Topo
pesquisar

QUALIDADE DE VIDA DAS POPULAÇÕES HUMANAS

Biologia

A importância em conscientizar o aluno sobre os problemas ambientais referentes ao lixo e a proposta de um projeto pedagógico de aulas para abordar o tema.

índice

1. Resumo

A educação é a coluna fundamental para construção da sociedade, por sua vez a ciência é o conhecimento adquirido ou praticado, assim a educação e a ciência andam juntas contribuindo para sobrevivência das sociedade atual e futura. A escola tem que considerar a educação ambiental na formação do individuo, sensibilizando o aluno para que busque, preserve e cuide do meio ambiente. O professor deve enriquecer suas aulas facilitando assim o processo de ensino/aprendizagem, trazendo soluções inovadoras que atenda a necessidade e a realidade social, independente da faixa etária, visando toda a sociedade.

Palavras-chave: educação, ciência, sociedade, aluno, professor.

ABSTRACT

Education is the fundamental column for the construction of society, in turn science is the knowledge acquired or practiced, so education and science go hand in hand contributing to the survival of current and future society. The school must consider environmental education in the formation of the individual, sensitizing the student to seek, preserve and care for the environment. The teacher should enrich his classes, thus facilitating the teaching / learning process, bringing innovative solutions that meet the need and the social reality, independent of the age group, targeting the whole society.

Key-words: education, science, society, student, teacher.

2. Introdução

Atualmente tem-se falado muito em sustentabilidade, qualidade de vida, com o intuito de transformar, cuidar e preservar o mundo para as gerações futuras. São feitas muitas propostas onde são apresentadas várias soluções inovadoras em respostas as necessidades de salvar o meio em que vivemos.

A Educação Ambiental veio com um enfoque interdisciplinar, proporcionando a todos o direito adquirir novos conhecimentos.

Com esta visão as práticas pedagógicas dos projetos de educação ambiental visa que a comunidade se estruture e se organize para o desenvolvimento de pesquisas permitindo que, com recursos próprios e tecnologia adequada, sejam resolvidos os problemas, conscientizando e formando cidadãos com hábitos e comportamentos adequados e saudáveis.

3. Desenvolvimento

3.1 Tema: Qualidade de vida das populações humanas

Unidade temática: Saúde Ambiental

Conteúdos:

  • Saneamento básico
  • Doenças infecto- contagiosas e parasitária
  • Destino do esgoto e lixo
  • Tratamento de água
  • Reciclagem
  • Coleta
  • Poluição ambiental

4. Justificativa e referencial teórico

Ao abordar as questões ambientais no contexto escolar, impõe-se abrir um espaço para analisar a situação ambiental local e global, visando assumir a tarefa cidadã de forma individual e coletiva, estimulando a conscientização do aluno sobre os problemas atuais em relação ao meio ambiente, decorrente de uma séries de fenômenos, fazendo com que ele passe a ser o sujeito responsável por uma mudança efetiva, por intermédio de atividades teóricas e práticas sobre saneamento básico, importância da coleta, ações preventivas, dentre outras ações que fazem grande diferença no contexto da comunidade local.

Particularmente as ações de saúde ambiental são fundamentais para a mudança de comportamento

Segundo Pesquisa Nacional de Saneamento Básico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2008, no Brasil são recolhidos diariamente 180 mil toneladas de resíduos sólidos. A Educação Ambiental (EA) surge como resposta a sociedade futura e a necessidade de construir valores voltadas a conservação e prevenção do meio ambiente. Cabe lembrar que todo esse processo está inserido na educação do ser humano, segundo CARVALHO (2001:189), diz que:

“Ao constituir-se como prática educativa, a EA também se filia ao campo da educação propriamente dito e é da confluência entre o campo ambiental e algumas tradições educativas que vão surgir orientações específicas dentro da EA. Contudo, essa interseção entre o ambiental e o educativo, no caso da EA, parece se dar mais como um movimento da sociedade para a educação, repercutindo no campo educativo parte dos efeitos conquistados pela legitimidade da temática ambiental na sociedade. A educação – um campo altamente sensível às novas demandas e temáticas sociais – incorpora a preocupação ambiental em seu universo propriamente educacional, transformando-a em objeto da teoria e da prática educativa.”

Assim podemos dizer que a Educação Ambiental surgiu para permitir uma mudança de comportamento humano; a natureza fornece recursos necessários para sua existência e é um cenário fundamental das relações sociais. É dentro da escola que surge discussões de temas utais de grande importância para a formação do educando. O professor diariamente é desafiado em todas as práticas educativas a levar seu aluno a pensar nas relações sociais dos seres entre si e do ser humano com ele mesmo e a do ser humano e o meio ambiente. É importante ressaltar que a educação ambiental não visa apenas os problemas e a degradação do meio ambiente, visa também a formação de um individuo consciente em seu exercício da cidadania e da formação de seus valores, como também as transformações ocorridas pelo mundo e no meio ambiente. Só assim a escola cumprirá seu papel de formar cidadãos críticos e conscientes do seu papel na sociedade. Cabe ao professor conduzir as suas atividades adequando as necessidades da comunidade em que vive, fazendo o aluno refletir sobre o meio. Dentro desta visão pode-se trabalhar em um projeto que esteja voltado para a sociedade atual promovendo educação para a saúde e por meio de incentivo a preservação do meio ambiente.

Na nossa sociedade dita “consumista” produzem em média, cerca de 1Kg de lixo diariamente, ou seja, durante o ano produzem milhões de toneladas. Em todos os lugares vemos latões de lixo abarrotados de material reciclável que poderia ser reutilizado. Mesmo em regiões mais afastadas dos centros encontra-se o lixo industrial, causando poluição nos rios e oceanos.

O ser humano tem uma capacidade inerente de produzir lixo, e não basta só joga-lo na lata de lixo esquecê-los, daí vem à questão do que fazer com o lixo produzido e como eliminar os resíduos sem que haja prejuízos ao meio ambiente.

SCARLATO (1992: 03), faz o seguinte comentário sobre o lixo produzido pela população: ”por mais contraditório que possa parecer, o homem, dito inteligente, vem introduzindo em seu habitat uma espécie competidora: o lixo, resíduos da civilização”.

Todo o lixo deve ser separado de acordo com cada tipo de resíduo, menos de 10% das cidades brasileiras realizam reciclagem e coleta seletiva, cerca de 70% das cidades o destino do lixo final é no famoso “Lixão”, 13% vai para aterros sanitários e 17% em aterros controlados.

Geralmente os lixões são em um espaço aberto na perifeira das cidades, onde todo o lixo é queimado ou fica apodrecendo, provando assim a contaminação das águas subterrânea e do solo e a poluição do ar. Já o aterro sanitário os resíduos são confinados no solo e coberto por uma camada de terra, todo o terreno é impermeabilizado para que os resíduos sejam drenado e tratados evitando a contaminação do ambiente. É muito comum também os resíduos serem descartados em córregos ou em terrenos baldios pela população, ou mesmo jogados em locais inadequados (como nas ruas), mesmo recebendo atenção quanto à coleta seletiva.

No Brasil quase não existe aterros sanitários, porem a grande maioria foi construída de forma inadequada, fora dos padrões técnicos, comprometendo o solo e os recursos hídricos, também existe aqueles q são intermediários de destinação dos resíduos entre os lixões e os aterros sanitários onde não há controle da contaminação do solo e dos recursos hídricos.

O lixo tóxico deve ir para aterros ou centros especiais de triagem para que possam ser reciclados ou reutilizados. Algumas cidades encaminham esse lixo para usinas de compostagem, onde são misturados com terra e esterco para ser transformados em adubo orgânico.

Não existe um destino para o lixo perfeito, seja onde quer que vá, sempre terá impactos ambientais, seja de maior ou menor grau. Mas podemos combater a poluição e a exploração de recursos naturais com a reciclagem. Antes de reciclar é preciso fazer um tratamento prévio antes de seu destino final. A triagem desse material é feita para que possa ser reciclada, sendo assim é feita a escolha da matéria prima para novos produtos. A matéria rejeitada, ou seja, que não serve para reutilizar e é encaminhada a aterros sanitários. O lixo hospital passa por incineração para que possa ser reutilizado.

Vejamos agora alguns destino para o lixo:

Os aterros sanitários é um sistema de tratamento mais utilizado no Brasil, onde o solo é impermeabilizado para receber o lixo. Este é colocado em camadas de terra intercaladas.

A compostagem é um processo onde o lixo orgânico é transformado em adubo para ser utilizado na agricultura.

A coleta seletiva é um processo de separação do lixo orgânico dos materiais recicláveis.

A incineração de lixo é um sistema utilizado para lixo hospitalar ou para aqueles lixos que possuem algum tipo de contaminação perigosa, onde o lixo é incinerado e o material é reciclado, e a fumaça gerada passa por filtragem para diminuir a poluição do ar.

Os tratamentos especiais são para aqueles tipos de materiais que apresentam em sua composição elementos químicos que geram contaminação e problemas ambientais graves, como por exemplo: pilhas, baterias, lâmpadas, etc., são objetos que devem ser separados e entregues a locais específicos para serem tratados com segurança.

A reciclagem é a separação do lixo que pode ser reutilizados e transformados para fabricação de novos produtos.

Segundo VALLE (1995: 71), “reciclar o lixo significa refazer o ciclo, permite trazer de volta, à origem, sob a forma de matéria-prima aqueles materiais que não se degradam facilmente e que podem ser reprocessados, mantendo as suas características básicas”.

A reciclagem é a melhor forma de eliminar os resíduos produzidos pela atividade humana, reutilizando iria solucionar o excesso de lixo nos aterros sanitários. Por tanto, é dever de todos conseguir viver e ter todas as necessidades básicas atendidas produzindo cada vez menos lixos que vá para aterros sanitários.

Com essa atitude de reciclar e reutilizar, alem de produzir menos lixos, vai fabricar ou recuperar novos produtos, e diminuiria os impactos ambientais do meio ambiente.

É de suma importância resaltar que é preciso cuidar do meio ambiente para as gerações futuras, o futuro da humanidade depende do hoje. Considerando que toda produção desordenada de lixo afeta não somente o meio ambiente , assim como a população, rios, animais e plantas.

Um líder indígena, conhecido pelo nome de Chefe Seattle (1786-1866) em uma mensagem, nos leva a refletir sobre isso, quando diz:

A Terra não pertence ao ser humano; é o ser humano que pertence à Terra. Isto se sabe. Todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a Terra, recairá sobre os filhos da Terra. O ser humano não teceu a trama da vida; é meramente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido fará a si mesmo.

A reflexão, acerca das questões sócio-ambientais, já adentrou os portões das escolas brasileiras, nas quais a preparação das novas gerações para o enfrentamento de tais questões é um dos focos principais. Muitas propostas têm sido debatidas e defendidas exaustivamente pelos educadores, no sentido de inserir toda essa problemática no currículo escolar, permeando e ao mesmo tempo, integrando-se com todas as disciplinas, buscando-se então, a transversalidade com todas as áreas do conhecimento.

Nesse aspecto, SOUZA (1992: 25) diz que,

Do ponto de vista metodológico, fica bastante claro e tem estado presente no discurso ambientalista de forma contundente a impossibilidade de uma única área do conhecimento por si só dar um encaminhamento mais efetivo às questões de origens tão diversas que são colocadas pela mesma. Dessa forma, não haveria outro caminho a não ser o da interdisciplinaridade.

REIGOTA (1994:40) destaca ainda mais essa ideia, quando afirma que:

“além de uma compreensão mais global sobre o tema, esse método pode proporcionar o intercâmbio de experiências entre professores e alunos e envolver toda a comunidade escolar e extra-escolar”.

Por intermédio de uma abordagem sistemática e transversal, presente em todos os níveis de ensino, a questão ambiental, mais especificamente, o lixo produzido pela população, irá proporcionar ao aluno a percepção da relação mútua dos fatos e, começar a ter uma visão integral do mundo em que vive. Não se trata, apenas, de salientar essa questão de forma isolada no universo “meio ambiente”, e sim, conferir-lhe a amplitude necessária. No ponto de vista de TRAVASSOS (2006: 18):

O papel da escola não se reduz simplesmente a incentivar a coleta seletiva do lixo, em seu território ou em locais públicos, para que seja reciclado posteriormente. Os valores consumistas da população tornam a sociedade uma produtora cada vez maior de lixo. A necessidade que existe é, na verdade, de mudanças de valores.

Acompanhando essa linha de pensamento, TRAVASSOS (2006: 59) diz: Colocar no programa a Educação Ambiental como tema a ser tratado de maneira isolada e relacionado apenas com as disciplinas de biologia e geografia não é a forma mais correta de abordar a educação para o meio ambiente. Essa tem que ser praticada no diaa-dia da escola, para que possa ser levada também para fora da mesma e para o ambiente de cada indivíduo.

Faz-se necessário, então, que o ensino e a aprendizagem sejam pautados com a formação de valores e atitudes reais e práticas, de “dentro para fora” do ser humano.

A mudança de comportamento, individual e social dos grupos humanos deve ser um dos principais objetivos que a Educação Ambiental deve alcançar nesse contexto, não ficando apenas na expressão oral, mas também nas ações, mudando pontos de vista e atitudes. Dessa forma, as mudanças comportamentais, segundo REIGOTA (1994: 32), devem acima de tudo, “levar os indivíduos e os grupos a adquirir o sentido dos valores sociais, um sentimento profundo de interesse pelo meio ambiente e a vontade de contribuir para a sua proteção e qualidade”.

O grande desafio para a educação é tornar oportuno e garantir uma aprendizagem significativa, criando nos educandos, comportamentos e ações ditas “ambientalmente corretas”, com práticas apreendidas no dia-a-dia da escola

A questão do lixo está diretamente ligada ao modelo de desenvolvimento que vivemos, vinculada ao incentivo do consumo, pois muitas vezes adquirimos coisas que não são necessárias, e tudo que consumimos produzem impactos.

A população deve adotar algumas medidas para evitar que doenças se espalhem:

  • Construção de fossas sanitárias onde não há rede de esgoto para não deixar as fezes expostas no solo;
  • Não deixar lixo espalhado no chão, o lixo deve ficar amarrado e permanecer em baldes grandes fechados;
  • O lixo deve ser separado;
  • Manter a casa limpa, deixando o quintal e calçadas limpos;
  • Não permitir que crianças brinquem em lugares sujos, com água parada e suja, pois contém micróbios e larva de vermes causadores de doenças;
  • Não jogar lixo e objetos em terrenos baldios;
  • Não deixar valas de esgoto abertas, as quais as crianças podem ter contato com o esgoto.

Outros problemas sanitários ligados ao destino inadequado do lixo são:

  • Poluição dos mananciais (chorume);
  • Contaminação do ar (dioxinas e visibilidade aérea);
  • Assoreamentos (depósito em rios e córregos);
  • Presença de vetores (moscas, baratas, ratos, pulgas, mosquitos);
  • Presença de aves (colisão com aviões a jato);
  • Problemas estéticos e de odor; e
  • Problemas sociais (catadores em lixões).

A falta de critério no “que fazer” com o lixo orgânico acaba poluindo o meio ambiente. Quando jogamos o lixo orgânico em lixões, ruas, rios e matas, estamos afetando a nós mesmos, pois o acúmulo e a decomposição desse lixo a céu aberto pode acarretar sérios danos , entre eles:

  • O desenvolvimento de vermes, fungos e bactérias causadores de doenças;
  • O aparecimento de insetos, ratos e outras pragas capazes de transmitir doenças, podendo gerar surtos epidêmicos;
  • Mau cheiro e poluição da paisagem;
  • E o mais preocupante: a contaminação do solo e dos recursos hídricos.

Existem várias doenças que podem ser adquiridas através do contato com o lixo. Algumas delas:

Tétano: Doença grave causada por uma toxina produzida por bactéria. Quando contamina os ferimentos, a bactéria produz a toxina, que age sobre terminais nervosos e induz a fortes contrações musculares. Essas contrações podem se tornar generalizadas e atingir o músculo diafragma, causando uma parada respiratória;

Hepatite A: Doença infecciosa aguda, causada por um vírus, que provoca inflamação e necrose do fígado. O vírus é transmitido pela via fecal-oral, pela ingestão de água e alimentos contaminados ou, diretamente, de pessoa para outra;

Dermatite de contato: Inflamação da pele provocada pelo contato direto com substâncias que causam reação alérgica ou inflamatória, como ácidos, sabonetes, detergentes, solventes, produtos vencidos ou estragados, adesivos, cosméticos e outras substâncias químicas;

Cólera: Infecção intestinal aguda causada por bactéria, capaz de produzir uma toxina que causa diarreia. A transmissão ocorre pela ingestão de água ou alimentos contaminados;

Tracoma: Conjuntivite que pode provocar a formação de cicatrizes na conjuntiva e na córnea, podendo levar à cegueira. A transmissão pode ocorrer pelo contato com os olhos das mãos, toalhas ou roupas utilizadas para limpar rosto e mãos;

Febre tifoide: Doença infecciosa grave, causada por bactéria. A doença provoca febre prolongada, alterações no funcionamento do intestino, aumento do fígado e do baço e confusão mental progressiva, podendo levar à morte. Sua transmissão ocorre através da ingestão de água ou alimentos contaminados com fezes humanas ou urina, além do contato direto (mão-boca) com fezes, urina, secreção respiratória, vômito ou pus proveniente de um indivíduo infectado;

Verminoses: Dependendo do tipo de parasita, pode provocar perda de apetite, emagrecimento, diarreia, anemia, desordem de cólon e irritação do reto e ânus. A transmissão pode ser dar pela ingestão de alimentos mal cozidos ou crus que não foram devidamente higienizados, água contaminada, contato direto com excremento humano ou animal.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A transmissão de doenças pelo lixo ocorre principalmente devido à grande quantidade de animais atraídos pelo lixo (moscas, mosquitos, baratas, ratos, porcos) e também pela dificuldade de higiene nos espaços de triagem do lixo.

Muitas doenças podem evitadas com o tratamento correto do lixo e com a reeducação ambiental da população em separar corretamente o lixo. Manter em dia as vacinas obrigatórias e utilizar equipamentos de proteção individual auxiliam na prevenção.

“A reciclagem do lixo protege o meio ambiente, e um ambiente saudável favorece a saúde de toda sua população.”

Daí a importância de separar o lixo e dar a ele a destinação certa. Além de ajudar os catadores, você estará ajudando sua própria saúde e a de seus amigos.

5. Ano para o qual o Projeto se destina

Esse Projeto de Ensino e Pesquisa em Ciências é destinado aos alunos do 6° ano do Ensino Fundamental e toda comunidade escolar, com o intuito de não somente apontar problemas, mas principalmente ser parte ativa da solução.

6. Objetivos

Este trabalho tem como objeto refletir a cerca da importância da educação ambiental dentro do ambiente escolar e sua contribuição para a formação do cidadão critico e ativo na sociedade, sendo capazes de refletir sobre os problemas ambientais causados pelo lixo e a saúde ambiental.

Trabalhar a conscientização dos alunos em relação a preservação do meio ambiente e provocar uma leitura da realidade socioambiental, mudando a sua postura diante dos fatos.

Objetivos específicos:

  • Identificar as condições de saneamento básico do bairro em que vive;
  • Correlacionar os dados de saneamento com as doenças infecto-contagiosas e parasitárias;
  • Avaliar as principais formas de destino do lixo no município e as vantagens e desvantagens de cada uma;
  • Visitar um aterro sanitário e destacar as vantagens e desvantagens;
  • Promover uma coleta de lixo no bairro;
  • Desenvolver novos produtos através da reciclagem;
  • Despertar a consciência critica sobre as questões do lixo;
  • Identificar os principais fatores da poluição ambiental.

7. Problematização

É notório perceber que a relação professor-aluno em sala de aula, a influencia diretamente no resultado de sua aprendizagem. Vygotsky por exemplo, afirma que o aluno traz consigo uma bagagem de conhecimentos adquiridos em sua experiência de vida, ele chama de conhecimento prévio. A partir deste conhecimento prévio, o professor irá ensinar novas aprendizagens aos alunos.

O projeto surgiu da necessidade de se falar abertamente sobre as questões ambientais que nos rodeiam, trazendo reflexões e discussões da triste situação da nossa comunidade, quando se fala do destino que damos para o lixo e o cuidado com o meio ambiente, buscando conscientização e a participação da comunidade escolar, demonstrando que a vida cotidiana é mais importante e levando conhecimento sobre a saúde ambiental e a influência que o meio ambiente tem sobre o ser humano. Os conteúdos são desenvolvidos de forma dinâmica em grupos cooperativos, onde nas aulas são realizadas atividades voltadas ao desenvolvimento das habilidades individuais para que os jovens possam tomar suas decisões de forma consciente, segura e responsável. Entretanto, os educadores são considerados os principais agentes formadores num processo de educação inovadora, pois, fortalecem a relação - família, escola e comunidade - no resgate dos valores maiores da cidadania. O projeto será desenvolvido num contexto interdisciplinar, envolvendo a comunidade escolar, através da produção de conhecimento, da questão da disciplina e da necessidade de alcançar seus objetivos, bem como a vivência de atividades práticas, além do estimulo a investigação e a pesquisas. Discutiremos os recursos utilizados em alguns folhetos, além de textos confeccionados pelos próprios alunos. O principal aspecto a ser debatido é a influência do ser humano sobre meio ambiente, como cuidar e proteger, com um futuro adequado para sobreviver.

Durante a realização do projeto, discutiremos as influencias do ser humano no meio ambiente, despertando no aluno uma consciência critica onde ele possa avaliar suas atitudes com o meio em que vive. Faremos visitas guiadas ao aterro sanitário, para que se possa perceber a importância de produzir menos lixo, e reutilizar mais. Ampliar a visão além da escola, através de pesquisas no próprio bairro, fazendo coleta seletiva e construindo novos produtos através da reciclagem.

Desta maneira o projeto irá contribuir para a absorção e contextualização do conhecimento relevante sobre o lixo, veiculando os conteúdos do currículo a dimensão social, política, econômica, cultural e ambiental. O projeto envolve toda a comunidade escolar, portanto, facilita a construção coletiva e colaborativa. Os projetos parte da necessidade que a comunidade escolar tem e é uma forma de unir a teoria com as práticas de forma interdisciplinar. A educação ambiental bem ensinada e bem aprendida tem de ter relação com a vida das pessoas, o seu dia-a-dia, o que eles veem e sentem, o seu bairro, a sua saúde, com as alternativas ecológicas, mudanças climáticas, etc., a partir desta observação serão discutidas e desenvolvido este projeto.

8. Conteúdos Curriculares

Os conteúdos deste projeto está relacionado ao lixo e a influencia do ser humano com o meio ambiente.

Toda e qualquer ação tem consequências futuras, é necessário preservar e cuidar para que no futuro as pessoas possam viver de forma adequada.

Reciclar e reutilizar é o melhor destino para o lixo. Quanto menos lixo produzirmos menor será o impacto ambiental.

Iremos abordar:

  • O destino do lixo
  • Coleta seletiva
  • Reciclar e reutilizar
  • Saneamento básico
  • Doenças infecciosas
  • Impactos ambientais: poluição

A partir desses temas discutiremos o dever do ser humano, como cuidar do meio ambiente diminuindo os impactos ambientais, que a saúde do homem depende das condições ambientais que vivem.

Em conjunto com todas as disciplinas podemos abordar:

  • Matemáticas: gráficos com aumento ou diminuição da mortalidade do Brasil devido doenças causadas pelas más condições do meio ambiente; levantamento da quantidade de lixo produzido; gráfico cm a quantidade de lixo produzido e quantidade de lixo que são recicláveis;
  • Língua Portuguesa: elaborar textos e folders com a importância de reciclar e reutilizar; cuidados com o meio ambiente; entrevista;
  • Historia: abordar a trajetória do destino do lixo no Brasil;
  • Geografia: fazer um levantamento da produção do lixo nos estados brasileiros; coleta seletiva no local onde vive;
  • Temas transversais: educação ambiental;
  • Ciências: o lixo e a saúde do ser humano; visitas guiadas; aulas expositivas; etc
  • Informática: pesquiss.

9. O Processo de Desenvolvimento

O projeto será desenvolvido através de uma abordagem teórica sobre o lixo.

Primeiramente, será feita a leitura do roteiro do projeto de ensino, para que fosse possível entendermos qual é a proposta de trabalho.

Em seguida será realizada uma leitura e uma pesquisa minuciosa sobre o tema abordado no livro didático utilizado pela escola e outros textos pesquisados pelos próprios alunos.

Após ser realizada a leitura e a pesquisa sobre o assunto, começamos a elaborar o projeto de ensino, seguindo o roteiro proposto para esta atividade.

Através das aulas já programadas no currículo será realizada aulas expositivas dialogadas, abrindo caminho para novos recursos.

Começamos a introdução do projeto, abordando o tema norteador do projeto, visando esclarecer a ação do ser humano no meio ambiente.

Na elaboração do desenvolvimento do trabalho, iremos discutir e debater em todas as aulas sobre o tema, as pesquisas, e as conclusões obtidas.

Procuramos argumentar de maneira concisa e clara, os objetivos propostos na elaboração do projeto.

Utilizamos como recurso, uma pesquisa investigativa com os alunos, para identificarmos entre os alunos, o que fazer com o lixo que produzirmos e papel de cada um, a fim de refletirmos em cima do resultado obtido.

O seu resultado será representado em gráficos que foram expostos em aula, com intuito de se discutir e refletir sobre como tem sido a relação do homem com o meio em que vive.

Após uma coleta seletivo no bairro em vive e aprender a separar o lixo, srá proposto aos alunos uma oficina de reciclagem, onde os alunos iram confeccionar novos produtos.

Será apresentado o filme: “Wall – E”, que aborda a Terra no ano de 2805,que virou um depósito gigante de lixo, com recursos naturais esgotados e sem condições para vida humana, como o resultado de décadas de consumismo em massa. Seu último habitante, Wall – E é um robô compactador de resíduos, que gosta de colecionar objetos inúteis, como lâmpadas, patinhos de borracha e troféus. Um dia, WALL - E descobre uma pequena planta crescendo entre o lixo e a leva para casa. Mais tarde, uma espaço nave aterrissa e implanta EVA, um avançado robô enviado pela nave estelar da BnL, onde vivem alguns humanos refugiados, com a missão de procurar sinais de vegetação na Terra. É o início de uma grande aventura.

Faremos uma visita guiada ao aterro sanitário, a fim de observar como é feita este processo de descarte do lixo.

Para finalizar será exposto todo material produzido e adquirido durante todas as etapas do projeto, como por exemplo: as pesquisas através de gráficos, novos produtos feitos com materiais recicláveis, vídeos e fotos da coleta seletiva realizada pelos alunos, etc, será distribuídos folders para conscientização.

10. Tempo para Realização do Projeto

A realização do projeto será executada em várias etapas:

1º aula: (2 tempos de 50min cada).

  • Pesquisa sobre o tema.
  • Roda de leitura de textos relacionados ao tema, e leitura do livro didático.
  • Debate e reflexão sobre o lixo

2 º aula: (2 tempos de 50min cada)

  • Exibição do filme “WALL – E”
  • Debate e reflexão sobre o filme apresentado

3º aula (2 tempos de 50min cada)

  • Estudo sobre saneamento básico
  • Exercícios de fixação
  • Estudo sobre o lixo
  • Debate sobre o destino do lixo

4º aula (2 tempos de 50min cada)

  • Coleta seletiva no bairro
  • Separação do lixo
  • Oficina de reciclagem

5º aula (2 tempos de 50min cada)

  • Aula de campo no aterro sanitário do município em que vive
  • Coleta de dados sobre vantagens e desvantagens do destino do lixo

6º aula (2 tempos de 50min cada)

  • Aula sobre doenças-infecto contagiosas e parasitárias
  • Aula sobre impactos ambientais
  • Aula sobre poluição ambiental
  • Debate sobre o excesso de lixo pode causar ao ser humano
  • Exercícios de fixação

7º aula (2 tempos de 50min cada)

  • Apresentação de todo material coletado e produzido durante a realização do projeto.

Aulas interdisciplinares:

  • Elaboração da redação do relatório do projeto no Word.
  • Análise do resultado da pesquisa e montagem do gráfico.
  • Pesquisas sobre o lixo
  • Confecção de folders

11. Recursos Humanos e Materiais

Utilizamos vários recursos para este projeto.

Podemos citar como recursos materiais: o livro didático utilizado pela instituição de ensino, notebook ou computador, Xerox de textos e exercícios, lápis, borracha, canetinha, lápis de cor, régua, folhas A4 ou pautando para entrevistas e pesquisas, DVD, televisão ou data show, filme, cartazes, pinceis, tintas, tesoura. Utilizamos também materiais recicláveis, como: rolo de papel higiênico, garrafa pet, caixa de leite, CDs, copo descartável, arame, papelão, jornal, revista, cano, potes, etc., materiais decorativos: perolas tecidos, etc.

12. Avaliação

A avaliação deste projeto se dará por meio da promoção da reflexão a respeito do tema proposto. Pretende-se alcançar uma conscientização da comunidade escolar como importante ferramenta no auxílio do processo de aprendizagem dos alunos.

A avaliação ocorrerá de forma sistemática visando o processo de formação humana dos educandos. Serão avaliadas questões como: Participação, interesse, colaboração e realização das atividades propostas.

A avaliação em um projeto de ensino não possui caráter de classificação. Já não cabe mais avaliar para excluir, sentenciar, aprovar ou reprovar. A avaliação deixa de ser classificatória e passa a ser diagnóstica e processual, assumindo um caráter de globalidade.

Avaliam-se tanto o processo de desenvolvimento e aprendizagem do aluno quanto às intervenções do professor.

13. Conclusão

O tema abordado neste trabalho é muito amplo, porém conclui-se que se pode diminuir a produção de lixo no Brasil através da reciclagem, visando um mundo sustentável, afim de melhorar também os impactos ambientais e saúde da população brasileira. É importante lembrar que o aprendizado dos alunos depende não só da escola, mas também do meio sócio-familiar que o cerca. A partir dessa visão foi elaborado este projeto para conscientização de toda a comunidade escola, a fim de propagar as atitudes e decisões corretas com o meio ambiente.

A escola deve oferecer ao aluno o desejo de aprender, isto coloca em movimento toda a sua organização, desde a sua direção até seus funcionários, também há necessidade de algumas mudanças na práxis do ensino, fazendo com que o professor interaja mais com seu aluno, trazendo para dentro da sala de aula aulas mais expositivas e dinâmicas.

Há também uma necessidade da escola interagir com a família do aluno, tornando-se participativa em seu meio sócio-familiar, fazendo-se com isto, conhecida da escola as reais condições de seus alunos.

A família do aluno que tem grande participação na na formação do aluno, fazendo com que este aluno leve para a sala de aula fatores determinante para o seu caráter.

Diante desse fundamento, a escola deve trabalhar emcima dos conhecimentos prévios de seus alunos, levando-o ele a pensar e desenvolver seu lado critico. Percebe-se que a autoestima do aluno é elevada, a aprendizagem se torna mais prazerosa e construtiva, o ambiente da sala de aula se torna mais harmonioso e agradável, para isso é necessário que o professor invista em suas aulas.

O tema proposto foi pensado a partir do conteúdo programático do currículo escolar da série em questão, promovendo a interdisciplinaridade e a mudança de hábitos, para isso foi feita várias pesquisas com relação ao tema, para concluir o projeto, será expostos todo material.

14. Referência Bibliográfica

GOWDAK, Demétrio Ossowski. Ciências Novo Pensar, 6/ Eduardo Lavieri Martins. 1 ed. – São Paulo: FTD,2017.

Apostila 2 de Ciências, ensino fundamental. Ed SER.

SANTANA, O; FONSECA, A. Ciências Naturais, 3ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

ARAÚJO, Maria Inês de Oliveira. Revista Brasileira de Educação Ambiental, nº 0. Brasília: Rede Brasileira de Educação Ambiental.

AGENDA 21: Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Curitiba: Ipardes, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

__________. A invenção ecológica: sentidos e trajetórias da educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001.

JAPIASSU, Hilton Ferreira. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

LANDULFO, Eduardo. Meio Ambiente e Física. São Paulo: Ed. SENAC, 2005.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Referenciais para a Formação de Professores (parte II). Brasília, 2002.

MOREIRA, Marco Aurélio. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2006.

REIGOTA, Marcos. O que é Educação Ambiental? São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

SATO, Michele. Formação em Educação Ambiental: da escola à comunidade. Brasília: MEC, 2000.

SCARLATO, Francisco Capuano. Do Nicho ao Lixo: ambiente, sociedade e educação. São Paulo: Atual, 1992.

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE. Educação Ambiental e Desenvolvimento: Documentos Oficiais. São Paulo, 1994.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares da Rede Pública de Educação Básica do Estado do Paraná, Ciências. Curitiba, 2006.

TRAVASSOS, Edson Gomes. A prática da educação ambiental nas escolas. Porto Alegre: Mediação, 2006.

TRISTÃO, Martha. A educação ambiental na formação de professores: Redes de saberes. São Paulo: Annablume, 2004.

VALLE, Cyro Eyer. Qualidade ambiental: como ser competitivo protegendo o meio ambiente. São Paulo: Pioneira, 1995.

ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUAYROL, M.Z. Introdução à epidemiologia. 4ed., rev. e ampliada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. 282p.

BARRETO, M.L. Emergência e permanência das doenças infecciosas: implicações para a saúde pública e para a pesquisa. Médicos, v. 1, n. 3, p. 18-25, 1998.

BRASIL. Lei no 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Publicado no DOU de 8.1.2007 e retificado no DOU de 11.1.2007.

BRASIL. Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outrasprovidências. Publicado no DOU de 3.8.2010. 2010b.

CÂMARA, V. de M. (coord.). Textos de epidemiologia para vigilância ambiental em saúde. Brasília: Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde, 2002.

HELLER, L. Relação entre saúde e saneamento na perspectiva do desenvolvimento. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v. 3, n. 2, p. 73-84, 1998.

HELLER, L. Saneamento e saúde. Brasília: OPAS/OMS, 1997. 97p.

HELLER, L.; MÖLLER, L.M. Saneamento e saúde pública. In: BARROS, R.T. de V. et al. Manual de Saneamento e Proteção Ambiental para os Municípios.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Resultados Gerais da Amostra do Censo 2010. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_gerais_amostra/default_resultados_gerais_amostra.shtm>. Acesso em: 15 abril. 2018.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável – Brasil. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/ids/default_2010.shtm>. Acesso em: 8 de abril. 2018.

MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente: saúde 2ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

OLIVEIRA, M.V.C; CARVALHO, A.R. Princípios básicos do saneamento do meio. 4ed. São Paulo: Senac, 2004.


Publicado por: Nanaxara da Silva Oliveira

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola