Whatsapp

O ENSINO DA MATEMÁTICA COM USO DAS TECNOLOGIAS E SOFTWARES

Matemática

Análise sobre a importância e a necessidade que as NTICs ( Novas Tecnologias de Informação e comunicação ) como o mesmo vem influenciando em nossas vidas e como podemos trazer a práticas educacionais, principalmente nas práticas educacionais das aulas de matemáticas.

índice

1. RESUMO:

Com os grandes avanços tecnológicos, começou a aparecer novos modelos de tecnologias, ferramentas tais como smartphones, data shows, computadores, tabletes, com isso surgiu também os softwares e aplicativos, O presente trabalho aborda a importância e a necessidade que as NTICs ( Novas Tecnologias de Informação e comunicação ) como o mesmo vem influenciando em nossas vidas e como podemos trazer a práticas educacionais, principalmente nas práticas educacionais das aulas de matemáticas, o objetivo do trabalho e mostra o melhor caminho para o ensino e aprendizagem, sendo assim como incorpora as novas tecnologias em nossas aulas de matemática.

Lembramos que hoje vivenciamos uma corrida tecnológica, com isso aparecem novos softwares que desenvolve práticas educacionais em sala de aula, principalmente nas aulas de matemática, a educação está sofrendo estas mudanças, saindo um pouco do sistema de educação tradicional e passando mais para aulas práticas, professores estão mais engajados a novas tecnologias, não só nas aulas da matemática, as demais disciplinas também vem buscando novos meios de tecnologia e comunicação para suas práticas educacional. Para responder ao nosso problema de estudo, temos como fonte as pesquisas bibliográficas dando ênfase ao estudo de vários educadores que defende o uso das NTICs no ensino da matemática.

Palavras-chave: NTICs (Novas tecnologias de informação e comunicação). Importância. Computador, Professor e aluno, educação matemática.

2. INTRODUÇÃO

Com novos desenvolvimentos tecnológicos, surge as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs), novas ferramentas tecnológicas como meio de informatizar e para melhorar meios de comunicação, veja, há uns 50 anos atrás a Rádio era um dos principais meios de comunicação, com passar dos anos veio a Televisão, que passou a assumir esse papel.

Após novos rumos tecnológicos, iniciou o processo de informatização, surgiu computadores, as indústrias passou a se informatizar, todo processo industrial passou a iniciar com computadores, logo surgiu a automação industrial, então começou a surgir outros meios de comunicação, internet, telefone e canais de televisão, em 3 de abril de 1973 surge o primeiro telefone móvel, como podemos dizer, a partir dessa data iniciou uma corrida tecnológica, aparelhos celulares começou a ganhar espaço no mercado, computadores móvel notebooks e tablets, Os jovens começaram a ficar mais alienados nas novas tecnologias de informação e comunicação, iniciou as redes sociais, entre outras softwares e links de comunicação. 

Na educação também não foi diferente, começou a surgir laboratórios de informática nas escolas, com o tempo também apresentou os slides nas salas através de Data show, e assim educadores começou a olhar pelo lado das NTICs novas tecnologia de informação e comunicação, começou a utilizar ferramentas e softwares nas práticas de sala de aula.  

Além disso, a tecnologia nas aulas de matemática permite ao aluno uma maneira mais prática lúdica de compreender as atividades em sala de aula. Além disso, é possível otimizar as aulas, por meio do tempo que seria gasto em quadros para elaborar os desenhos geométricos, bem como a confecção de matrizes e gráficos

Além dos softwares educativos, têm-se diversos outros tipos, que abrangem uma ampla dimensão no mundo da tecnologia. Alguns deles são desenvolvidos para sistemas, outros para aplicativos. O Excel, por exemplo, é uma ferramenta da Microsoft Office, é capaz de resolver problemas matemáticos como matrizes e análise estatística descritiva por meio de dados de posição (média, moda, mediana) e dispersão (desvio padrão e coeficiente de variação), além de promover a confecção de gráficos e tabelas das análises exploradas nessa ferramenta.

Este trabalho aborda a importância da utilização das NTICs em sala de aula, em específico nas aulas de matemática, vejamos o quanto a importância da utilização da tecnologia dentro de sala de aula, facilitadores para tornar aulas mais práticas, vamos falar também dos softwares, programas mais utilizados para desenvolver conteúdos práticos dentro de sala de aula, softwares utilizados para aulas de matemática.

3. Tecnologia da informação na educação

O uso da tecnologia nas mais diversas áreas tem se tornado fundamental, na educação não poderia ser diferente, principalmente para aperfeiçoar e facilitar o entendimento do aluno, em especial nas aulas de matemática, por meio de instrumentos facilitadores. Houve uma mudança no próprio instrumento de uso pelo professor em sala de aula, passando de um quadro branco, com um pincel, para computadores e retroprojetores. Dessa forma, a era do conhecimento e a aplicação dos instrumentos de tecnologia da informação possibilitaram uma melhor otimização nos processos educacionais, (ROJAS et al, 2008).

A evolução da tecnologia permitiu diversas possibilidades de ensino, em especial para o ensino da matemática, onde uma grande variedade de programas computacionais está dando um significado especial na construção do conhecimento. Por essa razão, o uso da tecnologia na escola permite ao profissional da educação adquirir novas maneiras e formas de ensinar o conteúdo programático ao aluno e ainda se aperfeiçoar profissionalmente por meio das inovações de linguagens e pelas práticas de ensino.  Além disso, a tecnologia nas aulas de matemática permite ao aluno uma maneira mais prática lúdica de compreender as atividades em sala de aula. É possível aperfeiçoar as aulas, por meio do tempo que seria gasto em quadros para elaborar os desenhos geométricos, bem como a confecção de matrizes e gráficos.

Surgiram vários softwares educativos ao longo do tempo que como o próprio nome diz, são totalmente voltados para o âmbito educacional e visam a construção do conhecimento. Para Oliveira (1996), o software para ser educacional ou educativo deve ser pensado segundo uma teoria sobre como o sujeito aprende, ou seja, como ele se apropria e constrói o conhecimento.

Várias pesquisas estão sendo realizadas sobre o uso da tecnologia em sala de aula, por meio de softwares, como Tenório e Tenório (2014), Dosciati et al. (2013), Pacheco (2014a), Silva e Moita (2010), Tavares (2014) de forma que venham a facilitar a compreensão da temática pelos alunos. Atualmente existem uma diversidade de softwares matemáticos que visam aprimorar os estudos dos alunos nos mais variados conteúdos.

Destacam-se os softwares estatísticos, polinomiais e geométricos, tendo este último como ferramenta prática que possibilita de forma instantânea e rápida, a visualização dos objetos geométricos pelos alunos em sala de aula (PACHECO, 2014b).

Segundo Ribeiro et al. (2016) o software Geogebra, é capaz de construir gráficos, elaborar figuras planas e espaciais e calcular distâncias espaciais e pode ser utilizado tanto pelo professor, como pelos alunos. Com isso, esse software é capaz de promover o ensino em sala de aula, torna-se mais dinâmico e interessante para o aluno, principalmente para aqueles que apresentam dificuldades em aprender a disciplina de matemática. Além dos softwares educativos, têm-se diversos outros tipos, que abrangem uma ampla dimensão no mundo da tecnologia.

Alguns deles são desenvolvidos para sistemas, outros para aplicativos. O Excel, por exemplo, é uma ferramenta da Microsoft Office, é capaz de resolver problemas matemáticos como matrizes e análise estatística descritiva por meio de dados de posição (média, moda, mediana) e dispersão (desvio padrão e coeficiente de variação), além de promover a confecção de gráficos e tabelas das análises exploradas nessa ferramenta.

3.1. Fundamentações teóricas

Os avanços tecnológicos foram fundamentais para potencializar as mais diversas atividades que movimentam a sociedade. Na educação, a tecnologia surgiu como uma ferramenta de aprimoramento dos assuntos abordados em sala de aula, além da redução do tempo dispendioso que o professor tinha pra escrever e desenhar o assunto abordado durante a aula. Porém, mesmo tendo encontrado algumas resistências por parte dos professores que não tinham o domínio da tecnologia, o Governo Brasileiro, destacou que a tecnologia da informação não deverá ser ignorada nos processos de ensino e de aprendizagem, como expõe as Orientações Curriculares para o Ensino Médio e em especial, nas aulas de matemática, pelo ministério da educação, (BRASIL, 2006, p. 87).

Dessa forma, as redes de ensino no Brasil, incluíram o uso da tecnologia da informação, por meio de computadores equipados com softwares educacionais que visam incrementar e aprimorar o ensino na sala de aula.

Na rede de ensino público, destaca-se o Programa Nacional de Tecnologia Educacional (PROINFO), criado pela Portaria no 522/MEC, de 9 de abril de 1997 e regulamentado pelo Decreto 6.300 de 12 de dezembro de 2007, que tem como objetivo, promover o uso pedagógico de Tecnologias de Informática e Comunicação (TICs) na rede pública e ensino (FNDE, 2017).

No ano de 2005, durante o Fórum Econômico Mundial, realizado na Suíça, foi apresentado ao governo brasileiro o projeto One Laptop per child (OLPC), que tinha como objetivo, proporcionar a cada estudante da rede pública, um computador portátil para desenvolver as atividades educacionais. Com isso, o governo mostrou-se bastante interessado na metodologia do projeto e incorporou a ideia na base educacional do país.        

3.2. O uso de computadores e softwares no ensino da matemática   

Os avanços tecnológicos nos últimos anos provocaram mudanças na forma de ensinar e estudar. O uso dos computadores pelos professores e alunos, permitiu uma maior relação entre as formas de transmitir os conhecimentos adquiridos em sala de aula. Dessa forma, cada conteúdo, em especial na matemática, como função, algébrica e geometria, foi moldado por meio do uso de softwares matemáticos e específicos para cada um desses temas e melhorar sua compreensão pelos alunos.

Em trabalho realizado por Morais et al. (2013), destacaram que é possível evoluir o ensino da matemática quando este é relacionado a simulações, figuras e jogos por meio de softwares educacionais. Almeida, Silva e Vertam (2012) destacam diversas razões para o uso das Tecnologias Digitais Educacionais, principalmente as informáticas, em consonância com a Modelagem Matemática.

Seguindo essa ideologia que Canavarro (1994) desenvolveu uma classificação em quatro elementos de como os computadores poderão ser úteis nas aulas de matemática. Essa classificação é apresentada na seguinte maneira:

1) Elemento de motivação para estimular o interesse dos alunos pelas aulas, porém, é necessário que haja um dinamismo em sala de aula, pois a monotonia poderá tornar a aula fatigante e desmotivam-te.

2) Elemento de modernização, pois a tecnologia, hoje, é fundamental e faz parte dos diversos âmbitos da sociedade e uso do computador já faz parte do cotidiano dos estudantes e professores.

3) Elemento que facilita a realização de atividades, principalmente os cálculos geométricos e de função, além de confeccionar automaticamente, gráficos e tabelas, bem como os desenhos geométricos que auxilia na visualização dos sólidos que são difíceis de serem representados no quadro.

4) Elemento de mudança para elaborar técnicas inovadoras e dinâmicas na educação. Por meio da tecnologia, o professor poderá utilizar da imaginação para elaborar uma aula que em tese, usando somente o quadro, tornaria difícil para o aluno compreender.

Além das utilizações dos novos recursos tecnológicos, sabe-se que a sociedade em geral hoje está mais liga com a tecnologia,  jovens hoje e demais práticas que teorias, claro que as aulas tradicionais de matemáticas deve ocorrer,  não há possibilidades nenhuma de tirar todo tradicionalismo educacional e implantar aulas em laboratórios, até por que alunos necessita de bases teóricas para desenvolver tais atividades no campo de laboratório e em práticas, com a utilização da tecnologia faz com que os alunos passa a ficar mais participativo das aulas, sendo assim começa a desenvolver em aulas de laboratório com a utilização de computadores e softwares matemática, cálculos tais como matrizes, geometria, enfim passa o aluno a desenvolver atividades práticas.

4. Os principais softwares para ensino da matemática

Atualmente existem diversos softwares matemáticos, podendo eles, serem divididos de acordo com a temática abordada em sala de aula. Os temas podem ser relacionados a Geometria, Funções e Álgebra. Para esse trabalho, serão abordados os principais softwares relacionados a cada uma dessas temáticas. Para a geometria, destacam-se como os principais softwares, o Dr Geo; Geometria Descritiva; Geoplan; Geospace; Poly; Régua E Compasso, conforme observado no Quadro 01, abaixo.

Quadro 01. Principais softwares matemáticos para aulas de Geometria:

Software

Informação

DR GEO

Software de construção em geometria desenvolvido por Hilaire Fernande Grenoble e que nos oferece “régua e compasso eletrônicos”, sendo a interface de menus de construção em linguagem clássica da Geometria.

GEOMETRIA DESCRITIVA

Software de construção em geometria descritiva, que trabalha em um sistema projetivo; em 3D.

GEOPLAN

Software de construção em geometria que trabalha os conceitos analíticos da geometria em um sistema de coordenadas cartesianas.

GEOGEBRA

Software de construção e exploração em geometria que trabalha os conceitos, forma geométricas, trigonometria.

RÉGUA E COMPASSO

Software de construções geométricas com régua e compasso.

Fonte: Edumatec, 2008. Adaptado por Souza, 2017.

Nos softwares Geogebra, e um dos mais utilizados pelos professores em sala de aula, por ser um software livre, com vários recursos e ferramentas para desenvolver aulas de matemática, veja como ficou um gráfico de uma função exponencial realizado por um aluno de ensino médio E. Junior.

Fonte: imagem Geogebra softwares de matemática.2019

Vejamos, este aluno desenvolver no sistema geogebra, um gráfico de uma função exponencial, onde foi uma aula dentro de um laboratório de informática, onde fala de um segmento de uma tangente que varre, se o mesmo fosse realizar este mesmo gráfico no caderno, o aluno deveria descreve três tipos de gráficos, para descrever o trajeto da tangente no gráfico, vejamos agora outro exemplo.

Fonte: imagem Geogebra softwares de matemática.2019

Altere os parâmetros a, b, c e d e verifique a sua influência na representação gráfica das funções trigonométricas seno, cosseno e tangente. Já em geometria podemos utilizar os softwares geogebra como um facilitador para os estudos das formas geométricas, veja abaixo alguns exemplos:

Fonte: Geogebra softwares de matemática.2019.

Pode-se observa que o professor quando desenvolve aulas através de softwares matemáticos tais como geogebra,  deixa de perder aquele tempo em desenvolver figuras geométricas na lousa ou quadro negro através de réguas e compasso, e passa a fazer pelo softwares, além disso a participação com alunos em sala de aula torna mais ativo, sabemos que alunos hoje tem a achar as aulas de matemática um pouco complicadas, até por que ainda hoje e realizado aulas de teorias e poucas práticas, poucas vezes colocamos alunos a participar de conteúdos matemáticos, quando passa a desenvolver através dos computadores em laboratório de informática, o aluno tem a participação maior.

Outro tema muito importante na matemática é a função. A função é uma relação matemática definido entre duas variáveis, x e y, e para cada valor de x, é possível determinar um valor de y e com isso, podemos construir gráficos a partir dessa relação. Destacam-se como os principais softwares, veja no quadro abaixo:         

Quadro 02. Principais softwares matemáticos para aulas de Função.

Software

Informação

GRAPHEQUATION

Faz gráficos de regiões e curvas no plano que verifiquem inequações. Permite utilizar coordenadas cartesianas ou polares.

GRAPHMATICA

Software que permite que se construa gráficos a partir de funções elementares. Possui ainda a opção de se trabalhar em coordenadas polares, cartesianas e em escalas logarítmicas.

MATHGV

Software que permite que se construa gráficos a partir de funções elementares. Possibilita que se construa gráficos em duas e três dimensões e em coordenadas polares.

MODELLUS

Software possibilita que se trabalhe o entendimento gráfico de deslocamento e velocidade no tempo.

WINPLOT

Software que permite que se construa gráficos a partir de funções elementares. Possibilita que se construa gráficos em duas e três dimensões e ainda que se trabalhe com operações de funções.

Fonte: Edumatec, 2008. Adaptado por Souza, 2017.

5. O papel do professor com a utilização dos softwares matemáticos

As discussões sobre a introdução dos computadores na escola geraram uma resistência por parte de alguns professores, pois estes acreditavam que essas máquinas poderiam substituí-los e assim, acabariam perdendo seus postos de trabalho. Porém, alguns autores, como Estevez (2010), Hoffman (2000) e Piaget (1974), já viam argumentando que o ensino mecânico necessitaria se modernizar e aderir às novas tecnologias. Pois, os alunos, em algum momento, teriam que aplicar a tecnologia no seu cotidiano e o professor, na sua missão de promover o ensino, estaria diretamente ligado ao sucesso do aluno quanto ao uso dessa tecnologia. Diante desse dilema, o uso de novas tecnologias pode ser uma alternativa de ensino para o professor.

O papel do professor nesse ambiente é de fundamental importância, pois o sucesso da tecnologia por meio de computadores e softwares nas salas de aulas depende da intervenção de um professor para concretizar a verdadeira função dessas ferramentas (CARNEIRO & PASSOS et al., 2014). Almeida (2015) diz que:

O professor que associa a TIC aos métodos ativos de aprendizagem desenvolve a habilidade técnica relacionada ao domínio da tecnologia e, sobretudo, articula esse domínio com a prática pedagógica e com as teorias educacionais que o auxiliem a refletir sobre a própria prática e a transformá-la, visando explorar as potencialidades pedagógicas da TIC em relação à aprendizagem e à consequente constituição de redes de conhecimentos, (ALMEIDA 2015. p. 72).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em trabalho realizado por Carvalho e Santos. (2016) o qual objetivou identificar as conhecer as concepções dos docentes sobre matemática, o uso das novas tecnologias educacionais na formação dos docentes no ensino de matemática numa escola da rede pública de Muritiba-BA. O estudo foi concretizado por meio de entrevista com cinco professores, realizada na escola selecionada.  Para os resultados sobre a percepção dos professores quanto ao interesse e participação dos discentes, durante a aula de matemática, quando utilizados ferramentas tecnológicas, notou-se que no geral, todos os professores entrevistados, tiveram percepções em comuns, tais como o aumento do interesse, empolgação e concentração do aluno em sala de aula, conforme é destacado no Quadro 03, logo abaixo.

Quadro 03. Percepção dos professores quanto ao interesse e participação dos discentes, durante a aula de matemática, quando utilizados ferramentas tecnológicas.

PROFESSORES

PERCEPÇÃO

Professor 01

É um incentivo porque para eles é uma coisa nova e, ao mesmo tempo, faz parte do cotidiano deles. Pois, hoje em dia, as crianças estão muito desenvolvidas com celular, computador, entre outros.

Professor 02

Quando trazemos novidades eles ficam interessados nas aulas, por exemplos, data show, TV e outros.

Professor 03

Quando leva o concreto percebe-se a atenção e a concentração deles. Tem que fazer uma aula diferenciada para ter a atenção e a concentração dos alunos.

Professor 04

Percebe-se a empolgação, o interesse dos alunos, todos querem pegar, mexer, sendo assim, o aprendizado fixa melhor.

Professor 05

Percebe-se o interesse, tanto faz nas tecnológicas mais avançadas, como em qualquer jogo que eles sempre têm interesse.

Fonte: Carvalho e Santos. (2016).

Em trabalho realizado por Medeiros. (2014), com professores de matemática do ensino fundamental e médio nas redes pública e privada de ensino. Concluiu que 78% dos professores acreditam que o uso de softwares durante as aulas de matemática seja relevante. Dessa forma, isso demonstra que apesar da resistência de alguns professores quanto ao uso dos computadores e softwares em sala de aula, muitos já estão aderindo a essa tecnologia e tem estimulado a elevação na qualidade do ensino da matemática em sala de aula.

6. Obstáculos encontrados no uso de computadores e softwares

Muitos dos softwares possuem uma linguagem diferente do habitual, usada em sala de aula. Normalmente, o uso da língua inglesa, está entre as principais dentre esses softwares. Por essa razão, muitos professores, por não terem o domínio da língua inglesa, assim como os alunos, acabam não utilizando os softwares em sala de aula.

Outro aspecto que dificulta o uso dos softwares matemáticos em sala de aula está relacionado a dificuldade dos alunos em aplicar os conhecimentos adquiridos sobre a temática e aplicá-los nos programas computacionais de forma correta. Em trabalho de dissertação realizada por Oliveira (2014), pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de Rio Claro, o qual avaliou a inviabilidade do uso das tecnologias da informação e comunicação no contexto escolar.

A partir das discussões, a autora concluiu com a palavra “desanimador” a estrutura física dos laboratórios de informática. O quantitativo de computadores é considerado insuficiente para uma aula prática com todos os alunos e com isso poucos são os professores que utilizam as TIC em suas aulas. Além disso, a maioria dos professores não se sente seguros e capacitados para o uso de computadores em suas aulas. Ainda segundo a autora, outro fator crucial qual acarreta para a não utilização das TIC no ambiente escolar está relacionado às condições de trabalho docente. Muitos professores são acometidos a longas jornadas de trabalho e pela falta de valorização profissional.

A interação do indivíduo com suas tecnologias tem transformado profundamente o mundo e o próprio indivíduo, realmente, a educação sofreu algumas modificações ao longo dos anos, principalmente em relação ao uso das tecnologias como um meio educacional. Mudanças essas que partem desde á época das palmatórias que até hoje são utilizadas, até o uso de programas e softwares computacionais como forma de ensino.

Nosso sistema de educação ainda se encontra preso no tempo, muitos conteúdos de teorias e poucas práticas, não tendo muito o acompanhamento tecnológico, foi assim que muitos educadores professores começou a buscar novas fórmulas educacional, começou a incorpora em sala de aulas as novas tecnologia por meio de informação e comunicação, assim pode observar as mudanças na sala de aula, e até mesmo na participação dos alunos nos contexto, e também busca novas metodologias de aulas, menos teoria e mais práticas junto aos laboratório de informática.

6.1. Barreiras tecnológicas na educação                      

No início da década de 80 a informática começou a se firmar como um importante elemento presente nas políticas educacionais do MEC. Apesar dos do incentivo Governo Federal e Estadual em modernizar escolas públicas com novas tecnologias de comunicação, com laboratórios de informática, também os mesmo busca capacitar os professores para uma boa utilização nas práticas em sala de aula, para o uso dos computadores e a disponibilidade de softwares educativos.

Ainda uma das mais difíceis barreiras são a utilização destas novas tecnologias em sala de aula, ainda há preconceito dos professores em a utilização das novas tecnologias nas aulas, sabemos que nossa educação  tem como modelo muita teoria e pouca prática, o que torna as aulas um pouco tradicionais, mesmo assim devemos destaca a importância das utilização das NTICs, a cultura que tem nas aulas e o tradicional teórico, porém devemos trabalhar a modernização, colocando esta nova cultura tanto nos alunos quanto professores e todo corpo que representa a escola.             

6.2. BNCC Base nacional comum curricular

BNCC e fornecido pelo MEC, nos quadros abaixo estará principais conteúdos que o MEC coloca nos currículos do ensino fundamental II e ensino Médio, este quadro não tem alteração de nada pois trata-se de documentos junto ao MEC que possibilitar a forma de lecionar conteúdos nas séries acima informado:

(EM13MAT301) Resolver e elaborar problemas do cotidiano, da Matemática e de outras áreas do conhecimento, que envolvem equações lineares simultâneas, usando técnicas algébricas e gráficas, com ou sem apoio de tecnologias digitais.

(EM13MAT302) Construir modelos empregando as funções polinomiais de 1º ou 2º graus, para resolver problemas em contextos diversos, com ou sem apoio de tecnologias digitais.

(EM13MAT303) Interpretar e comparar situações que envolvam juros simples com as que envolvem juros compostos, por meio de representações gráficas ou análise de planilhas, destacando o crescimento linear ou exponencial de cada caso. 

(EM13MAT309) Resolver e elaborar problemas que envolvem o cálculo de áreas totais e de volumes de prismas, pirâmides e corpos redondos em situações reais (como o cálculo do gasto de material para revestimento ou pinturas de objetos cujos formatos sejam composições dos sólidos estudados), com ou sem apoio de tecnologias digitais. 

6.3. NTICS e a metodologia para o ensino de matemática

A educação tem que buscar acompanha o desenvolvimento tecnológico, novas ferramenta de informação e comunicação que vem transformando o mundo, acaba que na educação quando não busca está se modernizando, vem ficando pra traz, não tendo nenhum foco com as novas ferramentas educacionais, hoje mesmo algumas escolas privadas principalmente faz uso do quadro tecnológico, uma lousa digital, em outras só aplicar ensino com slides em Datashow.

A matemática e uma das principais disciplina que há ligação com a tecnologia, hoje há inúmeras ferramentas para o desenvolvimento da matemática em sala de aula, há softwares de linha de frente, jogos interativos educacionais, estas ferramentas boa parte e de código livre aberto, a matemática tem como pioneiro ser odiado por alunos, principalmente no ensino médio, mais boa parte fica devido a tradicionalismo da maneira que conduz as aulas.

Uma aula prática faz com que o aluno se desenvolva melhor as práticas da ciências exatas, deve-se perde um pouco do tradicionalismo educacional, passar a desenvolver técnicas práticas principalmente em laboratórios de informática, a nossa juventude está cada vez mais ligado com a tecnologia e deve-se aplicar maneiras para busca novas metodologias de ensino.         

7. Proposta

O método empregado para essa obra foi do tipo dialético, o qual foi analisado os trabalhos (artigos, teses e dissertações) relacionados ao uso da tecnologia em sala de aula para aprimoramento do ensino em matemática.

Dessa forma, foram realizadas coletas de dados a partir de pesquisas bibliográficas por meio de monografias, dissertações, teses, listados nos sites dos Programas de Graduação e Pós-Graduação em Matemática. Assim como, as publicações de artigos científicos e de opinião em periódicos brasileiros da área de licenciatura em matemática, com QUALIS A e B, As pesquisas serão realizadas por meio de palavras-chaves, tais como, história da matemática, importância da tecnologia nas aulas de matemática, evolução da tecnologia na sala de aula, principais software matemáticos e seus domínios em sala de aula.

A pesquisa é caracterizada como bibliográfica por meio de análises qualitativa relacionadas à abordagem do problema. A análise qualitativa torna-se fundamental para a compreensão da natureza dos fatos, ilustrando os avanços por meio das pesquisas que já foram publicadas sobre o assunto em questão, bem como o conteúdo evidenciado.

8. Considerações Finais

Observa-se que as escolas já vêm buscando meios de adaptação para novas tecnologia e meios de comunicação, antigamente estudava com livros físicos impresso, hoje boa parte das universidades privadas já vem buscando adquirir as apostilas impressas por PDF digitais ou até mesmo em outros formatos.

A responsabilidade para a inserção tecnológica na escola, depende somente do professor e de como ele é profissionalizado, a escola e seus gestores devem preparar o espaço físico, para que a experiência aluno- professor seja maximizada, o que infelizmente ainda não ocorre no Brasil. Como foi mostrado no parágrafo anterior, o cenário educacional Brasil não consegue entregar meios tecnológicos para educação.

A estrutura escolar, pois precisa dar ao aluno a capacidade que ele necessita para realizar suas atividades, favorecer a relação interpessoal, oferecer possibilidades que possam conceder uma dinâmica de aquisição de conhecimento, ou seja, a escola e sua estrutura devem ser atrativas para os alunos, assim os mesmos estarão estimulados para realizar o que for proposto. O ambiente mal estruturado passa a ser na visão do aluno um ambiente tedioso e mórbido, para o professor o processo de ensino se torna um fardo pois ele não conseguirá exercer a função na qual lhe foi dedicado.

O uso da tecnologia, por meio do computador e seus softwares, pode mudar a maneira do professor ministra a sua aula de matemática, com contribuições. Significativas para o processo de ensino e aprendizagem para o aluno. É necessário que haja uma integração entre, professores, softwares, alunos e laboratório de informática para otimização do uso da tecnologia nas aulas de matemática. Quanto ao uso dos softwares matemáticos, é incontestável sua importância nas aulas de matemática, porém, deve-se haver uma escolha correta do software, bem como o treinamento dos professores e alunos quanto ao uso dos mesmos.

Finalmente, acredita-se a utilização das Novas Tecnologias não se destina, simplesmente, a "facilitar” os cálculos ou as medidas. A tecnologia permite transformar os processos de pensamento e os processos de construção do conhecimento. È através dessas Novas Tecnologias, que o nosso país pode começar a melhorar os índices da nossa educação e, consequentemente figurar entre os países de 1º Mundo.

O uso das NTICs tornou-se, nas últimas décadas, num instrumento essencial na investigação, em praticamente em todas as áreas científicas. Por várias razões, essa mudança não se deu ainda na aprendizagem da matemática. Infelizmente o uso da tecnologia ainda é visto com desconfiança por muitos professores. Apesar de ser hoje evidente a influência que tem o uso de equipamentos computacionais na criação de conhecimento científico.

Caso contrário, será em vão todo o investimento que a escola está fazendo em novos recursos tecnológicos, pois cai-se no laissez faire, e os alunos continuam abandonados à própria sorte, sem o devido auxílio e orientação". O primeiro passo, natural em todo momento de transição, é a adaptação do antigo ao novo, ainda que de forma um tanto tímida. Isto se percebe tanto na forma como estão sendo concebidos os ambientes como na forma como estão sendo incorporados ao processo educativo. A efetiva utilização destes ambientes é um grande desafio. O modo como o professor vai utilizar essas NTICs, vai. Determinar o seu sucesso.

Esperamos que através deste artigo, mostrar que a interação entre o professor, aluno e as NTICs, transforma profundamente o mundo e o próprio espaço escolar. O ensino de matemática passará a ser menos temido pelos alunos, sendo utilizado cada vez mais recursos e meios reais, para maior aproveitamento dessa disciplina. Com a realização de oficinas gratuitas com professores, alunos e usuários das instituições parceiras para orientar e acompanhar os processos de interação com as novas tecnologias.

 É importante que o professor entenda também que o fato de a escola estar equipada com os mais modernos recursos não é sinônimo de melhoria na qualidade de ensino. Os aparatos podem dinamizar o processo de aprendizado, mas isso não é fator para se eliminar as práticas pedagógicas.

Mesmo que haja o uso de ferramentas tecnológicas na educação é importante que se tenha a compreensão por parte da docência envolvida no processo evolutivo, de que esses métodos devem ser adaptados ao uso didático, ou seja, inserindo os meios de acordo com a necessidade do projeto de educação, não às demandas particulares dos alunos possibilitando dessa forma a distração em sala de aula.

O método empregado para essa obra foi do tipo dialético, o qual foi analisado os trabalhos (artigos, teses e dissertações) relacionados ao uso da tecnologia em sala de aula para aprimoramento do ensino em matemática. Dessa forma, foram realizadas coletas de dados a partir de pesquisas bibliográficas por meio de monografias, dissertações, teses, listados nos sites dos Programas de Graduação e Pós-Graduação em Matemática.

Assim como, as publicações de artigos científicos e de opinião em periódicos brasileiros da área de licenciatura em matemática, com QUALIS A e B, As pesquisas serão realizadas por meio de palavras-chaves, tais como, história da matemática, importância da tecnologia nas aulas de matemática, evolução da tecnologia na sala de aula, principais software matemáticos e seus domínios em sala de aula. A pesquisa é caracterizada como bibliográfica por meio de análises qualitativa relacionadas à abordagem do problema.

A análise qualitativa torna-se fundamental para a compreensão da natureza dos fatos, ilustrando os avanços por meio das pesquisas que já foram publicadas sobre o assunto em questão, bem como o conteúdo evidenciado.

ALMEIDA, M. E. B. Tecnologias Digitais na Educação: o futuro é hoje. In: 5° Encontro de educação e tecnologias de informação e comunicação, 2007, Rio de Janeiro. V E-TIC 5° Encontro de educação e tecnologias de informação e comunicação, 2007.

 BRITO G. S.; PURIFICAÇÃO, I. Educação e novas tecnologias um repensar. Curitiba: Ibpex, 2.ed. 2008. 

COTTA, Alceu Júnior. Novas Tecnologias Educacionais No Ensino de Matemática: estudo de caso - Logo e do Cabri-Géomètre. Dissertação de Mestrado. Florianópolis 2002. 

FERREIRA, Leila Sueli Thomé. O uso de Novas Tecnologias nas aulas de Matemática.DisponívelEm:. Acesso em: 18 de março de 2012.

MEDEIROS, R. P. Softwares matemáticos: O uso de novos recursos tecnológicos para o processo de ensino e aprendizagem da matemática. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 4, n. 3, p. 6-12, 2014. 

OLIVEIRA, F. T. A inviabilidade do uso das tecnologias da informação e comunicação no contexto escolar: O que contam os professores de matemática. 2014. 169 f. Dissertação de Mestrado - Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Rio Claro, 2014.

DEMO,P. Desafios moderno da educação. Vozes, Petrópolis, 1999

SOARES, Suely Galli. Educação e comunicação: o ideal de inclusão pelas tecnologias de informação: otimismo exacerbado e lucidez pedagógica. São Paulo. Cortez. 2006.

TEDESCO, Juan Carlos (org.). Educação e Novas Tecnologias: esperança ou incerteza? São Paulo. Cortez: Buenos Aires: Instituto Internacional de lá educacion; Brasília: UNESCO, 2004.

VALENTE, José Armando. O salto para o futuro. Cadernos da TV-escola. Sede MEC, Brasília, 2005.

VALENTE, José Armando (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas: UNICAMP/Núcleo de Informática Aplicada à Educação-NIED, 1993.

VALENTE, José Armando (org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP/ Núcleo de Informática Aplicada à Educação-NIED, 1999.

VALENTE, J.A. (org.). O computador na sociedade do conhecimento. NIED, Núcleo de Informática Aplicada à educação. Campinas: Unicamp, 2002. Acesso em 18 de março de 2012.


Aluno: Wanderson Damaceno Gomes - Aluno concludente do curso de Licenciatura em Matemática – Universidade Estácio de Sá.

Profº D. Sc. Patricia R. de A. Lopes2 - Professora Orientadora do artigo da Universidade Estácio de Sá.


Publicado por: Wanderson Damaceno Gomes

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Monografias. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola