Topo
pesquisar

GESTÃO DE NEGÓCIOS EM ODONTOLOGIA – REVISÃO DE LITERATURA

Administração e Finanças

O avanço no mercado odontológico, ferramentas para gestão em odontologia, planejamento estratégico, finanças, custos e gestão de marketing.

índice

1. RESUMO

Ao longo dos anos o mercado odontológico tem sofrido diversas mudanças, levando o Cirurgião Dentista a uma visão mais focada sobre a gestão de sua empresa, ou seja, seu consultório ou clínica odontológica. Sendo assim a gestão de negócios deve ser entendida como uma ferramenta fundamental para o sucesso profissional bem como desenvolver habilidades empreendedoras e conhecimento sobre administração de modo geral. Este estudo buscou através de revisão de literatura citar aspectos básicos sobre gestão de negócios voltados ao mercado odontológico, identificar as necessidades que o mercado odontológico apresenta na atualidade quanto à gestão e apontar quais as habilidades e ferramentas necessárias para uma adequada e produtiva gestão de negócios no setor odontológico. Através desta pesquisa pode-se analisar um breve retrospecto do mercado odontológico no Brasil, podemos perceber que a habilidade empreendedora é indispensável ao profissional que busca de desenvolver diante a um mercado competitivo. Foi possível identificar a necessidade de conhecimento do C.D sobre ferramentas como o Planejamento Estratégico, Gestão de Finanças e Gestão de Marketing.

Palavras-chave: Administração, Empreendedorismo, Gestão de negócios odontológicos, Gestão de consultório odontológico, Gestão em Odontologia.

ABSTRACT

Along the years, the odontologic business has been suffering many chances, forcing professionals to keep a more focused foresinght on business management, for their doctor’s offices or clinics. That is why management business must be understood as a fundamental tool for professional success as well as a tool to develop undertaking abilities and knowledge on administration. Though revision of marketing and administration literature, this study searched to emphasize basic notions on business administration that can de applied to dentistry Market, identifying the necessities showed nowadays, referring to management, pointing out abilities and tools that are necessaries for a productive and suitable business administration in this specific area. After a brief overlook on administration concepts applied in Brazil in odontologic market, this study showed how meaningful and necessary is to provie management abilities for professionals that must succeed is such a competitive environment.

Keywords: Administration, Entrepreneurship, Dental bussiness management, Dental clinic management, Management in dentistry.

2. INTRODUÇÃO

O processo de gestão em odontologia deve ser entendido como uma ferramenta fundamental para o sucesso profissional, uma vez que todo cirurgião-dentista (CD), ao montar seu próprio negócio, sendo ele um consultório ou uma clínica odontológica, deverá desenvolver habilidades empreendedoras e conhecimento sobre administração de modo geral. Mesmo quando assume uma atuação no mercado de trabalho como um funcionário público ou gestor publico, ou ainda como colaborador de empresas do ramo odontológico, terá que desempenhar funções de liderança e gestão frente a essas instituições (FERREIRA; FERREIRA E FREIRE, 2013).

RIBAS; SIQUEIRA E BINOTO (2010) afirmam que “a natureza essencial do serviço prestado pelos profissionais da área de saúde é tratar de aspectos relacionados à qualidade de vida das pessoas. Contudo, para viabilizar esse tipo de atuação, em muitos casos, esses profissionais devem constituir-se como empresas. Dessa forma, ainda que o processo de gestão não seja a dimensão essencial de atuação do cirurgião-dentista, é ele quem apóia a viabilização da prestação do atendimento dado ao paciente envolvendo questões relacionadas à qualidade. Sendo assim, esses profissionais, uma vez graduados, necessitarão comportarem-se como gestores, e, portanto, desenvolver uma visão de mercado consumidor e habilidade para administração. Um mau gestor prejudica seus clientes, colaboradores e a própria sociedade, pois intervém de forma equivocada em aspectos que impactam a qualidade de vida dos agentes organizacionais”.

Dornelas (2009) “o serviço odontológico é um serviço que envolve alta complexidade, pois envolve vários tipos de materiais e fornecedores, profissionais especializados e equipe auxiliar. Esse conjunto de fatores, interagindo de maneira dinâmica e personalizada de acordo com a necessidade de cada paciente, aliado à grande competitividade existente no mercado moderno, desperta a necessidade do uso de conceitos de administração para melhor gerenciar um consultório odontológico”.

Segundo pesquisa “Sobrevivencia das empresas no Brasil” divulgada pelo SEBRAE (2013), aponta que, as empresas prestadoras de serviços relacionados à saúde humana, apenas 55% delas permanecem abertas após 2 anos de atuação. Isso aponta a dificuldade que profissionais da área de saúde, incluindo CD, possuem para gerir seu negócio a curto e médio prazo, muitas vezes por falta de informações sobre gestão, que deveriam estar incluídas na grade curricular dos cursos de odontologia espalhados pelo país.

Diante desta realidade, onde há necessidade do CD possuir conhecimentos de várias áreas dentre elas Gestão de Negócios, para que possa alcançar sucesso em sua carreira e estabilidade financeira este trabalho buscará responder, através de uma revisão da literatura aos questionamentos que se implicam em: Quais os conhecimentos básicos o cirurgião-dentista precisa ter para gerir satisfatoriamente seu próprio negócio? De modo geral as Faculdades de Odontologia estão preparando seus alunos para serem gestores em seus futuros trabalhos?

2.1 Objetivos

O presente trabalho pretende analisar a literatura referente à gestão de negócios aplicados à atuação profissional a odontologia no sentido de citar os aspectos básicos sobre gestão de negócios voltados para odontologia, identificar as necessidades que o mercado odontológico apresenta na atualidade quanto à gestão e apontar quais as habilidades e ferramentas necessárias para uma adequada e produtiva gestão de negócios no setor odontológico.

3. JUSTIFICATIVA

A prestação de serviços remunerados deve ser entendida como uma forma de mercado de compra e venda, exigindo, portanto o profissional além de conhecimentos técnicos e práticos a respeito da prestação de serviço deve desenvolver habilidades de outras áreas, uma vez que estas não fazem parte da formação básica das instituições de ensino superior em odontologia. Estas formam os alunos aptos a seguirem com a parte prática e teórica da profissão, tratando de aspectos sobre a qualidade de vida das pessoas, porém proporcionam formação acadêmica insuficiente na área de gestão, uma vez que ele, o Cirurgião Dentista (C.D) irá gerir seu consultório que é uma empresa prestadora de serviços em saúde (RIBAS, SIQUEIRA E BINOTO, 2010).

A resolução CNE/CES 3, de 19 de fevereiro de 2002, traz as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. No artigo 4, inciso V, está declarado que a formação do Cirurgião-dentista tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício de competências e habilidades gerais. Sobre administração e gerenciamento, preconiza-se que os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde (CNE/CES Resolução 3/2002).

Devido à falha durante a formação do profissional no aspecto da capacidade de gestão, observasse que é um grande desafio para o C.D apontar direção para seu empreendimento, mas há a possibilidade de que as ferramentas de gestão o ajude a gerir melhor a renda obtida e os custos, propiciando um capital de giro para a manutenção do mesmo (ULIANA, 2015).

A capacidade de gerir é uma habilidade imprescindível para o sucesso comercial e financeiro de qualquer empresa. Dentre os cirurgiões dentistas atuante no mercado, poucos tiveram a oportunidade de estudar sobre o assunto durante a sua graduação ou até mesmo em pós graduações (MAGALHÃES COSTA et.al, 2015).

Outro fator que exige uma maior compreensão de mercado dos C.D foi o aumento na quantidade de profissionais que surgiram logo após os anos 2000. Houve uma crescente no que se diz respeito à quantidade de ingressantes nas faculdades de odontologia, devido à ampliação na quantidade de vagas cedidas em todo pais, oriunda do aumento das instituições privadas, aumentando assim o número de profissionais formados que aos poucos geraram esse mercado disputadíssimo e caótico (FERREIRA; FERREIRA; FREIRE, 2013).

4. REFERÊNCIAL TEÓRICO

4.1 O avanço do mercado odontológico

A odontologia sempre passou por transformações, havia um tempo que a figura do profissional dentista era representada pelos barbeiros e curandeiros, passando por avanços, sendo reconhecida como ciência apenas no século XIX através do francês Pierre Fauchard. De Fauchard até os anos de 1930 a odontologia evoluiu ocorrendo à legalização profissional, criação do diploma universitário, gerando assim um aumento na quantidade e qualidade de serviços oferecidos. De 1930 a 1970 houve uma fase de tecnificação, surgimento de indústria de equipamentos dentre outros fatores levando a uma valorização e reconhecimento da área, que possibilitou grande rentabilidade para os profissionais da área, sendo a fase de 1960 á 1980 chamada de ‘golden age’ da Odontologia. Após esse período surgiu um aumento gradativo de profissionais no mercado que, mais tarde veio a se associar com as questões politicas, econômicas e sociais gerando uma nova modalidade de concorrência, sendo ela negativa que praticava valores mínimos por serviços prestados. Ao final da década de 1990 e início dos anos 2000 houve uma crescente das instituições privadas que oferecem curso em odontologia, tornando esse mercado ainda mais volumoso na questão de profissionais fornecendo o mesmo serviço, sem que houvesse um planejamento sobre tal situação (FERREIRA; FERREIRA E FREIRE, 2013).

Em mercados onde há grande concorrência, destacam-se os empreendedores como as pessoas que conseguiram gerenciar o seu negócio de maneira mais eficaz que as demais, devido o fato de que o mesmo tomará como importantes alguns detalhes que não foram analisados pelos demais, antes de começarem a trabalhar no seu setor, ou até mesmo antes de abrirem seu próprio negócio em determinado local, sem o devido planejamento (FILION, 2000).

4.2 A necessidade de gerir frente ao mercado odontológico

Visto que o mercado de atuação do cirurgião-dentista é muito competitivo, faz-se necessário que o profissional esteja atualizado de maneira global, seja com seus equipamentos de uso específico, bem como estar com os seus conhecimentos da área de administração e economia atualizados, sendo eles desde a infraestrutura, inovação, atendimento ao cliente ‘pré e pós venda’, preços, enfim, questões diretamente relacionadas á estrutura administrativa de um negócio (ULIANA, 2015).

A capacidade de gerir é uma habilidade imprescindível para o sucesso comercial e financeiro de uma empresa. Entre os cirurgiões dentistas, poucos tiveram a oportunidade de estudar o assunto na graduação ou pós-graduação, é essencial para o Cirurgião Dentista (COSTA et al, 2015).

Dentre as maiores dificuldades enfrentadas pelos CDs está à administração operacional de seu consultório, pois o profissional liberal precisa desenvolver competências além de sua área de atuação, fazendo-se necessário adquirir e aplicar conhecimentos de contabilidade, administração e logística para o sucesso e desenvolvimento de seu consultório, podendo estas serem ferramentas que iram diferenciar seu estabelecimento dos demais, adquirindo assim, uma nova postura frente as adversidades de gestão de seu negócio (ULIANA, 2015).

4.3 Empreendedorismo aplicado à odontologia

Apesar de não haver uma definição uniforme sobre empreendedorismo, ele se apresenta como objeto de estudo e pesquisa dentro de diversas áreas, principalmente no contexto econômico e empresarial. Ser empreendedor tem se tornado um imperativo para aumentar a competitividade, reduzir custos e manter-se, com sucesso, no mercado. Vale ressaltar que além de uma ideia inovadora o empreendedor necessita de um conjunto de qualidades, talentos individuais e alguns elementos essenciais como, análise, planejamento e capacidade de implementação (GALEANO, PREVIDELLI & MEUER, 2005).

A emulação e seletividade se transformaram em fatores presentes na vida profissional do CD, que necessita de características empreendedoras e educação continuada para superar estes obstáculos (PARANHOS et al, 2009).

O empreendedor é autoconfiante, tem consciência de seu valor e sente-se seguro em relação a si mesmo, agindo com firmeza e tranquilidade. É um ser independente, que busca autonomia em relação ás normas e controle dos outros. A autonomia se constitui em objetivo permanente, que necessita ser dono de sua própria vida e escolhas, dirigindo-o para os objetivos que ele mesmo escolheu. É um ser motivado, entusiasmado e tem paixão pelo que faz, esse otimismo faz com que os empreendedores persigam seus objetivos, mesmo diante de resultados desanimadores (GALEANO, PREVIDELLI & MEUER, 2005).

A odontologia pode ser percebida como uma das profissões que lidam com pessoas, situações distintas e exige do profissional o conhecimento sobre empreendedorismo, ferramenta está que auxiliará como forma de tentar garantir um retorno desejável, disponibilizando aos clientes, serviços que correspondam as suas condições financeiras (RIBAS; SIQUEIRA E BINOTO, 2010).

Hoje o profissional da odontologia precisa gerir seu consultório com a certeza que se trata de uma empresa e seu comportamento empreendedor é indispensável e vital para que consiga vencer as barreiras estabelecidas pelo mercado (ZIMBRES, 2006).

4.4 Algumas ferramentas para a gestão em odontologia

Planejamento estratégico é uma ferramenta de extrema importância para o profissional CD, pois auxilia no gerenciamento, ajuda a entender melhor seu negócio e a tomar decisões de acordo com a necessidade. Este planejamento faz com que os CDs tenham uma visão diferenciada de seu negócio. Deve ser realizado continuadamente de acordo com a vida da empresa (BIASI, 2014).

O mercado odontológico é composto por concorrência acirrada, gerando para muitos uma margem de lucros estreita em razão da oferta maior que a demanda. O conhecimento de ferramentas contábeis e financeiras proporciona subsídios para melhorar seu desempenho nos resultados econômicos e financeiros, além de estabelecer processos de planejamento, organização, direção e controle (DE OLIVEIRA, 2005).

Marketing é fundamental para os CDs recém-formados e aqueles com muitos anos de exercício da profissão, que desejam manter-se acima de tudo competitivo no mercado de trabalho. Os recursos que o marketing pode agregar a odontologia são inúmeros e podem estreitar os laços entre paciente e CD, garantindo seu sucesso profissional (DOTTA et al, 2011).

4.4.1 Planejamento estratégico

O conceito de estratégia surgiu durante as guerras, auxiliando os militares a pensar e agir. Mas com a revolução industrial começou a ser utilizado também pelas organizações devido à volatilidade do mercado, possibilitando assim uma visão dos ambientes onde as organizações estão inseridas. Hoje em dia a execução de um planejamento estratégico “PE” é imprescindível, pois o mercado gira em torno de um ambiente de incertezas, mutável e de concorrência acirrada (BIASI, 2014).

Este planejamento está relacionado a uma visão a longo prazo, não estática, pois observa constantemente as mudanças em seus ambientes ajustando-os. É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, a fim de obter maior vantagem na relação da empresa com seus ambientes (MIRANDA, 2005).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Sem o planejamento estratégico as empresas são levadas a tomar decisões de maneira aleatória, na maioria das vezes por impulso, na última hora. Mas é importante ressaltar que ele não é uma ciência exata, que aponta sempre o melhor caminho em relação ao futuro, mas prepara a organização para as ocorrências que estão por vir a acontecer. Quando o planejamento é bem elaborado aumenta a possibilidade de um futuro sucesso das organizações (PRICE, 2009).

Para (BIASI, 2014) o inicio do PE se dá com uma avaliação da empresa que levantará questionamentos como:

  • Diagnóstico da condição estratégica atual da organização. (Quem somos e como chegamos aqui?).

  • Análise do ambiente externo. (Temos ameaças e oportunidades, atualmente e futuramente? Quais são?).

  • Análise de ambiente interno. (Temos pontos fortes e fracos? Quais são?).

  • Fixação do plano estratégico. (Onde queremos chegar e como faremos para chegar?).

A avaliação do ambiente interno e do ambiente externo é chamado de análise SWOT (do inglês strenghts, weaknesses, opportunities e threats) que significa (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças). A matriz SWOT promove um confronto entre as variáveis externas (as oportunidades e ameaças) e internas (pontos fortes e pontos fracos) gerando alternativas de escolhas estratégicas e possíveis linhas de ação. Através do SWOT é possível aproveitar as oportunidades, precaver de ameaças, contabilizar os pontos fortes e corrigir os pontos fracos (PRICE, 2009).

Após a elaboração da SWOT deve-se elaborar a base estratégica corporativa, onde devemos identificar a missão, visão e os valores que norteiam a empresa. A missão da empresa é a razão de ser, é uma declaração única que representa sua identidade. A visão está relacionada ao futuro, onde e como a organização deseja ser vista no futuro. E os valores são os princípios que regem a empresa. Ao final da elaboração do PE todas as ações devem ser colocadas em prática por todos os colaboradores da organização. (BIASI, 2014).

4.4.2 Finanças e custos

Dentro dos conceitos atuais de gestão em saúde, no que diz respeito à odontologia, é de grande importância que o CD tenha conhecimento de mecanismos como controle de caixa e cálculos relacionados com o seu cotidiano. Para isso é fundamental saber conceitos básicos como a separação de contas pessoais e profissionais. Contas pessoais são as contas que o CD como pessoa, suas entradas e saídas financeiras paras despesas pessoais, família e aquisições de bens voltados para ele próprio. As contas profissionais são as contas relacionadas ao consultório como, aquisição de bens, pagamento de contas (água, luz, telefone), pagamento de salários, gasto com marketing etc. (BELTRAMI, 2003).

É importante para o CD diferenciar o Pró-labore (salário) de lucro. O Pró-labore deve ser incluído ás despesas do consultório, já o lucro é o dinheiro que “sobra” após o cumprimento de todas as despesas e futuramente poderá ser utilizado investimentos ou outras despesas (BELTRAMI, 2003).

A análise do fluxo de caixa é um instrumento essencial para a gestão do caixa, pois a partir daí poderá analisar todas as entradas e saídas financeiras ao longo do tempo, sendo possível estabelecer uma programação do fluxo no longo prazo. Esse fluxo de caixa irá mostrar a saúde financeira da empresa, sua capacidade de honrar os compromissos, apontar o quando poderá ser utilizado como investimento e calcular os riscos (DE OLIVEIRA, 2005).

Demos classificar os custos como fixos e variáveis. Custos fixos são os custos que não alteram de acordo com a quantidade de procedimentos realizados, o aluguel, a reforma, custos com salários e alguns impostos fixos como IPTU são exemplos de custos fixos. Os custos variáveis são aqueles que variam de acordo com o volume das atividades do consultório, materiais de consumo, gastos com terceiros como protético e imposto de renda etc (BELTRAMI, 2003).

O custo pode ter várias classificações: direto, indireto, fixo, variável, semifixo, semivariável, imputado, por falhas internas, por falhas externas, irrecuperáveis, evitáveis e inevitáveis (COURA, 2009).

Deve-se ter cuidado no momento de realizar planejamentos a longo prazo, pois há custos que são fixos, mas variam de acordo com o tempo, como: aluguel do consultório (COURA, 2009).

Após estabelecer e calcular todos os custos fixos e variáveis, o CD poderá elaborar estratégias de acordo com a realidade financeira do consultório. Deverá traçar metas para obter mais lucro, reduzir despesas desnecessárias, calcular margens de rentabilidade etc. (BELTRAMI, 2003).

4.4.3 Gestão de marketing

A palavra Marketing significa: ação de comprar, vender ou comercializar. O seu conceito estabelece que para uma organização atingir seus objetivos, ela terá que atender antes os objetivos de seu público alvo, oferecendo a satisfação desejada de forma mais eficaz e eficiente que os seus concorrentes (PAIM, 2004).

Marketing é o processo de troca, no qual as partes envolvidas permutam algo de valor, com a finalidade de satisfazer suas necessidades recíprocas. É uma filosofia gerencial, que tem como base a orientação para o cliente e a sustentabilidade das organizações, sejam elas públicas ou privadas, com ou sem orientação para o lucro (TEIXEIRA et.al, 2010).

Em odontologia o Marketing assume papel importante, transformando dificuldades em oportunidades, fazendo com que o C.D se destaque, atraia e mantenha seus clientes (BARBOSA V.D. et al, 2010).

Existem diversas formas de marketing a ser utilizadas no dia a dia de um consultório odontológico, destacando a utilização de diversos recursos que, quando corretamente utilizados, podem fortalecer o vínculo com os pacientes de maneira eficaz e simples, são eles: marketing interno, externo, de relacionamento e social.

Marketing interno: está relacionado com o conjunto de ações e meios que o C.D pode utilizar com finalidade de expor informações sobre os serviços e diferenciais da clínica, de maneira interna, enquanto o cliente acessa as instalações da clinica ou consultório.

Marketing externo: são os meios de exposição de informações do consultório, porém de forma externa através de publicidade, correspondências, participação de eventos sociais e científicos, jornais etc.

Marketing de relacionamento: este modo se baseia no excelente atendimento ao cliente, na tentativa de fidelizar a lealdade deste, pois estabelece uma relação de confiança e também fidelidade do C.D para com seus clientes.

Marketing social: está relacionado com as ferramentas e os meios que a empresa utiliza para apresentar aos seus clientes modo que a mesma auxilia em projetos sociais e a sua execução. O verdadeiro engajamento social promove valorização e respeito da imagem do profissional, tornando-o mais humanização (DOTTA et al, 2011).

Para PARANHOS et al (2010) o marketing interno é o mais eficaz, pelo baixo custo. O C.D é o responsável pela implantação, aplicação e avaliação do marketing em seu consultório, respeitando as normatizações existentes, como em publicidades e propagandas que sempre devem conter os preceitos de veracidade, dignidade e decência.

5. DISCUSSÃO

Ao longo do tempo observou-se um aumento na quantidade de profissionais na área odontológica principalmente após os anos 2000, devido a crescente da oferta de novas vagas para tal curso (FERREIRA; FERREIRA; FREIRE, 2013).

Os desafios para se conquistar clientes frente ao mercado competitivo, principalmente em grandes centros urbanos, onde há uma grande concentração de consultórios odontológicos, levando a um mercado de trabalho altamente competitivo que por sua vez leva os profissionais a enfrentar altos desafios para conquistar clientes (MAGALHÃES COSTA et.al, 2015).

O mercado odontológico atual impõe que o CD possua conhecimentos de diversas áreas que estão além dos conhecimentos teóricos e práticos de técnicas odontológicas, sendo elas de extrema importância para o bom funcionamento de seu negócio, sendo ele desde um simples consultório a uma grande clínica, ou até mesmo frente a lideranças de equipes de saúde. Esses conhecimentos que levaram o CD a uma melhor gestão são conhecimentos administrativos, contábeis, logística, marketing dentre outros, impulsionados é claro por um espírito empreendedor.

Ter um espírito empreendedor, possuir conhecimentos de administração e controle financeiro deveriam estar presentes em toda e qualquer pessoa, pois somos administradores de nossas vidas a todo tempo, estamos controlando custos e sempre buscando o melhor, empreendendo a todo momento, pois sempre almejamos uma melhoria na qualidade de vida, no emprego, na condição financeira e demais áreas de nossas vidas.

Uma opção para os CDs frente ao atual mercado seria estudos sobre a área de gestão, é indispensável que os cursos de graduação e pós-graduação levem tais conhecimentos para seus alunos de maneira mais efetiva e precisa.

Poucos profissionais de odontologia tiveram a oportunidade de estudar sobre gestão nos cursos de graduação e até mesmo de pós-graduação (COSTA et al, 2015).

Tais conhecimentos aplicados ao dia a dia dos CDs podem possibilitar uma melhor conduta e resultados frente às adversidades enfrentadas na gestão de suas clinicas e consultórios.

Outro fato que vem a reforçar a ideia de que os profissionais na área odontológica desconhecem sobre gestão é a pequena quantidade de livros, periódicos, árticos e demais referencias sobre o assunto disponível e pelas importâncias que as universidades dão para o tema em seus fóruns, congressos, palestras etc.

Existe uma dificuldade de encontrar referencial teórico em trabalhos publicados e bons periódicos, demostrando a ausência de atenção que o assunto gestão de clinica odontológica sofre (COSTA et al, 2015).

Outra questão que poderia ser aplicada aos alunos das graduações é apresentar a real situação, o mercado que futuramente eles como profissionais estarão dispostos a enfrentar, possibilitando assim uma maior visão das dificuldades que enfrentaram, principalmente em grandes centros onde atualmente estão saturados de prestadoras de serviço na área odontológica.

6. CONCLUSÃO

A habilidade de gerir é imprescindível para qualquer empresa, não sendo diferente para o CD em relação a seu consultório ou clinica. Poucos profissionais tiveram oportunidade de estudar e adquirir conhecimentos sobre o assunto, ou até mesmo desenvolver uma capacidade empreendedora frente aos desafios do mercado. É de extrema importância que os Cursos de Graduação em Odontologia adotem uma conduta mais ativa sobre a questão de formação dos novos profissionais, no que diz respeito a suas percepções e capacidades para gerir e empreender. Tal atitude poderá se tornar a solução para os possíveis problemas administrativos enfrentados no cotidiano de inúmeros profissionais dentistas em seus estabelecimentos futuros.

7. REFERÊNCIAS

BARBOSA V.D. et al. Marketing odontológico: um caminho para o sucesso na atenção em saúde bucal. Brasil, 2010. Disponível em: http://www.gustavoamoura.com.br/index2.php?sc=mostra_artigos&id=28&id2=carreira&id3=n%E3o&id4=0&opcao=artigos_noticias

BELTRAMI, E. Gestão Financeira de consultórios odontológicos. Monografia de conclusão de curso em odontologia. Universidade de Tuiuti, Curitiba - PR, 2003.

BIASI, Jéssica. Planejamento estratégico na odontologia. Tratabalho de conclusão de curso apresentado a Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2014.

CNE. Resolução CNE/CES 3/2002. Diário Oficial da União, Brasília 4 de março de 2002. Seção 1, p.10.

COSTA, R.M; RIOS RIBEIRO, N.C; TUNES, U.R; ROCHA, M.N.D; LAGO, M.S. Odontoclínica: simulação de gestão em clínica odontológica em um curso de graduação em Odontologia. Revista da ABENO 15(1): pag 77-85, 2015.

COURA, Betovem, et al. Gestão de custos em saúde. Série gestão em saúde, 4ª reimpressão, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009

DE OLIVEIRA, L.A. Uso de contabilidade e finanças pelos cirurgiões-dentistas na gestão da atividade profissional – um estudo exploratório. Dissertação de Mestrado apresentado ao UNIFECAP. São Paulo – SP, 2005.

DORNELAS, JCA. Empreendedorismo cor-porativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. 2. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier 2009.

DOTTA, E.A.V. et al. Marketing em odontologia: uma ferramenta que faz diferença. Revista Brasileira de Odontologia. Rio de Janeiro, v.68, n.2, p.248-251, jul/dez, 2011.

FERREIRA, N. P.; FERREIRA, A. P.; FREIRE, M. C. M. Mercado de trabalho na Odonologia: contextualização e perspectivas. Rev. Odontol UNESP, Araraquara, v.42, n.4, p.304-309, jul-aug, 2013.

FILION, Louis Jacques. Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. Revista Era Litht, São Paulo, v.7, n. 3, p.2-7, 2000.

MAGALHÃES COSTA et.al. Odontoclínica: simulação de gestão em clínica odontológica em um curso de graduação de odontologia. Revista ABENO 15(1): 77-85, 2015.

MIRANDA, C. Planejamento estratégico da clínica endocentro LTDA. Trabalho de Conclusão de Estágio para o Curso de Ciências da Administração da Universidade Federal de Santa Catarina(UFSC), Florianópolis – SC, 2005.

PAIM, Aline Priscila et al. Marketing em odontologia. Revista Biocien., Taubaté, v10, n.4, p.223-229, out/dez. 2004

PARANHOS L.R. et al. Implicações éticas e legais do marketing na odontologia. Revista sul-brasileira de odontologia, vol.8, n.2, abr/jul, 2011, p.219-224. 2010.

PARANHOS, L.R. et al. Análise do mercado de trabalho odontológico na região Centro Oeste do Brasil. Revista Odontológica Brasil-Central, São Paulo, v.18, n.45, p.48-55, 2009. Disponível em: http://www.robrac.org.br/seer/index.php/ROBRAC/article/view/35/25 Acessado em: 15/12/2017.

PRICE, C.T. Implementação do planejamento estratégico: estudo de caso consultório odontológico. Trabalho de conclusão de Curso de pós-graduação em gestão empresarial da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

R. GALEANO, V. PREVIDELLI & J.J. MEUER. Empreendendo com saúde: estudo exploratório do perfil do empresário da área da saúde. Revista de Administração da UNIMEP, v.3, n.1, Janeiro/Abril – 2005. Disponível em: Acessado em: 15/12/2017.

RIBAS, M. A. ; SIQUEIRA, E. S. ; BINOTTO, E. . O desafio da gestão para profissionais da odontologia. In: XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2010, São Carlos. Enegep 2010. Sâo Carlos: Ebepro, 2010. v. 1. p. 1-16.

SEBRAE. Sobrevivencia das empresas no Brasil: Coleção estudos e pesquisas. Brasília – DF 2013.

TEIXEIRA, R.F. et al. Marketing em organizações de saúde. Série gestão em saúde, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

ULIANA, Bruna Maria. As habilidades e competências para uma gestão de sucesso na Odontologia. Trabalho de Conclusão de Curso, departamento de Odontologia da universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC, 2015

ZIMBRES, R.A. Efeitos da administração planejada em um consultório odontológico. Anais eletrônicos do III congresso Internacional de Odontologia de Santa Catarina, Florianópolis - SC, 2006

 

Por Sara de Oliveira Rosa e Matheus Leonardo de Souza


Publicado por: Matheus Leonardo de Souza

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola