Topo
pesquisar

A CONTRIBUICÃO DA PSICOPEDAGOGIA PARA A PREVENÇÃO E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL

Educação

Problemas pedagógicos das escolas, proposta de trabalho direcionada ao investimento na competência profissional dos educadores e estratégias de ensino adequadas aos educandos com dificuldades de aprendizagens.

índice

1. RESUMO

A pesquisa nasceu do objetivo de conhecer as Contribuições da Psicopedagogia para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagens em Escolas do Ensino Fundamental na Cidade de Parnaíba. O universo pesquisado foi de 30 escolas e uma amostra de 36 especialistas. Utilizou-se como técnica de coleta de dados a entrevista com profissionais da saúde (fonoaudiólogo) e educação (psicólogos, psicopedagogos), além de questionário aplicado a professores com especialização em Psicopedagogia. Percebendo nos resultados colhidos com a pesquisa de campo, sobretudo reconhecer nas falas e experiências mencionadas pelos participantes, à essência do conhecimento psicopedagógico adquirido nos curso de Especialização em Psicopedagogia. As hipóteses da pesquisa foram confirmadas, uma vez que o campo teórico legado a Psicopedagogia proporciona condições metodológicas para se prevenir e superar as dificuldades de aprendizagens, no entanto, a superar as dificuldades nem sempre é possível, pelo fato de existirem muitas limitações inerentes ao próprio indivíduo, dependendo da deficiência. Considera-se que se faça um apanhado das práticas pedagógicas, psicopedagógicos pospostas no curso de Psicopedagogia que refletirão na prática dos especialistas, momentos de inserção social e efetiva contribuição para o processo de ensino aprendizagem. Outra evidencia identificada foi com relação aos problemas pedagógicos das escolas, é importante inserir numa proposta de trabalho direcionada ao investimento na competência profissional dos educadores, capacitando-os não apenas para identificar dificuldades decorrentes do processo educativo, mas para interferir nas especificidades, a partir da prática didática de inúmeras teorias de ensino-aprendizagem, selecionando estratégias de ensino adequadas aos educandos com dificuldades de aprendizagens.

Palavras - chaves: Psicopedagogia - Dificuldade de Aprendizagem - Ações Pedagógicas

ABSTRACT

The research was born in order to investigate the contributions of Psychology to the prevention and overcoming the difficulties of learning in primary schools in the City of Parnaiba. The group studied was 30 schools and a sample of 36 experts. It was used as a technique for data collection interviews with health professionals (speech therapist) and education (psychologists, educational psychologists), and questionnaire administered to teachers with specialization in Educational Psychology. Seeing the results collected with field research, especially in speech recognition and experiences mentioned by the participants, the essence of knowledge acquired in the psychology course of Specialization in Psychology. The research hypotheses were confirmed, since the theoretical legacy Psychology provides the methodological conditions to prevent and overcome the difficulties of learning, however, to overcome the difficulties is not always possible, because there are many limitations inherent to individual, depending on the disability. It is considered that to do an overview of pedagogical practices, psycho postponed in Psychology course that reflect the practice of experts, moments of social and effective contribution to the teaching-learning process. Another evidence was identified regarding the pedagogical problems of schools, it is important to include a proposal of work directed to investment in professional competence of teachers, enabling them not only to identify difficulties arising from the educational process, but to interfere with the specific, from the teaching practice of many theories of teaching and learning, selecting appropriate teaching strategies for learners with learning difficulties.

Words - keys: Educational Psychology - Learning Difficulties - Pedagogical Action

2. INTRODUÇÃO

Até pouco tempo atrás, a educação podia ser vista, como um meio responsável pela transmissão de conhecimento em determinados conteúdos escolares através das gerações, objetivando a reprodução e perpetuação da cultura. Nesse sistema educativo, ideias e valores deveriam ser assimilados passivamente pelos aprendizes, sem maiores reflexões sobre a possibilidade de criação de ambientes que estimulassem a construção do conhecimento. Com esse método de ensino e aprendizagem, muitos se intimidavam e se mantinham sem aprender, ocorrendo como consequência o fracasso escolar. A questão da dificuldade de aprendizagem está presente no discurso escolar como uma tendência a relacionar o insucesso escolar com as patologias da aprendizagem. Como aprender é próprio do ser humano, a expectativa é de sucesso incondicional.

Mas a problemática do fracasso escolar vem sendo pesquisada e discutida por pesquisadores de várias áreas do conhecimento, é objeto de estudo de crenças e mitos que permeiam as discussões a respeito do mau desempenho escolar, da deficiência em aprender e no ganho novos conhecimentos.

Nesse cenário, nasce a necessidade de trabalhar estratégias que enfoquem a questão e resolva em longo prazo, as questões mais eminentes referentes à educação e ao fracasso escolar. Desse modo, procura-se conhecer quais as ações dos especialistas em psicopedagogia para solucionar as dificuldades de aprendizagem de seus alunos, bem como identificar o conhecimento que a Psicopedagogia oferece aos profissionais da educação para atuarem na prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem de alunos em escolas de Ensino Fundamental na cidade de Parnaíba?

Surge nos meados do século XIX a Psicopedagogia, com a justificativa de trabalhar a superação de problemas de aprendizagem, leva-nos a desenvolver essa pesquisa de cunho qualitativo e descritiva, com o objetivo de investigar no município de Parnaíba aplicabilidade das ações psicopedagógicos dos especialistas em Psicopedagogia para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem. Pois se sabe que quanto maior a formação ou nível de conhecimento de um profissional, seja da educação ou não, mais chances e possibilidades, este tem de buscar soluções que amenizem ou superem as dificuldades encontradas pelos alunos. Por isso, mesmo é que se formulou a hipótese da pesquisa, que consiste em afirmar que, um professor com especialização em psicopedagogia recebe suporte e formação para atuar na prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem que surgem no contexto escolar, de forma que a escola possua um apoio pedagógico desses profissionais, e estes podem evidenciar alguns indicadores para compreensão das dificuldades de aprendizagem dos educando e mediante esta identificação contribuir para amenizar ou até mesmo solucioná-las.

Hoje a escola como instituição tem recorrido à psicopedagogia para compreender, analisar e intervir nas práticas e relações que estão presentes no interior da dela. Os psicopedagogos têm contribuído para mudanças importantes em assessorias nas redes públicas e particulares.

É com base no histórico da Psicopedagogia no Brasil, que se buscou fazer um apanhado de como se apresenta a contribuição da Psicopedagogia para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagens do Ensino Fundamental na cidade de Parnaíba/PI.

A necessidade de se trabalhar com a prevenção de problemas de aprendizagem, levou-nos a desenvolver esta pesquisa no modelo não experimental de enfoque transversal que consiste na coleta de dados em um momento único. Sendo que, o tipo de pesquisa realizada foi do tipo descritivo.

Este trabalho está dividido em quatro capítulos, o primeiro faz referência às concepções de aprendizagem, como a concepção comportamentalista, a construtivista, mencionamos Vygotsky, Piaget, Alicia Fernandes, abordando vários autores a respeito do tema em estudo. Inicialmente coloca-se um breve histórico da Pedagogia, assim como sua contribuição para base teórica da Psicopedagogia. Em seguida apresenta-se a Psicologia e sua relação com a Psicopedagogia, bem como, as ciências que dão apoio teórico a Psicopedagogia. E por fim é colocada a base teórica da própria Psicopedagogia, além da caracterização da atuação do psicopedagogo clínico e institucional, proporcionando informes sobre a identificação das dificuldades de aprendizagem e da qualidade do nível dos cursos de pós-graduação em Psicopedagogia na cidade de Parnaíba. Neste capítulo ainda será apresentado o quadro sobre as concepções dos autores sobre as dificuldades de aprendizagem e a contribuição da psicopedagogia na reeducação dos educandos.

O segundo capítulo faz o resumo da metodologia aplicada no desenvolvimento da pesquisa, participantes da pesquisa, população de 30 escolas com 180 profissionais com especialização em psicopedagogia, sendo retirada uma amostra sistemática de 36 especialistas, os instrumentos utilizados para fazer a coleta de dados foi o questionário e entrevista estruturada. Na análise de conteúdo, os dados são tabulados em gráficos e tabelas descritivas. O terceiro capítulo trata da síntese dos resultados da pesquisa, apresentada à análise e discussão do conteúdo coletado com os especialistas em Psicopedagogia - a matriz analítica I – análise do questionário aplicado as especialistas em psicopedagogia e matriz analítica II - entrevistas realizadas com profissionais da educação e saúde com pós-graduação em Psicopedagogia.

Por fim, faz-se a discussão final e conclusões, tornando-se inevitável evidenciar as concepções de ensino-aprendizagem dos professores e profissionais que atuam na educação na via direta e indireta e a contribuição dos conceitos da Psicopedagogia na sua prática educativa, com base nos objetivos pretendidos na pesquisa. Algumas considerações são feitas, colocando-se a conclusão do estudo realizado, além é claro de apresentar a confirmação ou refutação da hipótese de pesquisa e sugestões para pesquisas.

3. OBJETIVOS

Os objetivos têm a função de orientar a pesquisa, sendo o objetivo geral é conhecer as ações dos especialistas em psicopedagogia que contribuem para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem dos alunos em escolas de Ensino Fundamental na cidade de Parnaíba-PI. E os específicos são descrever a relevância da psicopedagogia na formação do professor parnaibano; verificar a aplicabilidade do conhecimento dos especialistas em Psicopedagogia para prevenir as dificuldades de aprendizagem dos educandos do ensino fundamental; Reconhecer na prática pedagógica dos especialistas em psicopedagogia ações positivas que favoreçam para prevenção das dificuldades de aprendizagem dos alunos no Ensino Fundamental; Identificar as estratégias psicopedagógicos utilizadas pelos psicopedagogos que favorecem a superação das dificuldades de aprendizagem dos educandos do ensino fundamental;

4. METODOLOGIA

4.1 Desenhos, Enfoque e Tipo de Pesquisa.

O desenho da pesquisa é o não experimental de corte transversal do tipo descritiva. Utilizou-se uma abordagem mista – qualitativa e quantitativa. O modelo não experimental é um tipo de pesquisa em que não se faz manipulação de variáveis independentes intencionalmente e corte transversal consiste na coleta de dados em um momento único.

O desenho não experimental baseia-se ainda na coleta de dados já existentes na realidade que são colhidos a partir da percepção, experiência ou opinião dos respondentes.

A pesquisa desse tipo de pretende medir ou coletar informações de maneira independente ou conjunta sobre os conceitos ou as variáveis a que se referem). É realizada sem manipular deliberadamente as variáveis, ou melhor, não se faz variar intencionalmente as variáveis. Esse modelo de pesquisa descrevem ainda relações entre duas ou mais categorías em um momento determinado. A pesquisa foi desenvolvida ainda com uma abordagem mista – qualitativo2.

Para o enfoque qualitativo3, “como não há interesse em generalizações dos resultados, as amostras não-probabilísticas são de grande valor, pois consegue-se obter as informações das (pessoas) que interessa ao pesquisidor, o que oferece uma grande requeza para a coleta e análise de dados. Já para o enfoque quantitativo que requer nem tanto uma “representatividade” de elementos de uma população, mais sim, uma cuidadosa e controlada escolha de indivíduos com certas características já especificadas na colocação do problema”. É qualitativa porque os dados quantitativos serão tratados através de análise e interpretação; por outro lado, se apresentarão as percepções e opiniões da população entrevistada em forma narrativa.

5. RESULTADOS OBTIDOS

A análise foi dividida em duas partes:

  • Matriz Analítica I – análise e interpretação das tabelas resultantes do conteúdo obtidos por meio dos questionários, sempre fazendo confronto com teoria, objetivos e problema da pesquisa, além de relacionar às variáveis dependentes e independenteno. A análise foi realizada com base nas seguintes categorias:

  1. Aplicabilidade do conhecimento da Psicopedagogía em escolas de Ensino Fundamental de Parnaíba;

  2. As práticas pedagógicas positivas que favorecem para amenizar as dificuldades de aprendizagem em escolas de Ensino Fundamental da cidade de Parnaíba;

  3. As estratégias psicopedagógicas utilizadas pelos psicopedagogos para favorecer a superação das dificuldades de aprendizagem nas escolas de ensino fundamental;

  4. As ações dos especialistas em Psicopedagogía que contribuem para a prevenção e superação dos problemas de aprendizagem;

  • Matriz Analítica II – análise, interpretação do conteúdo das entrevistas.

5.1 Aplicabilidade do conhecimento da Psicopedagogía em Escolas de Ensino Fundamental da cidade de Parnaíba:

Motivo de ter cursado Especialização em Psicopedagogia

Frequência %

1. Para melhorar a prática pedagógica

64

2. Para atuar como Psicopedagoga

22

3. Para ter um título de pós-graduação

14

Tabela 01 - Motivos de ter cursado Psicopedagogia na ordem de preferência.

Fonte: Elaboração própria.

Observando a tabela 01, 64% afirmaram ter cursado especialização em Psicopedagogia para melhorar a prática em sala de aula, 22% responderam cursaram únicamente para obter o título de especialista e apenas 14% tinha a intenção de ser psicopedagogo.

Percebe-se que a maioria de fato teve a intenção de melhorar a prática pedagógica em sala de aula, é corente afirmar que este especialista adquiriu conhecimento para atuar em sala de aula de forma a prevenir as dificuldades de aprendizagens.

5.2 As estratégias psicopedagógicas utilizadas pelos psicopedagogos para favorecer a superação das dificuldades de aprendizagem nas escolas de ensino fundamental:

Onde atua profissionalmente como psicopedagogo (a)

Freqüência %

Escola e hospital

8

Clínica

8

Hospital

4

Escola

8

Escola e clínica

8

Tabela 02 – Onde atuam como Psicopedagogo(a).

Fonte: Elaboração própria.

Conforme a apresentação desta tabela, observou-se que 8% dos pesquisados afirmam atuarem na clínica e na escola, ou seja, dos poucos que atuam como psicopedagogos, estes também estão em sala de aula. 8% atua exclusivamente na escola e 8% unicamente na clínica, e outros outros 8% atuam na escola e hospital e apenas 4% no hospital.

É o que nos fala a professora T em sua entrevista: “Infelizmente como psicopedagoga o salário não é atraente, ou compensador”.

5.3 As ações dos especialistas em Psicopedagogía que contribuem para a prevenção e superação dos problemas de aprendizagem:

Especialista em Psicopedagogia na escola (não como psicopedagogo)

Freqüência %

Sala de aula

64

Coordenação

8

Direção

9

Outros

10

Tabela 03 – Especialista em Psicopedagogia na Escola.

Fonte: Elaboração própria.

A tabela 03 do trabalho do especialista na escola, em sua respectiva função (professor, coordenador ou diretor). Observa-se que 64% está de fato em sala de aula, 8% em coordenações e 9% em direções, somando um total de 91% desses profissionais em escolas.

Desse modo, ressalta-se mais uma vez a evidencia da atuação desse professor para desenvolver estratégias para a prevenção das dificuldades de aprendizagem. Tanto na tabela 6, quanto na 7 são feitas menções a mais um dos objetivos da pesquisa: identificar a contribuição do especialista em psicopedagogía em escolas de Ensino Fundamental.

Na educação três figuras são apontadas como responsáveis pela eficacia da escola: o diretor, o coordenador e o superviso de ensino. Os dois primeiros geralmente estão todos os dias na escola, em contato direto com professores, alunos e funcionários.

Conforme afirma Almeida (2010):

São eles que detectam, com o olhar atento sobre a movimentação dentro e fora dos muros, nos corredores e nas salas de aula, as necesidades de aprendizagem das crianças e dos jovens, a demanda por formação docente e as condições da infraestrutura.

O terceiro personagem dessa tríade é o educador da secretaria de educação responsável por auxiliar os diretores e coordenadores a melhor exercer suas tarefas.

Conhecimento para identificar uma dificuldade de aprendizagem

Frequência %

Ás vezes

25

Sempre

17

Quase sempre

44

Raramente

14

Nunca

0

Tabela 04 – Conhecimento para identificar (diagnóstico) uma dificuldade de aprendizagem.

Fonte: Elaboração própria.

Antes de iniciar a análise do conteúdo da tabela, é interessante esclarecer a questão da identificação de uma dificuldade de aprendizagem, para se entender o processo de construção de um diagnóstico.

Em primeiro lugar a identificação pelo professor de alguns indícios que apontem para a não aprendizagem normal do indivíduo e esta identificação vem antes de um diagnóstico psicopedagógico propriamente dito. Esse diagnóstico é realizado por um psicopedagogo ou membro de uma equipe interdisciplinar.

Diante destas explicações é que se faz a leitura da tabela 04, na qual 44% afirmaram quase sempre utilizam seu conhecimento para favorecer um diagnóstico de dificuldades de aprendizagem. 25% afirmaram apenas às vezes conseguirem colaborar um diagnóstico e 17% afirmaram sempre tem conhecimento para contribuir na formulação de um diagnóstico.

Desenvolvimento de ações pedagógicas para prevenção das dificuldades de aprendizagem

Freqüência %

Sempre

28

Quase sempre

33

Ás vezes

33

Raramente

6

Quase nunca

0

Tabela 05 – Desenvolvimento de ações pedagógicas para prevenção das dificuldades de aprendizagem.

Fonte: Elaboração própria.

Conforme o que é mostrado na tabela 05, que relacionam-se com o desenvolvimento das ações pedagógicas para prevenção das dificuldades de aprendizagem, a maior parte (33%) quase sempre desenvolverem ações pedagógicas de prevenção e a mesma porcentagem de (33%) dizem às vezes desenvolverem essas ações didáticas preventivas. E (28%) afirmaram desenvolverem sempre tais ações pedagógicas para prevenção das dificuldades de aprendizagens.

Outros estudos reafirmam a importancia do psicomotor para aprendizagens escolares e destacam a necessidade de, desde o ensino infantil serem oferecidas atividades motoras direcionadas ao fortalecimento e consolidação das funções psicomotoras, fundamentais para o êxito nas atividades da leitura e escrita como apontadas por Furtado (1998), Nina (1999), Cunha (1990), Oliveira (1992) e Petty (1988).

A especialização em Psicopedagogia favoreceu em que?

Freqüência %

A escola encontre soluções para seus problemas de aprendizagem

11

O educando possa ser visto com um olhar diferenciado

14

A escola possa contar com atendimento especializado para seus educandos

17

As dificuldades de aprendizagem dos alunos possam ser prevenidas

25

O educador encontre soluções para seus dilemas pedagógicos

33

Tabela 06 – A especialização em Psicpedagogia favoreceu em que para você?

Fonte: Elaboração própria.

A intenção de primordial desta questão é justamente compreender o nível de entendimento dos professores sobre a Psicopedagogia. E o resultado que nos foi dado é mostrado na tabela 06.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A leitura feita é que (33%) coloca que a especialização em Psicopedagogia favorece para que o professor encontre soluções para seus dilemas pedagógicos. 25% dizem favorecer para que as dificuldades dos alunos possam ser prevenidas e 17% dizem favorecer para que a escola possa contar com atendimento especializado para seus educandos.

Fatores observados no educando para diagnosticar uma dificuldade de aprendizagem.

Escala

Freqüência%

Desempenho em sala de aula

Produção de trabalhos

As lições de casa

Desempenho nas atividades

Entrevista com professores

Entrevista com pais

Totalmente de acorde

10

De acorde

20

Parcialmente de acordo

6

Tabela 07 – Fatores observados no educando para diagnosticar uma dificuldade de aprendizagem.

Fonte: Elaboração própria.

Os fatores observados nesta tabela para diagnosticar uma dificuldade de aprendizagem, foram estabelecidas conforme alguns critérios: o desempenho em sala de aula; produções de trabalhos realizados em classe; as lições de casa; desempenho nas lições orais e escritas;

Destes critérios, 20% foram de acordo que todas as categorías acima citadas são fatores importantíssimos a serem observados para a formulação de um diagnostico de dificuldade de aprendizagem. 10% foram totalmente de acordo e 6% parcialmente de acordo.

5.4 Entrevistas com profissionais da educação e saúde com pós-graduação em Psicopedagogia

5.4.1 Práticas pedagógicas positivas que favorecem para amenizar as dificuldades de aprendizagem em escolas de Ensino Fundamental da cidade de Parnaíba

Nesta categoria procura-se evidenciar a aplicação do conhecimento dos psicopedagogos ou professor especialista em psicopedagogia por meio da sua prática pedagógica positiva.

Neste ítem focar-se-á no objetivo de verificar a aplicabilidade do conhecimento da Psicopedagogia em escolas de Ensino Fundamental. Em referência a contribuição da Psicopedagogia para a melhoria da ação pedagógica, é interessante considerar que ela favorece para uma visão mais abrangente dentro do processo educacional. Ajuda a solucionar os inúmeros problemas existentes nas escolas. Todos são unanimes em expressar de uma maneira ou outra, os ganhos com a especialização em Psicopedagogia.

“Ampliou mais a minha visão de pedagoga, pelas questões que a gente ver pelo conhecimento do processo de ensino e aprendizagem, pelas questões do ensinar e aprende”(p A).

“Muito, porque as dificuldades de aprendizagem elas existem e muito nas escolas, é gritante o número de crianças que tem dificuldades e você fica sem saber o motivo, então a Psicopedagogia te possibilita isso... um olhar diferenciado”(pB).

“aprendi bastante para minha prática pedagógica e veio de encontro as minhas aspirações, pois aprendi a intervir para a melhoria da aprendizagem, com atividades diferenciadas de acordo com o grau de dificuldade do aluno”(pC).

A Psicopedagogia é uma área de formação que colabora em outras áreas afins, como na fonoaudiologia, é o que dia esta entrvistada:

“[...]o olhar do fonoaudiólogo é um olhar muito clínico, a gente olha o paciente com um todo, mas como uma pessoa portadora de deficiência e quando a gente começa a estudar a psicopedagogia, a gente começa a ter outro olhar na questão do indivíduo de todos os lados, indivíduo social, indivíduo emocional...” (pD).

Não se pode deixar de mencionar a formação do professor para que este possa de certa forma construir durante sua trajetória, crenças e modalidades de lidar com o conhecimento e a forma de ensinar, o (Furlano, 1997) denomina matrizes pedagógicas.

Elas são responsáveis pelas suas intervenções pedagógicas, e é isso que a Psicopedagogia proporciona par a formação do professor essa construção da matriz pedagógica, não articulando apenas aspectos teóricos, mas também as vivências nas quais a aprendizagem está envolvida.

Ser professor é um processo de busca, de autoria que não dispensa modelos: eles parecem ser importantes para qualquer profissional, por isso a Psicopedagogia contribuir de forma impar para a formação dessas matrizes pedagógicas (Furlano, 1997).

5.4.2 As estratégias psicopedagógicas utilizadas pelos psicopedagogos para favorecer a superação das dificuldades de aprendizagem nas escolas de ensino fundamental:

O curso de pós-graduação em Psicopeagogia no seu estágio oferece duas áreas de atuação, a clínica e a instituição, e atualmente esse estágio se estendeu para o âmbito hospitalar. Nesse sentido faz-se a averiguação da importância de qual área contribui mais, e seguem as respostas abaixo:

“Ela contribui nos dois campos, como nós sabemos, sim contribui significativamente, no meu caso como estou voltada para a questão da Instituição mesmo, eu atua dentro do fazer pedagógico, embora voltada para o ensino de nível superior, mas nos é permitido trazer os conceitos da psicopedagogia para somar aos conhecimentos da cada disciplina e fazendo referencia ao embasamento teórico adquirido na especialização” (pA).

“No meu caso eu atendo na clínica e na Escola. Na clínica o trabalho é mais individualizado, por isso o efeito é mais rápido. Já na escola o trabalho é em grupo, mas sempre se dando atenção a criança com dificuldades”(Psicop.C).

“A questão da instituição seria muito importante pelo lado preventivo, por que ela atuaria dentro da escola... seria o lado preventivo que é extremamente importante”(Fonoaud.D).

Constata-se a importância que é dado a Psicopedagogia na prevenção das dificuldades de aprendizagens.

Para Gasparian (2005), a Psicopedagogia é um campo de atuação em Saúde e Educação que lida com o processo de aprendizagem humana: seus padrões normais e patológicos considerando a influência do meio-família, escola e sociedade – no seu desenvolvimento, utilizando procedimentos próprios da Psicopedagogia, pode-se considerar que tanto na clínica, quanto na Instituição ela colabora de forma substancial para o desenvolvimento do homem em sociedade. No entanto, constitui-se como área de conhecimento por seu objeto específico, o processo de aprendizagem.

6. CONCLUSÕES

Esta pesquisa teve na sua fundamentação teórica a Pedagogia, passando pelo corpo teórico da Psicologia para de fato chegarmos aos fundamentos da Psicopedagogia. O estudo procurou analisar e identificar na medida do possível, as contribuições da Psicopedagogia para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem em escolas de ensino fundamental na cidade de Parnaíba-PI/Brasil.

A especialização em Psicopedagogia chegou em Parnaíba no ano de 1995, por meio da UNICE (Universidade do Ceará) em parceria com UFPI (Universidade Federal do Piauí) e desde então vem se expandindo até os días de hoje, com a implantação da primeira turma do curso de Psicopedagogia Institucional pelas Faculdades INTA (Instituto de Teologia Aplicada) em parceria com a Faculdade Internacional do Delta (FID).

Esses cursos de pós-graduação pretende formar psicopedagogos para o trabalho psicopedagógico preventivo, o ser no ofício psicopedagogo elege a instituição (Psicopedagógica Institucional) como o espaço físico/psíquico, lócus de aprendizagem.

Na fala de uma das entrevistadas Marisa Pascarelli que ressalta sempre um trabalho preventivo e as vezes até mesmo a superação, o que só é possível quando um trabalho é realizado com o direcionamento de um psicopedagogo que esteja atuando, e não se pode esperar um resultado de destaque quando ele é feito apenas na sala de aula por um especialista, pois um resultado de uma superação, aparece num trabalho conjunto de uma equipe multidisciplinar e não por meio de um único profissional em sala de aula.

Foi constatado também os motivos que levaram esses professores a cursar especialização em Psicopedagogia que foram para melhorar a prática em sala de aula, em sugundo plano únicamente para obter o título de especialista e apenas uma minoría teve a intenção de atuar como psicopedagogo. No entanto, não se pode afirmar que consideravelmente que estão efetivemante prevenindo e atuando para a superação das dificuladades de aprendizagem. Apresenta-se um quadro com os objetivos alcançados:

Objetivos da pesquisa

Objetivos atingidos

1.As ações dos especialistas em Psicopedagogia que contribuem para a prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem nas escolas de Ensino Fundamental.

Esse objetivo foi atingido com a análise do questionário e entrevista com diretores e coordenadores das escolas.

2. Verificar a aplicabilidade do conhecimento da Psicopedagogia em Escolas de Ensino Fundamental

Esse objetivo foi atingido na análise do questionário, e confirmado na entrevista com especialistas em psicopedagogia.

3. Reconhecer as práticas pedagógicas positivas que favorecem para amenizar as dificuldades de aprendizagem em escolas de Ensino Fundamental na cidade de Parnaíba

Objetivo atingido na entrevista com coordenadores e diretores.

4. Identificar as estratégias psicopedagógicas utilizadas pelos psicopedagogos que favorecem a superação das dificuldades de aprendizagem nas escolas de Ensino Fundamental

Objetivo atingido na entrevista com psicopedagogos que estão atuando e diretor de pós-graduação.

Tabela 07: Objetivos da Pesquisa Atingidos

Fonte: elaboração própria

Neste sentido, far-se-á a confrontação com a hipótese inicial de pesquisa, em que se afirma: de que um professor com especialização em psicopedagogia tem suporte e formação para atuar na prevenção e superação das dificuldades de aprendizagem que surgem no contexto escolar.

Dessa forma, a escola que possui apoio pedagógico desses profissionais, esta pode está evidenciando alguns indicadores para compreensão das dificuldades de aprendizagem dos educando e mediante esta identificação contribuir para amenizar ou até mesmo solucioná-las.

Aponta-se como sugestão para futuras pesquisas, a condição da Psicopedagogia contribuir no desenvolvimento de novas políticas públicas que beneficiem as crianças com dificuldades de aprendizagem numa perspectiva inclusiva.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Ajuriguerra, J. A Escrita Infantil – Evolução e Dificuldades. Porto Alegre: Artes Médicas,1988.

Almeida Fernando José de - Revista Escola, edição 229, janeiro/fevereiro/2010

Andrade, M.S. Bases Teóricas da Psicopedagogia: iniciando a discussão. Cadernos de Psicopedagogia, 2001.

Andrade, Marcia Siqueira de. Psicopedagogia Clínica: Manual de Aplicação Prática para Diagnóstico de Disturbio de Aprendizado. Ed. Póllus Editorial. São Paulo:1998.

Weiss, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clínica – Uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. 13 ed. Ver. E aml: RJ Lamparina.2003.

Barbosa, Laura Monte Serrat. A História da Psicopedagogia contou também com  Visca, in Psicopedagogia e Aprendizagem. Coletânea de reflexões. Curitiba, 2002.

Bossa, N. A. (2000). A Psicopedagogia no Brasil. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Artes Médicas Sul. Sisto.

Bossa, N.A. Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico. São Paulo: Artmed, 2002.

Bossa, Nadia A. A Psicopedagogia no Brasil – Contribuições a partir da prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Bossa, Nádia A. A psicopedagogía no Brasil: contribuições partir da prática. 1994. Porto Alegre, Artes Médicas.

Brasil. Proposta de Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia. Ministério da Educação. Comissão de Especialistas de Ensino de Pedagogia e Comissão de Especialistas de Formação de Professores. 2002.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN 9394/96.

Coll, C.; Palácios, J. & Marchesi, A. (Org.). (1996). Desenvolvimento psicológico e Educação - Psicologia da Educação, Vl. 2 Porto Alegre: Artes Médicas, Instituto Piaget, Lisboa.

Cunha, M.F.C. Desenvolvimento psicomotor e cognitivo: influência na alfabetização de criança de baixa renda. 1990. 250 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1990.

Demo, P.; La Taille, Y.; Hoffmann, J., Grandes pensadores em educação: O desafio.

Dimo, V. M. (2003). “Do aprender a ensinar ao ensinar a aprender: contribuições da Psicopedagogia à construção do professor". Monografia, PUC-SP-COGEAE.

Calberg, Simone. Psicopedagogia Institucional: uma práxis na construção. Disponível em http://www.scribd.com/doc/11057962/Psicopedagogia-Institucional-Simone-Carlberg.consultado em 20/janeiro/2010.

Fávero, Maria Tereza M. Desenvolvimento psicomotor e aprendizagem da escrita. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Maringá, 2004.

Fernández, A. O saber em jogo: a psicopedagogia propiciando autorias de pensamentos. Porto Alegre: Artmed Editora; 2001.

Fonseca, V. da. Psicomotricidade. São Paulo: Martins Fonte, 1983.
ntrodução as Dificuldades de Aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

Franco, Maria Amélia do R. Santoro. Pedagogia como ciência da Educação. 2. ed. rev. São Paulo Cortez.2008.

Fred S. Keller. Trad. Rodolfo Azzi, L. Z. (1973). Aprendizagem: teoria do reforço. São Paulo: EPU.

Gardner, Howard. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. 1. ed. Porto Alegre.

Gasparian, Maria Cecília Castro. A Instituição escolar e o papel do Psicopedagogo. Disponível em: www.saopauloabpp.com.br/abpp.php?menu. Publicado em: Consultado em: 25/novembro/2009.

Gasparian, Maria Cecília Castro. Psicopedagogia institucional. São Paulo, Psicopedagogia on-line. 1999. 9p

Gil, Antonio Carlos, (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo-SP: Editora Atlas.

Gomide, P.I.C. (2001). Efeitos das práticas educativas no desenvolvimento do Groppa (Org.) Indisciplina na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus.

Hill, M. & Hill, A. (2005). Investigação por questionário. Lisboa: edições Sílabo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pedagogia

Japiassun, N. (1983). A psicologia dos psicológos. Rio de Janeiro: Imago.

Kassner, Sheila Clara Dystyler Ladeira. Revisão técnica e adaptação. Ana G. Q. Garcia, Paulo H. C. do Valle. - 3.ed. São Paulo: McGraw-Hill.

Keller, F. S. (1972). A definição da Psicologia: uma introdução aos sistemas psicológicos. São Paulo: Herder.

Kreisler, L.; Fain, M.; Soulé, M. A criança e seu corpo. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

La Taille, Yves de. A indisciplina e o sentimento de vergonha. In.: AQUINO. Julio

Lakatos, Eva Maria de Andrade; Marconi, Marina de Andrade. Fundamentos da Metodologia científica. São Paulo: Atlas.2003.l no Brasil.

Lakatos, Eva Maria, Marconi, Marina de Andrade. Metodologia científica. 2. ed. São Paulo. Atlas: 1991.

Libâneo, J. C. (1994). Didática (Coleção magistério, série formação do professor). São Paulo: Cortez.

Libâneo, José Carlos. Pedagogia e pedagogos, para quê? 5ª edição, São Paulo, Cortez, 2002.

Lima, Lauro de Oliveira Lima. Lauro de Oliveira Lima: depoimento [out. 1994]. Entrevistador: J. L. Bello. Rio de Janeiro, 1995. 4 cassetes sonoros. Entrevista concedida para elaboração de Dissertação de Mestrado ao Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE, da Universidade Federal do Espírito Santo.

Maluf, A. C.M. (2006). Avaliando o ato de brincar nos anos iniciais do ensino fundamental como uma ferramenta para a aprendizagem significativa. Teses de Mestrado publicadas na Universidade Autônoma de Assunção, Assunção, Paraguai.

Maranhão, Magno de Aguiar. A causa feminina e causa da nova sociedade. Disponível em: http://www.psicopedagogia.com.br/opiniao.asp?entrID=454. Acessado em março/2010.

Navegantes, Maria. Maria dos Navegantes : depoimento [out. 2009]. Entrevistador: L.G. Piauí, 2009. 1 cassete sonoro. Entrevista concedida para elaboração de Dissertação de Mestrado em Educação na Universidade Autônoma de Assunção – PY.

Marinho, Maria Luiza e CABALLO, Vicente E. Comportamento anti-social infantil e seu impacto para a competência social. Psic., Saúde & Doenças, 2002, vol.3, no. 2, p.141-147. ISSN 1645-0086.

Nina, Afonso C. B. A organização percepto-motora e o aprendizado da leitura e escrita: um estudo comparativo entre o teste metropolitano de prontidão e o teste de habilidades motoras amplas em alunos de classes de alfabetização Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Amazonas, 1999.

Noffs, Neide de Aquino. Entrevista: Palavra de Presidente. Revista Psicopedagogia 14 (32): 5-9,1995.

Oliveira, G. de C. Psicomotricidade: Um Estudo em Escolares com Dificuldades em Leitura e Escrita. 1992. 277 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.
Contribuições da psicomotricidade para a superação das dificuldades de aprendizagem. In: SISTO, F. F. et all (org.), Atuação.

Paín, S. (1985). Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Rio de Janeiro: Artes Médicas.

Paín, S. (1985). Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Perin, E.S.; Cordeiro, M.V.C.C. Indisciplina na Escola do Século XXI, Monografia apresentada para obtenção do título de especialista em psicopedagogia. Ponta Grossa – PR, 2002, 67 p., HTTP://virtual.facinter.br/monos/indisciplina_escola_seculo_xxi.pdf. Acesso em abril/2010.

Pimenta, Selma Garrido; Lima, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. Revisão técnica José Cerchi Fusari. São Paulo: Cortez, 2004. (Coleção docência em formação. Série saberes pedagógicos) práticas. São Paulo: Summus, 1996.

Rego, Teresa C. R. A indisciplina e o processo educativo: uma análise na perspectiva. Resvista escola. Trio Gestor: quem faz o quê? .Edição 006, fevereiro/março/2010.

Sampieri, R. H. (2006). Metodologia da Pesquisa/Roberto Hernández Sapieri, Carlos Hernández Collado, Pilar Baptista Lucio; Tradução Fátima Conceição Murad, Melissa.

Sampieri, R. H.; Collado F. C.; Lucio, P. B. (2006). Metodologia de la investigación. México D.F.

Scoz, B. J. L. (et al.) (1987). Psicopedagogia – O caráter interdisciplinar na formação profissional. Porto Alegre: Artes Médicas.

Serrat, Laura Monte. A psicopedagogia no ámbito da instituição escolar. São Paulo. Atlas: 2001.

Sidman, M. (1995) Coerção e suas implicações. Campinas: PSY II.

Silva, Carmem S. Bissolli da. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. 2ª edição revista e atualizada, SP: Autores Associados, 2003. (Col. Polêmicas do nosso tempo; 66).

Silva, Edna Lúcia da; Menezes, Estera Muskat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed.  rev. e atual. Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC, 2001.

Sisto, F. F. (1996). Atuação Psicopedagógica a Aprendizagem Escolar. Petrópoles-Rio de Janeiro: Vozes.

Sisto, F.F. Aprendizagem e mudanças cognitivas em crianças. Petrópolis, Vozes,      1997.

Sisto, Fermino Fernandes. Et al. Atuação Psicopedagógica e Aprendizagem Escolar., São Paulo. Ed. Àtica: 1996.

Souza. Piauí, 2009. 1 cassete sonoro. Entrevista concedida para elaboração de Dissertação de Mestrado ao Programa de Pós-Graduação em Educação - UAA, da Universidade Autônoma de Assunção.

Visca, J. A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. Porto alegre, artes Médicas, 1994.

Visca, Jorge. Clínica Psicopedagógica. Epistemologia Convergente. Porto Alegre, Artes Médicas, 1987.

Wallon, H. Psicologia e educação na Infância. Lisboa: Editorial Estampa, 1975.

Weiss, Alba Maria Lemme, CRUZ, Maria Lúcia R. A Informática e os Problemas Escolares de Aprendizagem. Rio de Janeiro: Ed. DP&A, 1999.

Wess, M.; Lúcia L. (2006). Psicopedagogia Clinica: uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A,

1 Mestre em Educação pela Universidade Autônoma de Assunção (UAA), Especialista em Psicopedagogia/UNICE/UFPI, Pedagoga/UFPI e graduanda em História/UESPI.

2 Roberto Hernandez Sampieri. Metodologia da Pesquisa/Roberto Hernandez Sapieri, Carlos Hernández Collado, Pilar Baptista Lucio; Tradução Fátima Conceição Murad, Melissa. 2006.

3 Ibem e idem.

 

Por Lucrécia Gomes Souza

  


Publicado por: Lucrecia Gomes Souza

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola