Whatsapp

A EFETIVIDADE DO TRATAMENTO FLORAL NO MANEJO DO ESTRESSE E ANSIEDADE EM UM PROFISSIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA

Enfermagem

Análise sobre a contribuição da terapia floral no controle de ansiedade e estresse em um profissional da área de segurança pública.

índice

1. RESUMO

O presente estudo teve como objetivo identificar a contribuição da terapia floral no controle de ansiedade e estresse em um profissional da área de segurança pública. A busca por novos caminhos dentro da enfermagem, trouxe a necessidade de aprofundar os conhecimentos sobre a aplicação da Terapia Floral na promoção da saúde e redução do estresse laboral.

Os florais de Bach são um tipo de terapia complementar utilizados na prevenção ou tratamento de desequilíbrios emocionais através da energia das flores. Foram desenvolvidos por Edward Bach em meados da década de 30.

Bach ingressou na faculdade de medicina aos 20 anos e após a conclusão do curso se especializou em bacteriologia, imunologia e saúde pública.

Os florais de Bach são essências que atuam a nível energético transformando as emoções negativas em positivas. Como não produzem nenhum efeito indesejável e tem foco na vibração positiva da energia das flores, pode ser utilizada por qualquer indivíduo.

Uma de suas aplicações é o uso em momentos de estresse, sendo assim este estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia da terapia floral em um profissional da área de Segurança Pública, constantemente submetido ao estresse de sua rotina como policial militar.

Palavras-chave: Florais. Estresse. Ansiedade. Segurança pública. Terapias complementares

ABSTRACT

The present study aimed to identify a contribution of flower essence therapy in the control of anxiety and stress in a public safety professional.

The search for new paths within nursing brought the need to deepen the knowledge about the application of Floral Therapy in promoting health and reducing work stress. Bach flowers are a type of complementary therapy used to prevent or treat emotional imbalances through the energy of flowers. They were developed by Edward Bach in the mid-1930s.

Bach entered the Faculty of Medicine at age 20 and after completing the course he specialized in bacteriology, immunology and public health.

Bach flowers are essences that work on an energetic level transforming negative emotions into positive ones. As it does not impose any undesirable effects and focuses on the positive vibration of the energy of flowers, it can be used by any individual.

One of its applications is its use in times of stress, so this study aimed to evaluate the effectiveness of flower essence therapy in a Public Security professional, constantly subjected to the stress of his routine as a military police officer.

Keywords: Florals. Stress. Anxiety. Public safety. Complementary therapies

2. INTRODUÇÃO

As emoções negativas e positivas podem ocasionar uma exaustão emocional, decorrente do trabalho corriqueiro, que leva a uma insatisfação do trabalho do profissional. Os policiais vivem em um nível alto de exaustão emocional, e principalmente os policiais que atuam externamente apresentam maiores indicadores de exaustão emocional do que seus colegas atuando internamente. Quanto aos fatores do trabalho emocional, quanto mais diversos e intensos os afetos vivenciados pelos policiais militares, maior a tendência de exaustão emocional, o que está fortemente associado a indicadores de prejuízos ao bem-estar. (Coelho-Alves, Bendassolli e Guedes-Godim ,2017)

A prática policial vai além da técnica e leva a um cotidiano de situações de sofrimento e angústia. A atividade do policial militar não se limita ao cotidiano.

A profissão envolve um estado de vigilância constante e atenção redobrada, mesmo quando o profissional está em repouso.

O estresse está associado a sentimentos de desconforto, desencadeando reações físicas e emocionais, e está relacionado à situação do indivíduo e pode ser definido como uma resposta de ter componentes físicos ou psicológicos, que podem variar de irritação a sentimentos de intensa infelicidade.

No caso de estresse no trabalho, os trabalhadores que desempenham suas funções no setor de segurança mantêm relacionamento com diferentes tipos de pessoas e situações.

Estudos envolvendo policiais apresentaram elevada prevalência de transtornos mentais (sintomas psicossomáticos, depressão e ansiedade) nessa classe profissional. (Minayo, Assis, & Oliveira, 2011)

Sobre a promoção da saúde, Smeltzer e Bare (1994) a veem como um processo ativo e de atuação direta da enfermagem, cujo propósito é melhorar a saúde das pessoas, encorajando-as a alterar seus hábitos e estilo de vida, de modo a lhes possibilitar um aumento de sua saúde e bem-estar.

3. DESENVOLVIMENTO

Os florais não se direcionam a patologias, mas aos indivíduos. As essências florais são usadas para tratar a pessoa que você é, não a doença que você tem.

Os Florais de Bach consistem em um tipo de tratamento alternativo usado sozinho ou combinado com um medicamento alopático, sendo reconhecidos como um tratamento natural pela Organização Mundial da Saúde.

Os florais de Bach foram desenvolvidos a partir dos estudos do médico inglês Edward Bach, que nasceu em 1886, na Inglaterra. Dr. Bach encontrou agentes em flores, e  com eles criou 38 essências.

A essência floral contra o estresse, recebeu o nome de Rescue Remedy, que contém em sua fórmula uma combinação de cinco essências florais em uma preparação, tanto para emergências quanto para sofrimento.

As essências florais são extratos sutis, obtidos de flores em água pura de nascente , que, recém-colhidos, ao ar livre , transferem para a água a energia vital característica da flor.

Existem dois métodos para extrair essências de Bach, o método solar , que envolve a colheita de plantas, devendo colocá-las em um recipiente de vidro com água mineral. O recipiente é deixado em repouso e as flores são retiradas de usando o ramo da planta.

O líquido restante é então misturado com ele e essa mistura é chamada de tintura-mãe.

O outro método é a fervura, onde as plantas são colhidas e levadas à fervura por cerca de meia hora em água pura da nascente.

Após a fervura, remove-se as plantas e após o resfriamento, dilui-se a tintura- mãe em Brandy.

É considerado um medicamento concentrado porque precisa ser diluído para ser comercializado.

Eles foram reconhecidos como terapia natural pela Organização Mundial da Saúde em 1956, e estão no Brasil desde os anos 1980, e desde então são usados em vários países, em Programas de saúde isoladamente ou em adição a tratamentos que constituem um grupo de terapias atualmente  chamadas de terapias  complementares.

As terapias complementares são abordagens que buscam os mecanismos naturais de prevenção de doenças e promoção de saúde por meio de tecnologias eficazes e com foco no desenvolvimento do vínculo terapêutico do ser humano com o meio ambiente e sociedade e escuta acolhedora.

Essas terapias visam integrar a mente-corpo-espírito.

Muitas pessoas simplesmente procuram por medicamentos alopáticos para tratamentos patológicos e acabam esquecendo, ou não sabendo, sobre as terapias alternativas existentes que podem ser usadas como ferramentas para uma ampla variedade de doenças.

Embora não tratem diretamente as doenças, os florais podem surpreender positivamente ao revelar seu caráter terapêutico holístico, tratando o ser humano em sua totalidade existencial.

As terapias holísticas estimulam mudanças nos hábitos de vida e estimulam a participação ativa do sujeito, visando a qualidade de vida e o equilíbrio e promovendo o autoconhecimento.

O Dr.Bach a descreveu que existe uma ligação real entre emoções, somatizações e doenças, e um caminho para a cura também poderia ser estabelecido. Ao compreender a relação das emoções humanas com a energia das flores,ele estabeleceu o que chamou de "sistema de cura", que atuaria nos estados emocionais ajudando a desenvolver nas expressões humanas e emocionais .

3.1. REVISÃO DE LITERATURA

As manifestações clínicas da   ansiedade   patológica   se   manifestam nos indivíduos que experimentam uma variedade   de   situações ameaçadoras do cotidiano e se prendem aos aspectos negativos das mesmas. Os sinais e sintomas incluem tensão, inquietação interna, apreensão desagradável, opressão e desconforto subjetivo, preocupações exageradas, insônia, insegurança, irritabilidade, distraibilidade,                                            desconcentração,                      desrealização, despersonalização.(ABAM–ProgramaANSIEDADE [www.abam.org.br/content/textos-educativos], 2012).

Ansiedade e estresse têm sido queixas recorrentes nos indivíduos que buscam a terapia floral.

Os profissionais da área de segurança deparam-se com trabalho excessivo, estresse, falta de falta de equipamentos, além de muitos não terem remuneração condizente com a exposição e perigos a que se submetem.

Muitos desses profissionais precisam realizar jornada de trabalho dupla.

O trabalho do policial militar contribui de forma incisiva para a eclosão de transtornos de ansiedade, tendo impactos significativos na saúde do policial, afetando sua qualidade de vida e as relações sociais, prejudicando o seu desempenho quanto às suas atribuições e atuações de serviço e colocando em risco sua vida e a de terceiros.

Essa inadequação resulta em maior esforço físico e mental dos profissionais, com prejuízo da qualidade de vida.

Vancini et al. (2018) demonstraram a classificação de ansiedade e depressão em policiais de acordo com a rotina de trabalho.

A ansiedade é um estado emocional natural que acompanha o ser humano em sua existência. A ansiedade normal pode ser considerada um sinal de alerta que proporciona ao indivíduo permanecer atento, concentrado ou vigilante, tendo como base objetiva uma ameaça ou perigo existente e decorrente da realidade externa, tornando-se, assim, um mecanismo fundamental para a sua sobrevivência. A ansiedade patológica é distinguida pela intensidade e o caráter anacrônico, constante e desproporcional ao ambiente ou estímulo, caracterizando-se por um sentimento desagradável de assimilação negativa em relação ao futuro (Guimarães et al., 2015).

Lazarus (1995) propõe que o stress ocupacional ocorre quando o indivíduo avalia as demandas do trabalho como excessivas para os recursos de enfrentamento de que dispõe.

4. O PROFISSIONAL ENFERMEIRO (A)

O entendimento de cuidado de enfermagem é aquele em que tanto os saberes da enfermagem quanto os dos clientes são valorizados, reconhecendo o cuidado como resultado de uma troca de saberes.

Os enfermeiros podem e devem compartilhar com os pacientes informações sobre o uso correto de terapias que podem potencialmente tratá-los e manter sua saúde.

A visão holística do enfermeiro associada às práticas complementares desempenha um papel fundamental na sua aplicabilidade.

A qualificação técnico-científica do enfermeiro o prepara para o atendimento das necessidades humanas básicas das pessoas, por meio da sua especialidade no cuidado e no cuidar para a promoção da qualidade de vida (SOUZA, 2005).

Ressalto que o Enfermeiro deve sempre deixar claro que cabe também ao paciente a responsabilidade na manutenção e restauração de sua saúde.

O acolhimento e o comprometimento são fundamentais na relação entre o especialista e o usuário. Nessa relação, a aceitação e o alinhamento facilitam a construção da autonomia por meio de responsabilidades compartilhadas e pactuadas entre os atores envolvidos na terapia. (JORGE et al., 2011).

4.1. A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO

O enfermeiro deve se tornar cada vez mais ativo e consciente de seu papel e ser capaz de explorar modalidades de tratamento no exercício de sua atividade profissional, colocando em prática abordagens alternativas no cuidado aos pacientes, de modo que possam manter sua prática, autonomia e expressão.

Essas alternativas tornam o tratamento e a promoção da saúde do paciente menos sacrificante e mais agradável.

O campo das terapias alternativas abre portas seja na educação, em hospitais, unidades básicas de saúde, clínicas públicas e privadas, escolas, clínicas privadas e consultórios de enfermagem.

Nesse tipo de tratamento , o paciente é ativo no cuidado e torna-se capaz de refletir, questionar, criticar, ou recusar o que é apresentado a ele dentro de um contexto de cuidados.

Talento (2000) acredita que a enfermagem é uma ciência humana, que não se limita à utilização de conhecimentos relacionados às ciências naturais; são pessoas que exibem comportamentos distintos construídos a partir de valores, princípios, estereótipos culturais e experiências que não podem ser objetivados ou considerados como elementos separados.

4.2. A ENFERMAGEM E A TERAPIA FLORAL

As novas fronteiras do conhecimento em enfermagem são abordadas em uma perspectiva que pressupõe a complexidade do cuidado.

Com base nas ideias observadas, e avaliando as possibilidades e o potencial do enfermeiro no desenvolvimento do cuidado por meio de terapias integrativas e complementares, foi realizado este estudo, acerca da capacidade de enfermeiros para promoção e prevenção da saúde, bem-estar e conforto dos usuários de saúde que procuram terapia floral para se curar.

Deve ser considerada e respeitada a posição ativa e questionadora de pacientes que buscam terapias complementares capazes de atuar em prol de seus próprios interesses de saúde.

Todo ser humano, quando está na posição de usuário, deve ser tratado de acordo com suas necessidades de saúde e não como meio de satisfazer interesses pessoais de profissionais.

A questão legal específica para a atuação da Enfermagem nesta prática consta na Deliberação 197/97 do COFEN, que autoriza Enfermeiros a utilizar-se de terapias alternativas em sua prática, por serem os mesmas “detentores de informações e técnicas que foram repassadas assistematicamente, de geração em geração, estando portanto, vinculadas à consciência da humanidade”.

A Resolução COFEN-197/97, "Estabelece e reconhece as Terapias Alternativas como especialidade e/ou qualificação do profissional de Enfermagem".

5. METODOLOGIA

Trata-se de um estudo qualitativo, caracterizado como modo de procurar informações de maneira sistemática. Trabalha com um universo de crenças, valores, significados, motivações e atitudes, que corresponde a uma dimensão mais profunda das relações e tem caráter descritivo, pois irá observar, registrar e analisar os fatos sem manipulação. Não depende fortemente de análise estatística para suas inferências, ou de instrumentos fechados para a coleta de dados.

Justifica-se a metodologia escolhida pela proposta deste estudo em compreender A EFETIVIDADE DO TRATAMENTO FLORAL NO MANEJO DO ESTRESSE E ANSIEDADE EM UM PROFISSIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA.

A pesquisa de campo visa dirimir dúvidas ou obter informações e conhecimentos a respeito de problemas para os quais se procura resposta ou busca de confirmação para hipóteses levantadas e finalmente a descoberta de relações entre fenômenos ou os próprios fatos novos e suas respectivas explicações.( BASTOS e KELLER )

O sujeito do estudo é um profissional da área de segurança pública, policial militar do Estado do Rio de Janeiro , do sexo masculino, 38 anos, casado e pai de um filho.

O entrevistado trabalha em uma Unidade de Polícia Pacificadora dentro de uma grande comunidade na Zona Norte do Município do Rio de Janeiro.

A rotina de trabalho do entrevistado é de Segunda a Sexta feira de 9:00 as 17:00h.

A escolha do entrevistado deu-se devido a percepção de que os profissionais de segurança pública são constantemente submetidos a situações de estresse e perigo iminente.

O profissional foi convidado para uma entrevista sobre a possível interferência de sua profissão em sua saúde mental, e concordou em participar da pesquisa e assinou o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

A entrevista foi gravada na íntegra para transcrição posterior e sua análise.

A análise foi organizada em três temas: Perfil do Entrevistado, Escolha da Terapia floral e Intervenção de Enfermagem.

6. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

6.1. PERFIL DO ENTREVISTADO

O entrevistado é um profissional da área de segurança pública, policial militar do Estado do Rio de Janeiro , do sexo masculino, 38 anos, casado e pai de um filho. Atua na polícia militar desde 2009 e já desenvolveu trabalhos ostensivos externos e atividades administrativas. Atualmente trabalha em uma Unidade de Polícia Pacificadora em uma grande comunidade na Zona Norte do Município do Rio de Janeiro.

Quando perguntado sobre três palavras que lhe vinham à cabeça quando pensava em Como é ser profissional de Segurança pública no Rio de Janeiro , foi respondido LIXO, DESMOTIVADO e INJUSTIÇA.

A Motivação é um processo psicológico resultante da interação entre o indivíduo e o ambiente varia de pessoa para pessoa e, também, varia numa mesma pessoa ao longo do tempo, depende das situações e circunstâncias.(Latham & Pinder, 2005)

Para Ryan & Deci (2000), a pessoa que não sente nenhum impulso ou inspiração para agir, é caracterizado como desmotivado. Os indivíduos sentem-se desmotivados quando percebem a falta de contingência entre o seu comportamento e os resultados.

Segundo Minayo e Adorno (2013), existem diversas causas para a insatisfação dentro das corporações, tais como: a frustração e ressentimento pela falta de reconhecimento dos superiores e da população; as queixas sobre salários; as condições de trabalho; a qualidade de vida; o descontentamento com a justiça e o fato de se sentirem permanentemente ameaçados.

A atividade do profissional de segurança pública é fortemente afetada e prejudicada pelo nível de alto estresse, o que atrapalha o indivíduo, além de desacelerar e confundir o seu pensamento. Devido a tantas demandas, os policiais encontram extrema dificuldade em definir suas prioridades, tomando atitudes de hesitação.

Marqueze e Castro Moreno (2005) explicam que “a insatisfação pode gerar prejuízos à saúde física, mental e social, acarretando problemas à organização e ao ambiente de trabalho” .

6.2. ESCOLHA DA TERAPIA FLORAL

Quando indagado sobre a escolha da terapia floral, o entrevistado relata ter iniciado o tratamento com florais devido a seu descontentamento com os remédios da medicina convencional, dos quais já fez uso, mas teve problemas devido aos efeitos colaterais dos tratamentos, entre eles a sonolência, o que lhe prejudicava durante o seu trabalho.

Quando perguntado, os sintomas associados ao estresse relatados pelo profissional foram dificuldade de concentração, irritabilidade, desânimo, fadiga, indecisão, palpitações, dores de cabeça, dores nas costas, alterações de humor, nervosismo e insegurança.

As evidências na literatura revelam que os policiais apresentam um risco maior de desenvolverem um ou mais sintomas relacionados à saúde mental do que a população em geral no exercício de suas atividades militares, tendo em vista a sua jornada de trabalho muitas vezes estressante, com riscos físicos e mentais, afeta a vida pessoal e familiar desses profissionais e favorece o declínio de sua qualidade de vida, o que corrobora com os estudos da maioria dos autores citados em virtude da exposição e vulnerabilidade frente ao cenário de perigo iminente (Castro, Rocha, & Cruz, 2020; Grossi Filho, 2019).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quando perguntado se tinha percepção do seu quadro de ansiedade e estresse, e da necessidade de tratamento, o entrevistado revela que se sentia agitado, porém não se considerava estressado, o que ressalta a importância de o paciente reconhecer o estresse para poder se cuidar melhor.

Muitos policiais não procuram ajuda ou não ou aceitam a doença porque não conseguem reconhecer que seu trabalho é um fator que lhe causa tantos danos.

Dessa forma, eles precisam ser conscientizados da situação para que possam levar essa questão a sério.

Segundo Couto (1987) o stress ocupacional interfere na qualidade de vida modificando a maneira como o indivíduo interage nas diversas áreas da sua vida.

Quando perguntado se fora por iniciativa própria, relata que foi indicado pela esposa e que aceitou experimentar, já que não haviam contraindicações ou efeitos colaterais, mas que não acreditava realmente na eficácia do que não considera remédio.

Quando perguntado sobre a percepção nas mudanças dos sintomas, o entrevistado relata que na primeira semana de uso dos florais não se considerava em tratamento, que apenas tomava sem muita credibilidade, que inclusive sentiu nas duas primeiras semanas que seus sentimentos e emoções afloraram, e diante disso, chegou a pensar que estava piorando.

Quando perguntado, o entrevistado relata que após o primeiro mês sentiu-se mais motivado, menos cansado e menos ansioso, e que isso o motivou a dar continuidade.

6.3. INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM

Quando indagado sobre a escolha do profissional para a realização do tratamento, o participante relatou ter tomado a decisão de iniciar a terapia floral, porém destacou que não tinha conhecimento prévio sobre o tratamento e por isso procurou uma Enfermeira Terapeuta integrativa em saúde para ter maiores informações acerca da terapia.

Sobre a consulta de enfermagem que envolve a prescrição dos florais ,o entrevistado relata que a Enfermeira explicou tudo sobre a ação dos florais, os grupos de florais e para que serve cada um dos que lhe são prescritos.

Sobre as principais alterações percebidas após iniciar o tratamento com Terapia Floral, o entrevistado relatou que tinha pesadelos constantemente, e que após iniciar a terapia floral percebeu que diminuíram os desconfortos noturnos, e que a qualidade de seu sono noturno melhorou.

Após os primeiros resultados percebidos com a continuidade da terapia e de consultas com a enfermeira, é que de fato reconheceu os sintomas e sentiu-se inicializado na terapia floral.

Quando perguntado sobre a duração do tratamento e se pretende dar continuidade, o entrevistado respondeu que está gostando, principalmente por não ter efeitos colaterais, e que pretende continuar por tempo indeterminado, pois com a terapia floral não acorda com a “cabeça pesada” , não tem náuseas , e não é acometido por sono e dispersão durante o dia, o que é primordial tendo em vista sua atividade como policial militar.

A doença é apenas a forma encontrada pela natureza, de chamar a atenção do indivíduo para as ações erradas; o método mais efetivo para harmonizar a personalidade com a alma (Bach, 2006)

7. CONCLUSÃO

A ação da terapia com essências florais pode ser comparada aos efeitos que a música tem sobre os humanos, influenciando o bem-estar mental, emocional e físico. Sabemos que os sons são capazes de atuar como propulsores de novos pensamentos e ideias inovadoras que de certa forma alcançam a consciência e, dessa forma, um certo desenvolvimento mental pode ser alcançado.

Segundo os especialistas, a música harmônica pode provocar, nos seres humanos, oito tipos de efeito: antineurótico, antidistônico, anti estresse, sonífero e tranquilizante, regulador psicossomático, analgésico e/ou anestésico, equilibrador do sistema cardiocirculatório, equilibrador do metabolismo profundo. (BONTEMPO, 1992, p. 12)

O medo de ser reconhecido como agente de segurança durante as folgas, ou de ser morto, provoca um constante estado de alerta nos policiais e em seus familiares. Essa forma de defesa permanece latejante na mente do profissional e afeta diretamente várias áreas de sua vida, principalmente o convívio social, pois se priva de muitas atividades ou de frequentar inúmeros locais para prevenir que algum malefício aconteça com sua integridade física, moral e emocional (Souza et al., 2012).

Foi observado que o tratamento com a Terapia Floral foi capaz de remover do paciente alguns pensamentos negativos que eram constantes e resultantes de ansiedade e estresse durante o período de tratamento.

Notou-se também que a terapia floral conduzida por uma Enfermeira e o acompanhamento periódico por meio de consultas de enfermagem, promoveu interação, proximidade, diálogos, autoconhecimento, bem-estar, e resgatou a autoconfiança do paciente.

Destaca-se ainda que quando o paciente se sentiu inserido e parte integrante do seu tratamento, isso lhe deu mais autonomia, o que consequentemente o ajudou na mudança em relação a interação no ambiente de trabalho, com a sociedade, e com seus familiares.

Concluiu-se que a terapia floral funciona para diferentes finalidades e que a escolha e prescrição dos florais é única e direcionada ao paciente, pois as peculiaridades e necessidades de cada indivíduo devem ser levadas em consideração.

A utilização da terapia floral conduzida por profissional Enfermeiro está ligada à promoção do bem estar, do cuidado e do planejamento de enfermagem.

Decorrente destas situações é extremamente importante buscar uma nova forma de cuidar que não ficasse   restrita   apenas   ao   corpo   físico, mas que considerasse também os aspectos que compõem o ser humano: seus sentimentos, emoções, espiritualidade dentre, procurando visualizar esse indivíduo como um todo, ministrando com cuidado integral e menos invasivo. (FERREIRA JUSTO,2007).

A terapia floral é uma importante prática na área da saúde, que contribui para uma maior resolutividade e humanização do cuidado e faz parte dos tratamentos vibracionais que levam o indivíduo a um processo de integração de todas as suas potencialidades e faculdades, dando espaço para a compreensão da nossa complexidade. Sua ação não vem de uma bioquímica direta na fisiologia do corpo humano, mas através dos diferentes campos da energia humana.

Em relação aos objetivos propostos na pesquisa, identificou-se uma grande contribuição da Terapia floral para o controle do estresse e ansiedade do policial militar participante desta pesquisa.

Devido à insuficiência de pesquisas com Terapias complementares no manejo dos fenômenos emocionais relacionados à saúde dos profissionais de segurança pública, faz-se urgente estudar os determinantes psicossociais que aumentam o risco de ansiedade e depressão na realidade do Policial Militar. 

A partir desta pesquisa, sugere-se um estudo mais aprofundado do assunto , utilizando-se de um período mais longo com a Terapia floral aplicada a um grupo de profissionais de segurança pública, a fim de analisar a efetividade dessa terapia complementar na redução do estresse ocupacional dos profissionais da área de segurança durante no desempenho das suas funções.

Tais estudos são essenciais para se alcançar uma compreensão da saúde mental da categoria, tendo em vista esta é uma das profissões de maior convivência com fatores estressores.

“As emoções são muito importantes e mostram que estamos vivos.

Temos emoções positivas e negativas, e as duas são importantes para o nosso desenvolvimento.

As emoções positivas se manifestam em pensamentos e ações positivas para nossa vida.

As emoções negativas se manifestam em pensamentos ou ações negativas para nossa vida e devem ser transformadas dentro de nós para evoluirmos”.

( Carmen Monari )

8. ANEXO A — TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

Você está sendo convidado(a) para participar, como voluntário, em uma pesquisa. Após ser esclarecido (a) sobre as informações a seguir, no caso de aceitar fazer parte do estudo, assine no final deste documento, que está em duas vias. Uma delas é sua e a outra é do pesquisador.

Título do projeto:

A EFETIVIDADE DO TRATAMENTO FLORAL NO MANEJO DO ESTRESSE E ANSIEDADE EM UM PROFISSIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA.

Pesquisador responsável:

PATRÍCIA GOMES PADILHA, Telefone para contato: (21) 964128522

O presente estudo tem como objetivo identificar a contribuição da terapia floral no controle de ansiedade e estresse em um profissional da área de segurança pública.

A busca por novos caminhos dentro da enfermagem, trouxe a necessidade de aprofundar os conhecimentos sobre a aplicação da Terapia Floral na promoção da saúde e redução do estresse laboral.

A sua participação na pesquisa consiste em responder um questionário e uma entrevista que serão realizados pelo próprio pesquisador, sem qualquer prejuízo ou constrangimento para o pesquisado. As informações obtidas através da coleta de dados serão utilizadas para alcançar o objetivo acima proposto, e para a composição do relatório de pesquisa, resguardando sempre sua identidade. Caso não queira mais fazer parte da pesquisa, favor entrar em contato pelos telefones acima citados. Este termo de consentimento livre e esclarecido é feito em duas vias, sendo que uma delas ficará em poder do pesquisador e outra com o sujeito participante da pesquisa.

9. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

Alves, J. S. C., Bendassolli, P. F., & Gondim, S. M. G. (2017). Trabalho emocional e burnout: um estudo com policiais militares. Avances en Psicología Latinoamericana, 35(3), 459-472. doi: https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.4505

Alvim NAT, Ferreira MA. Perspectiva problematizadora da educação popular em saúde e a enfermagem. Texto & contexto enferm., 2007 Abr-Jun; 16(2):315-9.

Alvim NAT, Ferreira MA, Ayres AV, Magalhães MGM Fitoterapia e Enfermagem. In: Silva MJP, Salles LF, Enfermagem e as Práticas Complementares em Saúde. São Caetano do Sul, RS: Editora Yendis; 2011. p. 97-110

Associação Brasileira de Farmacêuticos Homeopáticos. Manual de normas técnicas para o preparo de essências florais. São Paulo: SK; 2018.

Baccaro A. Vencendo o Estresse: como detectá-lo e superá-lo. Ed. 6ª. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

Bach E. Os Remédios Florais do Dr. Bach. SP: Pensamento, 2006.

Barcelos LMS, Alvim NAT. Atenção e presença física: dimensões expressivas e a prática dialógica do cuidado de enfermagem na perspectiva do cliente hospitalizado. REBEN. 2006 jan-fev. 59(1):25-9.

BEAR, J.; BELLUCCO, W. Aplicações práticas dos Florais de Bach: Um guia completo para o uso   das essências florais inglesas . 1.ed. São Paulo:Pensamento, 2001. 190 p.

BEAR, J; BELLUCCO, W.Florais de Bach:O livro das fórmulas.1. ed. São Paulo: Pensamento, 2005. 192 p.

Benke MRP, Carvalho E. Estresse x qualidade de vida nas organizações: um estudo teórico. Rev Objetiva. 2008[citado em 2020 jan. 15];4:1-14. Disponível em: http://faculdadeobjetivo.com.br/arquivos/estresse.pdf

Bezerra, C. M., Minayo, M. C. S., & Constantino, P. (2013). Estresse ocupacional em mulheres policiais. Ciência coletiva, 18(3), 657-666.

BONTEMPO, D. M. Medicina natural: musicoterapia, geoterapia e fisiognomonia. São Paulo: Nova Cultural LTDA, 1992.

Cabral IE O Método Criativo e Sensível: Alternativa de pesquisa em enfermagem. In: GAUTHIER, Jacques Henri Maureice et al. Pesquisa em Enfermagem: Novas Metodologias Aplicadas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;1998, 177-203 p.

Castro, M. C., Rocha, R., & Cruz, R. (2019). Mental health of the brazilian police policy: theoretical-methodological trends. Psic., Saúde & Doenças, 20(2), 525-541.

Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (RS). Parecer Defisc nº 10/2012. Porto Alegre (RS)[internet],2012. Disponível em: URL:. Acessado em: 15 nov. 2021.

Couto, H. A. (1987). Stress e qualidade de vida dos executivos Rio de Janeiro: COP.

DANIEL, M. A. I.; SORATTO, M. T. et al.A Terapia Floral no Controle do Estresse Ocupacional.Rev.Saúde.Com; 9(1): 33-43. 2013, Santa Catarina

FERREIRA, M. Z. J;Essências FLorais:medida da sua influência na vitalidade em seres vivos.2007, São Paulo.

Fortes PAC. Ética e saúde. São Paulo: Editora Pedagógica Universitária; 1998. 120 p.

Fortes PAC. Ética, direitos dos usuários e políticas de humanização da atenção à saúde. Saúde soc. 2004 p 1-6. Disponível em: . Acesso em novembro de 2021.

Freire P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Centauro, 1980. 102 p

Freire P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GALLI, K. S. B.; SCARATTI, M; et al.Saúde e equilíbrio através das terapias integrativas: relato de experiência.Revista de Enfermagem. V. 8, N. 8, p. 245- 255.2012, Santa Catarina.

Galvão-Coelho NL, Silva HPA, Sousa MBC. Stress response: II. Resilience and vulnerability. Estudo Psicol. 2015[citado em 2019 jun. 15];20(2):72-81. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1678-4669.20150009

GIMENES, O. M. P.; SILVA, M. J. P.; BENKO, M. A.Essências florais: intervenção vibracional de possibilidades diagnósticas e terapêuticas.Rev Esc Enferm USP 2004; 38(4): 386-95. 2003, São Paulo.

Gomes AS, Pereira JWS, Viveiros JO, Mendes J, Gabriel MAO, Assis MR, et al. Social skills and stress: a study with teachers of elementary education of public schools. Polêmica. 2013[citado em 2020 jan. 15];12(4):2-9. Disponível em: https://www.e-ublicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/8640/6606

Gnatta JR, Kurebayashi LFS, Turrini RNT, Silva MJP. Aromatherapy and nursing: historical and theoretical conception. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2020 jan. 15];50(1):127- 33. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080- 623420160000100017

Grandjean, E. (1998). Manual de Ergonomia: Adaptando o trabalho ao homem (4a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Guimarães, A. M. V., Silva Neto, A. C., Vilar, A. T. S., Almeida, B. G. C., Fermoseli,

A. F. de O., & Albuquerque, C. M. F. de. (2015). Transtornos de ansiedade: um estudo de prevalência sobre as fobias específicas e a importância da ajuda psicológica. Semina Cienc Biol Saude, 3(1), 115-28.

HOWARD, J.Os remédios Florais do Dr. Bach passo  a passo: Guia completo para prescrições. 1. ed. São Paulo: Pensamento, 1990. 90 p.

JESUS,E. C.; NASCIMENTO, M. J. P.Florais de Bach: uma medicina natural na prática.Revista de Enfermagem UNISA. 2005; 6: 32-7. São Paulo.

JORGE, Maria Salete Bessa; et al. Promoção da Saúde Mental - Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, corresponsabilização e autonomia. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, p.3051-3060, jul. 2011.

Kaminski P; Katz R. Repertório das Essências Florais. SP: Triom, 2003.

Latham, G. e Pinder, C. (2005). Work Motivation Theory and Research at the Dawn of the Twenty-First Century. Annual Review of Psychology, 56, pp. 485-516.

Lipp MEN. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. Sáude em Revista A terapia floral no controle do estresse 42 Samira Hartkopf Botelho; Maria Tereza Soratto.

Lipp, M.E.N. (2003). O modelo quadrifásico do stress In M.E.N. Lipp (Org.). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teorias e aplicações clínicas (pp.1722). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ministério da Saúde (Brasil). Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS. 2006. Brasília (DF): Ministério da saúde. 92 p.

Ministério da Saúde (Brasil) Programa Nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília(DF): Ministério da saúde; 2009. 136 p.

Ministério da Saúde (Brasil). HumanizaSUS: a clínica ampliada. Brasília(DF): Ministério da saúde; 2004. p 1-19.

Monari CLR. Participando da Vida com os Florais de Bach: uma visão mitológica e prática. SP: Roca, 2002.

Neves LCP, Selli L, Junges, R. A integralidade na Terapia Floral e a viabilidade de sua inserção no Sistema único de Saúde. O Mundo da Saúde. [serial on-line]. 2010 34 (1):57-64. Disponível: www.saocamilo- sp.br/pdf/mundo_saude/.../07_original_integridade..

NOVAIS, A. M.; ROCHA, N. A; et al.Práticas Integrativas e qualidade de vida no trabalho: Interrelações no cotidiano da enfermagem.,Goiás.

Polit D, Hungler B. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre(RS): Artmed; 2004.

Rossi AM, Perrewé P, Sauter S [org]. Stress e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Atlas; 2005.

Saad M, Medeiros R. Terapias Complementares-Cuidados para Evitar Cuidados Adversos. Einstein: Educ Contin Saúde; 2009;7(1 pt 2):42-3.

SALLES, L. F.; SILVA, M. J. P. Efeito das essências florais em indivíduos ansiosos.Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Sistema  de Información Científica. Acta Paulista de Enfermagem.

Escola Paulista de Enfermagem Brasil. 2011, São Paulo.

SANTOS, M. C. N.Tratado de medicina floral.Editora: Madras. 2ed. 2010, São Paulo.

SCHEFFER, M.Terapia Floral original do Dr. Bach para auto-ajuda: o livro básico compacto.Tradução: SILVA, Z. H. S. Editora: pensamento. 2008, São Paulo.

Scheffer M. Florais de Bach: escolha você mesmo. São Paulo (SP): Pensamento; 2009.

SILVA, A. D. T.; ANDERSEN, T.; et al.Aplicação da terapia floral em indivíduos com estresse.Faculdade Integradas do Brasil. Cadernos da Escola de Saúde.2013, Paraná.

SOUZA, M. M.; GARBELOTO, M.; DENEZ, K.; MANGRICH, I. E.Avaliação dos efeitos centrais dos florais de Bach em camundongos através de modelos farmacológicos específicos.Revista Brasileira de Farmacognosia. 2006, Santa Catarina.

TALENTO, B. Jean Watson. In: GEORGE, J. B. et al. teorias de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. p.253-265.

Telesi EJ. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud Av. 2016[citado em 2020 jan. 15];30(86):99-112. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007

Vancini, R. L., de Lira, C. A. B., Anceschi, S. A., Rosa, A. V., Lima-Leopoldo, A. P., Leopoldo, A. S., & Knechtle, B. (2018). Anxiety, depression symptoms, and physical activity levels of eutrophic and excess-weight Brazilian elite police officers: a preliminary study. Psychology research and behavior management, 11, 589-595.

Waldow VR, Cuidar: expressão humanizadora da enfermagem. Petrópolis(RJ): Vozes, 2006. 192 p

White I. Essências Florais Australianas. Ed. 2ª. SP: Triom, 1998. 15. Schor N.As doenças que você tem e não sabe. São Paulo: MG, 2005. 16. Saad M. et al.Espiritualidade baseada em evidências. Acta Fisiátrica. 2001. 8(3):107-112 WILDWOOD, C.Remédios Florais. 10.ed. São Paulo: Estampa, 1994. 149 p


Publicado por: Patricia Gomes Padilha

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Monografias. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.
  • Facebook Brasil Escola
  • Instagram Brasil Escola
  • Twitter Brasil Escola
  • Youtube Brasil Escola
  • RSS Brasil Escola