Topo
pesquisar

ANÁLISE COMPARATIVA DO TEOR DE SÓDIO EM SUPLEMENTOS DE WHEY PROTEIN MEDIANTE INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS CONTIDAS NO RÓTULO

Saúde

A importância da nutrição para o exercício físico, O suplemento alimentar Whey Protein e o teor de sódio em suplementos de Whey Protein mediante informações nutricionais contidas no rótulo.

índice

1. RESUMO

Nutrição e atividade física têm uma importante relação, sendo que, por meio de uma nutrição adequada com ingestão equilibrada de todos os nutrientes, pode-se melhorar a capacidade de rendimento do organismo. Cada vez mais pessoas têm buscado, através dos exercícios físicos, a redução da massa gorda, o aumento de massa muscular, o controle de doenças e um corpo que se encaixe nos padrões atuais de beleza, porém muitos querem que os resultados apareçam rapidamente e nesta busca rápida por resultados, resolvem utilizar suplementos alimentares. As proteínas do soro do leite ou Whey Protein são um dos suplementos mais utilizados para ganho de massa muscular e por ser um produto industrializado possui sódio como um dos seus componentes. O objetivo do trabalho é analisar o teor de sódio em suplementos de Whey Protein mediante informações nutricionais contidas no rótulo. Foram analisados os conteúdos de sódio em rótulos de embalagens de suplemento alimentar Whey Protein Isolado e Concentardo de 42 marcas disponíveis no mercado. Para cada marca foram avaliadas apenas do sabor chocolate, somando um total de 84 rótulos. Concluiu-se que a WPI em relação à WPC apresenta um menor teor de sódio, porém há uma discrepância em relação à quantidade de sódio das marcas analisadas e torna-se importante verificar os rótulos na hora de comprar os produtos, já que nenhum deles alertaram ao consumidor com relação aos perigos da auto suplementação e da quantidade de sódio presente.

Palavras chave: Suplementação, hipertensão, nutrição esportiva.

ABSTRACT

Nutrition and physical activity have an important relationship, and through proper nutrition with balanced intake of all nutrients, one can improve the body's ability to yield. More and more people have sought through physical exercises to reduce fat mass, increase muscle mass, control disease and an aesthetically perfect body, but many want the results to appear quickly and in this quick search for results, solve Use dietary supplements. Whey proteins or Whey Protein is one of the supplements most used for gaining muscle mass and because it is an industrialized product has sodium as one of its components. The objective of the study is to analyze the sodium content in Whey Protein supplements through nutritional information contained in the label. The sodium content was analyzed on labels of Whey Protein Isolado and Concentardo food supplement packaging of 42 brands available in the market. For each brand were evaluated only the chocolate flavor, adding a total of 84 labels. It was concluded that WPI in relation to WPC has a lower sodium content, but there is a discrepancy in relation to the amount of sodium in the brands and it is important to analyze the labels when buying the products, since none of the labels analyzed Warned the consumer about the dangers of self-supplementation and the amount of sodium present.

Key words: supplementation, hypertension, sports nutrition.

2. INTRODUÇÃO

Nutrição e atividade física têm uma importante relação, sendo que, através de uma nutrição adequada com ingestão equilibrada de todos os nutrientes pode-se melhorar a capacidade de rendimento do organismo (PEREIRA; CABRAL, 2007).

Tem sido cada vez mais comum o uso de suplementos proteicos associados a programas de treinamento com pesos para ganho de massa muscular (TERADA et al, 2009), sendo que, esses exercícios podem também melhorar a saúde e a qualidade de vida do praticante (COELHO et al., 2009). Com isso, o mercado de suplementos oferece produtos que podem ter ações e finalidades como hipertrofia muscular, redução da massa gorda e auxilio na redução do peso corporal, melhora na resistência e na recuperação pós-exercício, além de prevenir doenças, propondo a obtenção desses resultados mais rapidamente (FONTENELE; LUNA, 2013).

Cada vez mais os suplementos estão sendo utilizados, porém nem todos os consumidores recebem orientação de um profissional adequado e o uso inadequado dos mesmos pode causar danos à saúde (LOURDES; IZETTI, 2013).

As proteínas do soro do leite ou Whey Protein têm rápida digestão e absorção intestinal, o que proporciona elevação da concentração de aminoácidos no plasma, estimulando a síntese proteica (TERADA et al., 2009) e é um dos suplementos mais utilizados para ganho de massa muscular (SOARES, 2014).

As empresas de suplementação têm colocado em suas fórmulas, além das substâncias associadas a um possível efeito ergogênico, uma variedade de vitaminas e minerais, alegando que isso ajudaria na melhora do desempenho e entre estes micronutrientes, está o sódio (PIMENTEL; MOREIRA; SILVA, 2007).

O excesso no consumo do mineral sódio está ligado ao desenvolvimento de doenças crônicas degenerativas como: hipertensão arterial, doenças renais e cardiovasculares (DCV) (BOSCARI; PEREIRA; 2015).

Atualmente muitas pessoas usam erroneamente os suplementos alimentares sem saber sua dosagem correta, o teor de nutrientes que estes contem e se podem comprometer a saúde, principalmente em se tratando daqueles que contenham em sua composição o mineral sódio, pois seu uso excessivo pode trazer sérios riscos à saúde, sendo necessário identificar o teor prevalente de sódio em diferentes marcas de Whey Protein como forma de alerta a que o uso de suplementos sem orientação pode trazer sérios riscos a saúde.

3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3.1 A importância da nutrição para o exercício físico

A associação de inatividade física, excesso de peso e a má alimentação estão relacionadas ao desenvolvimento de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) como obesidade, diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares (CAMPOS; MACIEL; NETO, 2012). O estilo de vida saudável pode ser uma das maneiras de evitar o surgimento de doenças e isso pode ser obtido através de exercícios físicos regulares e uma boa alimentação (CAMPOS; MACIEL; NETO, 2012).

Cerca de 30 minutos ou mais de atividade física regular, pode ser benéfica para estimular os sistemas circulatório, respiratório e digestivo e ainda ter influência metabólica geral sobre os carboidratos, proteínas e lipídios (ARAÚJO, 2012).

Cada vez mais indivíduos tem entendido a necessidade de se associar uma alimentação equilibrada com a prática de exercícios físicos para a obtenção e melhora da saúde e qualidade de vida, não visando somente boa aparência estética (COSTA, 2012).

Cada indivíduo possui uma necessidade energética única, que depende de vários fatores como: genética; sexo; idade; peso e composição corporal; condicionamento físico e fase de treinamento, que conta com sua frequência, intensidade e duração (HERNANDEZ; NAHAS, 2009).

As necessidades calóricas variam entre 37 e 41 kcal/kg de peso/dia e, dependendo dos objetivos, podem ser menores ou maiores como 30 ou 50 kcal/kg de peso/dia (SBME, 2009).

O equilíbrio entre o consumo de carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas e minerais, fibras e água é de suma importância para se obter bons resultados em praticantes de atividades físicas (ALMEIDA et al., 2009; COSTA, 2012; JOST; POLL, 2014). Através da alimentação é possível melhorar o rendimento, evitar a fadiga e a perda de massa muscular (COSTA, 2012).

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBME) (2009), as proteínas são importantes para fazer o reparo de microlesões musculares. A recomendação da quantidade de proteína, mesmo em se tratando de atletas de força (fisiculturista), é de no máximo 1,8 g/kg/peso/dia, o que pode ser obtido, sem problemas, através de uma alimentação adequada, levando o atleta a um ganho de massa muscular sem maiores dificuldades, verificando-se que quantidades exacerbadas por si só, não aumentam a massa muscular.

A musculação é um tipo de atividade física muito comum, e os seus adeptos visam ganhar músculos e isso pode ser atingido através de uma alimentação adequada (ADAM et al., 2013).

O nutricionista deve e precisa fazer um plano alimentar para suprir as necessidades do público, através dos alimentos, e só em último caso, utilizar suplementos alimentares (JOST; POLL, 2014).

Uma alimentação irregular pode prejudicar a performance e a saúde, sendo que atualmente, é muito comum ter informações a respeito de nutrição e atividade física, porém, nem sempre um profissional habilitado fornece essas informações, fato que pode gerar tabus levando o indivíduo à uma alimentação inadequada (ADAM et al., 2013).

Um dos fatores limitantes do desempenho dos atletas é a alimentação, (COELHO et al., 2009); por isso, o nutricionista é responsável por identificar suas necessidades nutricionais para que se tenha uma boa saúde, peso e composição corporal adequado (ADAM et al., 2013).

É preciso que este profissional faça orientações para os atletas sempre que necessário, pois estes podem ser leigos e não saber qual o melhor caminho a seguir (ADAM et al., 2013).

Através da alimentação é possível obter todos os nutrientes necessários, devendo a suplementação ser recomendada somente em casos específicos. É importante salientar que um suplemento seja testado adequadamente, já é lançado no mercado, ficando impossível saber o que este realmente pode causar ao organismo (ESPÍNOLA; COSTA; NAVARRO, 2008).

3.2 O suplemento alimentar Whey Protein

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), os suplementos alimentares são denominados, alimentos para praticantes de atividades físicas ou ergogênicos nutricionais e servem para complementar a dieta e nunca para substituição total da mesma. Ou seja, os suplementos não podem substituir as refeições como sendo a única fonte de dieta (ALMEIDA, et al., 2009).

São substâncias utilizadas por via oral com o objetivo de complementar uma determinada deficiência dietética e comercializados como substâncias ergogênicas capazes de melhorar ou aumentar a performance física (ALVES; LIMA, 2009).

Adultos jovens, em busca de resultados rápidos, vêm fazendo uso de suplementos alimentares que com o passar dos anos estão cada vez mais presentes no ambiente esportivo, tendendo a fazer combinações de substâncias ou altas doses de suplementos, sem o parecer de algum especialista capacitado (JOST; POLL, 2014).

Existe um grande consumo de suplementos alimentares no Brasil, ao mesmo tempo, em que se verifica haver poucos estudos sobre os mesmos, o que pode causar certa desconfiança nos usuários (LOURDES; IZETTI, 2013).

Os suplementos devem ser recomendados apenas quando as necessidades de nutrientes não estiverem sendo atingidas, sendo que a falta de tempo e à impaciência em esperar atingir os resultados esperados. São fatores negativos observados quando o assunto é a suplementação esportiva (CHIAVERINI; OLIVEIRA, 2013).

As proteínas e aminoácidos são os suplementos alimentares mais utilizados por indivíduos que almejam ganho de massa muscular (ALVES; LIMA, 2009), sendo que, dentre os diversos tipos, os mais consumidos são os proteicos, podendo-se incluir nesta classe, a Whey Protein (CHIAVERINI; OLIVEIRA, 2013).

A Whey Protein é obtida através do soro do leite de vaca (PEREIRA et al., 2009) que é um subproduto da fabricação de queijos, sendo rica em aminoácidos essenciais que ajudam na síntese proteica (TERADA et al., 2009).

Ela pode ser concentrada, que apresenta redução de gordura e lactose, podendo ter entre 25 e 89% de proteínas; e isolada, que pode ter entre 90 e 95% de proteína, além de ser mais facilmente absorvida (CARRILHO, 2013).

A Whey Protein é bastante conhecida por ter um alto teor de aminoácidos essenciais e os seus efeitos estão relacionados com maior síntese de proteínas e diminuição da gordura corporal podendo ser utilizado 30g/dia diluída em água ou leite após a atividade física ou em jejum (ALVES; LIMA, 2009).

O processo para obtenção de whey protein através da industrialização do soro do leite, requer indústrias de altas complexidades (ALVES et al., 2013).

Sabe-se que o whey protein é rica em beta-lactoglobulina(BLG), alfa-lactoalbumina (ALA), albumina do soro bovino (BSA), imunoglobulinas (lg’s) e glicomacropeptídeos e ainda aminoácidos como a leucina (FISCHBORN, 2009).

Os suplementos proteicos apresentam entre uma das suas funções o balanço nitrogenado, aumento da ressíntese de ATP e ainda aumento da mioglobulina e hemoglobina (MORAIS; MEDEIROS; LIBERALI, 2008).

O excesso no consumo desse tipo de suplemento pode levar a problemas como: aumento na produção de ureia, causar cólica abdominal e diarreia, aumentar o risco de desidratação e influenciar negativamente a densidade mineral óssea (CHIAVERINI; OLIVEIRA, 2013).

Segundo Souza et al. (2014), a Whey Protein possuí em média 170 mg de sódio em 100g de concentrado proteico.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (2013), o consumo de sódio tem aumentado nos últimos anos em muitos países, sendo que a recomendação diária de sódio é de 2000mg por dia ou cerca de 5g de sal e a população brasileira tem consumido em média, 12g de sal por dia (DETREGIACHI et al., 2015).

O sódio sob forma ionizada, é um dos principais fatores de regulação osmótica do sangue, plasma, fluidos intercelulares e do equilíbrio ácido-base. É essencial à motilidade e à excitabilidade muscular e na distribuição orgânica de água e volume sanguíneo (MAHAN et al., 2005).

O alto consumo de sódio tem levado as pessoas a desenvolver doenças crônicas não transmissíveis principalmente hipertensão arterial e isso têm aumentado o índice de morbimortalidade, sendo a causa de um problema de saúde pública no mundo inteiro (MARTELLI, 2014).

A maioria dos indivíduos compram suplementos alimentares sem a orientação de um profissional adequado e não sabem dos riscos que podem ocorrer se consumi-los erroneamente (ESPÍNOLA; COSTA; NAVARRO, 2008).

Segundo Zilch et al. (2012), vários suplementos alimentares são ricos em sódio e consumi-los em excesso pode causar problemas em vários órgãos como coração, rins, cérebro, vasos sanguíneos (SILVIA et al., 2006). Sendo assim pode levar ao aumento da pressão arterial e até o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (ÁVILA et al., 2010).

O uso indiscriminado dos suplementos é influenciado por instrutores, professores ou treinadores, atingindo 31% dos praticantes de exercícios físicos, não havendo, em muitos casos, a orientação por nutricionistas e/ou médicos esportistas (GOMES et al., 2008).

Tal uso indiscriminado dos suplementos em longo prazo pode fazer com que o indivíduo exceda a quantidade de sódio recomendada ocasionando retenção de água, aumento da volemia e da pressão arterial, sendo que os danos aos tecidos podem tornar permanentes (MARTELLI, 2014).

4. OBJETIVO

4.1 Objetivo Geral

Analisar o teor de sódio em suplementos de Whey Protein mediante informações nutricionais contidas nos rótulos dos produtos.

4.2 Objetivos Específicos

Identificar a quantidade de sódio em 30g de Whey Protein Isolado;

Verificar a quantidade de sódio em 30g de Whey Protein Concentrado;

Comparar o teor de sódio entre as marcas de suplementos de Whey Protein isolado e concentrado;

Analisar as informações dos rótulos de suplementos de Whey Protein Isolados e Concentrados quanto aos perigos da auto suplementação;

Constatar os perigos da auto suplementação referente ao sódio.

5. MATERIAIS E MÉTODOS

5.1 Amostras

Neste estudo foram analisados os conteúdos de sódio descritos em rótulos de embalagens de suplemento alimentar Whey Protein, também conhecido como a proteína do soro do leite, de quarenta e duas marcas disponíveis no mercado. Para cada marca foram avaliadas apenas do sabor chocolate, desde que é o preferido pela maioria dos consumidores, somando um total de oitenta e quatro rótulos.

5.2 Procedimentos

A escolha das marcas analisadas foi realizada em cinco sites especializados na comercialização on-line no Brasil (via internet) de diversos suplementos nutricionais esportivos tanto nacionais quanto importados. Os sites de venda escolhidos para esta busca foram:

1) www.corpoperfeito.com.br

2) www.netshoes.com.br

3) www.saudeja.com.br

4) www.suplementoszone.com.br

5) www.boasaudesuplementos.com.br

Após a seleção das marcas, os rótulos foram analisados para verificar a quantidade de sódio por grama de suplemento sugerida por cada um dos fabricantes. A maioria destes fabricantes tem sugerido uma quantidade de 30 gramas (quantidade especificada nas colheres medidoras) do suplemento Whey Protein, mas alguns deles indicam outras medidas. Deste modo, a quantidade do suplemento que foi analisada foi padronizada considerando como referência a quantidade de 30 gramas do produto, pois é a dosagem diária recomendada para uma pessoa (ALVES; LIMA, 2009). Para aquelas marcas que indicam outra medida, foi empregada a regra de três para encontrar a medida diária de referência.

Para a realização da pesquisa foram utilizadas apenas informações contidas no rótulo dos produtos.

Após a seleção das 42 marcas diferentes de Whey Protein sabor chocolate nos 5 sites de vendas online, os suplementos específicos foram escolhidos, separando-se uma Whey Protein do tipo Isolado (WPI) e uma Whey Protein do tipo Concentrado (WPC) de cada uma das marcas.

As informações nutricionais contidas em cada rótulo foram então analisadas, destacando a quantidade de sódio de cada marca e de cada tipo. As quais padronizadas considerando como referência a quantidade de 30 gramas do produto.

Os suplementos foram divididos em dois grupos:

1) Grupo 1 – suplementos com fonte proteica de Whey Protein Isolado;

2) Grupo 2 – suplementos com fonte proteica de Whey Protein Concentrado.

6. RESULTADOS E DISCUSSÃO

A concentração de sódio na WPI foi dividida da seguinte maneira:

  • 0 a 50 mg de sódio, verificando-se que 16,6% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=7);

  • 51 a 100 mg de sódio, verificando-se que 54,8% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=23);

  • 101 a 150 mg de sódio, verificando-se que 19% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=8);

  • 151 a 200 mg de sódio, verificando-se que 2,4% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=1);

  • 201 a 250 mg de sódio, verificando-se que 4,8% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=2);

  • 251 a 300 mg de sódio, verificando-se que 2,4% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=1).

Figura 1 - Análise do teor de sódio em marcas de Whey Protein Isolada

Podemos perceber que a maior porcentagem de WPI está entre 51 a 100 mg (n=23). Se pensarmos que um indivíduo pode consumir cerca de 2000 mg/dia de sódio, torna-se irrelevante a quantidade do mineral nessa porcentagem de WPI na alimentação, mas para isso o indivíduo necessita apresentar uma alimentação saudável.

O maior teor de sódio encontrado foi de 251-300 mg de sódio e em um suplemento.

É imprescindível que tanto os indivíduos saudáveis quanto aqueles que apresentam algum problema de saúde, como é o caso dos hipertensos, devem preferir a Whey Protein que apresenta um teor de sódio menor (0 a 50 mg) para que não ocorra alterações e/ou variações de pressão.

A concentração de sódio na WPC foi dividida da seguinte maneira:

  • 0 a 50 mg de sódio, verificando-se que 11,9% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=5);

  • 51 a 100 mg de sódio, verificando-se que 42,8% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=18);

  • 101 a 150 mg de sódio, verificando-se que 31% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=13);

  • 151 a 200 mg de sódio, verificando-se que 9,5% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=4);

  • 201 a 250 mg de sódio, verificando-se que 2,4% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=1);

  • 201 a 350 mg de sódio, verificando-se que 2,4% dos suplementos selecionados continham esse teor (n=1).

Figura 2 - Análise do teor de sódio em marcas de Whey Protein Concentrada

Podemos perceber que a maior porcentagem de WPC está entre 51 a 100 mg (n=18). Porém em porcentagem menor do que a WPI, o que se torna uma desvantagem para a utilização da mesma.

Segundo o último senso do IBGE sobre alimentação saudável, os brasileiros têm consumido mais produtos industrializados. Os resultados mostram que os homens estão consumindo 89% a mais do que o ideal e as mulheres 70% (IBGE, 2009).

Por isso, é preciso mais atenção na hora de comprar o WPC, pois ele apresenta uma maior quantidade de sódio do que a WPI.

O maior teor de sódio encontrado foi de 300-350 mg de sódio e em apenas um suplemento, porém é considerado um valor alto, principalmente se a pessoa faz auto suplementação sem indicação de profissional adequado.

Entende-se que se uma pessoa for adquirir a WPC é preciso verificar o rótulo mais atentamente, pois a mesma tende a apresentar mais sódio que a WPI.

Quadro 1 - Teor de Sódio das Marcas Analisadas de Whey Protein Isolada

Marcas

Sódio (mg)

Marca 1

52

Marca 2

75

Marca 3

66

Marca 4

120

Marca 5

53,5

Marca 6

46,3

Marca 7

53,2

Marca 8

0,3

Marca 9

43,6

Marca 10

115

Marca 11

235,5

Marca 12

53,5

Marca 13

56,6

Marca 14

70

Marca 15

37,74

Marca 16

67,5

Marca 17

52,25

Marca 18

65,25

Marca 19

75

Marca 20

87,6

Marca 21

75

Marca 22

26,8

Marca 23

116

Marca 24

130,64

Marca 25

285,7

Marca 26

174,84

Marca 27

0,3

Marca 28

58,5

Marca 29

59,1

Marca 30

106,45

Marca 31

108

Marca 32

150

Marca 33

110

Marca 34

60

Marca 35

58

Marca 36

58,68

Marca 37

67,27

Marca 38

34

Marca 39

76,53

Marca 40

58

Marca 41

242,1

Marca 42

52,74

Quadro 2 - Teor de Sódio das Marcas Analisadas de Whey Protein Concentrada

Marcas

Sódio (mg)

Marca 1

74,5

Marca 2

129

Marca 3

198,75

Marca 4

21

Marca 5

69,44

Marca 6

71,4

Marca 7

100

Marca 8

115

Marca 9

0

Marca 10

52

Marca 11

312

Marca 12

124,3

Marca 13

121,2

Marca 14

74

Marca 15

50

Marca 16

144

Marca 17

148,5

Marca 18

162

Marca 19

43

Marca 20

69

Marca 21

72

Marca 22

32,4

Marca 23

87

Marca 24

171,4

Marca 25

130,76

Marca 26

124,7

Marca 27

115

Marca 28

225,5

Marca 29

135,75

Marca 30

59

Marca 31

107

Marca 32

110,76

Marca 33

54,54

Marca 34

93,75

Marca 35

94,5

Marca 36

82,5

Marca 37

105,78

Marca 38

75,38

Marca 39

73

Marca 40

54,54

Marca 41

53,57

Marca 42

166,4

As duas tabelas citadas anteriormente mostram a quantidade de suplementos pesquisados (n=84) de WPI e WPC, e a quantidade de sódio encontrado em cada marca.

Figura 3 - Análise comparativa entre o teor de sódio em marcas de Whey Protein Isolada e Concentrada

Ao se somar a quantidade de sódio presente de 0 a 100 mg de WPI temos 71,4% de um total de 100%. Com isso pode-se concluir que dos 42 suplementos analisados, 30 suplementos apresentam um baixo teor de sódio. Em relação à

WPC, se somarmos da mesma maneira, temos 54,7% o que equivale a 23 suplementos. Ao compararmos com a WPI temos uma diferença de 16,7%.

Essa diferença mostra que os suplementos de WPI tem uma redução de 16,7% de sódio em relação à WPC.

Na pesquisa, a maior quantidade de sódio de WPI tem uma concentração de 51 a 100 mg (n=23), cerca de 54,8%; enquanto que encontra-se 42,8% de WPC (n=18) com o mesmo teor. Porém a média de WPC acima desse teor de sódio é maior que da WPI, o que se torna um ponto negativo para a utilização de WPC.

Verifica-se que há suplementos de WPC que possuem baixa quantidade de sódio que podem ser uma opção mais saudável e de baixo custo, sendo que no mercado de suplementos a WPI tem um custo superior a WPC.

Não foram encontrados WPI com teor de sódio entre 301 a 350mg e nem de WPC de 251 a 300 mg de sódio.

A rotulagem de alimentos e suplementos alimentares é de suma importância para auxiliar na escolha do tipo do produto e para o profissional que irá prescreve-la (FREITAS et al., 2015).

A auto suplementação pode fazer com que o indivíduo utilize mais suplemento do que o necessário, e isso podem causar vários danos à saúde como cólica abdominal, uréia elevada, desidratação, ressaltando que usar suplementos proteicos em quantidades acima do protocolo recomendado, não significa que este indivíduo irá ganhar mais massa muscular nem tampouco aumentar o desempenho (STOPASSOLI, 2015).

Aditivo alimentar é qualquer item adicionado ao produto que não tem propósito nutricional e que pode modificar as características dos alimentos seja alteração física, química ou biológica e nos produtos industrializados estes são adicionados, torna-se importante o controle de consumo, pois pode levar ao desenvolvimento de doenças (ALBUQUERQUE et al., 2012).

Dentre os aditivos mais comuns adicionados aos alimentos industrializados temos o sódio que ajuda a conservar os alimentos e está presente em quase todos os tipos de produtos, inclusive na whey protein.

O sódio em excesso é prejudicial para a saúde de qualquer indivíduo. Se um indivíduo saudável fizer uso de altas doses de um tipo de Whey Protein específico, que apresenta alta concentração de sódio, por um período longo, este poderá prejudicar sua saúde, podendo desenvolver hipertensão arterial.

A hipertensão arterial é o principal fator de risco de morbidade e mortalidade (SERAFIM; JESUS; PIERIN, 2010).

Em se tratando de indivíduos hipertensos é preciso um cuidado maior em relação à suplementação proteica, porque estes indivíduos podem fazer sobrecarga renal e prejudicar mais os rins, principalmente aqueles que já apresentam uma função renal no estágio conservador, sendo imprescindível que procurem um nutricionista para maiores informações e orientações do mesmo.

Em relação aos rótulos de Whey Protein, os consumidores, bem como alguns profissionais que a prescrevem, tendem a observar apenas o teor de proteína, carboidrato e lipídio e se esquecem de observar os conservantes que estão presentes, principalmente o sódio que é o mais comum.

Segundo trabalho de Pires; Santos; Giovernardi (2011) há uma discrepância de valores em relação à quantidade de sódio nos suplementos alimentares. Eles verificaram que essa era uma característica em comum, pois alguns suplementos sejam eles isolados ou concentrados apresentaram diferenças enormes em relação à quantidade de sódio.

A presença do nutricionista torna-se imprescindível na hora da prescrição de suplementos e este precisa se atentar aos rótulos e observar a quantidade de sódio de cada suplemento, indicando aquelas com menor teor de sódio.

A auto suplementação pode fazer com que os indivíduos que utilizam os suplementos possam consumir quantidades maiores que o necessário, afetando sua saúde podendo apresentar cólica abdominal, uréia elevada e desidratação, sendo que, usar suplementos a mais do que o recomendado não significa que irá se ganhar mais massa muscular nem tampouco aumentar o desempenho (STOPASSOLI, 2015).

Nos produtos industrializados são adicionados aditivos alimentares que é qualquer item adicionado ao produto que não tem propósito nutricional e que pode modificar as características dos alimentos seja ela física, química ou biológica, torna-se importante o controle de consumo, pois pode levar ao desenvolvimento de doenças (ALBUQUERQUE et al., 2012).

Dentre os aditivos mais comuns adicionados aos alimentos industrializados temos o sódio que ajuda a conservar os alimentos e está presente em quase todos os tipos de produtos, inclusive na whey protein.

O sódio em excesso é prejudicial para a saúde de qualquer indivíduo, se um atleta saudável fizer altas doses de um tipo de whey protein específico, que apresenta alta concentração de sódio em um período longo ele estará prejudicando a sua saúde diretamente, podendo desenvolver hipertensão arterial.

Em se tratando de indivíduos hipertensos é preciso um cuidado maior, pois eles podem prejudicar a sua função renal que já não é adequada.

A hipertensão arterial é o principal fator de risco de morbidade e mortalidade (SERAFIM; JESUS; PIERIN, 2010).

Em relação aos rótulos de Whey Protein, os consumidores e até alguns profissionais capacitados para prescreve-la, observam apenas o teor de proteína, carboidrato e lipídio e esquecem-se de observar os conservantes que estão presentes, principalmente o sódio que é o mais comum.

Segundo trabalho de Pires; Santos; Giovernardi (2011) há uma discrepância de valores em relação à quantidade de sódio nos suplementos alimentares. No trabalho verificou-se que essa característica em comum, pois alguns suplementos sejam eles isolados ou concentrados apresentam diferenças enormes em relação à quantidade de sódio.

A presença do nutricionista torna-se muito importante na hora da prescrição de suplementos, ele precisa se atentar aos rótulos e observar a quantidade de sódio de cada suplemento e indicar aquela que tem menos sódio.

A análise de rótulos é muito importante, pois alguns suplementos como a WPI são mais caros do que a WPC, e mesmo sendo mais caro, algumas marcas apresentam maior teor de sódio em relação à WPC.

Portanto o consumidor pode estar pagando mais caro em um produto que pode acabar se tornando prejudicial a sua saúde, não significando que ele seja uma opção melhor.

Entre todos os suplementos de whey protein pesquisados, nenhum dos rótulos alertaram os consumidores em relação aos perigos da auto suplementação e a quantidade de sódio presente. O que se verifica é que os mesmos destacam nos rótulos é a quantidade de proteína, carboidrato e lipídio, por isso torna-se importante a leitura atenta do rótulo, tanto pelos consumidores, quanto pelo profissional que o está indicando.

É importante esclarecer que nos sites existia um número superior a 42 marcas, mas como o objetivo era se comparar WPI e WPC da mesma marca, aquelas que possuíam apenas um tipo de Whey Protein, foram desprezadas.

Por ser um tema pouco discutido faltaram trabalhos para fazer comparações com esta pesquisa.

7. CONCLUSÃO

Percebe-se que o consumo de suplementos proteicos como a Whey Protein tem sido cada vez mais comum, porém muitos atletas e indivíduos fisicamente ativos se auto suplementam, o que pode ser danoso em longo prazo para a saúde do indivíduo.

A Whey Protein é um produto industrializado e por conta disso recebe aditivos alimentares e dentre eles, o sódio. O sódio em excesso pode ser prejudicial para os indivíduos saudáveis e principalmente para quem já apresenta algum problema de saúde, inclusive os hipertensos.

Dentre as 42 marcas de WPI e WPC nenhuma se atentaram para o consumo de sódio de seus consumidores, sendo que o tipo de Whey Protein que apresenta menor quantidade de sódio é a WPI, porém é preciso atentar-se aos rótulos, já que algumas marcas de WPC apresentam baixa quantidade de sódio e algumas de WPI alto teor de sódio.

Conclui-se a necessidade de uma intervenção da ANVISA em definir a quantidade limítrofe de sódio em suplementos de WPI e WPC, bem como alertar o consumidor quanto aos perigos da auto suplementação, a quantidade de sódio presente e a necessidade da prescrição por profissional capacitado, para facilitar a compra do próprio produto e para evitar que os indivíduos que se auto suplementam provoquem danos à sua saúde.

8. REFERÊNCIAS

ADAM, B. O. et al. Conhecimento nutricional de praticantes de musculação de uma academia da cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Sports Nutrition, São Paulo, v. 2, n. 15, p. 24-36, março, 2013.

ALMEIDA, C. et al. Avaliação do conhecimento sobre nutrição esportiva, uso e indicação de suplementos alimentares por educadores físicos nas academias de Passo Fundo-RS. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 3, n. 15, p. 232-240, maio/junho, 2009.

ALBUQUERQUE, M. V. et al. Educação Alimentar: uma proposta de redução do consumo de aditivos alimentares, Química Nova Escola. São Paulo, v. 34, n. 2, p. 51-57, Maio, 2012.

ALVES, C.; LIMA, R. V. B. Uso de suplementos alimentares por adolescentes. Dietary supplement use by adolescents. J. Pediatr. Rio de Janeiro, v. 85, n. 4, p. 287-294, 2009.

ALVES, M. P. et al. Soro de leite e sua processabilidade, Departamento de Tecnologia de Alimentos- UFV. Viçosa, Minas Gerais.

Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_2009_analise_consumo/> Acesso em: 04/12/2016.

ARAÚJO, M. P. S. Nível de conhecimento nutricional de praticantes de corrida do grupo endorfina assessoria esportiva do município de Araguari-MG. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 6. n. 32. p. 97-104. março/abril. 2012.

ÁVILA, A. et al. Diretrizes brasileiras de hipertensão VI. J. Bras. Nefrol. v. 32, 2010.

BOSCARI, J. P.; PEREIRA, F. B. Sódio em alimentos industrializados. Anais III Congresso de Pesquisa e Extensão da Faculdade da Serra Gaúcha (FSG). Caxias do Sul, set., 2015.

BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de 1999, c/c o art. 111, inciso I, alínea “e” do Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000, publicada no DOU de 22 de dezembro de 2000, em reunião realizada em 6 de dezembro de 2004. Website: o http://www.anvisa.gov.br/divulga/consulta/index.htm. Acesso em: 22/11/2015.

CAMPOS, M. O.; MACIEL, M. G.; RODRIGUES NETO, J. F. R. Atividade física insuficiente: fatores associados e qualidade de vida. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 17, n. 6, p. 562-572, dez. 2012.

CARRILHO, L. H. Benefícios da utilização da proteína do soro de leite whey protein, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 7, n. 40, p. 195-203, jul./ago. 2013.

CHIAVERINI, L. C. T.; OLIVEIRA, E. P. Avaliação do consumo de suplementos alimentares por praticantes de atividade física em academias de Botucatu- SP. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 7, n. 38, p. 108-117, mar./abr. 2013.

COELHO, B., et al. Perfil nutricional e análise comparativa dos hábitos alimentares e estado nutricional de atletas profissionais de basquete, karatê, tênis de mesa e voleibol. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 3. n. 18. p. 570-577. nov./dez. 2009.

COSTA, W. S. A avaliação do estado nutricional e hábitos alimentares de alunos praticantes de atividade física de uma academia do município de São Bento do Uma-PE. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 6. n. 36. p. 464-469. nov./dez. 2012.

DETREGIACHI, C. R. P. et al. Consumo de sal em universitários de um curso de nutrição. Health Sci. Inst. Marília, v. 33, n. 3, p. 172-84, 2015.

ESPINOLA, H. H. F.; COSTA, M. A. R. A.; NAVARRO, F. Consumo de suplementos por usuários de academias de ginástica da cidade de João Pessoa-PB. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 1, n. 7, p. 01-10, jan./fev. 2008.

FISCHBORN, S. C. A influência do tempo de ingestão da suplementação de whey protein em relação à atividade física, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 3, n. 14, p. 132-143, mar./abr. 2009.

FONTENELE, M. L. S.; LUNA, G. I.. Regulamentação da suplementação nutricional no Brasil. Acta de Ciências e Saúde, v. 1, n. 2, 2013.

FREITAS et al. Avaliação da Rotulagem e Informação Nutricional de Suplementos Proteicos Importados no Brasil, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 9, n. 49, p. 14-24, jan./fev. 2015.

GOMES, G. S. et al. Caracterização do consumo de suplementos nutricionais em praticantes de atividade física em academias. Medicina, Ribeirão Preto, v. 41, n. 3, p. 327-31, 2008.

HERNANDEZ, A. J.; NAHAS, R. M. Consenso da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (SBME), 2009. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Revista Brasileira Medicina Esporte, v. 15, n. 3, mai./jun. 2009.

JOST, P. A.; POLL, F. A. Consumo de suplementos alimentares entre praticantes de atividade física em academias de Santa Cruz do Sul. Cinergis, v. 15, n. 1, p. 10-17, 2014.

MAHAN, L. Kathleen; Escott-Stump, Sylvia; Favano, Andréa; Krause, Marie V., Krause: alimentos, nutrição & dietoterapia. Editora Roca, 11ª Edição, 2005.

MARTELLI, A. Redução das concentrações de cloreto de sódio na alimentação visando a homeostase da pressão arterial. Mogi Guaçu, REGET. v. 18, n. 1, p.428-436, abr. 2014.

MORAIS, R.; M, R. R.; LIBERALI, R. Eficácia da suplementação de proteínas no treinamento de força, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 2, n. 10, p. 265-276, jul./ago. 2008.

PIMENTEL, B. G.; MOREIRA, S. V. M.; SILVA, A. F. Avaliação dos rótulos de suplementos esportivos quanto à biodisponibilidade de micronutrientes. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 20-29, jan./fev., 2007.

PIRES, G. N.; SANTOS, M. L. C.; GIOVENARDI, M. Comparação da Concentração de Cálcio e Sódio em Suplementos Alimentares Proteicos Mediante Informações Nutricionais Contidas nos Rótulos dos Produtos, Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 10, n. 2, 2011.

PEREIRA, C. V. et al. Perfil do uso de whey protein nas academias de Curitiba-Pr, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 3, n. 17, p. 423-431, set./out. 2009.

PEREIRA, J. M. O.; CABRAL, P. Avaliação dos conhecimentos básicos sobre nutrição de praticantes de musculação em uma academia da cidade de Recife. Ver. Bras. Nut. Esp. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 40-47, jan./fev. 2007.

SERAFIM, T. S; JESUS, E. S; PIERIN, A. M. G. Influência do conhecimento sobre o estilo de vida saudável no controle de pessoas hipertensas, Acta Paul Enferm. V. 5, n. 23, p. 658-64, 2010.

SOARES, S. G. Utilização de suplementos nutricionais em praticantes de musculação em uma academia de Porto Alegre: Fatores Associados. 2014. 43f. Monografia (Graduação em Educação Física) - Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

SOUZA, A. C. R. et al. Análise centesimal e sensorial de diferentes marcas de whey protein comercializadas no Brasil. E-Scientia. Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 01-09, 2014.

STOPASSOLI, A. O Uso da proteína do soro de leite como suplemento nutricional por atletas, Facider Revista Científica. Colíder, Mato Grosso, n. 8, 2015.

TERADA, L. C et al. Efeitos metabólicos da suplementação do whey protein em praticantes de exercícios com pesos, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo, v. 3, n. 16, p. 295-304, jul./ago. 2009.

ZILCH, M. C. et al. Analise da ingestão de proteínas e suplementação por praticantes de musculação nas academias centrais da cidade de Guarapuava- Pr. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. São Paulo, v. 6, n. 35, p. 381-388, set./out., 2012.

9. ANEXO

Tabela de Marcas de Whey Protein Isolada e Concentrada sabor chocolate analisadas no trabalho

 

Sódio (mg)

1 - Integral Médica

 

Concentrada

74,5

Isolada

52

   

2 - Probiótica

 

Concentrada

129

Isolada

75

   

3 - Max Titanium

 

Concentrada

198,75

Isolada

66

   

4 - NeoNutri

 

Concentrada

21

Isolada

120

   

5 - Dymatize Nutrition

 

Concentrada

69,44

Isolada

53,5

   

6 - Black Skull

 

Concentrada

71,4

Isolada

46,3

   

7 - Solaris Nutrition

 

Concentrada

100

Isolada

53,2

   

8 - BR Nutrition Foods

 

Concentrada

115

Isolada

0,3

   

9 - Ultimate Nutrition

 

Concentrada

0

Isolada

43,6

   

10 - BodyBuilders

 

Concentrada

52

Isolada

115

   

11 - DNA

 

Concentrada

312

Isolada

235,5

   

12 - Health Labs

 

Concentrada

124,3

Isolada

53,5

   

13 - Nutriatina Age

 

Concentrada

121,2

Isolada

56,6

   

14 - THN

 

Concentrada

74

Isolada

70

   

15 - 4 Fuel

 

Concentrada

50

Isolada

37,74

   

16 - Atletica

 

Concentrada

144

Isolada

67,5

   

17 - BodyAction

 

Concentrada

148,5

Isolada

52,25

   

18 - Bodygenics

 

Concentrada

162

Isolada

65,25

   

19 - Scitec Nutrition

 

Concentrada

43

Isolada

75

   

20 - Universal

 

Concentrada

69

Isolada- Ultra Isso Whey

87,6

   

21 - 4 Plus

 

Concentrada

72

Isolada

75

   

22 - Bio Sport

 

Concentrada

32,4

Isolada

26,8

   

23 - Dr. Tannure

 

Concentrada

87

Isolada

116

   

24 - Gaspari Nutrition

 

Concentrada

171,4

Isolada

130,64

   

25 - MHP

 

Concentrada

130,76

Isolada

285,7

   

26 - Nutek

 

Concentrada

124,7

Isolada

174,84

   

27 - Recover

 

Concentrada

115

Isolada

0,3

   

28 - Nitech Nutrition

 

Concentrada

222,5

Isolada

58,5

   

29 - Midway Labs

 

Concentrada

135,75

Isolada

59,1

   

30 - Midway Usa

 

Concentrada

59

Isolada

106,45

   

31 - Body Nutrition

 

Concentrada

107

Isolada

108

   

32 - BSN

 

Concentrada

110,76

Isolada

150

   

33 - Cytosport

 

Concentrada

54,54

Isolada

110

   

34 - Engineered Nutrition

 

Concentrada

93,75

Isolada

60

   

35 - Maxx Performa

 

Concentrada

94,5

Isolada

58

   

36 - Performance Nutrition

 

Concentrada

82,5

Isolada Protein

58,68

   

37 - Peter Food

 

Concentrada

105,78

Isolada

67,27

   

38 - ProN2

 

Concentrada

75,38

Isolada

34

   

39 - Pró Premium Line

 

Concentrada

73

Isolada

76,53

   

40 - TwinLab

 

Concentrada

54,54

Isolada

58

   

41 - Nature’s Best

 

Concentrada

53,57

Isolada

242,1

   

42 - New Millen Protein

 

Concentrada

166,4

Isolada

52,74

OBS: Em respeito às marcas de suplementos alimentares o anexo não corresponde as marcas descritas na tabela 1 e 2. *


Publicado por: Joao Victor Pardini Pereira

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola