Whatsapp

A RELAÇÃO ENTRE O CONCEITO DE BELEZA NA CONSTRUÇÃO DA AUTOESTIMA E O DESENVOLVIMENTO DO TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL

Psicologia

Estudo sobre a relação entre a construção do conceito de beleza e da autoestima e o desenvolvimento do transtorno dismórfico corporal.

índice

1.  RESUMO

A autoestima é considerada um importante indicador de saúde mental por interferir nas condições afetivas, sociais e psicológicas do indivíduo. Os padrões de beleza não são estáticos, e tem influenciado no desenvolvimento de transtornos relacionados à distorção da imagem corporal. O objetivo deste trabalho busca verificar a relação entre a construção do conceito de beleza e da autoestima, e o desenvolvimento do transtorno dismórfico corporal; bem como o papel do psicólogo no tocante a problemática. O mesmo caracteriza-se por uma pesquisa bibliográfica desenvolvida a partir da investigação da literatura atual sobre o tema. Para tratar da temática foi discorrido o conceito de beleza ao longo da história da humanidade bem como a influência desses padrões na saúde física e psicológica dos indivíduos; o conceito e a construção da autoestima na infância e adolescência; a definição do transtorno dismórfico corporal; a correlação entre o transtorno, os padrões de beleza e a autoestima; e o papel do psicólogo embasado na terapia cognitivo-comportamental. Conclui-se que os padrões de beleza influenciam em comparações entre o corpo real e o corpo ideal, onde ocorre um grave fracasso que leva a perda da autoestima e a insegurança. É notório a importância de uma autoestima fortalecida para ir contra esses padrões estéticos, buscando elevar a importância de se aceitar como é, além de buscar outras formas de se adquirir bem-estar que não se resumem somente a padrões estereotipados de beleza.

Palavras-chave: Padrões de beleza. Autoestima. Transtorno dismórfico corporal.

RESUMEN

La autoestima es considerada un importante indicador de salud mental por interferir en las condiciones afectivas, sociales y psicológicas del indivíduo. Los patrones de belleza no son estáticos, y han influido en el desarrollo de trastornos relacionados con la distorsión de la imagen corporal. El objetivo de este trabajo busca verificar la relación entre la construcción del concepto de belleza y de la autoestima, y ​​el desarrollo del trastorno dismórfico corporal; así como el papel del psicólogo en cuanto a la problemática. El mismo se caracteriza por una investigación bibliográfica desarrollada a partir de la investigación de la literatura actual sobre el tema. Para tratar de la temática se ha discutido el concepto de belleza a lo largo de lahistoria de la humanidad así como la influencia de estos patrones la salud física y psicológica de los individuos; el concepto y la construcción de la autoestima en la infancia y adolescencia; la definición de trastorno dismórfico corporal; la correlación entre el trastorno, los patrones de belleza y la autoestima; y el papel del psicólogo basado en la terapia cognitivo-conductual. Se concluye que los patrones de belleza influyen comparaciones entre el cuerpo real y el cuerpo ideal, donde ocurre un grave fracaso que lleva a la pérdida de la autoestima y la inseguridad. Es notorio la importancia de una autoestima fortalecida para ir contra esos patrones estéticos, buscando elevar la importancia de aceptar como es, además de buscar otras formas de adquirir bienestar que no se resume sólo a patrones estereotipados de belleza.

Palabras clave: Patrones de belleza. Autoestima. Trastorno dismórfico corporal.

2. INTRODUÇÃO

A autoestima é considerada importante indicador de saúde mental por intervir nas condições afetivas, sociais e psicológicas do indivíduo, ou seja, influência nas decisões da pessoa (SCHULTHEISZ; APRILE, 2013).

Ao longo da história da humanidade pode-se observar que o conceito de beleza mudou em cada época, de acordo com suas particularidades (SUENAGA; LISBOA; SILVA; PAULA, 2012). Na cultura do século XXI, o corpo é visto como objeto; e aqueles que não se enquadram nos padrões – pessoas acima do peso e mais velhas – são excluídos e marginalizados (NETO; CAMPOS, 2010).

É possível observar pelas mídias televisivas e redes sociais, o crescente desenvolvimento de transtornos relacionados a distorção da imagem corporal (MURARI; DORNELES, 2018). Portanto, destaca-se que os padrões de beleza construídos socialmente, têm influenciado as pessoas por uma busca excessiva em se igualar ao modelo corporal idealizado, e assim, acaba por influir em determinadas patologias, como a depressão, bulimia, ansiedade social, transtorno dismórfico corporal, entre outras. (BORBA; THIVES, 2011).

O presente trabalho parte da preocupação com tais questões, uma vez que, quando há uma fragilidade na construção da autoestima, é possível verificar a maior vulnerabilidade para o desenvolvimento de transtornos relacionados a imagem.

De acordo com os autores Borba e Thives (2011), as pessoas associam o bem-estar e a autoestima como uma condição adquirida através de procedimentos estéticos e cirúrgicos. Esses procedimentos evidentemente podem produzir aumento da autoestima, no entanto, deve-se estar alerta para os transtornos decorrentes dessa busca, pois colocam em risco a própria saúde física e mental do sujeito.

Destaca-se a importância de uma autoestima fortalecida para ir contra esses padrões estéticos, buscando elevar a importância de se aceitar como é; e que existem outras formas de se adquirir bem-estar, tais como o amor próprio, o equilíbrio emocional e as realizações; não somente os meios estéticos ou padrões corporais socialmente ditados (BORBA; THIVES, 2011).

Na literatura acadêmica, diversas expressões são utilizadas para definir a autoestima. Dependendo da abordagem teórica, os autores poderão privilegiar um ou outro aspecto (SCHULTHEISZ; APRILE, 2013). Porém, vamos defini-la como a capacidade de amar a si próprio, aceitar a si mesmo e valorizar o outro (SCHMITZ, 2004).

De acordo com Branden (1995, p.1), “a autoestima tem dois componentes: o sentimento de competência pessoal e o sentimento de valor pessoal, ela reflete na capacidade de lidar com os desafios da vida e no direito de ser feliz”. Para Guilhardi (2002) ela não nasce com a pessoa, é desenvolvida durante toda a vida. É possível verificar que o bem-estar e a saúde mental do indivíduo depende, entre outras variáveis, da maneira como o indivíduo se vê e a maneira como interpreta o que ocorre ao seu redor; e que a autoestima está correlacionada à autoimagem e a imagem corporal.

A autoestima (AE) possui três pilares fundamentais: gostar de si mesmo, acreditar em suas capacidades e ter autoconfiança (SCHMITZ, 2004). Não é estática, apresenta altos e baixos (MOSQUERA; STOBÃUS 2006); e a autocrítica, a autoconfiança, o autoconceito, a autoimagem e a imagem corporal, são correlatas ao conceito (GUERREIRO, 2011).

A autoimagem serve como base para a autoestima, visto que reside no conhecimento individual de si mesmo e no desenvolvimento das próprias potencialidades, e na percepção dos sentimentos, atitudes e ideias que se refere à dinâmica pessoal (MOSQUERA; STOBHAUS, 2008). De acordo com Loiola (2014 apud Kakeshita; Almeida, 2006) é desenvolvida e reavaliada continuamente durante toda a vida, pois a relação estabelecida entre o indivíduo e seu ambiente sociocultural será capaz de influenciar a sua construção.

Considerando que os padrões de beleza influenciam nos transtornos relacionados a distorção da imagem corporal, faz se necessário explicitar o Transtorno Dismórfico Corporal (TDC), que dentre as várias causas associadas ao seu surgimento, está a baixa autoestima.

De acordo com o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico, 2014), o TDC é descrito como um transtorno que desencadeia prejuízos significativos no funcionamento social, profissional ou em áreas importantes da vida do indivíduo.

A maioria dos pacientes apresentam comorbidades tais como: transtorno obsessivo compulsivo; depressão; fobia social; transtornos alimentares; abuso de substâncias dependentes; e transtornos de personalidade como narcisista e histriônica (DSM-V, 2014).

Com relação ao tratamento do TDC, segundo Ramos et al. (2005) a terapia cognitiva comportamental é a mais eficaz para esses pacientes.

Diante do exposto, muitas questões foram suscitadas e desencadearam perguntas de investigação, como por exemplo: De que forma está relacionada a autoestima e o TDC? Ou ainda, de que maneira pode o psicólogo atuar junto a problemática do TDC?

Foi possível perceber que este corpo construído no inconsciente das pessoas pelo poder midiático, está influenciando de maneira perversa a autoestima e autoimagem, causando um sofrimento psíquico; e muitos desses desejos estéticos por perfeição, refletem sentimentos compensatórios de inferioridade e insegurança (NETO; CAMPOS; 2010). Floriani; Marcante e Braggio (2010) sugerem que quanto maior essa busca, menor a autoestima.

As mulheres são as que mais buscam por alterações corporais para pertencer a um grupo social de referência, baseado nos ideais de beleza atual. O ideal feminino de emancipação dos movimentos feministas de liberdade, sucumbiu à ditadura de uma estética corporal que se opõe à obesidade e ao envelhecimento (LOPES; PAIXÃO, 2014).

Ressalta-se a importância do despertar do olhar dos diversos profissionais, tanto da área da estética, quanto da educação (em todos os segmentos: em escolas ou academias) da necessidade em perceber indícios de distúrbios relacionados à imagem corporal; bem como estar preparados para trabalhar em conjunto com os profissionais da saúde – como psicólogos, psiquiatras e nutricionistas – buscando minimizar os danos dessa procura desesperada em adquirir um padrão de beleza irreal (FERREIRA; CASTRO; GOMES, 2005).

O objetivo deste trabalho foi verificar a relação entre a construção do conceito de beleza e da autoestima, e o desenvolvimento do transtorno dismórfico corporal; bem como o papel do psicólogo enquanto profissional da saúde que pontualmente é solicitado para auxiliar no cuidado de casos que apresentam o TDC.

Para tratar a temática, foi trabalhado no capítulo 3, o conceito de belo ao longo da história da humanidade, e a influência dos padrões de beleza socialmente estabelecidos que se transformam inconscientemente numa obsessão que vem menosprezando a saúde física e psicológica.

Para trabalhar o conceito de autoestima, bem como a sua construção na infância e sua influência na vida do adolescente e do futuro adulto; foi descrito no capítulo 4, a sua conceituação, de acordo com diferentes autores.

A respeito do TDC, foi trabalhado no capítulo 5 o histórico, a etiologia, as características, as comorbidades e os instrumentos para diagnóstico clínico. Também foi apresentado aspectos comuns na história de vida destes pacientes, visto que possui origem multifatorial.

No capítulo 6, foi tratado a correlação entre o TDC, os padrões de beleza e a autoestima; visto que os padrões de beleza influenciam diretamente na autoestima e podem assim, contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

Com relação ao papel do psicólogo, foi apresentado no capítulo 7, as técnicas, baseadas na terapia cognitivo comportamental; as características clínicas; e os estudos mais recentes com relação ao tratamento farmacológico, que faz parte do tratamento associado à terapia.

3. MÉTODO

O presente trabalho caracteriza-se por uma pesquisa bibliográfica desenvolvida a partir da investigação da leitura atual sobre a temática.

Conforme afirma Gil (2006, p. 44) “a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos”.

As fontes que forneceram o conteúdo adequado em relação à temática foram 8 livros, publicados no período de 1993 a 2014; e 52 artigos publicados no período de 1998 a 2018.

Utilizou-se as seguintes palavras-chaves: Padrões de Beleza, Autoestima, Transtorno Dismórfico Corporal e Tratamento Psicológico.

Após a seleção dos artigos baseada nas palavras-chaves, realizou-se a leitura exploratória de todo o material relevante, leitura seletiva das fontes selecionadas e o registro de informações extraídas em instrumentos específicos. Posteriormente foi realizada uma análise descritiva das informações compiladas, para ampliar o conhecimento sobre o tema pesquisado e elaborar o referencial teórico.

A seguir, o quadro retratando a coleta de dados para análise da temática:

4. A BELEZA AO LONGO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE

É inegável que alguns valores como poder, beleza e riqueza, são estabelecidos culturalmente (FERREIRA; CASTRO; GOMES, 2005). O padrão de beleza e o conceito de belo não são estáticos, estão sempre se modificando. Desde a antiguidade, a humanidade se depara com estes padrões de beleza que foram se refinando e adaptando, contribuindo para o desenvolvimento da estética (LOPES; CARVALHO, 2011).

Não existe um corpo impermeável às marcas da cultura, ou seja, não há possibilidade de dissociar o corpo da cultura (SUENEGA et al., 2012). Nele estão localizados os valores culturais de determinada sociedade (BARROS, 2013). “O corpo enuncia e presentifica os valores” de cada contexto histórico (ARAUJO; LEORATTO, 2013, p. 718).

De acordo com Araujo e Leoratto (2013, p. 721) a visão estética corporal e visual “alterou-se de períodos em períodos, construindo imagens a serem idealizadas e conquistadas”. O corpo é o suporte da identidade do indivíduo, é a estrutura básica que estabelece as primeiras relações do ser com o meio (ARAUJO; LEORATTO, 2013). Não obstante, a roupa é considerada como uma forma de linguagem, pois comunica os desejos dos indivíduos, e como tal, altera a estrutura física do corpo por ser uma extensão do mesmo (ARAUJO; LEORATTO, 2013).

Sendo assim, se faz necessário elucidar a beleza ao longo da história da humanidade. Sua busca é tão antiga quanto à existência dos seres humanos (SUENEGA et al., 2012).

O histórico da beleza teve início na pré-história. Existem muitos relatos dos quais configuram que, entre os povos primitivos era considerado belo a pintura dos rostos e dos corpos, além de ser uma forma de agradar aos deuses e afugentar os maus espíritos (SUENAGA et al., 2012).

Os egípcios também pintavam os rostos e as unhas – utilizavam carvão, açafrão, pedra malaquíta moída e outros pós coloridos – como parte de seus hábitos de embelezamento diário. Esses povos se preocupavam excessivamente com a limpeza, que era considerada sinônimo de proteção contra o mal e às doenças (SUENAGA et al., 2012). O ideal de corpo feminino entre os egípcios, era bem acinturado e com os seios firmes (PEREIRA, 2014).

Entre os hebreus, a beleza também estava associada a hábitos de limpeza só que destinados à conservação da pele, dos cabelos e dos dentes em geral, onde passavam azeite de oliva e óleo de semente de uva para hidratar e proteger à pele; também preparavam pomada de hissopo (planta aromática localizada próxima ao Mar Negro e da Ásia Central), mirra em pó e romã para a limpeza da pele (SUENAGA et al., 2012).

De acordo com Suenaga et al (2012, p. 5) “os padrões de beleza e harmonia criados na Grécia Clássica (V e IV d. C) são imitados até hoje”.  As mulheres gregas passavam muito tempo cuidando dos cabelos – considerado o símbolo da beleza feminina da época – lavando, trançando e os enrolando com ferro. Os exercícios físicos eram comuns entre homens e mulheres, e o ideal de corpo masculino se baseava na boa forma física (PEREIRA, 2014). O corpo admirável era aquele possuidor de capacidades atléticas, saúde e fertilidade; sendo elemento não somente de adoração, mas também de interesse do estado, para as competições nos Jogos Olímpicos, e para as guerras com outros povos (FARHAT, 2008).

No entanto, diferente do que é considerado belo no século XXI, o corpo bronzeado não era sinônimo de beleza entre os gregos, mas sim a pele branca, que era considerada símbolo de status (SUENAGA et al., 2012). Para proteger a pele dos raios solares, se banhavam em azeite de oliva e depois polvilhavam seus corpos com areia fina. Também de acordo com Farhat (2008, p. 17) “os cabelos loiros eram raros e admirados pelos gregos e ambos os sexos tentavam descolorir seus cabelos com infusões de flores amarelas”. Demonstrando desde então, o caráter autoritário dos padrões de beleza.

Na Idade Média o ideal de beleza feminino era baseado na imagem da Virgem Maria (pele branca, cabelos loiros e ar virginal). O belo, estava conectado ao divino e às virtudes morais (SUENAGA et al., 2012). A vestimenta feminina era longa, pois quanto mais exteriorizasse o corpo feminino, mais valiosa era a interioridade de sua alma (MACEDO, 1998).

Com o domínio do cristianismo, atos de vaidade (como maquiagem, os costumes dos banhos e as massagens) passaram a ser considerados pecados (SUENAGA et al., 2012) e a mulher que pintasse a face ou alterasse a cor dos cabelos – ou seja, a mulher que tentasse alterar a sua aparência – estava contestando a imagem que Deus lhe deu (MACEDO, 1998).

Para os medievais e outros conjuntos culturais, os cabelos detinham de signos de status sexual. Os cabelos grandes simbolizavam uma sexualidade não restringida, enquanto o cabelo curto simbolizava a sexualidade restringida, e a cabeça totalmente raspada, simbolizava a abstinência sexual (MACEDO,1998).

Na época do renascimento, o ideal de corpo feminino retratava mulheres com corpos volumosos. A gordura era sinônimo de saúde, sendo disponível para um seleto grupo da classe dominante “já que o viver deles era abastecido do melhor alimento da época e se afastava de qualquer atividade física desgastante” (FREITAS et al, 2010, p. 393). De acordo com Pereira (2014, p. 11) o excesso de gordura também “garantia uma reserva para a gestação, quadris largos facilitavam o trabalho de parto e seios volumosos eram perfeitos para amamentar”.

O luxo passou a se tornar visível, e os acessórios passaram a ser considerados belos – homens e mulheres passaram a aderir ao uso de joias, maquiagens e fragrâncias – além do uso garantir o poder social (SUENAGA et al., 2012).

No século XVI, a atenção era voltada para a parte superior do corpo feminino: rosto, ombros e busto. As características marcantes eram a delicadeza e intensidade dos olhos. Nos séculos seguintes, a ênfase recaía nas pernas, quadris e cinturas femininas (ARAUJO, LEORATTO, 2013).

O uso de maquiagens novamente tornou-se comum entre homens e mulheres, no século XVII, que usavam pós de arroz e as “la mouche” (pintas artificiais) na face (LOPES; CARVALHO, 2011). O ideal de corpo feminino era baseado em cinturas bem marcadas, e para tanto, as mulheres utilizavam espartilhos apertados para afinar a cintura. Durante essa época também era considerado belo o uso de perucas e lenços; a vestimenta era marcada pelo uso da seda e do cetim, e nas femininas, os decotes chegavam até os mamilos (PEREIRA, 2014).

Foi nas primeiras décadas do século XIX que ocorreu a mudança na visão estética sobre o corpo, mirando em direção à magreza e a renegação da obesidade (FREITAS et al, 2010).

No século XX, o ideal de corpo feminino valorizava o corpo curvilíneo e a cintura fina, onde as mulheres deviam ser altas e magras. Esse século, também foi marcado pelas grandes transformações em relação às noções de beleza em um breve período de tempo, e por disseminar a necessidade de se alcançar um corpo ideal (ARAUJO; LEORATTO, 2013). Serão brevemente destacadas a seguir, as principais mudanças que ocorreram nessa época.

Nos anos de 1910, o ideal de corpo feminino se baseava em seios volumosos. Era comum o uso de corseletes entre as mulheres, para disciplinar as cinturas. Os vestidos longos e o uso de chapéus extravagantes eram símbolo de status entre as mulheres (GOSTINSKI, 2009).

Com a primeira guerra mundial (1914-1918) e com os homens adentrando aos campos de batalha; as mulheres foram conduzidas aos mercados de trabalho. Com isso, as vestimentas tiveram que se adequar à rotina das fábricas e dos escritórios, e os corseletes foram substituídos pelos sutiãs, que tiveram suas primeiras versões durante essa época. Gostinski (2009, p. 49) ressalta que “o figurino feminino passou de frágil para funcional: surgiram os cabelos curtos e as roupas foram repaginadas de modo a constituir uma silhueta que não mais valorizava o corpo.”

Nos anos de 1920, a elegância era sinônimo de simplicidade (GOSTINSKI, 2009). As mulheres passaram a ter mais liberdade nas vestimentas que mostravam as pernas e o colo. A silhueta idealizada era geometrizada: cintura, seios e quadris deveriam ter medidas parecidas. Para isso, as mulheres disfarçavam as curvas usando vestidos retos e enrolavam faixas sobre os seios para achatá-los (GOSTINSKI, 2009).

Os anos de 1930, elegeram as costas femininas como o novo foco de atenção. A mulher dessa época devia ser magra, bronzeada e esportiva.” (Gostinski, 2009, p. 60).

Nos anos de 1940, a vestimenta da década vislumbrava as saias rodadas e compridas, assim como o uso de luvas e sapatos de salto alto (GOSTINSKI, 2009).

Nos anos de 1950, foi resgatado a feminilidade e o padrão de beleza feminino era baseado na sensualidade. A referência era a atriz Marilyn Monroe. Já entre os homens, a referência era o cantor de rock Elvis Presley, e por esse motivo, os topetes masculinos ganharam destaque (GOSTINSKI, 2009).

Durante os anos de 1960, o ideal de beleza feminino valorizava o corpo com aspecto “natural” – ou seja, a beleza inata (SIQUEIRA; FARIA, 2007). A década também foi marcada por um momento de emancipação feminina, relacionado a vestimenta: consagrando-se o visual unissex – calças jeans e sapatos baixos (SUENAGA et al., 2012). “Pela primeira vez, a mulher ousava se vestir com roupas tradicionalmente masculinas, como o smoking” (GOSTINSKI, p. 72, 2009). Para os homens, também houve uma revolução: passaram a ser aceitos os cabelos compridos (SUENAGA et al., 2012).

Nos anos de 1970, surgiram duas tendências que influenciaram o mundo da moda e o conceito de beleza: o movimento hippie e o punk, que foram iniciados devido às pessoas:

Perceberem que os valores da sociedade em que viviam não os faziam felizes, os alienavam e envolviam numa engrenagem de que eles, como indivíduos, eram apenas uma peça a mais, esses jovens propunham uma vida baseada no amor a todas as coisas e no presente, sem hipotecas sobre o futuro. (CIDREIRA, R. P., p.36, 2008)

Os punks espelhavam em sua estética a revolta, a destrutividade e a negatividade (CIDREIRA, 2008) através de roupas rasgadas, cabelos coloridos e cortes “moicanos”, jaquetas de couro e coturnos (GOSTINSKI, 2009). Nas mulheres, as roupas realçaram as nádegas – com os jeans apertados e o surgimento das mini saias/mini vestidos (CIDREIRA, 2008).

Os hippies destacaram as camisetas estampadas (as Pop Art: estamparias com a reprodução de famosos, histórias em quadrinho, etc.); as saias compridas ganharam destaque; surgiram as flores enfeitando os cabelos; foram responsáveis por fazerem dos jeans peças chiques – foi o auge das calças com boca de sino (CIDREIRA, 2008).       

Entretanto, os dois movimentos que pregavam a liberdade, acabaram por contribuir indiretamente com o desenvolvimento da indústria do consumo (CIDREIRA, 2008). De forma positiva, os dois movimentos contribuíram para a massificação da moda, que passou a ser acessível a todos e não mais expressão das diferenças entre classes sociais (CIDREIRA, 2008).

Durante os anos de 1980, o ideal de beleza era o “corpo saudável”. A busca por um corpo perfeito passou a ser uma obsessão: adoção de hábitos saudáveis, rotina de exercícios, uma boa alimentação, etc.” (ARAUJO; LEORATTO, 2013, p. 722). Os homens desenvolveram o culto à musculação, mais especificamente ao fisiculturismo (ARAUJO; LEORATTO, 2013).

Nos anos de 1990, o estereótipo de beleza feminino se baseava em mulheres magras e com cabelos curtíssimos (GOSTINSKI, 2009). A silhueta ideal era estilo manequim: com braços e pernas finas. Deu-se início a era da cirurgia plástica, especialmente em relação ao silicone – o busto se tornou a zona erógena que valorizava os decotes (ARAUJO; LEORATTO, 2013).

A lingerie passou a fazer parte das vestimentas, ganhando notoriedade. Surgiu também o Grunge, movimento impulsionado pelo rock; onde os jovens passaram a utilizar calças/bermudões largos e camisas xadrez; além da ascensão dos piercings e das tatuagens entre os jovens (ARAUJO; LEORATTO, 2013).

No século XXI, o padrão de beleza feminino se baseia em corpos com sinuosidade, pele bronzeada, abdomens definidos, pernas saradas, cabelos pintados, unhas embelezadas, uso constante de maquiagem e pelas buscas em retardar o envelhecimento – através de cremes rejuvenescedores e/ou métodos estéticos (SUENEGA et al, 2012).

Já o ideal masculino, se baseia em homens musculosos, que devem apresentar certa agressividade e demonstrar poder em relação aos demais, através de bens de consumo, despesas significativas e cargos de chefia (SUENEGA et al, 2012).

Diante do exposto, é possível concluir que o corpo se transformou em símbolo de status e se constitui como o principal meio de representação do indivíduo, além de espelhar poder e excluir aqueles que não fazem parte dos padrões vigentes (ARAUJO; LEORATTO, 2013).

De acordo com Murari e Dorneles (2018), ao estudar o histórico do corpo percebe-se que este nunca deixou de ser criticado, mesmo que atualmente tenha se libertado de algumas amarras, ainda se encontra aprisionado.

4.1. IMPOSIÇÃO DOS PADRÕES DE BELEZA

De acordo com Barros (2013, p. 76) “as formas de problematizar as aparências, os modos de conceber e de produzir noções de beleza são modificados ao longo do tempo na sociedade”.

Floriani; Marcante e Braggio (2010, p.1) concluem que “mesmo tendo em mente que o que importa é a essência, na realidade a aparência é fundamental”, pois o que verdadeiramente importa é estar dentro dos padrões determinados, independente das consequências (FERREIRA; CASTRO; GOMES, 2005).

O corpo, que se transformou num objeto do narcisismo do ser humano, é submisso às exigências da sociedade e a busca pela imagem corporal idealizada (ARAUJO; LEORATTO, 2013). Ferreira; Castro e Gomes (2005, p. 171) afirmam que a busca neurótica pelo corpo perfeito se constitui “nos dias atuais, uma verdadeira “epidemia” que assola as sociedades industrializadas acometendo sobretudo, adolescentes e adultos jovens”.

Vigarello (2006 apud SUENEGA et al, 2012) afirma que o corpo se tornou “o nosso mais belo objeto de consumo”, ou seja, o corpo real é descartado em prol do modelo desejado e imaginado (FERREIRA; CASTRO; GOMES, 2005).

A beleza, também passou a adquirir um valor social que concomitantemente, garante sucesso nas relações interpessoais e na vida profissional (BORBA; THIVES, 2011). A imagem corporal influência o poder, o status e a atração exercida sobre o sexo oposto. Por vezes, a beleza é associada à ideia de felicidade, saúde e sucesso social, profissional e amoroso (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012). O corpo é visto como um veículo que espelha a personalidade e descreve que quanto mais bonito, mais se tem a condição de bem-estar (SECCHI; CAMARGO; BERTOLDO, 2009).

No entanto, este mesmo corpo é apontado “como fonte de frustração e sofrimento, constituindo-se como o meio de expressão do mal-estar contemporâneo” (NETO; CAMPOS, 2010, p. 89).

Compreende-se que a mídia tem influência na opinião pública, assim como na percepção que o indivíduo faz a respeito do próprio corpo (SUENEGA et al, 2012). “A insatisfação em relação ao corpo continua permanentemente, enquanto o padrão idealizado pela mídia continua mudando.” (NETO; CAMPOS, 2010, p. 91).

A cultura midiática tem criado/estabelecido “imagens de beleza, muitas vezes ilusórias, através do uso de dublês de corpos, de ferramentas que alteram o formato físico (como o photoshop); disfarçando imperfeições, retocando indivíduos” (ARAUJO; LEORATTO, 2013, p. 720). Flor (2009, p. 271) compreende que “para a mídia, a mensagem da boa forma e beleza é algo que produz lucro; desta forma o assunto é propagado em todos os veículos de comunicação exaustivamente.”

Frequentemente nos deparamos com pessoas preocupadas com a saúde ou com a estética de seus corpos. Com relação à saúde, trata-se de uma medida preventiva contra problemas como obesidade, hipertensão, entre outros; de extrema importância para a saúde física. Com relação à estética, a preocupação está vinculada a ideia de corpo perfeito demasiadamente vendido pela mídia; que estimula a busca desenfreada por essa imagem ideal, através de altos investimentos, como cirurgias plásticas e medicamentos que prometem a perda rápida de peso (FARHAT, 2008).

Portanto, o culto ao corpo estimula um modo de pensar regressivo, infantil e onipotente. Foucault (2009 apud BENEVIDES; RODRIGUES, 2017) destaca em sua obra Vigiar e Punir, o processo de disciplinarização dos corpos presente em diversas instituições – como na família, na escola e no trabalho –ressaltando que esse tipo de dominação age de maneira tão sutil, que nem mesmo são percebidas. As pessoas não conseguem discernir que essas normas, travestidas de discursos como cuidado para com a saúde e bem-estar; na realidade, se constituem como uma imposição (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012), que vem produzindo uma obsessão ao corpo e gerando inúmeros transtornos naqueles – se não todos – que querem pertencer a um grupo social e consequentemente, não serem excluídos (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012).

Ser belo não é mais um dever social e sim um dever moral (NOVAES; VILHENA, 2003), onde as pessoas são responsabilizadas, devendo corrigir as imperfeições, já que o corpo perfeito é a representação do sucesso pessoal (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017).

A obsessão por esse estigma de beleza preconizado tem se tornado exacerbado ao ponto onde se tem preterido a própria saúde (BARROS, 2013). O conflito entre o corpo real e o corpo ideal, estimula a busca por medidas rápidas e drásticas (MURARI; DORNELES, 2018), onde as pessoas vem recorrendo às dietas e exercícios físicos exagerados; uso de diuréticos e laxantes para a perca rápida de peso; excessivas cirurgias plásticas; e ao uso indiscriminado de anabolizantes e/ou suplementos alimentares (SECCHI; CAMARGO; BERTOLDO, 2009); que comprometem o comportamento alimentar, psicossocial, físico, cognitivo e a autoestima (PETROSKI; PELEGRINI; GLANER, 2012). Além de influir em determinadas patologias, como a depressão, bulimia, ansiedade social, transtorno dismórfico corporal, vigorexia, etc. (BORBA; THIVES, 2011).

Mesmo se tendo o conhecimento “dos riscos que a saúde pode sofrer, ainda assim, esse padrão estético é o desejo de muitas mulheres. ” (ARAUJO; LEORATTO, 2013, p. 720). Benevides e Rodrigues (2017) postulam que a explicação, advém das recompensas (emocionais, sociais ou materiais) e/ou das facilidades que são possibilitadas pela valorização da beleza. Novaes e Vilhena (2003, p. 17) sugerem que “todo o investimento destinado aos cuidados pessoais com a estética vincula-se à visibilidade social que o sujeito deseja atingir.”

Desta forma, ao realizar comparações com esse modelo de beleza, advém as distorções na percepção da imagem corporal, constituindo-se em grave fracasso que leva a perda da autoestima e à insegurança (SECCHI; CAMARGO; BERTOLDO, 2009).

Aqueles que não se enquadram – pessoas acima do peso e mais velhas – são excluídos, ridicularizados e marginalizados (CAMPOS; NETO, 2010). Flor (2009, p. 268) ainda afirma que “essa discriminação se estende em todo o âmbito social, seja para encontrar um emprego, um namorado, ou nos comentários maldosos feitos por outros indivíduos nas ruas e na própria mídia, que ajuda a reforçar os estereótipos.” Teixeira (2001, p. 197) lembra que “apelidos que remetem às imperfeições estéticas podem ser cruéis e acompanhar suas vítimas ao longo de quase toda vida. No caso de crianças, tal conotação pejorativa pode enveredar para o chamado bullying”.

Estas pessoas acabam culminando sentimentos de vergonha e ódio ao próprio corpo, por não conseguirem atingir esse ideal, apesar do discurso ser de que é um fator facilmente alcançado (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017). Isso também se torna evidente ao realizar comparações com o constrangimento de antigamente diante da nudez, que residia em decência e pudor; mas atualmente, o constrangimento se remete a vergonha de que sejam expostas as suas imperfeições corporais (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017).

Na sociedade contemporânea, os padrões de beleza se constituem como potencialmente estressores (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012). O estresse é desencadeado por um desequilíbrio e seu processo se desencadeia em três fases: a de alerta, a de resistência e a de exaustão. A fase de alerta se caracteriza pela mobilização. Na resistência, o indivíduo enfrenta o elemento estressor. Na exaustão o indivíduo já não reage mais, chegando ao seu esgotamento.

Os fatores psíquicos que indicam que a pessoa ultrapasse a fase de alerta são: negação da realidade, intolerância em lidar com a frustração e a baixa autoestima. Na fase final, o indivíduo pode ser acometido pela depressão e ansiedade (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012).

Apesar da divulgação midiática que basta apenas uma alimentação equilibrada, a prática regular de exercícios físicos e empenho e determinação, para obter um corpo perfeito, essa realidade não é acessível a todas as pessoas, principalmente aquelas de menor poder aquisitivo, no entanto, não estão isentas dessas exigências (BRAGA; MOLINA; CADE, 2007). Foi possível constatar que a preocupação com a beleza é fator motivacional para os que grupos economicamente desfavorecidos cometam infrações (furtos na busca de alisantes de cabelo, lentes de contato, roupas, etc.) e até mesmo agressões contra aqueles que correspondem aos padrões vigentes (PINHEIRO; FIGUEREDO, 2012).

Na percepção da sociedade contemporânea, alterar a aparência é uma maneira de se potencializar (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017). Portanto, a idealização corporal serve como divisor social, pois os gastos excessivos com dietas, cosméticos, cirurgias, academias e personal trainners, proporcionam status diante da sociedade (FLOR, 2009), assim como exerce vantagem nas relações sociais (FLORIANI; MARCANTE; BRAGGIO, 2010).

Os seres humanos raramente atingem um estado completo de satisfação, pois a cada necessidade satisfeita, outra surge (BORBA; THIVES, 2011). Segundo a pesquisa global realizada pela ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) em 2016, entre os procedimentos em prol da estética e da beleza mais procurados mundialmente estão o uso de toxina botulínica (conhecida por botox) com estimativa de 4.931.577; aumento das mamas (próteses de silicone) com estimativa de 1.449.337; lipoaspiração com estimativa de 1.453.340; blefaroplastia (levantamento da pálpebra superior ou inferior) com estimativa de 1.347.509; rinoplastia  (alteração do formato do nariz) com estimativa de 786.852; abdominoplastia com estimativa de 769.067 e aumento das nádegas com estimativa de 300.791.

O Brasil é o segundo país que mais realiza cirurgias plásticas (as mais buscadas são, respectivamente, a toxina botulínica, aumento das mamas, lipoaspiração, blefaroplastia, e a abdominoplastia) perdendo apenas para os EUA (ISAPS, 2016). De acordo com autores, no Brasil “a cirurgia plástica atuaria como um meio de adquirir um corpo que funciona plenamente, ou seja, a ser usado como estímulo a vencer na vida, não sendo, em tempo algum e de nenhuma forma, contribuinte do fracasso” (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017, p. 88).

De acordo com os autores, as mulheres são mais cobradas do que os homens no que se refere à beleza (SUENEGA et al, 2012), pois a imagem do feminino continua sendo fortemente associada ao belo, e, portanto, se tem menos tolerância para os desvios nos padrões estéticos (SECCHI; CAMARGO; BERTOLDO, 2009). Basta uma depilação por fazer, uma maquiagem fora de tom ou uma raiz malfeita para que surjam duras críticas duras com relação à sua imagem (NOVAES; VILHENA, 2003). Pode-se assim, concluir que o ideal feminino de emancipação, pregado pelos movimentos feministas de liberdade, sucumbiu à ditadura de uma estética corporal que se opõe à obesidade e ao envelhecimento (LOPES; PAIXÃO, 2014).

Para os homens as preocupações com a beleza são mais sutis, pois o descuido está intimamente relacionado à falta de tempo que possuem, em função do ritmo profissional (NOVAES; VILHENA, 2003). O que nos faz despertar para a questão do machismo que pode estar atrelado ao terrorismo com relação à beleza feminina.

Contraditório a isso, apesar da constatação que o ideal sobressai nas mulheres, cada vez mais os homens estão lidando com a mesma intensidade de pressão, para adquirir a forma física “perfeita”, que as mulheres enfrentam há séculos (FERREIRA; CASTRO; GOMES, 2005). Essa mesma sociedade, mantém uma visão preconceituosa com relação aos homens que investem excessivamente na aparência física, onde o cuidado com a aparência é considerado como uma prática homossexual (NOVAES; VILHENA, 2003).

O período da adolescência é marcado por inúmeras mudanças físicas e corporais; também sendo caracterizada como um período de maior vulnerabilidade e risco, principalmente no que tange às exigências impostas pela mídia (BRAGA; MOLINA; CADE, 2007, p. 1222), que “dominam o imaginário das adolescentes” (NETO; CAMPOS, p. 93, 2010). Este corpo construído no inconsciente das pessoas pelo poder midiático, está influenciando de maneira perversa a autoestima e autoimagem dos pré-adolescentes e adolescentes (NETOS; CAMPOS, 2010).

A motivação que faz com que os adolescentes se preocupem exacerbadamente com a boa aparência, vai além da sedução e do prazer em ser admirado/elogiado. Está mais relacionada a uma obrigação social de bem-estar, pois já é propagado na mente destes jovens que a aparência é um dever, sendo relativa à aceitação, inclusive profissionalmente (BENEVIDES; RODRIGUES, 2017).

Portanto, é necessário relevar a importância das intervenções realizadas por profissionais e serviços de saúde durante essa fase da vida, para evitar possíveis problemas futuros como distúrbios de imagem e/ou distúrbios alimentares (PETROSKI; PELEGRINI; GLANER, 2012).

Atualmente, nos deparamos com um movimento, ainda lento, porém forte, que busca dar um basta nessa exclusão social em contraposição à ditadura da beleza. Esse movimento, liderado por mulheres, busca “a liberdade de ser feliz como é, sem ter que ir contra a natureza do próprio corpo e/ou estrutura física” (PEREIRA, p. 24, 2014).

Levando em consideração que o atual padrão de beleza resulta em inúmeras cobranças nos indivíduos, serão levantados o conceito e a construção da autoestima, que ocorre na tenra idade, e com boa formação da mesma, diminuiria as cobranças irreais e idealizadas nos indivíduos.

5. CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA AUTOESTIMA

Neste capítulo enfatiza-se o conceito de autoestima (AE), na visão de diversos autores, pois muitas foram às denominações atribuídas a ela.

Moysés (2007), diz que:

A auto-estima virou uma palavra mágica. Cabe no anúncio do profissional que trata a depressão, que faz hipnose, regressão de memória e usam florais. Cabe também nos dos tarólogos, dos astrólogos e até nos entendidos de anjos. Em todos, a promessa de elevar a auto-estima do pretenso cliente mediante meia dúzia de “passos” (MOYSÉS,2007, p.17)

A respeito desse modismo, Moysés (2007) salienta que os estudos e as pesquisas no campo da autoestima foram alcançando refinamentos cada vez maiores, com enfoques e concepções diferentes.

Na literatura acadêmica, diversas expressões são utilizadas para definir a autoestima, dependendo da abordagem teórica, os autores poderão privilegiar um ou outro aspecto (SCHULTHEISZ; APRILE, 2013) porém, podemos defini-la como a capacidade de amar a si próprio, aceitar a si mesmo e valorizar o outro (SCHMITZ, 2004).

No meio científico o sentido hedonístico de autoestima se modificou, pois foram acrescentadas em sua definição a responsabilidade do sujeito por si próprio, e sua relação consigo e com os demais, mudando a importância desse conceito para a área da saúde, da educação e da vida de forma geral (ASSIS; AVANCI, 2004).

O primeiro teórico a estudar o autoconceito e a autoestima, foi William James, também conhecido por ser o precursor dos estudos da Psicologia; em uma publicação do ano de 1890, James definiu o autoconceito como tudo aquilo que o indivíduo pode chamar de seu, seu corpo, suas capacidades físicas, seus familiares e seus bens materiais (ASSIS; AVANCI, 2004).

Nas décadas de 1970 e 1980 outros estudos foram iniciados sobre o autoconceito; dentre os estudiosos estavam: W. Brookover, Stanley Coopersmith e William Purkey, que chegaram ao consenso de que “o autoconceito é a percepção que a pessoa tem de si mesma, ao passo que a autoestima é a percepção que ela tem do seu próprio valor” (MOYSÉS, 2007, p.18). Já James, “entendeu que a autoestima é a percepção do que se é e do que se faz, determinada pela relação das supostas realidades e potencialidades individuais” (ASSIS; AVANCI, 2004, p. 26).

Para James, a autoestima pode ser melhorada, com o aumento dos sucessos ou com a diminuição das pretensões. Cada indivíduo tem dentro de si a capacidade de avaliar o seu sucesso ou o fracasso, elegendo os atributos que considerar mais valorosos, considerando os parâmetros de cada sociedade e cultura (ASSIS; AVANCI, 2004). Essa ligação da autoestima com o social na produção do preparo emocional de cada indivíduo se concretiza no caráter multidimensional do self: Self material (bens materiais); Self social (como o indivíduo é percebido pelos outros) e Self espiritual (formado pelas faculdades psicológicas), (ASSIS; AVANCI, 2004).

O componente afetivo da autoestima é de extrema importância para James, pois ele é concebido como um sentimento que depende das atitudes e dos valores sociais atribuídos a determinada pessoa. Também, a autoestima é destacada pelo mesmo autor como dinâmica e sujeita a diversas mudanças durante toda a vida (ASSIS; AVANCI, 2004).

De acordo com Mruk (1995 apud Assis; Avanci, 2004) nos 60 anos seguintes, os estudos sobre a autoestima não se desenvolveram. No século XX, a fenomenologia introduziu novos estudos acerca do autoconceito; que para Combs e Snygg (1949 apud Assis; Avanci, 2004), era algo funcional e estrutural. Dentro da organização das percepções de si e do ambiente, respeitando a visão particular e singular de cada indivíduo (ASSIS; AVANCI, 2004).

Rosenberg (1989 apud Assis; Avanci, 2004), em 1965 introduziu em seus estudos sobre a autoestima teóricos do interacionismo simbólico, relatando a importância do sujeito se tornar membro de um grupo social (MEAD, 1953; GOFFMAN, 2002 apud ASSIS; AVANCI, 2004). Em seu estudo epidemiológico, com cinco mil estudantes de Nova Iorque/EUA, Rosenberg julgou a autoestima como uma avaliação que o indivíduo desenvolve e mantém, se manifestando em atitudes de aprovação positiva ou desaprovação negativa em relação a “si mesmo”. Envolve não somente o sentimento, mas também a percepção e a cognição, na formação das atitudes e julgamentos (ASSIS; AVANCI, 2004).

Outros autores que também estudaram e contribuíram para o estudo da autoestima foram Stanley Coopersmith (1967 apud Assis; Avanci, 2004), Branden (1969 apud Assis; Avanci, 2004) e Carl Rogers (1997 apud Assis; Avanci, 2004).

Stanley Coopersmith, em 1967, publicou o livro The Antecedents of Self-Esteem, onde definiu a autoestima como sendo a avaliação que o indivíduo faz de si mesmo, levando em consideração seu valor pessoal e o seu sucesso (ASSIS; AVANCI, 2004). Nataniel Branden (1969) foi um psicólogo norteado pela abordagem humanística, em seu trabalho enfatizou os dois principais componentes da autoestima: o valor próprio e a competência para realizar as atividades (ASSIS; AVANCI, 2004). Carl Rogers (1977) em 1959 considerou que a autoestima depende da coragem em se tornar autêntico, respeitando a sua individualidade e a do outro (ASSIS; AVANCI, 2004).

Todos os autores citados anteriormente contribuíram para a definição do conceito de autoestima, os autores que seguirão abaixo são contemporâneos e muitas de suas ideias foram baseadas nos pioneiros da temática.

Para Schultheisz e Aprile (2013), a autoestima corresponde ao valor que o sujeito faz sobre si em diversas situações, a partir de um conjunto de valores atribuídos a ele como positivos ou negativos trazidos de sua história de vida, até o momento. Para esses autores, a autoestima reflete na forma como as pessoas aceitam a si mesmas, valorizam as outras pessoas e projetam as suas expectativas nas diversas situações da vida.

De acordo com Schultheisz; Aprile (2013) a AE é considerada importante indicador de saúde mental, por interferir nas diversas condições do sujeito como: as afetivas, sociais e psicológicas. Ela se evidencia no nível e satisfação com as situações vividas.

Essa interferência é de grande relevância, já que o sujeito necessita estar bem consigo para que possa vivenciar sua vida e suas condições de maneira favorável, dentro daquilo que é apropriado a si.

Mosquera e Stobaus (2006), caracterizam a AE como instável, pois apresenta altos e baixos, variando entre as diferentes situações: sociais, emocionais e psíquico-fisiológicos (psicossomáticos).

Os autores também apresentam os traços do que seria a auto estima positiva:

Ter segurança e confiança em si mesmo; procurar a felicidade; reconhecer nossas qualidades sem maiores vaidades; não considerar-se superior e nem inferior aos outros; saber admitir limitações e aspectos menos favoráveis da personalidade; ser aberto e compreensivo; ser capaz de superar os fracassos com categoria; saber estabelecer relações sociais saudáveis; ser crítico construtivo; e, principalmente, ser coerente e consequente consigo mesmo e com os outros (MOSQUERA; STOBAUS, 2006, p. 85).

Ao possuirmos uma AE mais real, teremos a tendência a gostar mais dos outros, ser mais afetuosos e a trabalhar mais os aspectos considerados positivos em nós e nas outras pessoas. Já a baixa autoestima, favorece o egoísmo, leva a dependência, arruinando as relações interpessoais (MOSQUERA; STOBAUS, 2006). Todos esses aspectos negativos da baixa autoestima prejudicam a vida do indivíduo, abrangendo da área profissional à área afetiva.

De acordo com a definição de cada autor, a AE é bastante complexa, pois se trata de um constructo interno e interpessoal influenciado pelo contexto social e cultural, no qual o indivíduo está inserido, portanto a sua definição dependerá dessas influências (SCHULTHEISZ; APRILE, 2013). Como também não existe um consenso na literatura acerca do grau de instabilidade ou estabilidade da autoestima (ASSIS; AVANCI, 2004).

5.1. CONSTRUÇÃO DA AUTO-ESTIMA NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

O processo de formação do autoconceito será determinado pelas primeiras relações que a criança vai estabelecendo com familiares, professores e com o grupo social a que convive: estas serão determinantes para a opinião e os valores que a criança irá construir sobre si, HUEBNER (1997 apud ASSIS; AVANCI, 2004). Dessas experiências vivenciadas pelas crianças, se muitas forem de críticas excessivas, humilhações e depreciações, inevitavelmente os valores que a criança atribuirá a si serão referentes a essas vivências negativas (ASSIS; AVANCI, 2004).

Rogers (1977 apud Assis; Avanci, 2004), salienta que as pessoas significativas para a criança, como os pais, podem facilitar a auto-aceitação e diminuir os conflitos, facilitando a construção do respeito e da confiança em si ao acolherem a visão e os valores infantis.

Os adultos costumam reagir aos comportamentos das crianças em algumas situações com aplausos e incentivos, já em outras, com repreensões. Dessa forma a criança seguirá ouvindo ora que é “boazinha e bonitinha” outrora que é “boba e feia”. Com o passar do tempo e a repetição dos padrões de comportamentos, as experiências que surgiram como um processo interpessoal, irão incorporar a estrutura cognitiva da criança, se transformando em sua visão pessoal. A partir de então, a criança se tornará a sua própria jurada, sendo agora a responsável por se aplaudir diante de uma vitória ou se entristecer diante de um fracasso (MOYSÉS, 2007).

Ainda assim, Vygotsky apresenta que a passagem dos conteúdos interpsicológicos não acontece automaticamente; antes disso, os conteúdos irão interagir com os conteúdos já existentes na mente da criança, criando um novo sistema com as suas próprias leis. A internalização ocorrerá de modo particular, já que cada criança traz em si marcas da sua individualidade, o resultado final será a junção do meio social, com o individual de cada indivíduo (MOYSÉS, 2007).

Contudo, a rede de influência dos conteúdos interpsicológicos é muito ampla, indo da construção social e histórica e sendo intermediado pelos diversos tipos de linguagem, de reações e interpretações, o que impede de tratar o autoconceito e a autoestima de forma linear (MOYSÉS, 2007).

Acerca da construção da identidade, Bettelheim (1988 apud Moysés, 2007) afirma que a principal motivação da criança é obter amor e aprovação dos pais e das pessoas significativas para ela, como confirma no parágrafo a seguir:

Todas as situações pai/filho estão carregadas de sentimentos. Só as ações paternas imbuídas de sentimentos positivos por nosso filho convencem-no de sua importância para nós, uma experiência de que ele necessita desesperadamente para poder acreditar que também pode ser importante para outros. (Bettelheim, 1988, p.52 apud Moysés, 2007, p.25)

O mesmo autor destaca que a empatia destinada aos filhos pelos pais, é de extrema importância na busca pela identidade dos mesmos, e que os pais devem se manter solidários a todos os avanços e recuos no processo de se autoconhecer e se autoafirmar pois, os elos saudáveis construídos, favorecerão a formação de uma identidade viável e consistente, para enfrentar os desafios da vida (MOYSÉS, 2007).

Esse processo de aprovação poderá dar origem a um autoconceito positivo, o contrário, poderá levar a um autoconceito negativo, com a vivência de permanentes desaprovações, levará a criança a reagir negativamente como forma de defesa ou retaliação consigo própria e com os pais. Isso caracteriza a importância dos pais e dos outros significantes na formação do autoconceito e da autoestima, pois será com eles que a criança estabelecerá as relações mais importantes para a formação da sua identidade (MOYSÉS, 2007).

Para Coopersmith (1967 apud Assis; Avanci, 2004) dentre os fatores determinantes para o desenvolvimento da autoestima, está o valor que a criança recebe dos outros, os quais são expressos em afetos, elogios e atenção às suas necessidades; a experiência que a criança tem com o sucesso ou com o fracasso, a partir dessas experiências cada criança terá sua definição individual de sucesso e de fracasso; e a maneira de reagir às críticas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

 Os comportamentos negativos destinados às crianças, como a humilhação, rejeição, ridicularização e a punição, levam a baixa autoestima. Crianças que vivenciam menos experiências de amor e sucesso, tendem a se tornar submissas e passivas, mesmo mudando de comportamento em algumas ocasiões, para a agressão e a dominação (ASSIS; AVANCI, 2004). Segundo o mesmo autor, crianças criadas nessas circunstâncias são menos realistas e afetivas no seu dia-a-dia, tendendo a apresentar comportamentos antissociais. Mead (1953 apud Assis; Avanci, 2004), também concorda que crianças ignoradas, rejeitadas e que vivenciam muitas experiências negativas, tendem a se sentirem sujeitos merecedores de desrespeito, perante os demais.

Com relação a importância e relevância da autoestima para crianças e adolescentes, faz-se necessário que as instituições socializadoras, principalmente a família e a escola que exercem os principais papéis na origem e no desenvolvimento da autoestima, se tornem conscientes do seu papel nesse processo.

Na família acontecem os contatos mais significativos para a criança, onde ela encontra espaço para expressar os seus conflitos e afinidades, já que o impacto da convivência familiar no desenvolvimento da autoestima da criança é essencial, Castro (1998 apud Assis; Avanci, 2004).

Como uma instituição social, a família tradicional passou por mudanças no decorrer da história e de acordo com cada cultura, assumindo configurações diversificadas. No século XVIII, a família assumiu um modelo nuclear. Ela pode apresentar elementos positivos, pois oferece um núcleo afetivo de apoio e solidariedade, mas também podem apresentar elementos negativos geradores de conflitos e ambiguidades Camargo e Buralli (1998 apud Assis; Avanci, 2004).

Assis e Avanci (2004) salientam que o movimento histórico trouxe muitas transformações na estrutura da família, mas também levou a apresentar uma independência de modelos, onde existem várias “famílias” com sua própria estrutura e estilo de funcionamento. Nesse aspecto Bilac (1997 apud Assis; Avanci, 2004) comunica que “a variabilidade histórica da instituição família desafia qualquer conceito geral de família”.

Dentro do sistema familiar, cada membro tem um lugar e um papel a desempenhar, esse lugar depende de alguns fatores como idade, sexo e ordem de nascimento. O modelo ecológico do desenvolvimento humano vê a família como um microssistema, o qual é o primeiro sistema onde o ser humano em desenvolvimento interage, buscando relações estáveis, recíprocas e com equilíbrio entre os diversos papéis desempenhados por cada membro. Os processos vivenciados não são independentes um do outro, podendo promover ou dificultar o desenvolvimento do sistema familiar (ASSIS; AVANCI, 2004).

Com as mudanças que ocorreram nos modelos de conjugalidade, onde as famílias se constroem e se desconstroem; as crianças passam a aprender a refazer as alianças ao longo da vida, ao passar por situações de términos e rompimentos em suas relações sociais e emocionais (ASSIS; AVANCI, 2004).

Ribeiro (1988 apud Avanci; Assis, 2004) considera três linhas de pensamento sobre o divórcio: a primeira considera que o divórcio influencia negativamente no desenvolvimento dos filhos; a segunda que os filhos se ajustam, mesmo com as consequências negativas; a terceira mostra que o divórcio não influencia os filhos, e que em alguns casos pode ser o melhor para a família. Ribeiro saliente que alguns aspectos devem ser considerados; como a idade dos filhos, o sexo da criança e do adolescente e o conflito que envolve a família.

Rosenberg (1989 apud, Assis; Avanci, 2004) considera que o impacto da separação sobre a autoestima da criança e/ou adolescente depende em primeiro lugar de quem se divorciou ou enviuvou, em segundo lugar, quando ocorreu, e em terceiro lugar, o que aconteceu após. Em relação aos efeitos da morte sobre os filhos, Bowlby (1998 apud, Assis; Avanci, 2004) reafirma que a forma como o genitor sobrevivente reage, vai influir no comportamento da criança e/ou adolescente em relação à perda.

O grupo familiar deveria ter como premissa, manter a estabilidade e o equilíbrio, pois a ansiedade causada por diversas mudanças em suas configurações gera ansiedade e angústia em seus membros (ASSIS; AVANCI, 2004).

Família conflituosa, ambiente familiar pobre fisicamente, emocionalmente e intelectualmente; pais que depreciam os filhos e lhes tratam com desatento e negligência; famílias onde não há regras e possuem um sistema de punição baseado na força e na perda do amor, são algumas das condições indesejadas que podem influenciar negativamente na visão que a criança terá de si, se comparadas àquelas que percebem sua família de forma positiva (ASSIS; AVANCI, 2004).

O reconhecimento da violência na família varia de acordo com as visões culturais e históricas sobre a infância e a adolescência e as regras e leis voltadas para essa faixa etária (ASSIS, AVANCI, 2004).

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (2001 apud Assis; Avanci, 2004), a violência pode ser: física, onde ocorre o uso de força física com o intento de ferir, danificar, podendo deixar marcas ou não; sexual, ato ou jogos sexuais, podendo ser heterossexual ou bissexual, praticado por agressor em desenvolvimento psicossexual mais adiantado do que a vítima; psicológica, caracterizada por inferências negativas do adulto sobre a criança e sua competência, isolando-a das experiências sociais comuns a sua idade, criando expectativas e exigências irreais sobre o seu rendimento e suas capacidades; negligência, sendo privações essências ao seu desenvolvimento, como privação de alimentos, medicamentos e ausência de proteção contra severidades de seu meio, a negligência é uma das formas de violência mais difíceis de serem detectadas, devido às situações precárias da maioria da população. Uma das formas mais comuns de negligência é o abandono, podendo ser parcial (ausência temporária dos pais) ou ausência total (os pais deixam as crianças desamparadas e expostas a perigos).

 Em famílias onde ocorre a violência infantil a criança poderá ter efeitos e consequências que afetarão as esferas física, social, comportamental, emocional e cognitiva, que consequentemente serão: o baixo peso ao nascer, isolamento social, desnutrição, insegurança, cefaleia e distúrbios psicossomáticos (ASSIS; AVANCI, 2004).

Com relação aos divórcios e separações em famílias onde ocorrem agressões, angústias, inseguranças, intolerância e negligencia, os efeitos do afastamento se constituem como favoráveis (ASSIS; AVANCI, 2004).

Para Garbarino (1995 apud Assis; Avanci, 2004) a família de sucesso é aquela que tem habilidade de transformar crianças em adultos competentes, produzindo crianças emocionalmente fortalecidas, que se realizam profissionalmente e que mantêm bons relacionamentos sociais.

A escola é outra instituição formadora da autoestima, ela tem o papel de criar condições que levem a criança desenvolver uma relação lógica com o mundo, Ferreira e Thompson (2002 apud ASSIS: AVANCI, 2004).

 Os idealistas a veem como uma instituição formadora de caráter e preparação para a vida; para os céticos ela deveria ser denunciada pela sua função de perpetuar a dominação e a desigualdade; para os mais realistas a escola reflete as condições sociais de um grupo, e sua influência para modificar essas condições e transformá-las, pois, leva ao desenvolvimento de crianças e adolescentes (ASSIS; AVANCI, 2004).

Mesmo com toda a diversidade de opiniões e com as crises com que passam as instituições de ensino do Brasil, seu papel nunca foi valorizado na sociedade brasileira, pois as necessidades são voltadas para as exigências do mercado de trabalho. Todavia as mudanças advindas da década de 90 proporcionaram o aumento do número de crianças na escola e a diminuição no índice de analfabetismo FERREIRA; THOMPSON (2002 apud ASSIS; AVANCI, 2004).

O ambiente escolar e o relacionamento entre educadores e alunos serão relevantes para a formação da autoestima da criança, já que um aluno criticado pelos educadores e frustrado com seu desempenho, poderá vir a apresentar agressividade, pouca interação social, imaturidade, problemas em se comunicar, tornando-se fechado para a capacidade de criar e transformar. Outras situações também podem afetar a autoestima da criança; como a violência nas escolas, as balas perdidas, os estupros etc., fatos esses que afetam o cotidiano escolar de alunos e funcionários (ASSIS; AVANCI, 2004).

A violência vivida no ambiente escolar guarda particularidades, mas existem outros tipos de violência que habitam e influem na vida dos jovens, como a violência estrutural (precariedade nas condições de sobrevivência e desigualdade social) presente na vida familiar, sendo este um espaço tanto para socializar, quanto como uma escola de violência. A violência familiar potencializa a violência social, pois influi na forma como a criança enfrentará a violência sofrida na escola e na comunidade em que vive (ASSIS; AVANCI, 2004).

A violência no Brasil é uma das principais causas de mortes de crianças e adolescentes a partir dos 5 anos de idade, essa população sofre com a restrição dos seus direitos básicos, como o direito à escola, a assistência à saúde e os cuidados necessários para o seu desenvolvimento saudável. Muitas dessas crianças e adolescentes são submetidas à mão-de-obra para ajudar no sustento da família, outras são exploradas sexualmente, e em algumas situações são abandonadas, tendo que sobreviver nas ruas. Nesse cenário, são alvos de violência que comprometem a saúde física e mental dessas crianças e adolescentes, Sociedade Brasileira de Pediatria (2001 apud Assis; Avanci, 2004).

Portanto é de consenso entre os autores citados, que a construção da autoestima será determinada por diferentes variáveis; pelos afetos positivos recebidos, pelos afetos negativos, pela relação estabelecida com os pais e com as pessoas significativas, como também da cultura na qual a criança está inserida.

Considerando que os padrões de beleza influenciam nos transtornos relacionados a distorção da imagem corporal, faz se necessário explicitar o Transtorno Dismórfico Corporal (TDC), que dentre as várias causas está a baixa autoestima, associada ao seu surgimento.

6. TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL

O transtorno dismórfico corporal (TDC) é descrito como um transtorno mental, que envolve a preocupação exagerada com anomalias imaginárias na aparência ou com um defeito mínimo presente, levando a prejuízos significativos no funcionamento social, profissional ou em áreas importantes da vida do indivíduo (CONRADO, 2009). A média de idade mais comum é entre 12 e 13 anos; as preocupações subclínicas se desenvolvem gradualmente, até o transtorno completo; no entanto, há indivíduos que experimentam o início abrupto do transtorno (DSM-V, 2014).

As complicações mais frequentes são a baixa qualidade de vida, cirurgias plásticas excessivas e muitas vezes desnecessárias, e tentativas de suicídio (FIGUEIRA; NARDI; MARQUES; VERSIANI, 1999). Indivíduos com início do transtorno antes dos 18 anos, merecem maior atenção, pois os maiores índices de suicídios e comorbidades ocorrem nessa fase (BRITO et al, 2013).

Também conhecido como dismorfia muscular, o TDC é caracterizado pela distorção da percepção corporal. De acordo com Conrado (2009) a prevalência na população geral é de 1 a 2% e, em pacientes dermatológicos e de cirurgia cosmética, de 2,9 a 16%. De acordo com alguns estudos o TDC é ligeiramente mais prevalente em mulheres (CONRADO, 2009).

O TDC tem origem multifatorial, que inclui fatores genéticos, orgânicos, ambientais e culturais. Apesar da gravidade do transtorno, os estudos científicos sobre o transtorno ainda estão no início e por isso, existem conteúdos limitados com relação à temática (MORIYAMA, 2007).

De acordo com o DSM-V (2014), o TDC apresenta as seguintes características diagnósticas: as falhas percebidas para si, são leves ou não observáveis pelas outras pessoas; foco nos defeitos da pele, do cabelo, do nariz ou em qualquer outra área do corpo; cerca de 3 a 8h do dia, são destinadas a preocupações, as quais são difíceis de resistir ou controlar; comportamentos excessivos relacionados a comparação com outros indivíduos; busca constante por espelhos ou objetos refletores; uso de maquiagem, chapéu e roupas para camuflar os aspectos indesejáveis da aparência; excesso de exercícios físicos e procedimentos estéticos; e prejuízos significativos na vida do indivíduo.

Na CID-10 (1993), o TDC está presente na classificação dos transtornos somatoformes (f45), sendo descrito ainda como transtorno hipocondríaco (f45.2). Os transtornos somatoformes são caracterizados pela ausência de anormalidades nos exames físicos ou laboratoriais, ou como anormalidades mínimas que não justificam o transtorno (FIGUEIRA; NARDI; MARQUES; VERSIANI, 1999).

De acordo com a CID-10 (1993) raramente se apresenta pela primeira vez após os cinquenta anos de idade, e não há indícios de delírios sobre funções ou formas corporais. Como critérios diagnósticos deve haver a presença de dois fatores: preocupação persistente com uma suposta deformidade ou desfiguramento, e recusa em aceitar que não há nenhuma anormalidade física.

A maioria dos pacientes com TDC apresentam comorbidades, tais como: transtornos de ansiedade (principalmente a fobia social, caracterizada pela esquiva social, que é comum entre esses pacientes); transtorno obsessivo compulsivo; abuso de substâncias dependentes; depressão; transtornos alimentares; e transtornos de personalidade, como narcisista e histriônica (BRITO et al, 2013).

É importante o diagnóstico diferencial com relação a outros transtornos mentais, principalmente os transtornos alimentares; devido à similaridade entre eles. Os dois transtornos possuem suas particularidades, no entanto, podem ocorrer simultaneamente (CONRADO, 2009). De acordo com Moriyama (2007, p. 3) “a incidência de comorbidades, além de dificultar a classificação traz problemas para se determinar a prevalência, pois confunde o diagnóstico”.

Com relação ao medo da avaliação social negativa, Conrado (2009, p. 572) afirma que esses pacientes evitam contato com outras pessoas, além de não conseguirem trabalhar ou ter relacionamentos sociais e afetivos devido “a preocupação de parecer “feio” ou ao medo de que outras pessoas estejam fazendo comentários depreciativos em relação ao seu defeito”.

O TDC também é associado a outro transtorno mental: a vigorexia. Esta é caracterizada pela prática excessiva de exercícios físicos que provocam manifestações físicas (lesões, cansaço constante, dores musculares, fraqueza) psíquicas e/ou emocionais (perda de apetite, perda de peso, irritabilidade, agressividade, diminuição da concentração, ansiedade e depressão). O TDC pode desencadear a vigorexia, e a vigorexia pode desencadear o TDC (SUEITTI, 2014).

Com relação ao seu histórico, foi descrito pela primeira vez em 1886, pelo psiquiatra Enrico Morselli e, foi inicialmente nomeado por “dismorfofobia” (BRITO et al, 2013). Na literatura dermatológica são encontradas descrições de pacientes cujo quadro clínico fora denominado por uma hipocondria dermatológica (CONRADO, 2009).

O TDC foi negligenciado por muito tempo, entretanto, está cada vez mais ganhando reconhecimento dos profissionais da saúde e de outras áreas (CONRADO, 2009). Somente foi mencionado pela primeira vez no DSM, na terceira edição, em 1980, como Transtorno Somatoforme Atípico. Seu pouco reconhecimento se deve ao fato de ter sido associado por muitos anos, como sintoma de outras doenças psiquiátricas, como a esquizofrenia, transtornos de humor e transtornos de personalidade.

É comum entre os pacientes, que as preocupações envolvam áreas da face, relacionadas às acnes, rugas, textura da pele e cicatrizes. Nos pacientes do sexo masculino, é habitual preocupações com os genitais, com o peso e com os cabelos; enquanto que, nos pacientes do sexo feminino, as preocupações estão voltadas para com o peso, quadris, pernas, mamas e estrias (CONRADO, 2009).

Um aspecto clínico que deve ser relevado, é o fato dos pacientes com TDC terem dificuldades em relatar aos profissionais de saúde mental a existência de seus sintomas, pois sentem vergonha destes e reafirmam que seus problemas serão resolvidos por alguma área da estética (CONRADO, 2009). Por isso, a grande parte dos pacientes com o TDC buscam inicialmente por cirurgias plásticas ao invés de buscarem por tratamento psicológico, pois não reconhecem fatores psicológicos envolvidos na gênese de seus sintomas (FIGUEIRA; NARDI; MARQUES; VERSIANI, 1999) e acabam se submetendo a infindáveis procedimentos cirúrgicos, estéticos e dermatológicos (AMÂNCIO, 2002).

De maneira geral, esses pacientes não se sentem satisfeitos com os resultados dos métodos, reincidindo numa nova busca, caracterizando um comportamento aditivo na busca por estes procedimentos (BRITO et al, 2013). Isto ocorre porque o corpo continua sendo discriminado da mesma maneira, o que ocorre é a substituição do defeito imaginado por outro (MORIYAMA, 2007).

Devido à grande ansiedade decorrente do transtorno, muitos pacientes utilizam estratégias para camuflar, disfarçar e desviar a atenção do defeito percebido ou inexistente utilizando um certo tipo de vestimenta, ou acessórios (óculos, piercing, bolsas, boné, touca, etc.) e maquiagens (BRITO et al, 2013). Também costumam apresentar comportamentos obsessivos e disfuncionais, como checar constantemente a aparência em espelhos ou objetos refletores; realizar constantes mudanças no corte e na tonalidade dos cabelos; apresentam gastos elevados com salões de beleza, cosméticos, roupas novas, e procedimentos estéticos, dermatológicos e cirúrgicos (CONRADO, 2009).

Alguns pacientes também apresentam comportamentos auto-agressivos, como os chamados DIY (Do it yourself), que são caracterizados como comportamentos extremos para tentar alterar a forma física(BRITO et al, 2013); assim como o skinpicking, que é caracterizado pelo uso de alfinetes, clipes, lâminas; que causam lesões notáveis como infecções ou cicatrizes profundas (CONRADO, 2009); uso de cianoacrilato (conhecido como superbonder) e esparadrapos para esconder manchas; e o uso de pregadores de roupa com a finalidade de afinar o nariz (BRITO et al, 2013). Todavia, é importante destacar que estes pacientes não têm por objetivo ou a intenção de se machucar (CONRADO, 2009).

O transtorno, como dito anteriormente, tem origem multifatorial. A respeito dos fatores genéticos, foram observados padrões de hereditariedade, havendo relatos de histórico familiar com o mesmo transtorno (CONRADO, 2009). Em seu desenvolvimento, fatores orgânicos podem estar associados, como funções anormais de serotonina e dopamina (CONRADO, 2009). Com relação aos fatores ambientais que podem ter relevância para o desenvolvimento do transtorno, de acordo com Moriyama (2007) existem aspectos comuns na história de vida dos pacientes com TDC, como a educação rígida; pais “super” protetores; poucos amigos na fase escolar; ganhos secundários; famílias que dão maior ênfase aos conceitos estereotipados de beleza; comentários dos outros com relação a aspectos indesejáveis da aparência; e acidentes traumáticos com a parte específica do corpo em que se tem preocupação. A literatura aponta que fatores culturais – ou seja, a ênfase dada à beleza na cultura ocidental – influência no desenvolvimento do transtorno (MORIYAMA, 2007).

Sobre os fatores psicológicos envolvidos no transtorno, duas teorias psicológicas se propuseram a esclarecer suas causas. De acordo com a teoria psicanalítica, o TDC emerge a partir de sentimentos de inferioridade e culpa (CONRADO, 2009), e os motivos inconscientes para o desenvolvimento dos sintomas está intimamente relacionado ao deslocamento de conflitos sexuais e emocionais, advindos de desejos incestuosos e da ansiedade de castração (FIGUEIRA; NARDI; MARQUES; VERSIANI, 1999).

De acordo com a cognitiva comportamental, a causa se deve a interação entre fatores comportamentais, cognitivos e emocionais; podendo resultar de reforços positivos nas características da aparência, relacionado a sua importância pela mídia e pelo meio social (CONRADO, 2009).

Na prática clínica de cirurgiões plásticos, o TDC é constante. Os pacientes que apresentam os critérios diagnósticos, incluindo a esquiva de situações públicas e sociais, e a excessiva prática de exercícios, não devem ser submetidos a tratamentos cirúrgicos, devendo ser encaminhados para tratamento psicológico e/ou farmacológico (BRITO et al, 2013). Existem alguns casos em que, após um período de tratamento, o paciente pode procurar novamente por tratamento cirúrgico, se houver a supervisão de profissionais da saúde mental (BRITO et al, 2013).

No que se refere aos instrumentos de diagnóstico, tem-se material escasso. Um dos primeiros instrumentos foi desenvolvido por Cooper, Taylor, Cooper e Fairburn (1987) denominado como Body Shape Questionnaire (BSQ), que é constituído por 34 questões, segundo uma escala Likert de seis pontos. Tem por objetivo avaliar o medo em adquirir ganhar peso, os sentimentos de autoestima com relação a aparência, o desejo de perder peso e a insatisfação corporal.

O MBSRQ (Multidimensional Body-Self Relations) foi desenvolvido em 1990 por Brown, Cash e Mikulka. É considerado sensível para discriminar qualquer aspecto da aparência e não somente a insatisfação com relação ao corpo, sendo utilizado para diagnóstico do TDC, de transtornos alimentares e até a obesidade mórbida. O instrumento engloba 60 itens e é dividido em dez subescalas, sendo as mais importantes para o TDC a subescala BAS, AE e AO.

O instrumento mais recente e utilizado pelos profissionais da saúde para diagnosticar o TDC, é a Escala de Avaliação do TDC (EA-TDC) que é composto por 35 itens de escala Likert de quatro pontos. De acordo com Ramos (2009, p.33) ainda existem algumas limitações como “o número limitado de participantes, aplicação inadequadas da análise fatorial devido à amostra pequena (N=30) e o fato de ter poucos itens relacionados ao diagnóstico diferencial.”

Não há maneiras de prevenir o TDC, no entanto, o diagnóstico precoce auxilia para que o transtorno não evolua a quadros mais graves como a esquiva social e aos comportamentos de risco; visto que, a maioria dos pacientes com TDC chegam a uma clínica psicológica após onze anos desde o aparecimento dos primeiros sintomas (CONRADO, 2009). Sem tratamento, os comportamentos obsessivos evoluem e se agravam, e são nesses casos, que há maiores indícios de suicídio (MORIYAMA, 2007).

Considerando a importância da formação da autoestima para ir contra padrões estéticos socialmente ditados pela sociedade, será apresentado, no capítulo seguinte, a relação entre o transtorno dismórfico corporal e a autoestima.

7. RELAÇÃO ENTRE O TDC, PADRÕES DE BELEZA E A AUTOESTIMA

Considerando que não é somente a autoestima que influencia no desenvolvimento dos sintomas do TDC, mas em especial os padrões formalizados pela cultura e sociedade podem inferir na diminuição da mesma, levando ao aparecimento dos sintomas desse transtorno. O atual culto ao corpo está presente em todas as classes sociais e faixas etárias, levando muitas vezes um discurso que exclui a questão da estética, e noutras um discurso que ignora a preocupação com a saúde, levando o sujeito a submeter-se a procedimentos estéticos abusivos e excessivos, buscando resolver o seu problema psicológico.  (EMILIANO; URBANO, 2013).

O TDC é descrito como a "feiura imaginária”, seu principal traço é a preocupação excessiva com um aspecto ou defeito na aparência, que leva a sofrimento e prejuízos na vida social e ocupacional. Essa importância com a beleza, e comparação com padrões idealizados são significativos no desenvolvimento dos sintomas do TDC (FERRAO; MIGUEL; TORRES, 2005).

Considerando o sofrimento do paciente com TDC, faz-se necessário demonstrar três importantes construtos que são correlatos e importantes para um desenvolvimento sólido e realista do ser humano, são eles: autoconceito, autoimagem e autoestima.

O autoconceito pode ser definido como a imagem do que se pensa ser, é a percepção do indivíduo em relação a si, corresponde às atitudes, sentimentos e autoconhecimento sobre as suas capacidades, competências, aparência física e aceitação social (NUNES, 2010). Pode ser considerado como um conjunto de conceitos de imagens, de juízos descritivos e valorativos a respeito do próprio sujeito, esse juízo faz relação aos aspectos do próprio corpo, do comportamento, da situação atual e relações sociais (CARVALHO, 2003).

A autoimagem é desenvolvida juntamente com o corpo e a identidade do indivíduo, ela está sempre em desenvolvimento no que se refere às experiências da infância e as vivências do presente, segundo Tavares (2003 apud Emiliano; Urbano, 2013). Pode ser definida como a consciência e o sentimento que a pessoa tem de si, juntamente com o seu autoconceito que é o que a mesma pensa sobre si (ALMEIDA, 2001).

Com relação à autoestima, ela é considerada um ponto importante na saúde mental, pois define a confiança que o sujeito tem em sua capacidade de pensar, agir e enfrentar a vida. A aparência física será um dos principais pontos a influenciar a autoestima do sujeito (DICCINI; MARCOLAN; YOSHINAGA, 2008). Ela se relaciona com o amor próprio, satisfação pessoal e estar bem consigo mesmo, ao primeiro sinal de insatisfação, ela implicará na autoimagem do sujeito, que perderá a sua autoconfiança ao sentir que o corpo que se tem não corresponde ao estereótipo idealizado pela sociedade (CARVALHO, 2003).

A imagem corporal refere-se à interpretação que o indivíduo tem do próprio corpo e como age em relação a ele, esta imagem estará constantemente se modificando devido aos diversos fatores que atuam durante todo o ciclo de vida dos sujeitos, como os padrões formalizados pela sociedade e cultura de cada época (RUSSO, 2005).

Dessa forma constata-se que a imagem corporal está ligada com a autoestima que, consequentemente essa insatisfação refletirá na autoimagem, Bucaretchi (2003 apud Emiliano; Urbano, 2013). A imagem corporal não se forma somente com as impressões ou sensações táteis, mas com os meios externos, como fotos, vídeos, revistas, modelos e atrizes famosas, terão grande influência em sua formação Tavares (2003 apud Emiliano; Urbano, 2013).

Em todas as diversas culturas do mundo, existe um padrão de corpo ideal, que determina essa imposição que se torna cada vez mais opressiva e generalizada, Tavares (2003 apud Emiliano; Urbano, 2013).

Essa busca excessiva por padrões idealizados leva a práticas corporais de manipulação e mutilação, transformando o corpo normal em artificial. Estudos mostram a grande relação com o TDC, pois estima-se que cerca de 9% dos portadores desse transtorno, se submetem a cirurgias plásticas (EMILIANO; URBANO, 2013). Nessa busca por um modelo inatingível de beleza, é notável que não somente a autoestima está prejudicada, mas que também a saúde física e mental desses indivíduos (AMÂNCIO et al, 2002). Os pacientes além de apresentarem grande investimento com a aparência, possuem uma avaliação negativa da imagem corporal, o que é responsável pelo extremo sofrimento desses pacientes. As respostas emocionais mais frequentes com relação a própria aparência física são descritas como vergonha, nojo, aversão, ódio e ansiedade. Os indivíduos com TDC são extremamente preocupados que o ideal estético não está alinhado ao conceito de beleza (BRITO et al, 2013).

Com toda a exposição da mídia e de uma sociedade cada vez mais exigente com a imagem corporal, é possível verificar que o paciente com TDC sofrerá com essa influência, com os fatores relacionados à educação na infância, que refletirá na autoestima, e na auto percepção corporal, dessa forma o indivíduo poderá procurar aperfeiçoar a sua imagem corporal através de diversos procedimentos estéticos, buscando resolver e suprir o seu problema psicológico (EMILIANO; URBANO, 2013).

Sendo de grande relevância no tratamento do TDC, no capítulo seguinte será exposto as técnicas utilizadas pela TCC e a importância do psicólogo nesse processo.

8. O PAPEL DO PSICÓLOGO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NO TDC

A maioria dos estudos que envolvem o tratamento do TDC consiste em relatos de casos e pequenos ensaios clínicos não controlados, onde foram utilizadas uma série de técnicas psicológicas, educacionais e o treinamento de habilidades sociais, associadas ao tratamento farmacológico (MORIYAMA, 2007).

Tratar pacientes somatoformes se constitui como um grande desafio para o clínico, pois na maioria das vezes, estes pacientes estão insatisfeitos com o atendimento; discordam dos diagnósticos recebidos e apresentam resistências quanto a procura por um atendimento psiquiátrico, como mencionado anteriormente. Portanto, é vital que o clínico tenha um conhecimento aprofundado sobre o transtorno e evite intervenções desnecessárias (FIGUEIRA; NARDI; MARQUES; VERSIANI, 1999).

É necessário que todos os pacientes com um transtorno mental coexistente, como todas as comorbidades mencionadas, busquem pelo tratamento psicológico e farmacológico (KNAPP, 2004).

A farmacoterapia é baseada em antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina (BRITO et al, 2013). Os mais receitados são a fluoxetina, a clomipramina, a fluvoxamina, e o citalopram, no entanto, foi constatado que a suspensão deste último medicamento levou a uma brusca recaída dos sintomas (CONRADO, 2009). De acordo com estudos recentes, avenlafaxina é o antidepressivo que demonstrou melhor resposta no tratamento do TDC, por se constituir como um antidepressivo de dupla ação (MORIYAMA, 2007).

Para o tratamento psicológico, segundo Ramos et al. (2005), a terapia cognitiva comportamental (TCC) é a mais eficaz.

A TCC é um termo genérico que abrange mais de vinte abordagens dentro do modelo cognitivo e cognitivo-comportamental. Todas as terapias compartilham de algumas características: a atividade cognitiva influencia o comportamento; a atividade cognitiva pode ser monitorada e alterada; e o comportamento desejado pode ser influenciado mediante a mudança cognitiva (KNAPP, 2004).

É uma terapia ativa que busca ensinar o paciente a reconhecer seus pensamentos e suas crenças, em especial às ideias disfuncionais que geram seus problemas. Ela indica a importância da relação entre pensamento, afeto e comportamento, buscando examinar os pensamentos distorcidos, instruindo o indivíduo a substituir esses pensamentos por interpretações voltadas para a realidade, estabelecendo afetos e comportamentos mais positivos. Sua finalidade visa diminuir a angústia relacionada à distorção cognitiva, alterando as interpretações erradas que prejudicam a vida do sujeito (KNAPP, 2004).

Para Silva e Marinho (2008), no tratamento da baixa autoestima, presente nos pacientes com TDC, alguns aspectos devem ser considerados em relação ao cliente, como: o repertório comportamental e o sentir-se inadequado frente a sua sintomatologia.

O tratamento psicológico do TDC baseado na TCC, envolve a reestruturação cognitiva. Essa técnica se baseia na identificação, monitoração e modificação dos pensamentos e das crenças disfuncionais, relacionadas à aparência (RAMOS et al, 2005).

A reestruturação cognitiva tem por intuito desenvolver pensamentos mais realistas, que levem a aceitação da beleza como sendo subjetiva e também trabalhar a compreensão de que os seres humanos são mais complexos do que somente a definição única de sua aparência, segundo Veale et al. (1996 apud Cândido, 2014).

Outras formas de intervenção que também vêm sendo utilizadas no tratamento do TDC são: treinamento de habilidades sociais, questionamento socrático, role-play, a exposição com prevenção de resposta (EPR), e a psicoeducação (RAMOS et al, 2005).

O treinamento de habilidades sociais envolve desenvolver um repertório verbal e comportamental, reforçando o contato social (MORIYAMA, 2007).

O questionamento socrático, é uma técnica bastante utilizada na TCC, que tem por objetivo buscar reestruturar as crenças irracionais ou pouco realistas, fazendo com que o paciente faça uma avaliação das evidências que apoiam e as que são contrárias ao seu pensamento disfuncional; a fim de descobrir formas alternativas de interpretar suas sensações e emoções (MORIYAMA, 2007).

O role-play compreende o treinamento de respostas adequadas, onde o terapeuta e paciente reproduzem as situações da vida real que geram incômodo (BARRETO, 2012), podendo ser realizadas in vivo ou por imaginação (MORIYAMA, 2007). O objetivo é treinar o paciente para lidar com as situações sociais cotidianas (BARRETO, 2012).

A técnica de exposição com prevenção de resposta (EPR), consiste na exposição do paciente a situações aversivas; como por exemplo, prevenir a verificação de respostas frente ao espelho: levar a comportamentos de exposição em público sem utilizar objetos que camuflem uma suposta deformidade; eliminar comparações com outras pessoas e ocultar elogios. As exposições seguem uma sequência hierárquica da situação evitada: da que causa menor grau de estresse para aquela que causa maior grau (CROSSOVER; GLEAVES, 2001; VEALE, 2002; ROSEN, 2003 apud CÂNDIDO, 2014).

A psicoeducação, se utilizada no início do tratamento, vem sendo considerada com um importante elemento nesse processo (VERAS, 2010). Essa tem como objetivo aumentar o conhecimento do paciente acerca do transtorno, da origem dos sintomas, dos efeitos colaterais dos medicamentos, os procedimentos e etapas para remoção dos sintomas (KNAPP, 2014).

Em relação à prevenção de recaída e término do tratamento, Cordioli et al. (2008 apud Cândido, 2014), destaca que o paciente é estimulado a antecipar e planejar o pós térmico do tratamento, que vai acontecendo de modo gradual. As expectativas em relação aos futuros problemas que poderão surgir são examinadas; salientando que a terapia cognitivo-comportamental não dará imunidade aos problemas, mas sim um ensinamento de como lidar quando estes surgirem.

Para a estruturação do tratamento, o primeiro passo a ser salientado é a relação de confiança e aceitação, onde o terapeuta deve realizar o acolhimento frente a história do sujeito, demonstrando respeito e interesse. Outro aspecto presente é a resistência, a qual o terapeuta terá que lidar, compreendendo que os comportamentos já instalados geram segurança e conforto ao indivíduo (BRITO et al, 2013).

Moriyama (2007) conclui que o comportamento verbal do terapeuta, baseado nos estímulos discriminativos, reforçadores e nas instruções, estão intimamente relacionadas às mudanças de comportamento do paciente. Portanto, as atitudes saudáveis e realistas em relação a autoimagem por parte do terapeuta, podem ajudar a prevenir o desenvolvimento e o agravamento dos sintomas (BRITO et al, 2013).

O psicólogo deve compreender que cada paciente necessita de um repertório de técnicas, pois algumas delas podem contribuir para a melhora bem como, dependendo do paciente. Para a manutenção dos sintomas; como por exemplo, o uso de técnicas que comparem as características do paciente com a média da população é eficaz para aqueles que evitam examinar seus defeitos, mas é altamente prejudicial para aqueles que apresentam comportamentos de olhar-se fixamente no espelho (MORIYAMA, 2007).

De acordo com RUIZ; SADOCK; SADOCK (2007 apud CÂNDIDO, 2014) ainda não é possível ser definido um tempo para o término do tratamento, mesmo após o desaparecimento dos sintomas.

Diante do exposto, foi possível compreender a contribuição e a importância do papel do psicólogo frente à sintomatologia e ao sofrimento do TDC.

9. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Durante a trajetória deste estudo sobre a relação entre o conceito de beleza na formação da autoestima e o desenvolvimento do transtorno dismórfico corporal, foi possível perceber que os padrões de beleza existem desde o início da história da humanidade e não se mantiveram os mesmos; no entanto, sempre impuseram às pessoas a forma como devem se vestir e o modelo de corpo ideal que devem seguir.

Foi possível perceber ao longo da pesquisa, que os padrões de beleza contribuem para a deterioração da autoestima e influenciam no desenvolvimento de transtornos relacionados a distorção da imagem corporal, como é o caso do transtorno dismórfico corporal.

É evidente que a mídia exerce influência na forma como as pessoas percebem o próprio corpo, criando imagens de beleza ilusórias difíceis de ser alcançada. Essa forma de imposição acontece de maneira tão sutil, que o sujeito não percebe a alienação por trás desses discursos travestidos de saúde e bem-estar. Compreende-se que o intuito velado, é produzir lucro para o mercado da estética e conduzir as pessoas no culto ao corpo.

O transtorno dismórfico corporal é um transtorno mental, caracterizado pela potencialização de um defeito mínimo na aparência, que leva a comportamentos obsessivos que colocam a própria saúde do indivíduo em risco.

Um fator predominante para o reconhecimento do transtorno é reincidência na busca de procedimentos estéticos e cirúrgicos, pois esses pacientes nunca estão satisfeitos com o resultado obtido, pois possuem dificuldades para perceber que se trata de um problema psicológico.

O tratamento baseado na terapia cognitivo-comportamental envolve a reestruturação cognitiva, treinamento de habilidades sociais, questionário socrático, role-play, exposição com prevenção de respostas e a psicoeducação. É importante que o comportamento do terapeuta envolva empatia e mais atitudes realistas para ajudar no sofrimento do paciente, bem como evitar o agravamento dos sintomas.

Verificou-se que o transtorno dismórfico corporal foi negligenciado por muitos anos, e ainda é pouco reconhecido devido à alta incidência de comorbidades que confundem o diagnóstico do mesmo. Desta forma, é importante o diagnóstico diferencial para o tratamento adequado. Há determinada limitação de conteúdos relacionados ao tema, o que dificultou a investigação, relevando assim, a necessidade do desenvolvimento de mais pesquisas com relação a temática.

Desta forma, ressaltamos a importância do despertar do olhar dos profissionais da saúde, da estética e da educação para o reconhecimento de comportamentos que colocam em risco a saúde física, mental e social do indivíduo, em prol de padrões de beleza que influenciam altamente nas distorções da imagem corporal.

Relevamos a boa formação da autoestima para minimizar as cobranças irreais e idealizadas nos pacientes diagnosticados com o TDC, buscando elevar a importância de se aceitar como é, e que existem outras formas de se adquirir bem-estar, que não se resumem somente a seguir padrões socialmente ditados.

10. REFERÊNCIAS

ALMEIDA, R.Auto-imagem:Abordagem Conscienciométrica.Revista Conscientia, Foz do Iguaçu, v.5, n.2, p. 43-53, 2001. Disponível em:<http://www.ceaec.org/index.php/conscientia/article/view/304/297>. Acesso em: 01, out. 2018.

AMÂNCIO, E. J. et al. Tratamento do transtorno dismórfobico corporal com venlafexina: relato de caso. Revista Brasileira de Psiquiatria, Santos, v.24, n. 3, p. 141-143, 2002. Disponível em :<http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbp/v24n3/11032.pdf>. Acesso em: 01, out. 2018.

AMARAL, R. A. L. V; MORIYAMA, S. J. Transtorno Dismórfico Corporal sob a perspectiva da análise do comportamento. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, V.IX, n.1, p. 11-25, 2007. Disponível em :<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtcc/v9n1/v9n1a03.pdf>.  Acesso em: 01, out. 2018.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION.  Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 242-247.

ARAUJO, D. C.; LEORATTO, D. Alterações da Silhueta Feminina: A Influência da Moda. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 717-739, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892013000300014>. Acesso em: 27, jun. 2018.

ASSIS, G. S; AVANCI, Q. J. Labirinto de espelhos: formação da auto-estima na infância e na adolescência. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. cap. 1, p. 25-39, cap.3, p-81-83. Criança, Mulher e Saúde collection. Disponível em: <http://books.scielo.org>. Acesso em: 10, jul. 2018.

BARRETO, E. C. A terapia cognitivo comportamental: prática e contextos. 2012. Disponível em: <http://www.slideshare.net/erikacostabarreto/palestra-a-terapia-cognitivo-comportamental>. Acesso em:10, set. 2018.

BARROS, C. D. A Beleza e a Feiura na Contemporaneidade. Diálogos Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade. n.9, p. 72-86, 2013. Disponível em: <http://www.revistadialogos.com.br/Dialogos_9/Clarissa_Marcela.pdf>. Acesso em: 18, jun. 2018.

BATTINI, B. Desenvolvimento de software para avaliação do transtorno Dismórfico corporal sob enfoque analítico-comportamental. 2008. p. 121. Dissertação (Mestrado em Análise do Comportamento) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2008.

BENEVIDES, S. C.; RODRIGUES, V. I. Beleza pura: uma abordagem histórica e socioantropológica das representações do corpo e beleza no brasil. Revista Mosaico, v. 10, p. 81-99, 2017. Disponível: <http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/mosaico/article/view/5547/3079>. Acesso em: 04, jul. 2018.

BORBA, T. J; THIVES, F. M. Uma Reflexão Sobre a Influência da Estética na Autoestima, Auto-motivação e Bem-estar do ser humano. Universidade do Vale do Itajaí –Univali, Florianópolis: 2011, p. 21. Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Tamila%20Josiane%20Borba.pdf>. Acesso em: 14, jan. 2018.

BRANDEN, N.Auto-Estima e os seus seis pilares. São Paulo: Editora Saraiva, 1995. cap.1, p.1.

BRAGA, P. D.; MOLINA, M. C. B.; CADE, N. V. Expectativas de adolescentes em relação a mudanças do perfil nutricional. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 5, p. 1221-1228, 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000500019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10, jun. 2018.

BRITO, M.J.A.; NAHAS F.X.; CORDÁS, T.A.; FELIX, G.A.A.; SABINO, N. M.; FERREIRA, L.M. Compreendendo a psicopatologia do transtorno dismórfico corporal de pacientes de cirurgia plástica: resumo da literatura. Rev. Bras. Cir. Plást. v. 29, n.4, p. 599-608, 2014. Disponível em: <http://www.rbcp.org.br/details/1589/pt-BR/compreendendo-a-psicopatologia-do-transtorno-dismorfico-corporal-de-pacientes-de-cirurgia-plastica--resumo-da-literatura>. Acesso em: 21, fev. 2018.

CÂNDIDO, P. Transtorno Dismórfico Corporal: Lutando Contra o Espelho. 2014. Monografia apresentada como pré-requisito para conclusão do curso de Graduação em Psicologia, Centro de Educação-CEDUC, Universidade de Roraima. Disponível em: <file:///C:/Users/Ultimate/Downloads/pmela%20aparecida%20cndido.pdf>. Acesso em: 10, out. 2018

CARVALHO, A. M. A. Satisfação Corporal, Auto-estima, Autopercepção Física e Imagem Corporal dos Instrutores de Fitness. 2003. Monografia da Licenciatura em Ciências do Desporto e Educação Física- Universidade de Coimbra, Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física. Disponível em: <https://estudogeral.uc.pt/bitstream/10316/20812/1/Monografia.pdf>. Acesso em:01, out. 2018.

CIDREIRA, R. P. A Moda Nos Anos 60/70 (Comportamento, Aparência e Estilo). Revista do Centro de Artes, Humanidades e Letras. v.2, n.1, p. 35-44, 2008. Disponível em: <https://www2.ufrb.edu.br/reconcavos/edicoes/n02/pdf/Renata.pdf>. Acesso em: 22, jun. 2018.

Classificação de Transtornos mentais e de Comportamento da CÍD-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnosticas – Coord. Organiz. Mund. da Saúde; trad. Dorgjval Caetano. – Porto Alegre: Artmed, 1993.

CONRADO, L. A. Transtorno dismórfico corporal em dermatologia: diagnóstico, epidemiologia e aspectos clínicos. Revista Anais Brasileiros de Dermatologia. v.84, n. 6, p. 569-81, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abd/v84n6/v84n06a02.pdf>. Acesso em: 21, fev. 2018.

DICCINI, S; MARCOLAN, F. J; YOSHINAGA, N. S. Repercussões na auto estima provocadas pela ticotomia em craniotomia. Rev. esc. Enferm. USP. v.43, n.3, p. 596-601, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n3/a14v43n3.pdf>. Acesso em: 01, out. 2018.

EMILIANO, S; URBANO, A, R. Dismorfobismo- Um estudo bibiográfico. 2013. Disponível em: <http://tcconline.utp.br/media/tcc/2017/05/DISMORFOBISMO.pdf>. Acesso em: 28, set. 2018.

FARHAT, D. G. K. M. As Diferentes Concepções de Corpo ao Longo da História e nos Dias Atuais e a Influência da Mídia nos Modelos de Corpo de Hoje. 2008. Dissertação (Trabalho de Conclusão de Curso em Educação Física) – Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, Rio Claro. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/118970>. Acesso em: 24, jun. 2018.

FERRAO, A. Y; MIGUEL, C. E; TORRES, R. A.  Transtorno dismórfico corporal: uma expressão alternativa do transtorno obsessivo-compulsivo. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.27, n.2, p. 95-96, 2005. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/12502/S1516-44462005000200004.pdf?sequence=1>. Acesso em: 02, out. 2018.

FERREIRA, M. E. C.; CASTRO, A. P. A.; GOMES, G. A obsessão masculina pelo corpo: malhado, forte e sarado. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v.27, n.1, p. 167-182, 2005. Disponível em: <http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/141/150>. Acesso em: 07, set. 2018.

FIGUEIRA, I.; NARDI, A. E.; MARQUES, C.; VERSIANI, M. Diagnóstico e tratamento dos transtornos somatoformes. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 48, n. 1, p. 35-42, 1999.

FLOR, G. Corpo, Mídia e Status Social: reflexões sobre os padrões de beleza. Rev. Estud. Comun., v. 10, n. 23, p. 267-274, 2009. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/estudosdecomunicacao/article/viewFile/22317/21415>. Acesso em: 30, jun. 2018.

FLORIANI, F. M.; MARCANTE, M. D. S.; BRAGGIO, L. A. Auto-estima e auto-imagem: a relação com a estética. Universidade do Vale do Itajaí – Univali, Balneário do Camboriú: 2010. Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Flavia%20Monique%20Floriani,%20M%C3%A1rgara%20Dayana%20da%20Silva%20Marcante.pdf>. Acesso em: 02, jul. 2018.

FREITAS, C. M. S. M.; LIMA, R. B. T.; COSTA, A. S.; LUCEMA FILHO, A. O Padrão de Beleza Corporal Sobre o Corpo Feminino Mediante o IMC. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.24, n.3, p.389-404, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v24n3/a10v24n3.pdf>. Acesso em: 21, jun. 2018.

GIL, C. A. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. p. 41-58.

GOSTINSKI, C. Relevâncias da história da moda: dos anos 10 à virada do século XX. Revista Intelecto C. n.5, 2009 – Novo Hamburgo: Catânia. p. 48-91.  Disponível em:<http://www.intelectoc.com.br/files/artigos/Relevancias_da_historia_da_moda_dos_anos_10_a_virada_do_seculo_XX.pdf >. Acesso em: 23, jun. 2018.

GUERREIRO, D. P. N. V. Necessidade Psicológica de Auto-Estima/Auto-Crítica: Relação com Bem-Estar e Distress Psicológico, 2011. Dissertação (Mestrado em Psicologia) –Núcleo de Psicoterapia Cognitiva, Comportamental e Integrativa, Universidade de Lisboa. Disponível em: < http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4960/1/ulfpie039658_tm.pdf>. Acesso em: 14, dez. 2017.

GUILHARDI, H. J. Autoestima, autoconfiança e responsabilidade. Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento. 2002. Disponível em:<http://www.itcrcampinas.com.br/pdf/helio/Autoestima_conf_respons.pdf>. Acesso em: 03, dez. 2017.

International Society of Aesthetic PlasticSurgery (ISAPS), 2016. Disponível em: <https://www.isaps.org/wp-content/uploads/2017/10/GlobalStatistics2016-1.pdf>. Acesso em: 08, jul. 2018.

KNAPP, P. e col. Terapia cognitivo- comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre: Artmed, 2004. cap. 1, p. 19-20; cap. 8, p. 147; cap. 26, p. 402.

LOIOLA, F. R. Análise Discursiva da Autoimagem Corporal de Mulheres em Diferentes Idades. 2014. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/MGSS-9R3LGP/554d.pdf?sequence=1>.  Acesso em: 01, set. 2018.

LOPES, B. S. C.; CARVALHO, A. A. A Evolução da Estética Através das Décadas. Rev. de Iniciação Científica da Universidade Vale do Rio Verde. v.1, n.2, 2011. Disponível em: <http://periodicos.unincor.br/index.php/iniciacaocientifica/article/view/462/380>. Acesso em: 18, jun. 2018.

M. de F.; PAIXÃO, J. A. da. Alterações corporais como fenômeno estético e identitário entre universitárias. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v.38, n. 101, p. 267-276, jun., 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010311042014000200267&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23, fev. 2018.

MACEDO, J. R. A face das filhas de Eva - os cuidados com a aparência num manual de beleza do século XIII. Revista História, v. 17-18, p. 293-314, 1998-1999. Disponível em: <http://www.rotadoromanico.com/SiteCollectionDocuments/Romanico_Mais%20Informacao/Artigos/Sociedade/Cuidados_com_a_Aparencia_num_Manual_de_Beleza_do_Sec_XIII.pdf>. Acesso em: 08, jul. 2018.

MORIYAMA, J. S. Processo terapêutico analítico-comportamental em dois casos de transtorno dismórfico corporal. 2007. Tese (Doutorado em Psicologia) – Centro de Ciências da Vida, PUC, Campinas. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/tde_arquivos/6/TDE-2007-05-07T115145Z-1320/Publico/Josy%20de%20Souza%20Moriyama.pdf>. Acesso em: 28, set. 2018.

MOSQUERA, J. J. M., STOBÃUS, C. D. Auto-Imagem, Autoestima E Auto-Realização: Qualidade De Vida Na Universidade. Psicologia, Saúde & Doenças. v.7, n.1, p. 83-88, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v7n1/v7n1a06.pdf>. Acesso em: 09, dez. 2017.

MOYSÉS, L. A Auto-estima se Constrói Passo a Passo. 6ª ed. Campinas-SP: Editora Papirus, 2007. cap.1, p.17-25.

MURARI, K. S.; DORNELES, P. P. Uma Revisão Acerca do Padrão de Autoimagem em Adolescentes. Revista Perspectiva: Ciência e Saúde. v.3, n.1, p. 155-168, 2018. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/324262536_UMA_REVISAO_ACERCA_DO_PADRAO_DE_AUTOIMAGEM_EM_ADOLESCENTES>. Acesso em: 10, jun. 2018.

NETO, B. I.; CAMPOS, I. G. de. A Influência Da Mídia Sobre O Ser Humano Na Relação Com O Corpo E A Auto-Imagem De Adolescentes. Caderno de Educação Física.v.9, n.17, p. 87-99, 2010.Disponívelem: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/4531/3854>. Acesso em: 19, fev. 2018.

NOVAES, J. V.; VILHENA, J. de. De Cinderela a Moura Torta: sobre a relação mulher, beleza e feiura. Interações, v. 8, n. 15, p. 9-36, 2003. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-29072003000100002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10, jul. 2018.

NUNES, C. A. M. Auto-conceito e suporte social em adolescentes em acolhimento institucional. Mestrado integrado em Psicologia, 2010. Disponível em: < http://repositorio.ul.pt/handle/10451/2791>. Acesso em: 01, out. 2018.

Organização Mundial da Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10). 10 ed. rev. v. 1. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.

PINHEIRO, M. C. T.; FIGUEREDO, P. M. V. Padrões de Beleza Feminina e Estresse. Rev. Cade, v. 11, n.1, p. 123-141, 2012. Disponível em:<http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cade/article/view/4909/3714>. Acesso em: 06, jul. 2018.

PETROSKI, E. L.; PELEGRINI, A.; GLANER, M. F. Motivos e prevalência de insatisfação com a imagem corporal em adolescentes. Ciênc. Saúde coletiva, v. 17, n. 4, p. 1071-1077, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000400028&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30, jun. 2018.

PEREIRA, A. M. Plus size: Uma reflexão acerca do perfil das consumidoras e do mercado da moda voltado para esse segmento. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização) – Instituto de Artes e Design, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. Disponível em: <http://www.ufjf.br/posmoda/files/2014/11/Monografia-Ana-Maria-Pereira.pdf>. Acesso em: 21, jun. 2018.

RAMOS, K. P. Transtorno dismórfico corporal: escala para profissionais da área da saúde. 2004. p. 193. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2004. Disponível em: <http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/241/1/Katia%20Perez%20Ramos.pdf>. Acesso em: 02, out. 2018.

RAMOS, K. P. Escala de avaliação do transtorno dismórfico corporal: propriedades psicométricas. 2009. Monografia (Graduação em Psicologia) – PUC, Campinas. Disponível em: <http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/415/1/Katia%20Perez%20Ramos.pdf>. Acesso em: 13, ago. 2018.

RAMOS, M. G.; RAMOS, M. R. C.; HUGUET, R. B.; HUBNER, C. V. K. Transtorno Dismórfico Corporal. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. v. 7, n.3, p. 20-21, 2005.Disponívelem:<https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/331/pdf>. Acesso em: 21, fev. 2018.

RUSSO, R. Imagem corporal: construção através da cultura do belo. Movimento & Percepção. São Paulo, 2005. v.5, n.6, jan/jun. p.80-90. Disponível em: <https://portalsaudebrasil.com/artigospsb/psico029.pdf>.  Acesso em: 24 jul. 2013.

SAVOIA, G. M. Diagnóstico diferencial entre fobia social e transtorno dismórfico corporal.2012.Disponível em: <http://www.diariodeumadismorfia.com.br/wp-content/uploads/2012/06/ArtigoDiagnostico_diferencial_entre_fobia_social_e_transtorno_dism%C3%B3rfico_corporal.pdf>. Acesso em: 01, out. 2018.

SCHMITZ, M. B. M. A Importância Da Auto- Estima No Contexto Familiar, Social e Escolar. 2004.Dissertação (Mestrado) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.Disponívelem:<http://www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/000026/00002616.pdf>. Acesso em: 18, dez. 2017.

SCHULTHEISZ, T. S. V., APRILE M. R.  Autoestima, conceitos correlatos e avaliação. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde.v.5, n.1, p. 36-48, 2013. Disponível em:<https://www.academia.edu/12178758/AUTOESTIMA_CONCEITOS_CORRELATOS_E_AVALIA%C3%87%C3%95ES>. Acesso em: 31, mai. 2018.

K.; CAMARGO, B. V.; BERTOLDO, R. B. Percepção da imagem corporal e representações sociais do corpo. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 25, n. 2, p. 229-236, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722009000200011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30, jun. 2018.

SILVA, A. I., MARINHO, G. I. Auto-estima e relações afetivas. Universitas Ciências da Saúde. v.1, n.2, p. 229-237, 2003.Disponível em:<https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/viewFile/507/328>. Acesso em: 13, dez. 2017.

SIQUEIRA, D. C. O.; FARIA, A. A. Corpo, saúde e beleza: representações sociais nas revistas femininas. Revista Comunicação, Mídia e Consumo.v.4. n.9, p. 171-188, 2007. Disponível em: <http://revistacmc.espm.br/index.php/revistacmc/article/view/95/96>. Acesso em: 28, jun. 2018.

SUEITTI, M. A. G. O culto ao corpo e os transtornos da imagem corporal: a antropologia teológica frente aos desafios da cultura do corpo fisicamente perfeito. 2014. Dissertação (Mestrado em Teologia) –Faculdades Est, São Leopoldo. Disponível em: <http://dspace.est.edu.br:8080/jspui/bitstream/BR-SlFE/669/1/sueitti_mag_tmp432.pdf>. Acesso em: 10, jul. 2018.

SUENAGA, C.; LISBOA, D. C.; SILVA, M. S.; PAULA, V. B. Conceito, beleza e contemporaneidade: fragmentos históricos no decorrer da evolução estética.2012. Dissertação (Lacto Sensu em Estética Facial e Corporal) – Universidade do Vale do Itajaí, Florianópolis. Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Camila%20Suenaga,%20Daiane%20Lisboa.pdf>. Acesso em 19, dez. 2017.

 

Por Caroline Rodrigues Padilha e Renata Aparecida Benassi 


Publicado por: Caroline Rodrigues Padilha

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Monografias. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.