PENSAMENTO INTEGRADO NA CONCEPÇÃO DE PROJETOS: A MUDANÇA DE PARADIGMA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Administração e Finanças

Alinhamento estratégico entre a construção civil, as boas práticas da administração, planejamento e gestão de projetos integrados, inovações tecnológicas e desempenho técnico das construções

índice

1.  RESUMO

A referida pesquisa tem ênfase em um alinhamento estratégico entre a construção civil, as boas práticas da administração, planejamento e gestão de projetos integrados, inovações tecnológicas e desempenho técnico das construções. O pensamento sustentável é parte de um movimento cultural e globalizado, com temas de grande interesse da sociedade e do poder público, promovendo novos hábitos de consumo e estilo de vida, o que gera novas demandas em todos os setores produtivos incluindo a construção civil que vem tentando se modernizar, acompanhar as tendências, reduzir os impactos ambientais, a geração de resíduos, diminuir os custos e os riscos através de processo integrado de projetos. As cidades brasileiras tiveram uma urbanização muita acelerada nos últimos trinta anos, mas com crescimento desordenado e sem fiscalização pública. O governo vem implantando políticas públicas sociais e urbanísticas para organizar as cidades através de novos planos diretores, legislações urbanísticas e legislações ambientais mais severas. A construção civil é um dos setores mais poluidores e consumidores de recursos naturais e energia ao longo de sua vida útil, por isso é importante pensar, planejar, traçar metas e estratégias e projetar toda a construção antes de executa-la. São grandes os desafios para a mudança de paradigma do mercado. A concepção de uma edificação precisa levar em consideração vários aspectos como; saúde, meio ambiente, redução do consumo de energia, água, impactos sobre a vizinhança e o terreno, qualidade do ar e conforto ambiental, preocupar-se também com o ciclo de vida dos materiais, construção, móveis e acessórios. Esses benefícios são mensurados através de um bom gerenciamento de projeto integrado. Esse estudo foi idealizado com consultas a sites de pesquisas, livros de áreas específicas, apostilas e outros materiais que se referem a projetos sustentáveis e integrados na construção civil e o processo construtivo como um todo.

Palavras-chave: Gestão. Projeto. Projeto integrado. Construção Civil.

2. Introdução

Atualmente a área de gerenciamento de projetos vem crescendo em nível mundial nas organizações privadas, instituições governamentais e com os profissionais liberais, pois todo projeto está ligado a um produto ou serviço. Tem prazo final estipulado, controle de dados, metodologias e orçamento e planejamento definido, o que reduz os riscos financeiros, ambientais, sociais, dentre outros. O setor da construção civil é um setor altamente produtivo, grande gerador de empregos e renda, mas ao mesmo tempo é um dos agentes que mais polui o meio ambiente. As construções são um dos maiores consumidores de energia, insumos naturais não renováveis e grande produtor de resíduos sólidos diversos. No processo de construção há muitas perdas, tanto materiais quanto financeiras por gestão ineficiente ou mão de obra desqualificada. Com foco na resolução desses problemas foi necessário nos últimos anos uma mudança de paradigma através do processo de projeto integrado, construções mais eficientes, sustentáveis e com desempenho satisfatório.

Gestão de Projeto integrado tem em seus pilares fundamentais compartilhamento e integração, o que passa uma ideia de multidirecionalidade do processo de produção de projetos, dando oportunidade a todos os envolvidos no projeto trazerem as suas visões, opiniões, soluções e experiências através de reuniões avaliativas e de tomadas de decisão, gerando melhores debates sobre determinado assunto, aprovando as melhores ideias na busca de resultados eficientes e eficazes.

Os profissionais da área da construção civil e as construtoras estão procurando atingir novos parâmetros, níveis gerenciais, administrativos e ambientais para conseguirem atender as novas normas, legislações construtivas, urbanísticas, ambientais e consumidores cada vez mais exigentes. Um dos conceitos a ser implementado pelas construtoras é o tripé da sustentabilidade que consiste em preocupações com os aspectos econômicos, sociais e ambientais.

Essa pesquisa é baseada nas grandes transformações e inovações que o mercado da construção civil vem buscando para melhorar seus níveis de integração com órgãos internacionais, conselhos técnicos nacionais, e organizações não

governamentais. O acompanhamento dos anseios globais da população quanto a assuntos como sustentabilidade e novas tecnologias construtivas são outros fatores determinantes para o desenvolvimento do setor. Esse trabalho tem foco em fontes bibliográficas, artigos eletrônicos, revistas e apostilas acadêmicas.

De acordo com Jerry Yudelson (2013, p. IX):

A meu ver, os conceitos fundamentais deste início do século são: compartilhamento e integração. Compartilhamento e integração são também pilares fundamentais do processo de projetos integrados. Aqueles envolvidos em equipes que estejam desenvolvendo ou pretendem desenvolver processos de projetos integrados, especialmente projeto de edificações de alto desempenho ambiental, ou se preferirem, edifícios sustentáveis, devem ter em mente que o compartilhamento de conhecimento e experiência entre os diversos agentes do processo é condição necessária para se alcançar os melhores resultados.

Essa pesquisa qualitativa relevam as seguintes problemáticas.

  • Quais os desafios para mudar as estruturas organizacionais no setor da construção, criando sinergia entre diversos setores?

  • Quais são as dificuldades de integrar projetos e pessoas?

  • Como as novas tecnologias construtivas podem melhorar a construção tornando-as mais eficiente, mais sustentável e rentável?

  • Gestão de projeto integrado, quais os benefícios?

  • Mudança de paradigma na gestão dando ênfase no pensamento sustentável e social, como gerar resultados financeiros?

  • A adoção de projetos integrados, organização de equipes, comunicação mais eficaz, adoção de liderança e responsabilidades compartilhadas e uso de novas tecnologias, técnicas gerenciais, ajudam na previsão de problemas e soluções, minimizam imprevistos, geram menos incertezas, reduzem desperdícios de recursos, tempo e dinheiro.

3. APLICAÇÕES DA GESTÃO DE PROJETO

Para o termo Projeto há variadas definições, pode ser um plano, desígnio, esboço, proposta, intenção de realizar uma tarefa, dentre outros. A gestão de projetos significa fazer o projeto ser executado com metas bem definidas e claras de forma eficaz e ter um bom planejamento dentro de uma determinada data e com um orçamento e recursos definidos.

Imagem 1- Ilustração das áreas de conhecimento em projetos

3.1. Desenvolvimento:

A concepção de projetos integrados visa coesão de pessoas, processos, sistemas, estruturas de negócios e boas práticas administrativas com intuito de conseguir resultados em um determinado tempo estimado e com um custo definido. O gerente de projetos é o responsável pela sinergia entre as partes envolvidas no processo incluindo fornecedores e patrocinadores do projeto. São demasiados desafios e etapas a serem cumpridas para adequar um projeto para que ele se torne viável, as diretrizes precisam estar bem mapeadas antes do início do projeto. Os projetos precisam seguir um cronograma que pode ser composto por atividades chaves tais como; definir, sequenciar, estimar, relação de interdependência de atividades, revisão de estimativas, gerir recursos, custos, metas, escopo, controle da qualidade, riscos gerados, cenários favoráveis e desfavoráveis. Na área da construção civil muitos projetos eram criados para resolver problemas pontuais nas empresas e as partes envolvidas de diversos setores não tinham sinergia, ocasionando diversos conflitos, perda de tempo, recursos, produtividade e qualidade das obras. A falta de um planejamento e gerenciamento bem definidos, gera perdas significativas de lucro e materiais de construção e reduz a competitividade da empresa no mercado.

A grande transformação na área das construções vem sendo implementadas gradativamente por um anseio da sociedade e do poder público que vem cobrando cada vez mais produtos e serviços com qualidade, sustentabilidade, garantia e desempenho satisfatórios, através disso as construtoras vem desenvolvendo projetos de edificações mais modernas, seguras, com novas tecnologias. Toda essa concepção se inicia em um estudo de viabilidade técnico que consiste na escolha do local apropriado que será inserida a construção. O terreno deve ser aprovado para construções por órgão competente público, na maioria dos casos, a Prefeitura. Nessa fase é analisado o potencial construtivo, tipologia e finalidade da construção, qualidade do solo, insolação, permeabilidade do solo, vizinhança, acesso a transportes e outras benfeitorias públicas como acesso de água, iluminação, asfaltamento, legislações urbanísticas e ambientais vigentes, logística de obra, custos orçamentários estimativos, lucro gerado pelo empreendimento. Através dessas informações é feito um desenho arquitetônico com projeções da construção e a tipologia desejada. Com esse estudo é tomada a decisão de se iniciar ou declinar do projeto construtivo.

Imagem 2- Ilustração de edifício em 3D para estudo de viabilidade

4. A INTEGRAÇÃO DAS ÁREAS DE PROJETO

Desde o início da concepção do estudo da construção já se faz necessária a integração de setores, com arquitetos, engenheiros, projetistas, equipe técnica, área financeira, gerente de projetos, consultores, agente financiador da obra, e outras partes interessadas integrantes e influenciadoras do projeto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O uso de softwares(programas) de gerenciamento de projetos vem sendo um grande aliado nos últimos anos na construção civil, ampliando a visão sistêmica e a análise de metodologias de gestão, estabelecimento de metas claras, compartilhamento de informações, controle físico e financeiro, delegação de tarefas, escopo e todo o desenvolvimento de uma construção, levando em conta seu ciclo de vida. O software de tecnologia BIM - Building information modeling (modelo da informação da construção) é utilizado na área de gestão de projetos e modelagem de edifícios na construção civil, outro software(programa) muito utilizado para controle físico e financeiro de uma obra é o Microsoft Project (programa de gestão de projetos) da empresa Microsoft. Aliado a tecnologia é necessária uma boa comunicação das diversas equipes atuantes em um projeto e uma boa liderança

4.1. Qualidade, comunicação e liderança:

O gerente de projetos tem como tarefas mobilizar, desenvolver os colaboradores, delegar, gerir a comunicação e gerenciar a equipe do projeto e, buscar trazer valor agregado para a gestão controlando de forma eficaz o planejamento, escopo, tempo, custo e acompanhado desses fatores a gestão da qualidade do projeto, medindo o desempenho em todas as etapas. O conceito de qualidade tem vários aspectos e contextos, o mais conhecido é o da ISO 9001 a sigla ISO significa: International organization for standardization (organização internacional para padronização), que é uma norma de padronização para um determinado serviço ou produto e estabelece um modelo de gestão de qualidade.

Segundo o PMI – Project management Institute (instituto de gerenciamento de projetos), define a qualidade como; “Qualidade é o grau até o qual um conjunto de características inerentes satisfaz as necessidades”

Imagem 3- Ilustração de processo de gerência de comunicações

As comunicações precisam também de um plano bem definido. O gerente precisa coletar, distribuir, gerenciar, controlar e definir de que forma a informação será passada e a quem será dirigida, assim como revisar se as informações estão sendo bem absorvidas pelas partes e se é suficiente. O gerente passa grande parte do tempo se comunicando seja em reuniões, por e-mail ou outros métodos mantendo as partes alinhadas.

5. RISCOS E OPORTUNIDADES

Uma parte importante do plano de projetos é a análise de riscos envolvidos no projeto, é necessário identificar as ameaças e criar uma forma de reduzir ou eliminar os riscos, que podem causar grandes dificuldades ou tirar as metas do foco. Os riscos devem ser conhecidos e classificados em forma de probabilidade de ocorrer, no caso de uma construção, uma enchente, cair um avião no local, dentre outros. Uma forma de classificação de riscos e oportunidades é a matriz de análise swot ou análise fofa em português, que é uma ferramenta utilizada para analisar cenários na gestão de planejamento.

Imagem 4- Ilustração da análise de forças e fraquezas

5.1. Ciclo de vida do projeto e análise de seus benefícios:

A padronização de processos e a gestão otimizada de projeto permitem um controle e organização pela gerência de projetos, dando um norte a ser seguido pelos colaboradores e prestadores de serviço, gerando uma redução de custos a longo prazo. No ramo da construção civil essa padronização, compartilhamento de informações e treinamentos constantes são muito importantes em uma obra para promover o bem-estar dos trabalhadores, redução de acidentes e aumentar a produtividade, assim como nas tomadas de decisão nas áreas técnicas e compra de materiais e insumos para a construção.

“É possível projetar e construir edificações de alto desempenho sem sair do orçamento”. (Yudelson, Jerry, 2013, p. 96).

Uma construção que segue os parâmetros de sustentabilidade e integração de projetos pode ser idealizada com custos adicionais de apenas um por cento a mais e na maioria dos casos dois por cento do valor total da obra.

A base desse raciocínio está ao longo do processo de tomadas de decisão de projeto, se bem orientados forem os projetistas e os gestores da obra e o projeto com viés sustentável for pensado desde o início dos trabalhos de pesquisa sobre o local a ser implementado, a obra pode ser toda executada com nenhum custo extra, ou com um custo com diferença bem baixa, relativo a uma construção convencional que não leva em consideração os efeitos sustentáveis.

Existem diversas normas técnicas brasileiras as NBRS e normas internacionais que norteiam os processos construtivos de uma edificação e de diversas obras. Essas normas fornecem a base necessária ao desenvolvimento tecnológico, o uso correto dessas normatizações no dia-a-dia de uma construção garante segurança, desempenho, qualidade, sustentabilidade e redução de riscos e incertezas. Há também várias certificações diferentes para edificações que promovem a sustentabilidade, qualidade, preservação do meio ambiente, redução de consumo de recursos naturais e promovem o desempenho de uma edificação, assim como os materiais que as compõem. Essas certificações ajudam a melhorar o processo de projetos da concepção até a operação final da construção, criando um pensamento mais crítico das construtoras em relação aos impactos sociais, ambientais, e financeiros que uma obra pode ter e como pode ser atenuado.

Segundo Porto (2013. p. 5):

O crescimento econômico e a máquina desenvolvimentista de intensificação de padrões de produção e consumo, ainda que pautados por critérios de “sustentabilidade” como as tecnologias “limpas”, sem emissão de gases de efeito estufa, permanecem como dogma de instituições e governos, apresentando‑se como única alternativa de melhoria da sociedade e de enfrentamento de mazelas como a pobreza e o desemprego, sendo uma armadilha. Talvez toda a sociedade, e as ciências sociais e humanas em particular, devesse perguntar como transformar o próprio ser humano para que novos níveis de consciência e práticas sociais possam emergir antes que as revoluções ou catástrofes venham a eclodir, e não apenas após ou na sequência destas (PORTO, et al 2013).”

6. CONCLUSÃO:

A pesquisa realizada constatou a importância de se explorar cada vez mais a matéria de projetos integrados na construção civil e buscar uma sinergia entre todos os setores envolvidos na concepção de um projeto. Trata-se de um assunto ainda novo para a maioria das empresas e profissionais, por isso é importante a conscientização das partes envolvidas, um bom planejamento, monitoramento e controle, gestão de projetos e processos e difusão do conhecimento por pessoas influentes do mercado de construção, como investidores, construtores, engenheiros, técnicos e arquitetos.

A construção civil vem passando por mudanças de práticas construtivas, gestão, inovações tecnológicas e uma visão mais sustentável, procurando gerar cada vez menos impactos na natureza, gerando menos poluentes e resíduos, tendo uma melhor eficiência energética e melhor desempenho construtivo e durabilidade. Através da gestão de projetos integrados é possível pensar e controlar o processo de uma construção desde a concepção da ideia de construir, escolha do terreno, uso de materiais, transporte, impactos ambientais e sociais, controle financeiro, gestão de pessoas. Com um controle de todas as operações integradas onde os setores do projeto sempre se comunicam é possível reduzir bastante os custos, perdas, aumentar o lucro e ter projetos finalizados de forma eficiente.

REFERÊNCIAS

FERGUS, O´Connell Fergus. O que você precisa saber sobre gestão de projetos. Editora Fundamento Ltda, 2015.

6.1. FILHO, Armando Terribili Filho. Gerenciamento de projetos em sete passos.

Livro, Editora M books do Brasil Ltda, 2016.

YUDELSON, Jerry Yudelson. Arquitetura e construção: Projeto integrado e construções sustentáveis. Arquitetura e construção, Bookman, 2013.

MUNCK, Luciano Munck. Gestão da sustentabilidade nas organizações um novo agir frente à lógica das competências. Cencage learning, 2014.

MONTES, Eduardo Montes. Introdução ao gerenciamento de projetos.

http:// https://escritoriodeprojetos.com.br/gerenciamento-da-integracao-do-projeto > acesso em 13 agosto 2019.

7. BIOGRAFIA:

O Autor Rodrigo Lied Nogueira de Oliveira, tem 36 anos de idade, nascido no Rio de Janeiro, tem dupla cidadania, brasileira e portuguesa, é Arquiteto e Urbanista formado em 2017 pela Universidade Unisuam do Rio de janeiro, Pós-graduando em Engenharia Legal e Avaliações pela Universidade Unisuam do Rio de Janeiro, Pós-graduando em Engenharia de Segurança do Trabalho pelo Instituto Prominas, Pós-Graduado em Meio Ambiente Desenvolvimento e Sustentabilidade pela Universidade Cândido Mendes do Rio de Janeiro em 2018, atua como Perito Judicial, Perito Grafotécnico, formado em Marketing Estratégico pela Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro em 2009.

Profissional Acreditado Leed Green Associate (USGBC) e entusiasta da construção sustentável, procura sempre em seus projetos proporcionar conforto, beleza, sustentabilidade e praticidade. 


Publicado por: RODRIGO LIED NOGUEIRA DE OLIVEIRA

O texto publicado foi encaminhado por um usuário do site por meio do canal colaborativo Monografias. O Brasil Escola não se responsabiliza pelo conteúdo do artigo publicado, que é de total responsabilidade do autor. Para acessar os textos produzidos pelo site, acesse: http://www.brasilescola.com.