Topo
pesquisar

Sistemas Básicos de Computação

Computação

Sistemas de Computação, Sistema DOS, características do sistema dos, sistema operacional DOS, Sistema Unix, redes locais, tipos de servidores, principais aplicações, tipologia de rede, sistema operacional netware, Sistema Netware, Conexões de Rede, Netware, Sistema Operacional.

1 - SISTEMA DOS

Sistema Operacional desenvolvido pela Microsoft no início da década de 80, a pedido da IBM, para atender aos equipamentos da linha IBM-PC por ela desenvolvida.

1.1 - Principais características

a) Sistema monousuário - Permite que apenas um usuário utilize o equipamento por vez (como o próprio nome diz: computador pessoal).

b) monoprogramável - Por possuir uma arquitetura simples, não necessita de rotinas de gerenciamento para compartilhamento de alguns recursos, tais como processador, arquivos, etc.

c) Estrutura hierárquica dos dados - Possibilita a organização dos arquivos em estrutura de diretórios e sub-diretórios permitindo uma melhor performance na utilização do equipamento.

d) Redirecionamento de Entrada de Saída padrão - Permite a modificação da entrada ou saída de periféricos padrão de alguns comandos para outros periféricos.

1.2 - Estrutura interna

O sistema DOS é dividido internamente em 4 partes:

a) Registro de Boot - Responsável pela inicialização do sistema. Verifica as condições internas do equipamento e gerencia a carga dos demais arquivos do sistema operacional do disco para a memória, tornando-o disponível para utilização.

b) IBMBIOS.COM (IO.SYS) - Contém, através da ROMBIOS, as rotinas de interface com os periféricos, gerenciando as operações de leitura e gravação de dados entre os programas e estes dispositivos.

c) IBMDOS.COM (MSDOS.SYS) - Contém as rotinas que gerenciam as interrupções necessárias aos programas.

d) COMMAND.COM - É responsável pelo gerenciamento dos recursos de execução dos programas. É subdivido em:

d.1) Programas Residentes - Responsável pela carga e execução dos programas.

d.2) Programas de Inicialização - Define o endereço inicial da memória em que o programa será instalado para execução, anexando-o a PSP (Program Segment Prefix) que armazena informações necessárias à execução do programa (conteúdo de flags, endereço de rotinas de tratamento, registradores, etc.).

d.3) Programas Transientes - Contém os comandos internos (utilitários) do DOS.

Obs. O DOS possui 2 tipos de comandos utilitários:

- Comandos internos - Armazenados no COMMAND.COM.
Ex. Comandos DIR, TYPE, COPY, etc.

- Comandos externos - Armazenados no disco do sistema.
Ex. Comandos FORMAT, BACKUP, RESTORE, etc.

1.3 - Modos de operação

O modo de operação, identifica a forma com que o usuário realiza as suas tarefas. Existem dois modos de operação:

a) Interativo - Representa a execução imediata do comando digitado via teclado. Ao final da execução o controle retorna ao usuário.

b) Batch - Representa um arquivo, com a extensão BAT, onde foi previamente digitado a seqüência dos comandos a serem executados. Para executá-lo basta digitar o nome do arquivo passando o controle aos comandos nele digitado, executando-os um a um na seqüência nele digitado. Em um arquivo Batch é possível utilizar todos os comandos do modo interativa acrescido de outros comandos específicos, tais como comandos condicionais ou de desvio.

Para realizar a criação de um arquivo BAT, todos os comandos devem ser digitados em um editor de texto, tais como: Edit ou Bloco de Notas do Windows.

1.4 - Gerência de Arquivo

Ao formatar um disco, o sistema DOS divide logicamente o disco em blocos de 512 bytes organizando-os em 4 partes:

a) Área de inicialização - Contém informações necessárias para a identificação e reconhecimento do disco pelo Sistema Operacional como sendo do seu padrão. Além disso, contém informações gerais sobre o disco, tais como: label, número de série, etc.

b) Diretório - Estrutura que contém informações sobre todos os arquivos existentes no disco, tais como: Nome, data e hora da última atualização, atributos de segurança, se houver, tamanho e posição da FAT onde está armazenado o endereço do primeiro bloco de dados do arquivo.

c) FAT (File Allocation Table) - Estrutura que contém as informações necessárias para acessar os dados do arquivo na Área de Dados.

Cada ocorrência da FAT contém:

c.1 - Endereço do bloco de dados na área de dados - Este valor representa o endereço físico do bloco de dados (cluster, conjunto de 1 a 32 blocos de 512 bytes) na área de dados. Obs. A determinação do número de blocos em um cluster depende da capacidade de armazenamento do disco.

c.2 - Próxima posição da FAT onde está armazenado o endereço do próximo bloco, caso seja necessário.

d) Área de dados - Local onde está armazenado o conteúdo dos arquivos existentes no disco.

1.5 - Gerência de memória

Com a evolução dos equipamentos, e consequentemente necessidade de execução de aplicações com maior consumo de memória, o DOS passou a reconhecer e gerenciar os seguintes tipos de memórias:

a) Memória convencional - Equivale aos primeiros 640 kbytes de memória existentes no equipamento. Para o gerenciamento desta memória não é necessário nenhum tipo de programa auxiliar, pois o próprio DOS possui as rotinas próprias para esta finalidade. Estas rotinas acompanham as diversas versões do sistema, desde os equipamentos da linha XT.

b) Área de memória superior - Equivale aos 384 kbytes localizados acima da memória convencional, na qual é permitido ao usuário instalar as rotinas do sistema de gerenciamento dos dispositivos periféricos padrão do equipamento. Para a sua utilização é necessário a instalação do programa EMM386. Os programas loadhigh (lh) e DeviceHigh permitem instalações de programas nesta memória.

c) Memória estendida (XMS) - Equivale a memória acima do primeiro Mbyte até a capacidade existente na placa de memória onde está instalada a memória convencional do equipamento. Este tipo de memória existe nos computadores com processadores a partir do modelo 80286. Ela necessita do gerenciador HIMEM para a sua utilização e possibilita a instalação do DOS (dos=high, após a carga do programa HIMEM, no arquivo CONFIG.SYS), liberando a memória convencional para os aplicativos.

d) Área de memória alta - Equivale aos primeiros 64K da memória estendida, na qual pode ser instalada o DOS.

e) Memória expandida (EMS) - Memória adicional à memória convencional. É instalada em uma placa de memória, separada da memória convencional. Para o seu gerenciamento é necessário a instalação do programa EMM386.

O exemplo abaixo, mostra um equipamento com 640K de memória convencional, 3 Mb de memória estendida e uma placa de memória expandida com 4 Mb.

1.6 - Recursos adicionais do DOS

a) Redirecionamento - recurso utilizado para mapear dispositivos periféricos padrões de determinados programas para outros dispositivos ou arquivos sem interferência direta do usuário na lógica ou construção do programa.

Símbolos de Redirecionamento:

> - Redirecionamento de saída - utilizado para transferir os dados para um dispositivo periférico ou arquivo, eliminando o conteúdo anterior, se houver.

>> - Redirecionamento de saída - utilizado para transferir os dados para um arquivo, acrescentando-os aos já existentes

< - Redirecionamento de entrada - utilizada para informar ao programa o arquivo no qual será obtido os dados de entrada.

Ex.: dir > PRN - imprime o diretório corrente na impressora.

dir > arqdir.dat - cria um arquivo com o conteúdo do diretório corrente.

dir >> arqdir.dat - acrescenta (apenda) no final do arquivo arqdir, o conteúdo do diretório corrente.

prog < arq1.Dat - ao inicializar o "prog" ele vai ler como dados de entrada o arquivo arq1.dat

b) Canalização - Realiza a transferência de dados entre programas. Ao fazer esta transferência o DOS utiliza arquivos temporários de trabalho. O símbolo | identifica a canalização.

Ex.: TYPE ABC.DAT | MORE

c) Filtros - Programa que lê os dados de um dispositivo padrão de entrada ou de um arquivo, altera esses dados e transfere-os para um dispositivo de saída.

c.1 - SORT - lê os dados de um dispositivo de entrada, ordena-os e repassa-os para um dispositivo de saída.
Sintaxe: SORT

Opções:

/ R - ordenar decrescentemente

/ +n - ordenar a partir da posição n

Ex.: DIR | SORT - Ordena o conteúdo do diretório corrente, mostrando-o na tela.

DIR > ARQDIR < SORT /R > DIRORD - Ordena o conteúdo do diretório corrente, armazenado no arquivo ARQDIR, gravando-o, já ordenado, no arquivo DIRORD.

c.2 - MORE - Comando que interrompe a apresentação dos dados da tela quando esta está cheia, aparecendo no final a expressão:" ... MAIS ... "

Ex.: TYPE ARQ1 | MORE

c.3 - FIND - Realiza a procura de um "string" de caracteres em um arquivo, relacionando no vídeo as linhas do arquivo que contém esse "string".

Sintaxe: FIND "string"

Opções:

/V - lista as linhas que não contém o STRING.

/C - exibe o número de linhas que contém o STRING.

/N - lista a numeração das linhas que contém o STRING.

Ex.: FIND /V "COUNTRY" CONFIG.SYS

d) Aumento na capacidade de armazenamento - Para aumentar a capacidade de armazenamento dos dados no disco, pode ser utilizado três recursos:

d.1 - Retirando arquivos desnecessários, tais como, arquivos de dados e programas desnecessários, arquivos temporários, arquivos de cópias de editores ou outros softwares (backup).

d.2 - Reorganizando os arquivos no disco, fazendo-os ocupar espaços contíguos no disco, eliminando buracos e espaços não utilizados. O comando Chkdsk separa as unidades de alocação perdidas no disco, para posterior deleção e o comando defrag organiza os arquivos no disco, otimizando sua utilização.

d.3 - Compactando o disco, executando o comando DoubleSpace. Observe que, não é conveniente compactar todo o disco. Existem softwares que necessitam de área não compacta para paginação (Ex. Windows). É aconselhável particionar o drive criando um drive lógico compactado (para softwares e programas) e outro não compactado (para dados e gerenciamento do sistema e de software).

d.4 - Além destes, outros recursos possibilitam a redução na área de armazenamento de dados, tais como: compactação de arquivos, união de vários arquivos pequenos em apenas um, etc.

1.7.- Comandos de arquivos Batch (BAT)

Arquivos no qual estão armazenados comandos que serão executados seqüencialmente, sem a interferência do usuário. Nestes arquivos podem ser utilizados comandos do DOS, utilizados no modo interativo e alguns comandos específicos de arquivo BAT, conforme descritos abaixo:

a) ECHO - Permite mostrar ou não na tela o comando que está sendo executado. Permite também enviar mensagens para a tela.
Opções:

ECHO ON - Valor default. Mostra na tela o comando que está sendo executado.

ECHO OFF - Não mostra na tela o comando que está sendo executado, exceto o próprio comando Echo.

@ECHO OFF - Não mostra na tela o comando que está sendo executado, nem mesmo o próprio comando Echo.

ECHO MENSAGEM - mostra no vídeo a mensagem desejada independente do echo estar on ou off.

b) FOR - Utilizado para representar "loops" de um comando onde à variável é atribuído um dos valores existentes na lista de valores, para que possa ser avaliada e executado o procedimento desejado.

Obs: Se na lista de valores for utilizado os caracteres * ou ? será atribuído a variável os nomes válidos para os arquivos.

Ex.: FOR %V IN (PROG1.DAT PROG2.DAT PROG3.DAT) DO DIR %V

Neste exemplo, o comando DIR será executado 3 vezes da seguinte forma:

DIR PROG1.DAT

DIR PROG2.DAT

DIR PROG3.DAT

FOR %%V IN (*.DAT) DO DIR %%V

Neste exemplo, será avaliado todos os arquivos que possuem a extensão ".DAT". Para cada arquivo selecionado será listado o diretório.

c) PAUSE - Suspende temporariamente a continuidade na execução dos comandos existentes no arquivo BAT, enviando para a tela a mensagem: "STRIKE A KEY WHEN READY...".

O arquivo continuará a ser executado quando for teclado qualquer tecla, exceto + ou +

d) GOTO - Transfere o controle da execução do arquivo BAT para a linha que contém o label especificado. Este label é definido no início da linha e precedido pelo caractere "dois pontos" (:)

Obs: Serão considerados como nome de label apenas os 8 primeiros caracteres.

Ex.: ..........
..........
..........
GOTO PULO
..........
..........
PULO

e) IF - Executa, condicionalmente comando do DOS após avaliação da condição definida. O comando permite a execução condicional de apenas 1 comando por if.

Existem 3 formas de IF.

e.1) ERRORLEVEL - Avalia se o código de retorno enviado pelo último programa executado é igual ou maior ao número definido no comando IF.

Sintaxe: IF [NOT] ERRORLEVEL número

Ex.: PROGRAMA

IF NOT ERRORLEVEL 1 GOTO FIM

ECHO DEU PROBLEMA NO ABC

:FIM

O comando ECHO será executado somente se o código de retorno do programa, for maior ou igual a 1.

e.2) Comparação de string - Permite a comparação de 2 strings de caracteres.

Sintaxe:

IF "STRING1" == "STRING2"

Ex.: Arquivo COPIA.BAT

IF %1 == %2 GOTO ERRO1

IF %2 == "" GOTO ERRO2

COPY %1 %2

GOTO FIM

:ERRO1

ECHO NOME IGUAIS DOS ARQUIVOS A SEREM COPIADOS

:ERRO2

ECHO FALTA INFORMAR PARÂMETROS

:FIM

e.3) EXIST/NOT EXIST - Permite avaliar a existência ou não de um arquivo no diretório corrente ou path especificado. Só funciona para arquivo.

Sintaxe: IF [NOT] EXIST arquivo

Ex.: Arquivo COPIA.BAT

IF %1 == %2 GOTO ERRO1

IF NOT EXIST %1 GOTO ERRO2

IF ´%2´ == ´´ GOTO ERRO3

IF NOT EXIST %2 GOTO EXECUTA

ECHO ARQUIVO EXISTE CONFIRMA A DESTRUIÇÃO

ECHO TECLE + CASO NÃO QUEIRA

PAUSE

:EXECUTA

COPY %1 %2

GOTO FIM

:ERRO1

ECHO NOME IGUAIS DOS ARQUIVOS A SEREM COPIADOS

GOTO FIM

:ERRO2

ECHO ARQUIVO ORIGEM NÃO EXISTE

GOTO FIM

:ERRO3

ECHO FALTA INFORMAR PARÂMETROS

:FIM

f) SHIFT - recurso que permite a utilização em um arquivo BAT de mais de 10 parâmetros relocáveis entre os valores %0 a %9.

Ex.: EXEMPLO ARQ 1 ARQ 2 ARQ 3

%0 %1 %2 %3 SHIFT

%0 %1 %2 SHIFT

%0 %1 SHIFT

%0 SHIFT

1.8- Arquivo Config.sys

Arquivo executado logo após a carga do sistema operacional, que tem como objetivo alterar a configuração default de alguns recursos do sistema.

Comandos existentes:

a) BREAK - Orienta o DOS para verificar periodicamente no buffer do teclado se as teclas "Ctrl+Break" ou "Ctrl+C" foram acionadas. Este procedimento visa interromper, por solicitação do usuário, a execução do programa.

Ex.: BREAK = ON realiza a checagem

BREAK = OFF não realiza a checagem (default)

b) FILES: Indica a quantidade de arquivos que podem estar abertos simultaneamente. No exemplo abaixo o Sistema DOS irá controlar e utilizar simultaneamente a abertura de até 20 arquivos.

Ex.: FILES = 20

c) BUFFER: Indica a quantidade de área em memória que será reservada para o armazenamento dos dados que serão lidos ou gravados em arquivos. No exemplo abaixo o Sistema DOS irá reservar 40 áreas de buffer para os dados.

Ex.: BUFFERS=40

Este número não deverá ser muito grande pois irá reduzir o espaço disponível em memória para utilização pelo usuário.

d) COUNTRY: Especifica o formato da data e hora para um determinado país.

Ex.: COUNTRY=055 (Formato da data e hora brasileira)

e) DEVICE - Permite a substituição ou acréscimo das rotinas de tratamento de novos periféricos ao arquivo IBMBIOS.COM.

Ex.: DEVICE = PATH onde PATH é o caminho no qual está armazenada a rotina no disco.

f) DEVICEHIGH - Permite carregar rotinas de tratamento de novos periféricos na memória alta.

Ex.: DEVICEHIGH = PATH

g) DOS - Indica a instalação do DOS na área de memória alta, (DOS=HIGH) ou na área de memória superior (DOS=UMB).

h) REM - Indica uma linha de comentário

i) SET - Define valores das variáveis de ambiente. Dentre outras, podemos ressaltar:

PROMPT- especifica o formato do PROMPT do sistema.

TEMP - para definir uma área de armazenamento temporário de alguns softwares.

j) Menu - Especifica um menu de inicialização para as opções de configurações. Este comando é utilizado em conjunto com os comandos: (Este comando está disponível a partir da versão 6.0).

j.1) Menuitem - Para definir o bloco de comandos a serem executados, caso a opção seja escolhida

j.2) Menudefault - Para definir os comandos a serem executados, caso não seja escolhida nenhuma opção. Exemplo de menu de inicialiação:

[Menu]

menuitem = opção1

menuitem = opção2

menudefault=opçãodefault, nn

[Common]

rem Estes comandos serão executados independentes da escolha da opção comandos

[opção1]

rem Estes comandos serão executados caso seja escolhido a opção 1

comandos

[opção2]

rem Estes comandos serão executados caso seja escolhido a opção 2

comandos

[opçãodefault]

rem Estes comandos serão executados caso após “nn” segundos, não for escolhido uma opção.

comandos

A opção escolhida no menu pode ser transferido e utilizado no arquivo AUTOEXEC.BAT, através da variável de ambiente “config”, conforme exemplo abaixo:

comandos


Publicado por: Equipe Brasil Escola

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola