavra latina "ludus" que quer dizer "jogo”. Se achasse confinado a sua origem, o termo lúdico estaria se referindo apenas ao jogar, ao brincar, ao movimento espontâneo. O lúdico passou a ser reconhecido como traço essencial de psicofisiologia do comportamento humano. De modo que a definição deixou de ser o simples sinônimo de jogo. As implicações da necessidade lúdica extrapolaram as demarcações do brincar espontâneo (FERREIRA; SILVA RESCHKE [s/d], p.3).

Soares (2010, p. 18) esclarece que as atividades lúdicas estão presentes em todas as classes sociais, crianças de várias idades brincam, se divertem através da ludicidade.

O lúdico promove a aprendizagem e favorece o desenvolvimento físico intelectual e social da criança, ou seja, possibilita um desenvolvimento real, completo e prazeroso.

A atividade lúdica é muito viva e caracteriza-se sempre pelas transformações, e não pela preservação, de objetos, papéis ou ações do passado das sociedades [...]. Como uma atividade dinâmica, o brincar modifica-se de um contexto para outro, de um grupo para outro. Por isso, a sua riqueza. Essa qualidade de transformação dos contextos das brincadeiras não pode ser ignorada. (FRIEDMANN, 2006, p. 43).

Como cita a autora acima as atividades lúdicas são extremamente dinâmicas, pois o brincar as crianças interagem entre si e com isso aprendem de maneira significativa.

Segundo Santos (2002, p. 12) o lúdico facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social e cultural, colabora para uma boa saúde mental, prepara para um estado interior fértil, facilita os processos de socialização, comunicação, expressão e construção de conhecimento.

Pelo exposto acima se entende que as atividades lúdicas divertem e proporcionam descobertas através de estímulos propostos pelo professor que institui regras e posicionamentos para desenvolver os jogos e brincadeiras de forma criativa e divertida.

As atividades lúdicas são muito mais que momentos divertidos ou simples passatempos e, sim, momentos de descoberta, construção e compreensão de si; estímulos à autonomia, à criatividade, à expressão pessoal. Dessa forma, possibilitam a aquisição e o desenvolvimento de aspectos importantes para a construção da aprendizagem. Possibilitam, ainda, que educadores e educando se descubram, se integrem e encontrem novas formas de viver a educação (PEREIRA, 2005, p. 20).

De acordo Pereira (2005) que as atividades lúdicas desenvolvem vários aspectos no processo de aprendizagem da criança dentre eles podemos elencar a atenção, a memorização e imaginação que são de fundamental importância para o ensino de qualidade.

As contribuições das atividades lúdicas no desenvolvimento integral indicam que elas contribuem poderosamente no desenvolvimento global da criança e que todas as dimensões estão intrinsecamente vinculadas: a inteligência, a afetividade, a motricidade e a sociabilidade são inseparáveis, sendo a afetividade a que constitui a energia necessária para a progressão psíquica, moral, intelectual e motriz da criança (NEGRINE, 1994, p.19).

Segundo Ribeiro (2013, p.1) o lúdico promove uma alfabetização significativa a prática educacional.

Para que o lúdico auxilie na construção do conhecimento é necessário que o professor faça a mediação da atividade planejada por ele e estabeleça os objetivos para que a brincadeira tenha um caráter pedagógico promovendo dessa maneira interação social e o desenvolvimento intelectual.

Segundo Kishimoto (1996 p. 83), ao permitir a manifestação do imaginário infantil por meio de objetos simbólicos dispostos intencionalmente a função pedagógica subsidia o desenvolvimento integral da criança.

Compreende-se que ao trabalhar o imaginário da criança na educação infantil o lúdico desenvolve a criatividade através dos objetos pré-dispostos de maneira intencional.

O lúdico como método pedagógico prioriza a liberdade de expressão e criação. Por meio dessa ferramenta, a criança aprende de uma forma menos rígida, mais tranquila e prazerosa, possibilitando o alcance dos mais diversos níveis do desenvolvimento. Cabe assim, uma estimulação por parte do adulto/professor para a criação de ambiente que favoreça a propagação do desenvolvimento infantil, por intermédio da ludicidade (RIBEIRO 2013, p.1).

Matos (2013, p. 139), explica que a ludicidade é uma ferramenta muito importante para a formação das crianças, pois é através dela que a criança desenvolve seu saber, seu conhecimento e sua compreensão de mundo.

De acordo com Pereira (2005) que as atividades lúdicas desenvolvem vários aspectos no processo de aprendizagem da criança dentre eles podemos elencar a atenção, a memorização e imaginação que são de fundamental importância para o ensino de qualidade.

A atividade lúdica funciona como um elo entre os aspectos motores, cognitivos, afetivos e sociais, na educação infantil por isto a partir do brincar, a criança desenvolve à aprendizagem, através do desenvolvimento social, cultural e pessoal, contribuindo para uma vida saudável tanto física como mental.

As atividades lúdicas auxiliam no processo de aprendizagem do aluno na educação infantil, pois trabalham a atenção, a imaginação, os aspectos motores e sociais, visando o pleno desenvolvimento da criança que aprende de forma significativa tornando o ensino de qualidade.

Almeida (2008, p.34), afirma que as atividades lúdicas como recursos da prática educativa devem estar presentes no cotidiano das salas de aula da Educação Infantil visando não só o desenvolvimento emocional dos alunos, como também a compreensão por parte dos educadores sobre os limites e as possibilidades de trabalhar as questões afetivas no contexto escolar.

Na Educação Infantil, o lúdico é importante para o crescimento das crianças, inclusive intelectualmente, pois as brincadeiras trazem consigo “um brincar compromissado com a qualidade de vida da criança” (MEYER, 2008, p. 22).

3.1 A Importância do Lúdico

De acordo com Neves (apud FERREIRA; SILVA RESCHKE [s/d], p.6) o lúdico é de suma importância, pois apresenta valores específicos para todas as fases da vida humana. Assim, na idade infantil a finalidade é essencialmente pedagógica.

O lúdico é uma metodologia pedagógica que ensina brincando e não tem cobranças, tornando a aprendizagem significativa e de qualidade. Tanto os jogos como as brincadeiras proporcionam na educação infantil desenvolvimento físico mental e intelectual.

Segundo Horn (2004, p.24), o lúdico, ou seja, as brincadeiras jogos e brinquedos, na Educação Infantil são de suma importância para o desenvolvimento das crianças, pois são atividades primárias, as quais trazem benefícios nos aspectos físico, intelectual e social.

A ludicidade, tão importante para a saúde mental do ser humano é um espaço que merece a atenção dos pais e educadores, pois é o espaço para expressão mais genuína do ser, é o espaço e o direito de toda a criança para o exercício da relação afetiva com o mundo, com as pessoas e com os objetos (FERREIRA; SILVA RESCHKE [s/d], p.6).

O lúdico representa para a criança um meio de comunicação e prazer que ela domina ou exerce em razão de sua própria iniciativa (SOUZA 2015, p.1).

Segundo Kishimoto (1996 p.24) por meio de uma aula lúdica, o aluno é estimulado a desenvolver sua criatividade e não a produtividade, sendo sujeito do processo pedagógico.

O lúdico é considerado um meio de comunicação e por isto estimula a criatividade, a expressão e a espontaneidade, pois trabalha a imaginação e auxilia na aprendizagem significativa.

No processo de ensino aprendizagem é fundamental valorizar o lúdico, pois para a criança o mesmo é espontâneo e permiti sonhar, fantasiar e realizar desejos como crianças de verdade. 

Souza (2015, p.2), explica que o lúdico é uma linguagem importante e expressiva que possibilita conhecimento de si, do outro, da cultura e do mundo, sendo um espaço genuíno de aprendizagens significativas.

Através do lúdico o aluno é despertado para o desejo do saber, ou seja, do aprender desenvolvendo sua personalidade, pois cria conceitos e relações lógicas de socialização o que é de suma importância para seu desenvolvimento pessoal e social.

Kishimoto (1996 p.24) esclarece que por meio do lúdico o aluno desperta o desejo do saber, a vontade de participar e a alegria da conquista.

Ferreira; Silva Reschke ([s/d], p.7) explicam que o lúdico possibilita o estudo da relação da criança com o mundo externo, integrando estudos específicos sobre a importância do lúdico na formação da personalidade.

Através da atividade lúdica, a criança forma conceitos, seleciona idéias, estabelece relações lógicas, integra percepções, faz estimativas compatíveis com o crescimento físico e desenvolvimento e, o que é mais importante, vai se socializando (FERREIRA; SILVA RESCHKE [s/d], p.7).

O lúdico contribui no desenvolvimento da criança e auxilia na aprendizagem, no desenvolvimento social, cultural e pessoal, assim proporciona a socialização e a aquisição do conhecimento.

Souza (2015, p.1), esclarece que o lúdico é importante porque contribui de forma significativa para o desenvolvimento do ser humano, auxiliando na aprendizagem, no desenvolvimento social, pessoal e cultural, facilitando no processo de socialização, comunicação, expressão e construção do pensamento.

A proposta da atividade lúdica, através de um planejamento da aula é de suma importância, pois proporciona concentração isto favorece assimilação dos conteúdos com naturalidade.

O lúdico não é o único instrumento para a melhoria do ensino-aprendizagem, mas é uma ponte que auxilia na melhoria dos resultados por parte dos professores interessados em proporcionar mudanças (SOUZA 2015, p.2).

O lúdico é um poderoso instrumento dos professores para a aprendizagem dos alunos, porém para que seja alcançado o objetivo desta metodologia tão importante na educação infantil é necessário uma dosagem entre a utilização do mesmo na obtenção dos objetivos, ou seja a aprendizagem significativa e de qualidade.

Assim Teixeira; Rocha; Silva ([s/d], p.8) afirmam que deve haver uma dosagem entre a utilização do lúdico como forma de obtenção dos objetivos escolares.

3.2 O lúdico e a aprendizagem

Segundo Oliveira (2013, p. 14), explica que aliar as atividades lúdicas ao processo de ensino aprendizagem pode ser de grande valia para o desenvolvimento do aluno.

De acordo com Malaquias; Ribeiro (2013), introdução do lúdico na vida escolar do educando torna-se uma forma eficaz de repassar pelo universo infantil para imprimir-lhe o universo adulto. Promover uma alfabetização significativa a prática educacional.

O lúdico é muito importante para a aprendizagem e desenvolvimento do aluno da educação infantil, pois contribuem para o desenvolvimento pessoal e social da criança de maneira significativa e prazerosa.

Almeida (2014) complementa as atividades lúdicas contribuem para o desenvolvimento e aprendizagem da criança, porque colabora   na sua formação, no seu desenvolvimento    pessoal e    consequentemente   no desenvolvimento de uma autoestima satisfatória.

A educação lúdica contribui e influencia na formação da criança, possibilitando um crescimento sadio, um enriquecimento permanente, integrando-se ao mais alto espírito democrático enquanto investe em uma produção séria do conhecimento. A sua prática exige a participação franca, criativa, livre, crítica, promovendo a interação social e tendo em vista o forte compromisso de transformação e modificação do meio (ALMEIDA, 2008, p. 41).

A ludicidade contribui na aprendizagem e conhecimento da criança, pois possibilita criatividade, interação social e crescimento sadio através do relacionamento entre o grupo desenvolvendo seu potencial cognitivo, motor e social.

Barbosa (2010, p. 7), explica que o lúdico auxilia no desenvolvimento da criança, pois através dele ela consegue aprender com mais facilidade, com os jogos e brincadeiras, além de uma prática de atividade física, promove também, um estímulo intelectual e social.

O lúdico é um instrumento metodológico que possibilita as crianças a terem uma aprendizagem significativa através do relacionamento com os outros, assim promove maior desenvolvimento cognitivo, motor, social e afetivo.

O lúdico é um método muito importante para o desenvolvimento do aluno na educação infantil, porém é necessário proporcionar ao mesmo um ambiente descontraído para estimular o interesse, a criatividade e a interação dos alunos proporcionando assim uma aprendizagem de qualidade.

O lúdico é tão   importante   para o desenvolvimento da criança, que merece atenção por parte de todos os educadores. Cada criança é um ser   único, com anseios, experiências e dificuldades diferentes. Portanto nem sempre um método de ensino atinge a todos com a mesma eficácia. Para    pode    garantir    o   sucesso    do   processo   ensino-aprendizagem o professor devem utilizar-se dos mais variados    mecanismos   de   ensino, entre eles as   atividades   lúdicas.   Tais     atividades    devem     estimular   o   interesse, a     criatividade, a   interação, a capacidade de observar, experimentar, inventar e relacionar conteúdos e conceitos.  O   professor deve-se    limitar apenas a   sugerir, estimular   e   explicar, sem   impor, a   sua   forma de   agir, para    que   a   criança   aprenda descobrindo   e   compreendendo    e    não    por    simples   imitação.    O   espaço   para   a realização das atividades, deve   ser   um ambiente agradável, e   que as crianças possam se sentirem descontraídas e confiantes (ALMEIDA 2014 p. 3).

De acordo com Almeida (2008, p.41), o lúdico na sua essência, além de contribuir e influenciar na formação da criança, possibilitando um crescimento sadio, um enriquecimento permanente, integra-se ao mais alto espírito de uma prática democrática enquanto investe em uma produção séria do conhecimento.

Através das atividades lúdicas o professor possibilita um crescimento permanente do conhecimento auxiliando o aluno a ter confiança e espírito, crítico sobre a atividade.

As atividades lúdicas são instrumentos pedagógicos altamente importantes, mais do que apenas divertimento, são um auxílio indispensável para o processo de ensino aprendizagem, que propicia a obtenção de informações em perspectivas e dimensões que perpassam o desenvolvimento do educando. A ludicidade é uma tática insubstituível para ser empregada como estímulo no aprimoramento do conhecimento e no progresso das diferentes aprendizagens. (MALUF, 2008, p.42).

Através das atividades lúdicas de acordo com Luckesi (2000, p.21) pode-se auxiliar o educando a ir para o centro de si mesmo, para a sua confiança interna e externa; não é, também, difícil, coisa tão especial estimulá-lo à ação, como também ao pensar.

O lúdico como método pedagógico prioriza a liberdade de expressão e criação. Por meio dessa ferramenta, a criança aprende de uma forma menos rígida, mais tranquila e prazerosa, possibilitando o alcance dos mais diversos níveis do desenvolvimento (MALAQUIAS; RIBEIRO 2013, p.2).

Pedagogicamente o lúdico possui liberdade de trabalhar a expressão e a comunicação dos alunos, pois é uma metodologia menos rígida por isto mais prazerosa para se aprender. Através dele a criança desenvolve sua capacidade de explorar, refletir e imaginar os conteúdos e adquirir conhecimento necessário para uma aprendizagem significativa.

As atividades lúdicas na educação infantil faz com que as crianças tenham capacidade desenvolvem o ato de explorar e refletir sobre a cultura e a realidade em que vive podendo incorporar e questionar sobre as regras e sobre seu lugar na sociedade, pois durante tais atividades elas podem superar a realidade, e muda-la por meio da imaginação (VITAL, 2009, p.11).

As atividades lúdicas são: a essência da infância assim proporciona a interação social, a criatividade e a imaginação da criança contribuindo no processo de ensino aprendizagem da mesma.

A sua prática exige a participação franca, criativa, livre, crítica, promovendo a interação social e tendo em vista o forte compromisso de transformação e modificação do meio (ALMEIDA, 2008, p.41).

Oliveira (2013, p. 18), esclarece que o lúdico dentro do processo educativo pode construir-se numa atividade muito rica, na medida em que professores e alunos interagem construindo conhecimentos e socializando-se.

Na educação infantil o processo de ensino é de suma importância, porque desenvolve a coordenação motora, a imaginação, a socialização e consequentemente a aprendizagem.

A Educação infantil e o lúdico se completam, pois o brincar está diretamente ligado à criança, porque o brincar desenvolve os músculos, a mente, a sociabilidade, a coordenação motora e além de tudo deixa qualquer criança feliz (MALUF, 2003, p.19).

Para que as atividades lúdicas tenham significado é necessário a mediação do professor que precisa ser planejada de maneira a entrar no mundo imaginário da criança.

É preciso dinamizar as atividades lúdicas e, transformar o brincar em trabalho pedagógico, saber entrar no mundo imaginário da criança, no seu sonho, no seu jogo e aprender a jogar com ela (CORREA; BENTO [s/d], p.5).

O ensino absorvido de maneira lúdica passa a adquirir um aspecto significativo e afetivo no curso do desenvolvimento da inteligência da criança, já que ela se modifica de ato puramente transmissor a ato transformador (CARVALHO, 2003, p. 28).

O lúdico é uma característica fundamental do ser humano, do qual a criança depende para se desenvolver. Para crescer, brincar e para se equilibrar frente ao mundo precisa do jogo. Aprender brincando tem mais resultados, pois a assimilação infantil adapta-se facilmente à realidade (PIAGET apud SANTOS, 2001, p. 173).

O ensino através das atividades lúdicas é significativo, pois a criança aprende brincando sem cobranças e através de regras, que proporcionam conhecimento.

3.3 O espaço para o lúdico

Segundo Barbosa (2010, p. 7), é indiscutível que a ludicidade está presente em diferentes contextos, na escola, em casa, em qualquer lugar em que as crianças possam estar. Para elas, o brincar é algo mais que natural.

O espaço para se utilizar o lúdico está no cotidiano da criança, ou seja na escola, em casa, nas praças, na rua e torna a aprendizagem algo natural, pois está inserido no seu dia-a-dia.

O espaço é entendido como algo conjugado ao ambiente e vice-versa. Todavia é importante esclarecer que essa relação não se constitui de forma linear (HORN 2004, p. 28).

O espaço físico está diretamente ligado ao ambiente em que a criança vive, assim é indispensável para aprendizagem, pois através dele é possível estabelecer relações entre o ensino e a aprendizagem do aluno que se tornam significativas e de qualidade.

Hank (2006, p. 2), explica que buscando uma perspectiva de sucesso para o desenvolvimento e aprendizagem do educando no contexto da educação infantil o espaço físico torna-se um elemento indispensável a ser observado.

Horn (2004, p. 28) explica que é no espaço físico que a criança consegue estabelecer relações entre o mundo e as pessoas, transformando-o em um pano de fundo no qual se inserem emoções.

É no espaço físico que o aluno da educação infantil estabelece relações com o mundo, pois os mesmos fazem parte da rotina diária e contribui para a socialização e também para a aprendizagem.

Assim sendo, em um mesmo espaço podemos ter ambientes diferentes, pois a semelhança entre eles não significa que sejam iguais. Eles se definem com a relação que as pessoas constroem entre elas e o espaço organizado (HORN 2004, p. 28).

Os espaços físicos devem ser organizados para proporcionar prazer, por isto deve ser acolhedor para estimular os sentimentos da criança.

Hank (2006) complementa que a organização deste espaço deve ser pensada tendo como princípio oferecer um lugar acolhedor e prazeroso para a criança, isto é, um lugar onde as crianças possam brincar, criar e recriar suas brincadeiras sentindo-se assim estimuladas e independentes.

Através do lúdico, a criança terá oportunidade de, aos poucos, se sentir segura, pois, exerce primeiro sua individualidade, terá melhorado sua autoestima, fazendo com que se integre no grupo, pois a lúdico é um espaço de interação e confronto de diversas crianças com pontos de vista diferentes, em que cada uma terá a oportunidade de fazer valer seu ponto de vista (TEIXEIRA; ROCHA; SILVA [s/d], p.12).

Hank (2006, p. 2) esclarece que oferecer um ambiente rico e variado estimulam os sentidos e os sentidos são essenciais no desenvolvimento do ser humano. A sensação de segurança e confiança é indispensável visto que mexe com o aspecto emocional da criança.

Ao proporcionar um ambiente lúdico adequado a escola incentivará a aprendizagem do aluno que acontecerá de forma simples e descomplicada.

Segundo Hank (2006, p.3), os ambientes construídos para crianças devem atender cinco funções relativas ao desenvolvimento infantil: identidade pessoal, desenvolvimento de competência, oportunidades para crescimento, sensação de segurança e confiança, bem como oportunidades para contato social e privacidade.

3.4 O que os teóricos recomendam para o lúdico

Segundo Piaget ([s/d], apud SANTOS; JESUS 2010, p. 01), o lúdico é formado por um conjunto linguístico que funciona dentro de um contexto social; possui um sistema de regras e se constitui de um objeto simbólico que designa também um fenômeno.

Piaget ([s/d], apud SANTOS; JESUS 2010, p. 02), esclarece que o lúdico permite ao educando a identificação de um sistema de regras que permite uma estrutura sequencial que especifica a sua moralidade.

Através do lúdico é possível estabelecer regras aos alunos da educação infantil, pois o mesmo desenvolve a parte cognitiva, motora, social e afetiva proporcionando também a socialização e interação das crianças que aprendem brincando.

Segundo Freire (1991 p. 39), a criança que brinca em liberdade, sobre o uso de seus recursos cognitivos para resolver os problemas que surgem no brinquedo, sem dúvida alguma chegará ao pensamento lógico de que necessita para aprender a ler, escrever e contar.

O brincar pode ser destacado em diferentes situações de desenvolvimento:

  • As atividades lúdicas possibilitam a formação do autoconceito positivo;

  • As atividades lúdicas possibilitam o desenvolvimento da criança, afetivamente, pois convive socialmente e opera mentalmente.

  • O brinquedo e o jogo são produtos de cultura e seus usos permitem a inserção da criança na sociedade;

  • Brincar é uma necessidade básica assim como é a nutrição, a saúde, a habitação e a educação;

  • Brincar ajuda a criança no seu desenvolvimento pois, através das atividades lúdicas, a criança forma conceitos, relaciona ideias, estabelece relações lógicas, desenvolve a expressão oral e corporal, reforça habilidades sociais, reduz a agressividade, integra-se na sociedade e constrói seu próprio conhecimento (NEGRINE 1994, p. 41).

Piaget ([s/d], apud SANT’ANNA; NASCIMENTO 2011, p. 21), atribui ao lúdico um papel para o desenvolvimento infantil; acredita que ao jogar as crianças assimilam e transformam a realidade.

... Uma subdivisão dos jogos, por faixa etária, sendo elas:

  • Primeira etapa - para crianças de zero a dois anos de idade que ele chama de período sensório-motor, as crianças repetem situações simplesmente por prazer;

  • Segunda etapa - para crianças de dois a sete anos que ele chama de período pré-operatório em que as crianças não fazem o exercício mental, mas sim a representação do ocorrido;

  • Terceira etapa - para crianças acima dos sete anos, que ele chama de período operatório em que os jogos são de regras. É a união dos outros dois jogos, explorando, neste caso, a coletividade para o ato de jogar, sendo importante a cooperação entre as crianças (PIAGET [s/d], apud SANT’ANNA; NASCIMENTO 2011, p. 22).

Friedmann (1996, p. 41) considera que o lúdico permitem uma situação educativa cooperativa e interacional, ou seja, quando alguém está jogando está executando regras ao mesmo tempo, desenvolvendo ações de cooperação e interação que estimulam a convivência em grupo.

Através do lúdico é possível estabelecer um ensino aprendizagem cooperativo e de interação, isto possibilita uma socialização que permitirá o aluno a apropriar-se da vida em sociedade com excelência e plenitude.

De acordo com (Vygotsky, 1984, p. 27), é na interação com as atividades que envolvem simbologia e brinquedos que o educando aprende a agir numa esfera cognitiva, pois a criança comporta-se de forma mais avançada do que nas atividades da vida real, tanto pela vivência de uma situação imaginária, quanto pela capacidade de subordinação às regras.

Brincando ludicamente a criança se relaciona com as pessoas e objetos ao seu redor, aprendendo o tempo todo com as experiências. São essas vivências, na interação com as pessoas de seu grupo social, que possibilitam a apropriação da realidade, da vida e toda sua plenitude (KISHIMOTO, 1996, p.146).

4. JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Segundo Lisboa ([s/d], p.4), a palavra “jogo” etimologicamente origina-se do latim e significa brincadeira, divertimento.

Antunes (1998 p. 11) complementa que, a palavra jogo é um substantivo masculino de origem latina. O jogo no sentido etimológico é um divertimento, brincadeiras, passatempo, sujeitam as regras que devem ser observadas quando se jogar.

Negrine (1997, p.44) explica que a palavra jogo apresenta significados distintos uma vez que pode ser entendida desde os movimentos que a criança realiza nos primeiros anos de vida agitando os objetos que estão ao seu alcance, até as atividades mais ou menos complexas.

Como citado acima o jogo é uma palavra latina, sujeito a regras e significa brincadeira, passatempo e divertimento.

Soares (2010, p. 18), explica que o jogar é algo natural e universal do ser humano, compreende atividade que proporciona alegria, divertimento, prazer para o que está envolvido na ação, além de ajudar no desenvolvimento físico, intelectual, emocional, social do sujeito.

O jogo é algo natural, e está inserido no cotidiano da criança e auxilia no desenvolvimento físico, mental e intelectual. Proporciona prazer, socialização, imaginação e regras tornando a aprendizagem prazerosa e sem cobranças.

O jogo se vincula ao prazer, a satisfação de estar junto, ao companheirismo, aos antagonismos (competição), as complementaridades (equipes), faz-se presente cotidianamente, sobretudo entre crianças, levando-nos no campo da educação a investigá-lo com um olhar sensível, capaz de compreendê-lo como fenômeno social e cultural onde o brincar/jogar faz parte do aprendizado dos indivíduos, levando-os a vivenciar emoções e situações próprias da natureza humana. (NHARY, 2006.p.42)

O jogo tem um caráter de recurso de ensino, enquanto para a criança é uma atividade do seu dia-a-dia. O trabalho do professor, nesse contexto, deve ser o de organizador da sala de aula como espaço lúdico, selecionando jogos que facilitem o desenvolvimento cognitivo, sócio afetivo e motor do aluno. (PERES, 2004, p.39).

O jogo é uma metodologia de ensino que precisa ser planejada e utilizada de maneira coerente para facilitar a transmissão de conhecimento. Por ter caráter lúdico proporciona prazer e por ser educativo ensina regras.

O jogo apresenta sempre duas funções no ensino-aprendizagem. A primeira é lúdica, onde a criança encontra o prazer e a satisfação no jogar, e a segunda é educativa, onde através do jogo a criança é educada para a convivência social (RIBEIRO 2013 p.2)

O jogo proporciona um constante processo de desenvolvimento na criança, porque estimula o raciocínio e a criatividade do aluno que muitas vezes satisfaz sua curiosidade através das regras que o jogo possui.

O objetivo do jogo e oferecer oportunidade de satisfazer a curiosidade dos alunos através de momentos de interação, diversão e raciocínio.

Segundo Peres (2004, p.39) utilizando o jogo à criança tem a oportunidade de satisfazer uma série de necessidades, como de dominância e cooperação, que podem ser utilizadas como recurso para a aprendizagem.

O jogo é um momento mágico e espontâneo de interação na vida dos alunos da educação infantil que se divertem e aprendem através do raciocínio, da criatividade e da espontaneidade proporcionada por ele.

Trabalhar com os jogos na sala de aula possibilita diversos objetivos, dentre eles, foram pontuados os seguintes:

Desenvolver a criatividade, a sociabilidade e as inteligências múltiplas;

Dar oportunidade para que aprenda a jogar e a participar ativamente;

Enriquecer o relacionamento entre os alunos;

Reforçar os conteúdos já aprendidos;

Adquirir novas habilidades;

Aprender a lidar com os resultados independentemente do resultado;

Aceitar regras;

Respeitar essas regras;

Fazer suas próprias descobertas por meio do brincar;

Desenvolver e enriquecer sua personalidade tornando-o mais participativo e espontâneo perante os colegas de classe;

Aumentar a interação e integração entre os participantes;

Lidar com frustrações se portando de forma sensata;

Proporcionar a autoconfiança e a concentração (LISBOA [s/d], p.4).

Ao utilizar o jogo como metodologia de ensino na educação infantil o professor desenvolverá no aluno a criatividade, a socialização, a participação, a espontaneidade, as regras, e as frustrações de maneira a aumentar sua autoestima quando adulto.

Outro recurso de suma importância para o desenvolvimento da criança, na educação infantil, é a brincadeira, pois as mesmas despertam a curiosidade, desenvolvem a concentração, a atenção, a motivação e a criatividade.

Segundo o Referencial Curricular para a Educação Infantil (1998, p.25) “as brincadeiras que compõem o repertório infantil e que variam conforme a cultura regional apresenta-se como oportunidades privilegiadas para desenvolver habilidades no plano motor”.

As brincadeiras fazem parte da infância, assim é algo natural na educação infantil, porém assim como o repertório linguístico também é regional. As brincadeiras proporcionam muitos benefícios, pois desenvolvem a cooperação, as regras, o respeito ao próximo, as diferenças entre outros.

O ato do brincar traz muitos benefícios para quem participa dessa atividade, pois, contribui para o desenvolvimento físico, social, intelectual, respeito ao outro, a criança supera os desafios através da brincadeira ou jogo, além disso, os educando aprendem a serem cooperativos, aprendem regras, a lidar com seus limites, enfim, não é somente uma atividade que proporciona alegria, prazer, divertimento, direta ou diretamente está trabalhando na formação do sujeito, para que ele aprenda a conviver com os outros, a respeitar, a aceitar as pessoas que são diferentes, independente que tenham ou não alguma deficiência (SOARES 2010 , p. 12).

Segundo Ferland (2006 apud OLIVEIRA 2013 p.9), a principal ação da criança é o brincar, pois, quando brinca, ela vive situações que compõem seu desenvolvimento.

A criança quando brinca se desenvolve, assim aprende de forma significativa e sem cobranças tornando o ensino qualidade.

De acordo com Vygotsky (1984, p. 122 apud KISHIMOTO, 1996 p. 64) o brincar é a origem da situação imaginária criada pela criança, em que desejos irrealizáveis podem ser realizados, com a função de reduzir a tensão e, ao mesmo tempo, constituir uma maneira de acomodação dos conflitos e frustrações da vida real.

Ao brincar a criança entra no mundo da imaginação e consegue realizar seus desejos e construir uma aprendizagem sem frustrações.

Assim o prazer que a atividade do brincar proporciona é fundamental para este processo de aprendizagem, pois sem ele (o prazer), o brincar perde seu significado (FERLAND, 2006 apud OLIVEIRA 2013 p.9).

Quando brinca e joga a criança se envolve na a brincadeira, que coloca como aprendiz do conhecimento na ação seu sentimento e emoção.

Estudos psicológicos e educacionais revelam que brincar é fundamental   para   a construção do pensamento e   para aquisição de conhecimento pela criança, pois além de contribuir para que ela aprenda a se expressar e a lidar com suas próprias emoções, a brincadeira contribui para o desenvolvimento da autoestima. (ALMEIDA 2014, p.7).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O ato de brincar é fundamental para toda criança, pois ao brincar entra em um momento indispensável à saúde física, emocional e intelectual da criança.

Segundo Almeida (2014, p. 1) as brincadeiras e jogos fazem a criança crescer, pois proporciona na   maioria das   vezes, ou senão em todas as ocasiões, a procura de soluções e de alternativas para desenvolverem de forma prazerosa o que lhe é proposto.

Vygotsky (1988 apud PICELLI, 2007, p. 7) explica que há dois elementos importantes na brincadeira infantil: a situação imaginaria e as regras. Em uma ponta encontra-se o jogo de papeis com regras implícitas e, em outra, o jogo de regras com regras explicitas.

Os jogos e brincadeiras exploram duas vertentes na educação infantil que precisam ser destacadas que são a imaginação e as regras, pois através deles as crianças criam soluções para desenvolver os problemas propostos. Assim podem ser considerados procedimentos metodológicos de suma importância para a aprendizagem.

Os jogos e brincadeiras são instrumentos metodológicos através dos quais os educadores podem estimular na criança o seu desenvolvimento cognitivo, afetivo, social, moral, linguístico e físico-motor; como também propiciar aprendizagens curriculares específicas (MAFRA 2008, p. 16).

Silva (2012, p.12), esclarece que os jogos e brincadeiras são instrumentos metodológicos e estimulam não apenas o desenvolvimento cognitivo, afetivo, social, moral, linguístico e físico – motor, mas propiciam aprendizagens curriculares.

O jogo e a brincadeira são recursos educacionais que podem facilitar o desenvolvimento de novas habilidades motoras e acadêmicas, sem que sejam impostos à criança (PERES, 2004, p.39).

Os recursos educacionais contidos nos jogos e brincadeiras facilitam o desenvolvimento e a aquisição de novos conhecimentos, pois aguçam a curiosidade, os contatos sociais que possibilitam atitudes para uma aprendizagem de qualidade.

Peres (2004, p.39) explica que os jogos e brincadeiras, emergem valores que dizem respeito à curiosidade e à coragem, levando à auto aceitação, ao otimismo, à alegria e aos contatos sociais; com eles, a criança amplia seu campo de atuação, vivenciando atitudes diferentes e avaliando suas possibilidades como participante de um grupo.

O brincar, e o jogar ajudam no processo de aprendizagem, pois ao brincar as crianças se divertem através da socialização umas com as outras.

Quando a criança brinca, ela é espontânea, livre e na Educação Infantil encontramos um papel social que é “valorizar os conhecimentos que as crianças possuem e garantir a aquisição de novos conhecimentos” (MEYER, 2008, p. 44).

A Cooperação, a comunicação eficaz, e a competição honesta são habilidades sociais fortificadas por meio dos jogos. (RIBEIRO 2013 p.3).

4.1 A importância do brincar

Segundo Correa; Bento ([s/d], p. 1), o brincar é importante, não porque é coisa de criança, mas porque é a melhor forma de aproximar o mundo da fantasia do mundo real, que mesmo com toda sua complexidade, se torna simples pelo olhar de uma criança.

Brincando a criança aprende regras, sentimentos como frustrações de perda e alegrias da vitória assim descobre como lidar com os sentimentos sejam eles bons ou ruins.

O brincar na educação infantil é de suma importância, porque é a maneira mais simples da criança aprender a lidar com as regras, as frustrações da perda, a socialização fundamental para vida adulta.

Segundo Dias (2013, p.13), existem diversas razões importantes para destacar o brincar, desde o prazer até a importância do desenvolvimento cognitivo, motor, afetivo e social da criança.

O brincar é importante para o desenvolvimento cognitivo, motor, afetivo e social da criança, pois através da brincadeira a criança expressa suas vontades e desejos. É através da brincadeira que a criança regula suas próprias ações e emoções desenvolvendo assim sua autonomia.

Correa; Bento ([s/d], p.2), esclarece que a liberdade que o brincar é de suma importância, pois proporciona o desenvolvimento da criança, essa liberdade à leva a conciliar o mundo real e o mundo da imaginação.

Ao brincar a criança entra no mundo da imaginação, desenvolve a autonomia, socializa-se ao meio ambiente que está inserido, desenvolve emoções de bem estar e descobre que as frustrações fazem parte do universo infantil.

O brincar contribui para a formação do indivíduo, através da imaginação, que proporciona a aprendizagem, pois amplia a capacidade de percepção sobre si mesmo.

A brincadeira, seja ela qual for, é algo de sumo importância na infância. Pelos pais, ela deve ser vista não apenas como um momento de entretenimento e lazer de seus filhos, mas também como uma oportunidade de desenvolver nas crianças hábitos e atitudes que os façam amadurecer se tornando responsáveis (OLIVEIRA 2010, p 14.)

Segundo Correa; Bento ([s/d], p.2), brincando a criança aprende a lidar com o mundo, formando sua identidade pessoal e autonomia, experimenta sentimentos bons como o amor, e ruins como o medo e a insegurança, sentimentos esses presentes na vida cotidiana.

Souza (2015,), esclarece que o brincar proporciona o prazer e a motivação pessoal que dão origem às ações e explorações que realizam ao longo da brincadeira.

O brincar é importante, pois proporciona a aquisição de novos conhecimentos, desenvolve habilidades de forma natural e agradável. Ele é uma das necessidades básicas da criança, é essencial para um bom desenvolvimento motor, social, emocional e cognitivo. (MALUF, 2003, p. 9).

Ao brincar a criança forma sua identidade pessoal, e adquire conhecimentos através dos sentimentos bons e ruins que serão aprendidos e trabalhados para sua vida adulta.

Ao brincar, as crianças repetem, através de imitações, aquilo que já conhecem. Ativando sua memória, transformam os seus conhecimentos por meio da criação de uma situação imaginária nova. Na brincadeira, a criança amadurece algumas competências para a vida coletiva, através da interação e da utilização e experimento das regras e papéis sociais (SOUZA 2015, p.1).

O Brincar desenvolve as habilidades da criança de forma natural, pois brincando aprende a socializar-se com outras crianças, desenvolve a motricidade, a mente, a criatividade, sem cobrança ou medo, mas sim com prazer (CUNHA 2001, p.14).

5. MARCO METODOLÓGICO

A metodologia aplicada neste trabalho foi baseada na pesquisa bibliografia através de pesquisas em livros, revistas pedagógicas, sites da Internet entre outros, da entrevista com professora do Jardim I através de um questionário aberto pré-estabelecido e da observação dos alunos no período de 06/04/2017 à 18/04/2017.

Segundo Gil (1991, p.48), a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos relacionados com o estudo em questão.

Sendo assim, na realização desta pesquisa bibliográfica foram utilizados os seguintes procedimentos técnicos:

a) Seleção bibliográfica e documentos afins à temática e em meios físicos e na Internet, interdisciplinares, capazes e suficientes para que o pesquisador construa um referencial teórico coerente sobre o tema em estudo, responda ao problema proposto, corrobore ou refute as hipóteses levantadas e atinja os objetivos propostos na pesquisa;

b) Leitura do material selecionado;

c) Análise e reflexão crítica sobre o material selecionado;

d) Exposição dos resultados obtidos através de um texto escrito. (GIL, 1991, p.49).

Num segundo momento foi realizada uma pesquisa de campo que de acordo com Piana (2009, p.169) é o tipo de pesquisa que pretende buscar a informação diretamente com a população pesquisada.

A pesquisa de campo exige do pesquisador um encontro mais direto, pois o mesmo precisa ir ao espaço onde o fenômeno ocorre, ou ocorreu e reunir um conjunto de informações a serem documentadas (PIANA 2009, p.169).

Para realização do trabalho foi escolhido técnica da entrevista, que foi aplicada à professora titular da sala através de um questionário aberto com perguntas sobre o tema. Também foi realizado na observação dos alunos do Jardim I da Escola Municipal de Educação Infantil Sagrada Família.

O método nas palavras de Garcia (1998, p. 44), é um procedimento racional e ordenado constituído por instrumentos básicos, que implica utilizar a reflexão e a experimentação, para proceder e alcançar os objetivos pré-estabelecidos no planejamento de pesquisa.

Segundo Rosa; Arnoldi (2006, p. 17), a entrevista é uma das técnicas de coleta de dados, uma forma racional do pesquisador, previamente estabelecida, para dirigir com eficácia um conteúdo de maneira mais completa possível, com o mínimo de esforço de tempo.

A entrevista é a técnica mais pertinente quando o pesquisador quer obter informações a respeito do seu objeto, que permitam conhecer sobre atitudes, sentimentos e valores subjacentes ao comportamento, o que significa que se pode ir além das descrições das ações, incorporando novas fontes para a interpretação dos resultados pelos próprios entrevistadores (RIBEIRO 2008 p.141).

Segundo Ferreira; Torrecilha, Machado (2012, p.3) a técnica de observação é utilizada em diversas áreas de conhecimento, visto que a mesma possibilita ao pesquisador extrair informações de grupos e situações.

As observações podem ser estruturadas, semiestruturadas ou não estruturadas, ou seja, o pesquisador pode ir a campo com um roteiro previamente estabelecido ou sem ele. A observação não estruturada, o observador age livremente observando e decidindo o que pode ser significativo (FERREIRA; TORRECILHA, MACHADO 2012, p.4).

5.1 Cenário da pesquisa

O estudo foi realizado na Escola Municipal de Educação Infantil Sagrada Família, localizada na Rua Duque de Caxias sem número em Turiaçu no Maranhão.

Figura 1: Vista parcial da Escola Municipal de Educação Sagrada Família

Também foi realizada uma observação da sala do Jardim I da referida unidade Escolar, no período de 06/04/2017 à 18/04/2017. E uma entrevista com a professora da sala para verificar como a mesma trabalha com o lúdico.

Oficialmente a Escola foi fundada na década de 80 através da igreja católica no Município de Turiaçu depois de muitas lutas a primeira dama da época Osmarina Lima Fonseca através de associação do clube das mães implementou e melhorou a escola.

Inicialmente atendia do maternal à alfabetização, era um projeto da paróquia de Turiaçu, mantida através de recursos vindos do exterior e da Legião Brasileira de Assistência - LBA.

No final da década de 80 se estendeu uma briga política e social entre o poder público, administração do prefeito Antônio Fonseca filho e paróquia de Turiaçu, diante disso a primeira dama Osmarina Lima Fonseca junto a associação do clube das mães e do comércio passou a cuidar da Escola Sagrada Família, assim a prefeitura de Turiaçu passou a ser responsável pela entidade e pelos funcionários que ali trabalham.

Atualmente a escola funciona com cinco turmas de cerca de vinte alunos cada sendo dividido em dois maternais e três Jardins 1 perfazendo um total de alunos de 113 crianças.

A escola conta com cerca de 15 pessoas sendo nove professores, três auxiliares de limpeza, 2 merendeiras e uma porteira. Sendo que cada professor que é auxiliado por um professor assistente.

A abordagem do problema foi quantitativa que, conforme Ruiz (2006) se caracteriza pelo uso da quantificação tanto na coleta quanto no tratamento das informações por meio de técnicas estatísticas.

6. RESULTADOS E DISCUSSÕES

6.1 Praticas lúdicas observadas em sala de aula

Foi realizada a observação da sala Jardim I período de 06/04/2017 à 18/04/2017 com o intuito, de buscar, informações a respeito da prática adotada pela professora da sala observada no que diz a respeito da importância do lúdico dos jogos e brincadeiras na educação infantil e também o interesse dos alunos pelas atividades mediadas pela mesma.

Dentre as atividades observadas foi muito interessante à participação das crianças na caixa mágica, pois as mesmas realizaram esta atividade com entusiasmo, a professora colocou diversos objetos como carrinhos de brinquedo, anel, lápis, borracha, bolinha, colher, panelinhas, bolas de algodão, pente de boneca com o objetivo dos alunos reconhecerem os objetos através no tato.

Figura 2: Caixa Mágica 1

Número e quantidade: a atividade dos números e quantidade proporcionou participação e entusiasmo nos alunos que fazem associação dos números marcados no CD encapados por EVAs coloridos aos prendedores que são coloca os ao seu redor.

Figura 3: número e quantidade2

Boliche dos numerais: a realização da brincadeira proporcionou interação, socialização, comunicação, competição e aprendizagem significativa pois ao derrubarem as garrafas os alunos faziam associação dos numerais e identificavam quem havia derrubado o maior número de garrafas. Todos os alunos participaram com entusiasmo.

Figura 4: boliche dos numerais 3

Bingo das letras: o bingo das letras é uma atividade que favorece o reconhecimento das letras do alfabeto proporcionando uma memorização e automaticamente aprendizagem através do lúdico.

Figura 5; Bingo das letras.4

Através das atividades realizadas em sala pode-se observar que as mesmas ensinam brincando através da ludicidade contida em cada atividade de jogo ou brincadeira, assim proporcionam uma aprendizagem significativa, prazerosa, eficaz e de qualidade.

Os tipos de jogos e brincadeiras são bastante diversificados e foram observados na sala do Jardim I e da entrevista com a professora da sala.

Na observação da sala ficou constatado através dos jogos lúdicos confeccionados pela professora, com sucata, como: o boliche dos números, alfabeto das letras, as brincadeiras com os pneus, a caixa mágica entre outros.

6.2 Visão do professor sobre o lúdico

A visão da professora em relação à importância do lúdico, dos jogos e das brincadeiras é muito positiva, e fica evidente quando relata confeccionar os jogos através de materiais reciclados, alcançar os objetivos do ensino aprendizagem dos alunos.

Acima foi exemplificado alguns dos jogos e quais objetivos são alcançados com os mesmo no auxílio do processo de ensino aprendizagem, dentre eles estão: a caixa mágica, o bingo das letras, CDs de números, o jogo da memória, boliche dos números; brincadeiras livres com pneus; forma geométricas.

Assim diante das respostas da professora pode-se observar que, são desenvolvidas diversos tipos de atividades lúdicas de jogos e brincadeiras na rotina diária dos alunos.

As atividades lúdicas na educação infantil, proporciona a criança, divertimento e aprendizagem, pois durante a atividade a criança precisa pensar e agir assim se desenvolve e aprende brincado.

As metas dos jogos e brincadeiras utilizadas pela professora na sala do jardim I na educação infantil é extremamente proveitosa, pois proporcionam um aprendizado prazeroso e significativo.

Os procedimentos utilizados para desenvolver as metas planejadas através de objetivos pré-estabelecido e mediados pela professora são significativos, pois trabalham de maneira concreta com materiais que podem ser manipulados pelas crianças a cada atividade aplicada tornando o ensino mais produtivo, eficaz e de qualidade.

6.2.1 O Jogo e suas características

Malaquias; Ribeiro (2013), esclarece que os jogos possuem características de: cooperação, comunicação eficaz, competição honesta e redução da agressividade.

Os na educação infantil possuem características fundamentais para o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças entre elas estão as regras, a socialização, a imaginação a frustração entre outras.

Kishimoto (1996, p. 37), complementa que a utilização do jogo potencializa a exploração e a construção do conhecimento, por contar com a motivação interna típica do lúdico.

O jogo inclui características: simbolismo: representa a realidade e atitudes; significação: permite relacionar ou expressar experiências; atividade: a criança faz coisas; voluntário ou intrinsecamente motivado: incorporar motivos e interesses; regrado: sujeito a regras implícitas, e episódico: metas desenvolvidas espontaneamente. (FROMBERG, 1987, p.36 apud KISHIMOTO, 1996, p. 27).

Quando joga a criança constrói conhecimento através das estratégias que imagina para desempenha-lo com eficácia.

Araújo (1992, p.14) esclarece que ao jogar, a criança apresenta características de um ser completamente livre, motivado por uma necessidade intrínseca de realização pessoal, mas toda finalidade que procura no momento em que brinca esta além de si mesma.

De acordo com Kishimoto (1996, p.25), o jogo é um processo que quando bem trabalhado pode proporcionar resultados positivos na educação infantil, pois estabelece regras que ordenam e conduzem a brincadeira.

O jogo possibilita a aprendizagem, aguçando a criatividade, o pensar, raciocinar, descobrir, persistir, interagir, socializar, criar e recriar. Através de jogos é possível que a criança tenha uma dimensão de tempo, quantidade e compreensão da sequência. O jogo serve como forma de equilíbrio entre a criança e o mundo (CORREA; BENTO [s/d], p.2).

O jogo ensina regras e desenvolve os aspectos físico, cognitivo, afetivo, social e moral, pois explora tudo aquilo que está a sua volta a volta da criança proporcionando aprendizagem de qualidade.

Segundo Kishimoto (1996, p.96), o jogo, por ser livre de pressões e avaliações, cria um clima de liberdade, propício a aprendizagem e estimulando a moralidade, o interesse, a descoberta e a reflexão.

Existem diversos tipos de jogos com características distintas que auxiliam o desenvolvimento da motricidade fina e ampla.

O jogo, nas suas diversas formas, auxilia no processo ensino-aprendizagem, tanto no desenvolvimento psicomotor, isto é, no desenvolvimento da motricidade fina e ampla, bem como no desenvolvimento de habilidades do pensamento, como a imaginação, a interpretação, a tomada de decisão, a criatividade, o levantamento de hipóteses, a obtenção e organização de dados e a aplicação dos fatos e dos princípios a novas situações que, por sua vez, acontecem quando jogamos, quando obedecemos a regras, quando vivenciamos conflitos competição saudável (FERREIRA ; SILVA RESCHKE [s/d], p.3)..

As atividades com jogos auxiliam no desenvolvimento da imaginação, simulação e estratégias, e quando as situações são planejadas por profissionais possuem o objetivo de proporcionar para a criança a construção de novos conhecimentos e/ou habilidades (MEYER, 2008, p. 33).

Os jogos proporcionam um auxílio para a construção da aprendizagem do aluno, pois o coloca como aprendiz do conhecimento nas áreas: cognitiva, afetiva e psicomotora. Assim possibilitam ensinar de maneira dinâmica e atraente, proporcionando aos alunos sucesso no processo de ensino-aprendizagem.

6.2.2 Brincadeira é coisa séria

A brincadeira faz parte da infância, e é uma aprendizagem necessária a vida adulta, pois através da brincadeira crescem a alma e a inteligência. E ainda mais, uma criança que não sabe brincar, uma miniatura de velho, será um adulto que não saberá pensar (CHATEAU, 1987, p. 14).

Brincar é essencial à saúde física, emocional e intelectual do ser humano. Brincar é coisa séria, porque na brincadeira, a criança se reequilibra, recicla suas emoções e sacia sua necessidade de conhecer e reinventar a realidade (LIMA 2004, p. 2).

Brincar é coisa séria, também, por que na brincadeira não há trapaça, há sinceridade e engajamento voluntário e doação. Brincando nos reequilibramos, reciclamos nossas emoções e nossa necessidade de conhecer e reinventar. E tudo isso desenvolvendo atenção, concentração e muitas habilidades. É brincando que acriança mergulha na vida, sentindo-a na dimensão de possibilidades. No espaço criado pelo brincar nessa aparente fantasia, acontece a expressão de uma realidade interior que pode estar bloqueada pela necessidade de ajustamento às expectativas sociais e familiares (VIGOTSKY, 1994, p. 67 apud CORREA; BENTO [s/d], p.2).

A brincadeira é uma metodologia de ensino utilizada para estimular o raciocínio e proporcionar uma aprendizagem de qualidade, pois ao brincar a criança aprende a regras fundamentais para o desenvolvimento pessoal.

Segundo Almeida (2014) brincando a   criança   aprende a   conviver, a esperar por    sua vez, aceitar regras, independente do resultado, e a lidar com frustrações sem deixar que isso interfira na sua vida.

Kishimoto (1996, p. 62), explica que a brincadeira favorece o desenvolvimento da inteligência e facilita o estudo.

A brincadeira pode ser considerada um instrumento de aprendizagem dos conteúdos escolares, pois ao brincar a criança aprende sem medo de errar e se se socializa através da convivência com o outro.

[...] brincando, a criança aprende com toda riqueza do aprender fazendo, espontaneamente, sem estresse ou medo de errar, mas com prazer pela aquisição do conhecimento – porque brincando a criança desenvolve a sociabilidade, faz amigos e aprende a conviver respeitando os direitos dos outros e as normas estabelecidas pelo grupo e, também porque brincando, prepara-se para o futuro, experimentando o mundo ao seu redor dentro dos limites que a sua condição atual permite. (CUNHA, 2001, p. 13).

Segundo Kishimoto (1996, p.38), a brincadeira tem função de perpetuar a cultura infantil, desenvolver formas de convivência social e permitir o prazer de brincar. A brincadeira garante a presença do lúdico da situação imaginária.

A brincadeira é um método cultural de ensinar que proporcionar convivência social e construção do conhecimento através das regras e combinados elaborados antes da inicialização da mesma.

De acordo com Almeida, (2014) a criança desenvolve através da brincadeira sua linguagem, pensamentos, atenção, concentração, conseguindo, assim uma participação satisfatória da criança na construção do seu conhecimento.

Navarro (2012, p.17), explica que a brincadeira é uma atividade lúdica, que se entra em uma situação imaginária, como atividade que possui regras e ao mesmo tempo é livre e social, em que a criança, através da sua emoção e imaginação se desenvolve e se apropria do mundo ao seu redor.

Através da brincadeira o aluno da educação infantil adquire habilidades como criatividade, respeito, autonomia, e concentração que são indispensável para uma aprendizagem significativa e automaticamente de qualidade.

Malaquias; Ribeiro (2013), esclarece que por meio da brincadeira, a criança experimenta, descobre, inventa, adquire habilidades, além de estimular a criatividade, autoconfiança, curiosidade, autonomia, proporciona o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da concentração.

A brincadeira é um método de ensino aprendizagem presente na vida social da criança e funciona como elo entre professor e aluno, pois ao brincar descobrem o mundo e aprendem a se comunicar no contexto social em que vivem.

Através das brincadeiras, as crianças desenvolvem a linguagem, o pensamento, a socialização, a iniciativa e a autoestima, preparando-se para ser um cidadão capaz de enfrentar desafios e participar na construção de um mundo melhor (FERREIRA; SILVA RESCHKE [s/d], p.2).

As brincadeiras são de fundamental importância para os alunos da educação infantil, pois contribuem para o desenvolvimento da saúde física, emocional e intelectual da criança.

Em virtude do exposto acima se pode dizer que o lúdico na educação infantil é um poderoso aliado metodológico do professor que ensina brincando sem imposições e cobranças tornando a aprendizagem um prazer.

Assim percebe-se que o lúdico é muito importante para aprendizagem das crianças da educação infantil, pois desperta também a imaginação, criatividade, e interesse através do entusiasmo de cada um para desenvolver a atividade proposta pela professora.

7. CONCLUSÃO

O objeto deste estudo foi à investigação da Importância do Lúdico através dos jogos e brincadeiras na Educação Infantil para aprendizagem dos alunos através da mediação do professor na Escola Municipal de Educação Infantil Sagrada Família, localizada na Rua Duque de Caxias sem número em Turiaçu no Maranhão.

Para foi realizado uma pesquisa bibliográfica através de um levantamento teórico objetivando a compreensão do conceito lúdico dos jogos e brincadeiras procurando diagnosticar como os mesmos podem auxiliar na aprendizagem das crianças da educação infantil. E em um segundo momento foi realizado uma entrevista com a professora a fim de investigar se trabalha com o lúdico e como isto acontece. Também foi realizada uma observação dos alunos do Jardim I para levantar a importância do lúdico na aprendizagem dos mesmos bem como o interesse por esta metodologia.

Através das pesquisas ficou constatado que o lúdico promove na educação infantil uma pratica educacional de conhecimento de mundo, oralidade, regras e socialização.

Segundo Violada (2011, p.1), através das atividades lúdicas, as crianças desenvolvem a linguagem oral, a atenção, o raciocínio e a habilidade do manuseio, além de resgatar as potencialidades e conhecimentos. Desenvolve também a imaginação, a espontaneidade, o raciocínio mental, a atenção, a criatividade.

Percebe-se que o lúdico aliado aos jogos e brincadeiras é de fundamental importância para aprendizagem das crianças da educação infantil, pois ensinam brincando e colocam regras às atividades planejadas pelo professor.

Pois o lúdico desperta no aluno o desejo do saber, ou seja, do aprender desenvolvendo sua personalidade, pois cria conceitos e relações lógicas de socialização o que é de suma importância para seu desenvolvimento pessoal e social.

Almeida (1994, p.41), esclarece que a educação lúdica, na sua essência, além de contribuir e influenciar na formação da criança e do adolescente, possibilitando um crescimento sadio, um enriquecimento permanente, integra-se ao mais alto espírito de uma prática democrática enquanto investe em uma produção séria do conhecimento.

As atividades lúdicas auxiliam na aprendizagem, pois desenvolve a linguagem oral, a atenção, o raciocínio e a habilidade de manuseio por isso desenvolve a imaginação e a criatividade.

Quando a criança percebe que existe uma sistematização na proposta de uma atividade dinâmica e lúdica, a brincadeira passa a ser interessante e a concentração do aluno fica maior, assimilando os conteúdos com mais facilidades e naturalidade. (KISHIMOTO, 1996, p.24 ).

Bettheim (1998, p. 168) explica que brincar é muito importante porque enquanto estimula o desenvolvimento intelectual da criança também ensina os hábitos necessários ao seu crescimento.

A criança que brinca na educação infantil aprende de maneira lúdica e atribui sentido ao mundo que é assimilado e interpretado de maneira significativa e prazerosa.

A brincadeira é uma metodologia de aprendizagem que auxilia no ensino dos conteúdos escolares, pois ao brincar a criança aprende sem medo de errar se socializando através da convivência com o outro.

Tanto os jogos como as brincadeiras desenvolvem a socialização, a comunicação e a expressão da criança por isso integra a mesma ao mundo do conhecimento, mas para que a aprendizagem seja significativa precisa ser planejada e mediada pelo professor de maneira consciente e didática.

Os jogos e as brincadeiras na escola proporcionam o aprendizado significativo, pois despertam a criatividade e favorecem a autoaprendizagem através da exploração e da investigação, desta forma, contribuem na construção do conhecimento.

Na observação da sala do jardim I realizada no período de 06/04/2017 à 18/04/2017 foi constatado que há participação dos alunos com interesse, pois os mesmos ensinam regras, despertam a atenção desenvolvem as características pessoais, sociais e culturais da criança e também colaboram para a saúde mental facilitando a socialização, comunicação e expressão das crianças.

Dentre os jogos e brincadeira observados merece destaque a caixa mágica, pois ensinam brincando através da curiosidade típica das crianças, número e quantidade que proporcionou a associação dos números marcados no centro do CD à quantidade de prendedores colocados ao redor do CD; boliche dos numerais: que proporcionou interação, socialização, comunicação, competição através da associação dos numerais e identificados em garrafas PET, bingo das letras atividade que favorece o reconhecimento das letras do alfabeto proporcionando a memorização e aprendizagem através do lúdico.

Na observação da sala foi constatado que a professora trabalha o lúdico, através de jogos e brincadeiras idealizados e confeccionados pela mesma, com o objetivo de alcançar uma aprendizagem significativa, prazerosa e de qualidade. Foi observado a participação da maioria das crianças com entusiasmo e alegria que ocorre através da mediação da professora.

A entrevista com a professora foi extremamente positiva, pois a mesma afirmou na questão três que: tem o hábito trabalhar através do lúdico e citou algumas atividades que utilizam para que a aprendizagem se torne significativa e de qualidade, dentre os jogos e brincadeiras citados pela mesma foram citadas: a caixa mágica, o bingo das letras, número e quantidade, jogo da memória, boliche de números, brincadeira com pneus, forma geométrica.

Porém um fator preocupante foi quando a mesma na questão seis afirma que a escola raramente oferece materiais para trabalhar com o lúdico assim a mesma os confecciono a através de reciclados, ou através de materiais comprados, para alcançar os objetivos do ensino aprendizagem dos alunos.

Os objetivos do trabalho foram alcançados, pois através das pesquisas realizadas, juntamente com a observação da sala e entrevista da professora, foi possível verificar o trabalho do lúdico através do empenho da professora que torna a aprendizagem da sala do Jardim I mais prazerosa e significativa.

Assim, foi possível visualizar a importância do lúdico aliado aos jogos e brincadeiras, pois os mesmos auxiliam no desenvolvimento e na autonomia da criança.

Desta forma o estudo constatou que ensinar ludicamente através dos jogos e brincadeiras torna a aprendizagem da educação infantil significativa e prazerosa, porque ambas proporcionam um aprendizado sem cobranças.

8. REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica. São Paulo: Loyola, 1994.

ALMEIDA, Aline Marques da Silva.  A importância do lúdico para o desenvolvimento da criança 13/10/2014. Disponível em: http://www.seduc.mt.gov.br/Paginas/A-import%C3%A2ncia-do-l%C3%BAdico-para-o-desenvolvimento-da-crian%C3%A7a.aspx cesso em 02 de abril de 2017.

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo, SP: Loyola, 2008.

ANTUNES, C. Jogos a estimulação das múltiplas Inteligências. Petrópolis. Rio de Janeiro. 1998.

ARAÚJO, Vânia Carvalho de. O jogo no contexto da educação psicomotora São Paulo: Cortez 1992 ANTUNES, C. Jogos a estimulação das múltiplas Inteligências. Petrópolis. Rio de Janeiro. 1998.

BARBOSA, Ana Paula Montolezi. LUDOTECA: UM ESPAÇO LÚDICO. 2010. Disponível em:http://www.uel.br/ceca/pedagogia/pages/arquivos/ANA%20PAULO%20MONTOLEZI.pdf. Acesso em 20 de abril de 2017.

BETTELHEIM, Bruno. Uma vida para seu filho. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil/Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. - Brasília: MEC/SEF, 1998.

CHÂTEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.

CARVALHO, A.M.C. ET al. (Org.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca.Vol. 1 e 2. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

CORRÊA, Leidniz Soares ; BENTO, Raquel Matos de Lima . A importância do lúdico para a aprendizagem na educação infantil [s/d]. Disponível em: http://unijipa.edu.br/media/files/54/54_218.pdf acesso em 04 de abril de 2017.

CUNHA, Nylce Helena Silva. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. São Paulo: Vetor, 2001.

DIAS Elaine. A importância do lúdico no processo de ensino-aprendizagem na educação infantil Revista Educação e Linguagem – Vol. 7, n º 1 (2013) Disponível: <http://www.ice.edu.br/TNX/storage/webdisco/2013/12/09/outros/2774a576f536917a99a29a6ec671de86.pdf>. Acesso em 28 de março de 2017.

FANTACHOLI, Fabiane Das Neves. O Brincar na Educação Infantil: Jogos, Brinquedos e Brincadeiras – Um Olhar Psicopedagógico. Disponível em: http://revista.fundacaoaprender.org.br/?p=78 acesso em: 02 de junho de 2017.

FERREIRA, Juliana de Freitas ; SILVA Juliana Aguirre da ; RESCHKE, Maria Janine Dalpiaz. A importância do lúdico no processo de aprendizagem. Disponível em: https://www2.faccat.br/portal/sites/default/files/A%20IMPORTANCIA%20DO%20LUDICO%20NO%20PROCESSO.pdf Acesso em: 05 de abril de 2017.

FERREIRA, Luciene Braz ; TORRECILHA, Nara ; MACHADO, Samara Haddad Simões. A Técnica De Observação Em Estudos De Administração. 2012. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/2012_EPQ482.pdf acesso em 03 de junho de 2017.

FREIRE, J.B. Educação de Corpo Inteiro: Teoria e Prática da Educação Física. São Paulo: Scipione, 1991.

FRIEDMANN, Adriana et al. O direito de brincar: a brinquedoteca. São Paulo: Scritta, 1992.

FRIEDMANN, Adriana. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

GARCIA, Eduardo Alfonso Cadavid. Manual de sistematização e normalização de documentos técnicos. São Paulo: Atlas, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HANK , Vera Lucia Costa. O Espaço Físico E Sua Relação no Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança. Disponível em: https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/educacao/o-espaco-fisico-sua-relacao-no-desenvolvimento-aprendizagem-.htm Acesso em 07 de abril de 2017.

HORN, Maria da Graça de Souza. Sabores, cores, sons, aromas. A organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

KISHIMOTO, Tizuco Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 7 ed. São Paulo: Cortez, 1996.

LISBOA. Monalisa. A importância do lúdico na aprendizagem, com auxílio dos jogos. [s/d], Disponível em: http://brinquedoteca.net.br/?p=1818 acesso em 23 de março 2017.

LIMA, Marilene. Brincando na sala de aula. Revista do professor, Porto Alegre, v. 20, n. 78, p. 5-7, abr./jun. 2004.

LUCKESI, Cipriano Carlos.(org) Educação e Ludicidade. Salvador UFBA/FACED, 2000.

MAFRA, Sônia Regina Corrêa .O Lúdico e o Desenvolvimento da Criança Deficiente Intelectual. 2008. Disponível: em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2444-6.pdf Acesso em 27 de março de 2017.

MALAQUIAS,  Maiane Santos ; RIBEIRO,  Suely de Souza. A Importância do Lúdico no Processo de Ensino-Aprendizagem no Desenvolvimento da Infância. 2013. Disponível em https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/a-importancia-do-ludico-no-processo-de-ensino-aprendizagem-no-desenvolvimento-da-infancia acesso em: 02 de abril de 2017.

MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Atividades lúdicas para Educação Infantil: conceitos, orientações e práticas. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

MATOS, Marcela Moura. O lúdico na formação do educador: contribuições na educação infantil. Cairu em Revista. Jan 2013, Ano 02, n° 02, p. 133-142. Disponível em: http://www.cairu.br/revista/arquivos/artigos/2013_1/09_LUD_FOR_EDU_133_142.pdf Acesso em 28 de março de 2017.

MEYER, Ivanise Corrêa Rezende. Brincar e Viver: Projetos em Educação Infantil. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: WAK, 2008.

NAVARRO, Mariana Stoeterau. Brincar e mediação na escola. Rev. Bras. Ciênc. Esporte vol.34 no.3 Porto Alegre July/Sept. 2012.

NHARY, Tania Marta da Costa. O que está em jogo no jogo. Cultura, imagens e simbolismos na formação de professores. Dissertação de Mestrado em Educação. UFF. Niterói: RJ, 2006.

NEGRINE, Airton. Aprendizagem e Desenvolvimento Infantil: Simbolismo e Jogos. Porto Alegre: Prodil, 1994.

OLIVEIRA, Maria Miguel de. A inclusão do aluno com deficiência intelectual no ensino regular. Revista Ciencias da Educação. Maceió, ano I, vol 02, n. 01, Abri/Jun. 2013.

PEREIRA, Lucia Helena Pena. Bioexpressão: a caminho de uma educação lúdica para a formação de educadores. Rio de Janeiro: Mauad X: Bapera, 2005.

PERES, Regina Cristiane N. C. O lúdico no desenvolvimento da criança com paralisia cerebral espástica. Rev. Bras. Cresc. Des. Hum. S. Paulo, 14(3), 2004. Disponível em: file:///C:/Users/Familia/Downloads/40114-47351-1-SM%20(1).pdf acesso 25 de março de 2017.

PICELI, Lucyelena Amaral. Coletânea de texto n° 1: Dinâmica Lúdica. Apostila Universidade Paranaense- UNIPAR, 2007.

PIANA, MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: http://books.scielo.org/id/vwc8g/pdf/piana-9788579830389-06.pdf acesso em 29 de abril de 2017.

RIBEIRO, Elisa. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. In: Evidência, olhares e pesquisas em saberes educacionais. Número 4, maio de 2008. Araxá. Centro Universitário do Planalto de Araxá.

RIBEIRO, Suely de Souza. A Importância do Lúdico no Processo de Ensino-Aprendizagem no Desenvolvimento da Infância. 2013. Disponível em: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/a-importancia-do-ludico-no-processo-de-ensino-aprendizagem-no-desenvolvimento-da-infancia Acesso em 22 de março de 2017.

ROSA, Maria Virgínia de Figueiredo Pereira do Couto; ARNOLDI, Marlene Aparecida Gonzalez Colombo. A Entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SANT’ANNA, Alexandre ; NASCIMENTO, Paulo Roberto do . A história do lúdico na educação. REVEMAT, eISSN 1981-1322, Florianópolis (SC), v. 06, n. 2, p. 19-36, 2011.

SANTOS, Élia Amaral do Carmo ; JESUS, Basiliano do Carmo de. O lúdico no processo ensino-aprendizagem. 2010. Disponível em: http://need.unemat.br/4_forum/artigos/elia.pdf acesso em 07 de abril de 2017.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. O lúdico na formação do educador. 5 ed.  Vozes, Petrópolis, 2002.

SANTOS , Santa Marli Pires dos. (org.). A ludicidade como ciência. Petrópolis: vozes, 2001.

SILVA, João Da Mata Alves Da. O lúdico como metodologia para o ensino de crianças com deficiência intelectual. 2012. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4736/1/MD_EDUMTE_II_2012_33.pdf acesso em 26 março 2017.

SOARES, Edna Machado. A ludicidade no processo de inclusão de alunos especiais no ambiente educacional. 2010. Disponível em: http://www.ffp.uerj.br/arquivos/dedu/monografias/EMS.2.2010.pdf acesso em 25 de março de 2016.

SOUZA, Eulina Castro de. A importância do lúdico na aprendizagem. 2015. Disponível em: http://www.seduc.mt.gov.br/Paginas/A-import%C3%A2ncia-do-l%C3%BAdico-na-aprendizagem.aspx acesso em 05 de abril 2017.

TEIXEIRA, Mônica de Carvalho ; ROCHA, Jacinto Pereira da ; SILVA, Vanessa Souza da. Lúdico: um espaço para a construção de identidades . [s/d], Disponível em: http://www.ufjf.br/virtu/files/2010/04/artigo-2a26.pdf acesso em 05 de abril de 2017.

VIOLADA, Rosiane. Brincadeiras e jogos na educação infantil. 2014. Disponível em: Acesso em 08 de abril de 2017.

VITAL, Jaime Maciejewski. A Importância do Lúdico Para a Aprendizagem da Criança da Educação Infantil. 2009. 25 folhas. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação – PEDAGOGIA) – Sistema de Ensino Presencial Conectado, Universidade Norte do Paraná, Vitória-ES, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

9. QUESTIONÁRIO PARA ENTREVISTA DA PROFESSORA

1 - Tempo de formado:

Sou formada no antigo magistério e leciono à sete anos, porém á nove meses conclui a graduação em Letras.

2- Você considera importante trabalhar com o lúdico na educação infantil? Comente? 

Sim, a ludicidade deve ser uma prioridade no trabalho com os alunos por meio dela, as crianças tem interesse em estar no ambiente escolar e aprendem com mais facilidade.

3 Você tem o hábito trabalhar através do lúdico, ou seja dos jogos e brincadeiras em sala de aula? Se sim, quais?

Com certeza, os jogos e brincadeiras atraem as crianças e contribuem com a aprendizagem. Utilizo: A caixa mágica onde coloco diversos objetos para que as mesmas possam descobrir o que são através do tato; Bingo das letras feito de tampinhas de garrafas pet, onde são coladas as letras do alfabeto para reconhecimento das mesmas pelas crianças; CDs que possuem um número no centro e as crianças precisam identificar o número e colocar a quantidade de prendedores ao redor do cd; O jogo da memória: um constituído de figuras, outro de letras e outros de números; Boliche feito com garrafas PET que possuem numeros para o reconhecimento e aprendizagem das mesmas. Pneus que são utilizados em várias brincadeiras várias brincadeiras, como pular dentro e fora, se equilibrar andando sobre a parte lateral e rolar o pneu de um determinado lugar até outro sem deixá-lo cair; Forma geométrica através das figuras desenhadas no chão com giz onde é explorado o dentro e o fora, o pequeno e o grande, das diversas figuras geométricas.

4 Em sua opinião, os jogos e brincadeiras facilitam a transmissão dos conteúdos? Justifique?

Sim, pois são extremamente interessantes para a faixa etária composta pela educação infantil que aprendem de maneira lúdica por meio dos recursos levados à sala de aula.

5 – Você acredita que a ludicidade dos jogos e brincadeiras contribui para a alfabetização das crianças? Em que sentido?

Sim, trabalho a mais de sete anos no ensino infantil e observo o interesse dos alunos quando os ensinamentos são repassados de forma lúdica e dinâmica.

6 - A escola oferece materiais para trabalhar com o lúdico? Se sim, quais?

Raramente, por isto procuro confeccionar os jogos através de materiais reciclados, também compro alguns materiais quando necessário para alcançar os objetivos do ensino aprendizagem dos alunos.

Em caso de resposta afirmativa para a realização das atividades lúdicas:

7 – Como são usados os tempos e espaços da escola com as atividades lúdicas?

Utilizo os jogos e brincadeiras durante as aulas para enriquecimento dos conteúdos, para realizar as brincadeiras afasto as carteiras e faço um circulo na sala onde são desenvolvidas as atividades lúdicas de maneira eficaz.

8 – Ocorre planejamento envolvendo atividades lúdicas? De que forma?

Sim, procuro planejar as atividades para torna-la significativas aos meus alunos que participam com entusiasmo, pois as mesmas fazem parte da rotina semanal e são desenvolvidas diariamente após o intervalo do recreio.

9 – Para que tipo de aprendizagens as atividades lúdicas realizadas mais se direcionam?

As atividades lúdicas são direcionadas principalmente para a aprendizagem do alfabeto e dos numerais de 0 à 9.

1 KOTAKA, Luciana. Caixa Mágica. 2013. Disponível em: http://comportamentomagro.blogspot.com.br/2013/02/caixa-surpresa.html. Acesso em 12 de outubro de 2017.

2 Atividade ou jogo educativo: aprendendo a contar com discos coloridos e pregadores ou prendedores! Tem moldes para imprimir

Disponível em: http://www.espacoeducar.net/2016/08/atividade-ou-jogo-educativo-aprendendo.html. Acesso em 22 de outubro de 2017.

3 OLIVEIRA, Pamela Faria. Boliche: strikes de letras e números. Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=52302 Acesso em 22 de outubro de 2017.

4 ALFABETO MÓVEL. Disponível em: http://www.revistaneo.com.br/_conteudo/2015/06/caderno/zzinho/fazendo_arte/77833-alfabeto-movel.php Acesso em 22 de outubro de 2017.

Por Benedita da Conceição Mendes Silva e Lilian de Jesus Marques Santos.

Publicado por: BENEDITA DA CONCEIÇÃO MENDES SILVA

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola