Whatsapp

ESTUDO DE CASO: TENTATIVA DE AUTOEXTERMÍNO POR CHUMBINHO

Enfermagem

Análise sobre a assistência de enfermagem ao Paciente que tentou o autoextermínio utilizando como meio o chumbinho.

índice

1. INTRODUÇÃO

A enfermagem está fundamentada em um conjunto de conhecimentos que está sempre mudando em virtude de novas descobertas e inovações ( POTTER, PERRY, 2005).  

O índice de morte por autoextermínio entrou na lista das mais frequentes de morte na população da faixa etária de 15 – 44 anos de idade em alguns países incluindo o Brasil, mas, contudo os grupos de maior risco estão nos homens e nos idosos. (SANTANA ET al., 2011).

No Brasil a intoxicação por chumbinho pode ser considerado uma grave causa de morbimortalidade devido ao fácil acesso, o baixo custo e sua eficácia. O chumbinho é um carbamato (Aldicab) é um agrotóxico, utilizado como raticida de forma irregular. (SILVA, VILELA, BRANDÃO, 2010).

2. OBJETIVO:

Descrever a assistência de enfermagem ao Paciente que tentou o autoextermínio utilizando como meio o chumbinho, utilizando a taxonomia da NANDA, para a elaboração é construção dos diagnósticos de Enfermagem.

3. JUSTIFICATIVA:

Para justificar este estudo utilizamos o seguinte argumento: é necessário descreve a assistência de enfermagem ao Paciente que tentou o autoextermínio por Chumbinho, para que ocorra a elaboração e construção de um diagnóstico de enfermagem.

4. METODOLOGIA:

Trata-se de uma pesquisa do tipo estudo de caso do tipo descritivo, desenvolvida na UPA Parque Marajó, na cidade de Valparaíso-GO, realizado no mês de Março de 2016, este estudo foi realizado através das informações que constavam no prontuário do Paciente é de artigos científicos da base de dados da BVS (Biblioteca Virtual em Saúde), onde foi escolhido artigos pertinentes ao tema .

Para desenvolver este estudo de caso, utilizou-se o Processo de Enfermagem nas seguintes etapas: Levantamento de Dados; Diagnósticos de Enfermagem; Planejamento de Enfermagem; Intervenções e Avaliação da Assistência proporcionada.

Foi realizada a análise e o processamento dos dados levantados, a construção do diagnóstico de enfermagem, os resultados esperados e a intervenções de enfermagem, utilizando a taxonomia NANDA.

5. DISCUSSÃO:

O uso de substância tóxica esta presente entre as formas mais dramáticas de suicídio. Estas podem produzir efeitos nocivos, quando ingeridas ou quando entra em contato com a pele ou mucosa. Dados mostram o abuso e a crescente utilização de substâncias químicas (SANTOS, NETO, CUNHA, 2015).

Segundo dados da OMS ( Organização Mundial de Saúde), o autoextermínio causa aproximadamente, cerca de um milhão de vítimas no mundo. O suicídio pode-se apresentar de duas formas: no comportamento suicida ( pensamento, tentativa e pelo suicídio consumado) e os atos violentos (mutilações) (DA COSTA, CHAVAGLIA ET. al., 2015).

É necessário conhecer as taxas e os índices de prevalência das tentativas de autoextermínio presente na sociedade buscando promover medidas evitáveis procurando a identificação precoce de riscos (SANTANA ET al., 2011).

É de suma importância que os profissionais de enfermagem, caracterizem o perfil desses pacientes e o tipo de substância utilizada pelo paciente, para que os mesmos possam oferecer uma intervenção específica é adequada ao paciente (SOUZA, RIBEIRO, ET al., 2011).

Estudos apontam que os homens  tentam menos vezes suicídio em relação às mulheres, porém as vezes que tentam usam métodos mais eficazes e mais letais (DANTAS, UCHÔA ET al., 2013).

Devido à alta toxidade do chumbinho e imprescindível a eficácia do enfermeiro no diagnóstico e tratamento da intoxicação. (SILVA, VILELA, BRANDÃO, 2010).

6. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM:

6.1. Histórico: 

A.F.O.F., nascido em 16/01/1978, pardo, do sexo masculino, escolaridade ignorada, tipo de residência ignorada. Foi admitido na sala vermelha da Unidade  de Pronto Atendimento (UPA) Parque Marajó de Valparaiso-GO  na data de 01/03/2016 ás 19:30 trazido pelo SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) da cidade Ocidental, com a seguinte história: foi encontrado em casa desacordado uso de bebida alcoólica, socorrista do SAMU informou crise convulsiva, foi realizado o contato com o centro de intoxicação visto que a família relatou que foi encontrado um frasco de chumbinho. Familiares também informaram que a possível causa que levou o Paciente ao uso de bebida alcoólica e a ingestão de chumbinho foi à separação com a companheira que decidiu ir embora para o Maranhão.

6.2. Exame Físico:

Ao exame físico: Paciente desacordado, rebaixamento de consciência, crânio e face simétricos, orelhas simétricas, sudoreíco, com cialorréia, pupilas não responsivas a luz, tórax simétrico, diurese com aspecto concentrado. SSVV: PA: 110x61mmHG; R: 26 rpm; SpO2: 80% T: 36,8 afebril; Glicemia: 184 mg/dl.

6.3. Estudo das Medicações e Cuidados de Enfermagem:

Atropina: Antídoto. Serve para intoxicação.

Composição:

Reações Adversas:

Cuidados de Enfermagem:

Cada ml da solução injetável contém:
sulfato de atropina 0,50 mg.

Náusea, vômito, disfagia, azia, constipação, íleo paralítico. Retenção urinária, impotência. Visão distorcida, midríase, fotofobia, cicloplegia, aumento da pressão ocular.
Palpitação, bradicardia (baixas doses de atropina), taquicardia (altas doses). Cefaléia, sonolência, fadiga, nervosismo, insônia.

Requer rigorosas monitorizações cardíacas e neurológicas.

Observa interações medicamentosas durante o uso de outras drogas. 

Ceftriaxona ( Rocefin): Antibiótico. Serve para infecções, prevenção de infecções e sepse.

Composição:

Reações Adversas

Cuidados de Enfermagem

Cada frasco-ampola de Ceftriaxona dissódica 500mg.

Fezes moles ou diarreia, náusea, vômito, estomatite e glossite.

A medicação deve ser administrada exatamente conforme recomendado e o tratamento não deve ser interrompido, sem o conhecimento do medico, ainda que o paciente alcance melhora.

Diazepam: Ansiolítico simples, sedativo, hipnótico, anticonvulsivante. Serve para ansiedade, insônia , Sintomas da abstinência aguda de álcool, espasmo muscular, outras indicações: tensão, cefaléia, transtorno do pânico, tremores, epilepsia mioclônica.

Composição:

Reações Adversas:

Cuidados de Enfermagem

Cada 2 ml da solução injetável contém: Diazepam 10mg.

Tonteiras, prejuízo na memória, fadiga, leve queda da pressão arterial; estes efeitos acometem menos de 10% dos pacientes. Descoordenação motora, excitação (efeito paradoxal), insônia, síncope (desmaiar), náuseas, zumbidos, tremores.

Informe ao paciente as reações adversas mais frequentes relacionadas ao uso da medicação e na ocorrência de qualquer uma, principalmente as incomuns ou intoleráveis, o médico deverá ser consultado.

Durante terapias prolongadas, monitore: as funções renal, hepática e hematopoiética.

Fentanil: Analgésico narcótico. Serve para analgesia de curta duração

Composição:

Reações Adversas:

Cuidados de Enfermagem

Cada ml da solução injetável isotônica estéril contém 78,5 mcg de citrato de fentanila (equivalente a 50 mcg de fentanila).

Náusea, vômitos. Rigidez muscular. Sedação, tontura, discinesia (diminuição ou extinção dos movimentos voluntários). Distúrbios visuais. bradicardia, taquicardia, arritmia. Hipotensão, dor na veia. Apneia, broncoespasmo, laringoespasmo. dermatite alérgica. Cefaléia. Flutuação da pressão arterial, flebite (inflamação nas veias). Soluços, hiperventilação. Calafrios, hipotermia.

 

A medicação deve ser administrada exatamente conforme recomendado e o tratamento não deve ser interrompido, sem o conhecimento do medico, ainda que o paciente alcance melhora.

Medida de segurança: grades laterais da cama suspensas.

Assegurar ao paciente que o procedimento já foi realizado.

Hidrocortisona: É um anti-inflamatório esteroide. Serve para tratamento de inflamações causadas por doenças como problemas glandulares, doenças reumáticas, problemas na pele, alergias, inflamação dos olhos, doenças respiratórias e esclerose múltipla.

Composição:

Reações  Adversas:

Cuidados de Enfermagem

Cada frasco-ampola de 500 mg contém: Hidrocortisona (succinato sódico) 500 mg.

Retenção de sódio, retenção de líquido, insuficiência cardíaca congestiva em pacientes suscetíveis, hipertensão, perda de potássio, alcalose hipocalcêmica. Miopatia esteróide, fraqueza muscular, perda de massa muscular, fraturas patológicas, osteoporose, fraturas por compressão vertebral, necrose asséptica. Úlcera péptica com possível perfuração e hemorragia, hemorragia gástrica, pancreatite, esofagite, perfuração do intestino. Aumento da pressão intracraniana, pseudotumor cerebral, transtornos psíquicos, convulsões.

Antes da administração: mantenha prontamente disponíveis equipamento de ressuscitação, os medicamentos indicados e pessoal treinado.

Atenção durante o uso concomitante de outra droga.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A medicação não deve ser suspensa subitamente ou sem o conhecimento médico. 

Midazolam: Sedativo é indutor do sono. Serve para induzir um sono semelhante ao normal.

Composição:

Reações Adversas:

Cuidados de Enfermagem

Cada  1ml contém 5 mg de Midazolam.

Parada cardíaca, arritmias. Rash. Soluços, náuseas, vômitos. Locais: flebite, dor, apnéia, laringoespasmo, depressão respiratória, broncoespasmo, tosse. Sedação excessiva, cefaléia.

Após a administração, o paciente deverá permanecer deitado em  ambiente tranquilo.

Recomenda-se a mudança da posição da cama para minimizar a hipotensão postural.

Noradrenalina: Simpaticomimético e vasopressor. Serve para o controle da pressão sanguínea em certos estados hipotensivos agudos  é como coadjuvante no tratamento da parada cardíaca e hipotensão profunda.

Composição:

Reações Adversas

Cuidados de Enfermagem

Cada ampola com 4 ml contém: Hemitartarato de Norepinefrina 8,0 mg (equivalente a 4 mg de Norepinefrina base).

Bradicardia, arritmias. Ansiedade, cefaléia transitória. A administração prolongada de qualquer vasopressor potente pode resultar em depleção do volume plasmático.

Após o início da infusão monitorar a PA

Observar a interação durante o uso concomitante de outras drogas.

A medicação deve ser administrada conforme o recomendado e o tratamento.

Soro Fisiológico: Repositor. Serve para o restabelecimento de fluido e eletrólitos.

Composição:

Reações Adversas:

Cuidados de Enfermagem:

A solução contém: Cloreto de sódio 0,9 g.

 

ICC, edema pulmonar, edema. hipernatremia, hipervolemia, hipocalemia, irritação (devido) extravasameno.

Durante a terapia avaliar balanço hídrico,

As doses devem ser individualizadas de acordo com idade, peso e a condição clinica do paciente

Diagnóstico, Intervenções e Planejamento de Enfermagem:

Diagnósticos de Enfermagem

Intervenções

Resultados Esperados

Acamado

  1. Banho no leito
  2. Uso de fraldas
  3. Observa edemas é hiperemias

Melhoria das condições de higiene,

Proporcionar privacidade e conforto, no momento das eliminações fisiológicas,

Que o paciente apresente diminuição do edema  e hiperemias.

Desconforto respiratório.

  1. Elevar a cabeceira,
  2. Monitorar os padrões respiratórios,
  3. Administrar oxigênio terapia.

Melhoria das condições respiratórias.

Dor.

  1. Avaliação da dor
  2. Proporcionar alívio da dor com analgésicos prescritos.

Controle da dor,

Proporcionar conforto.

 

Risco de infecção relacionado a procedimentos invasivos e defesas primarias inadequadas.

  1. Utilizar normas universais de cuidados,
  2. Higienização das mãos,
  3. Realizar desinfecção com álcool 70%.

Controle do risco de infecções.

Risco integridade tissular prejudicada

  1. Manter a sonda fixada na região ilíaca,
  2. Cuidado para não tracionar a sonda durante a movimentação do paciente.

Proporcionar eliminação de diurese

 

6.4. Evolução:

01/03/2016: Foram realizados dois acessos venosos periféricos (Jelco Nº 14), também foi realizada sonda vesical de demora, segue mantendo saturação de 90% com máscara de reservatório a 15 l/min de O2, foi feita medicação conforme prescrição médica. Realizado acesso jugular (Jelco Nº 16). Ás 20h30min Paciente não responde a máscara, foi realizado intubação orotraqueal com tubo 7,5, sedação: Midazolam + Fentanil, Noradrenalina em Bomba de Infusão, Paciente segue em respirador aos cuidados da equipe. As 23h00min familiares informaram que próximo o local onde o paciente foi encontrado desacordado foi achado um frasco com chumbinho, realizado o contato com o centro de intoxicação, foi orientado a realizar Atropina. Feito medicação conforme foi orientado. Foram realizados cuidados de enfermagem durante o plantão, Paciente hipersecretivo, realizado aspiração, paciente segue com sedação, monitorizado.

02/03/2016: Ás 18h00min Paciente segue com mesmo quadro clínico acima, com diurese de 1,400 ml, com aspecto concentrado. Ás 19h  o mesmo segue sedado, apresenta reações motoras em alguns momentos, o mesmo segue sem dieta, sem prescrição de sonda nasoentérica, foi realizada a mudança de  decúbito e aspiração orotraqueal. Foi realizada higiene pessoal, usando dersani em região sacral que está hiperemiada. A equipe foi orientada a realizar aspiração orotraqueal de 2 em 2 horas e mudança de decúbito para melhoria das condições respiratórias, devido ao quadro estável do paciente.

03/03/2016: Foi solicitado um hemograma e dois raios-X de tórax para o Paciente, ambos se apresentaram normais. Paciente segue intubado, recebendo soro fisiológico. Ás 11 horas o paciente foi extubado. Foi orientado que fosse instalada uma máscara  de reservatório a 10 l/min de O2, paciente segue monitorizado. Foi realizado banho no leito.

04/03/2016: Paciente encontra-se lúcido, orientado em tempo e espaço, normocardia, saturando 98% em ar ambiente, aceitou bem a dieta, em uso de sonda vesical de demora, com urina de aspecto turvo. Ás 14h foi retirado à sonda vesical de demora há pedido da médica. O paciente queixa-se de dor ao urinar. As 19h paciente consciente, deambulando, verbalizando, com uso de fralda.

05/03/2016: As 07h Paciente segue consciente, orientado, verbalizando. As 12h15min foi dada alta conforme prescrição médica.

7. CONSIDERAÇÕES:

Assistir a Vítima de Tentativa de Autoextermínio significa acreditar na importância do cuidar. O cuidar volta-se para a melhoria ou elevação da qualidade de vida da pessoa que, por vezes, demonstra ou oculta suas necessidades assistenciais prioritárias e específicas no seu acometimento.

Foi observada neste Paciente uma a aceitação das medicações e dos tratamentos designado para o seu quadro clínico.

O Paciente deste estudo também demostrou a capacidade de lutar pela vida tendo em vista que aceitou todas as intervenções.

A recuperação desse Paciente também levou em consideração a dedicação e o preparo da equipe presente na unidade de saúde. O pronto atendimento foi  o primordial para tal realização.

Diante o cenário se ver necessário o conhecimento das premissas fundamentais e o domínio das intervenções a serem utilizadas no atendimento do paciente.

Desta forma, a construção deste estudo trouxe possibilidades de vermos a realidade do paciente vítima de tentativa de autoextermínio.

8. REFERÊNCIAS

Ame - Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem - 9ª Ed. 2013 – Epub.

DA COSTA, Saulo Pereira; CHAVAGLIA,  Suzel Regina Ribeiro Chavaglia; AMARAL, Eliana Maria Scarelli; SILVEIRA, Rodrigo Eurípedes da Silveira. Internações e Gastos Relacionados ao Suicídio  em um Hospital Público de Ensino. Rev. Enferm. Atenção Saúde [Online]. Ago/Dez 2015; 4(2): 21. Disponível em: . Acessado em 10/03/2015.

DANTAS, Jacklyne Stroisner de Sousa; UCHÔA, Sharliane Lemos; CAVALCANTE, Tatiana de Medeiros Colletti; PENNAFORT, Viviane Peixoto dos Santos; CAETANO, Joselany Áfio Caetano. Perfil do Paciente com Intoxicação Exógena por “Chumbinho” na Abordagem Inicial em Serviço de Emergência. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 jan/mar; 15 (1): 58. Disponível em: . Acessado em 09/03/2016.

NANDA. Diagnóstico de Enfermagem da NANDA Intenational: Definições e Classificações. 2012 – 2014. Porto Alegre: Editora ArtMed, 2013.

POTTER, Patrícia A.; PERRY, Anne Griffin. Fundamentos de Enfermagem. Tradução da 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005 volume 1: 2.

SANTANA, Júlio César Batista; FARIA, Rosielle Aparecida Damasceno de; DUTRA, Bianca Santana; COSTA, Talline Arêdes Hang; DE SOUZA Hercília Najara Ferreira; VIEIRA, Lidiane Sales. Caracterização das vítimas de tentativa de autoextermínio atendidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no município de Sete Lagoas e região. Revista BIOETHIKOS, Centro Universitário São Camilo - 2011; 5 (1): 86.

SANTOS, Renato dos Reis; NETO, Omar Pereira de Almeida; CUNHA, Cristiane Martins. Perfil de Vítimas de Intoxicação Exógena Agudas e Assistência de Enfermagem. Rev. Enferm. Atenção Saúde [Online]. Ago/Dez 2015; 4(2): 46. Disponível em: . Acessado em: 08/03/2016.

SILVA, Anna Carolina Sousa da; VILELA, Fábio Paulo; BRANDÃO, Graciela Mara Ordones do Nascimento. Intoxicação exógena por “chumbinho” como forma de autoextermínio no Estado de Goiás, 2003 – 2007. Disponível em: . Acessado em: 07/03/2016.

SOUZA, Christiani Rodrigues da Fonseca; RIBEIRO, Dayane Camila de Souza Inocêncio; VIEIRA, Márcia Seixas; ERTHAL, Lúcia Maria de Lima. Tentativa de Auto-Extermínio em um Hospital da Região Leste de Minas Gerais. Revista Enfermagem Integrada – Ipatinga: Unileste-MG - V.4 - N.1 - Jul./Ago. 2011:  Disponível em: . Acessado em: 09/03/2016. 


Publicado por: ADELSON DA CRUZ LIMA JUNIOR

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Monografias. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.