Topo
pesquisar

Entrevista para o ingresso na pós-graduação: aspectos pertinentes

Regras da ABNT

Muitos são os aspectos observados pela banca durante a entrevista para o ingresso na pós-graduação.

Você, nós, enfim, todo ser humano, por mais desinibido (a) que se mostre, um fato é certo: estando prestes a passar por mais uma etapa da vida como acadêmico, tão logo começam a surgir aquelas palpitações, frio na barriga, suor excessivo em algumas partes do próprio corpo, sobretudo nas mãos e nos pés, enfim. São prenúncios de que terá de passar pela tão temida entrevista, ora concebida, dentre tantos outros, como requisito fundamental para o ingresso no curso de pós-graduação, especialmente dizendo, no mestrado e no doutorado. No entanto, apesar de tais contratempos, inevitáveis por sinal, o que toda pessoa deve ter em mente é que são apenas barreiras que, uma vez tomadas para si, apenas tendem a atuar de forma negativa, contrária aos objetivos a que se propõe. Nesse sentido, vale afirmar que uma grande conquista já foi anteriormente adquirida, pois se encontrar nesse contexto já significa que duas das exigências já foram de todo realizadas: a análise de currículo e a prova escrita.

Nesse sentido, atendendo ao intuito de deixar você, caro usuário, um tanto quanto mais familiarizado acerca dos aspectos inerentes a essa fase, o artigo em questão tem por finalidade realizar algumas abordagens e, de certa forma, desmitificar, quebrar alguns paradigmas no que tange a esse assunto, lembrando-se de que alguns pontos, nesse momento, são amplamente pertinentes. Um deles diz respeito à familiaridade que você estabelece com o seu projeto de pesquisa, justamente no intuito de atender às propostas da banca, haja vista ser esse o objetivo da maioria dos avaliadores: ter a certeza de que você realmente se apropria dos argumentos nele firmados, levando em conta a originalidade da pesquisa por você desenvolvida, a metodologia utilizada e, sobretudo, se certamente será capaz de colocar em prática tudo aquilo que planejou. Não menos relevante, nem deixado em segundo plano, está a sintonia entre as informações registradas no currículo, haja vista que as intenções se voltam para a análise das suas experiências profissionais e/ou acadêmicas durante toda a graduação. Por essa razão nunca é demais deixar registado todos os congressos de que já participou, bem como os projetos de iniciação científica, conferindo, assim, ainda mais credibilidade às informações prestadas.

Outro aspecto, que também integra os posicionamentos a serem tomados, diz respeito ao fato de deixar ou não claro a necessidade da bolsa, pois mesmo que consiga vencer todas as etapas, pouco prováveis serão as chances de permanência no curso, dada a escassez de recursos financeiros para tal. Não somente isso, deixar aparente a sua familiaridade com as linhas de pesquisa ora oferecidas, bem como com as disciplinas do curso, demonstra para a banca que você se apresenta como alguém informado (a) acerca do que se encontra à sua espera logo adiante.

Sem nos esquecermos, obviamente, de que o modo como o candidato se mostra no que se refere aos objetivos e à motivação de conquistar algo a que se propõe demonstra se tratar, para a banca, de alguém realmente disposto(a) a encarar desafios constantes, como já é sabido, pois comprometimento e dedicação caminham juntos para a conquista de um resultado promissor, mesmo porque prazos são estabelecidos e, necessariamente, cumpridos à risca. Por isso, uma das razões dessa análise se resume justamente em checar esse nível de dedicação.


Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola