Topo
pesquisar

Coesão e Coerência na redação científica

Regras da ABNT

A coesão e coerência se definem como elementos necessários à clareza, precisão e objetividade, sobretudo em se tratando da redação científica.

Referimo-nos a dois elementos que, não somente na redação científica, mas também nas demais circunstâncias em que o texto representa fator de ordem, definem-se como essenciais, vitais ao discurso. Digamos que ambos se interrelacionam entre si, de modo que se a coesão não se fizer presente, obviamente que coerência também não manifestará.

Assim, partindo do pressuposto de que os parágrafos em um determinado texto cumprem a função de organizar as ideias abordadas, faz-se necessário que estejam atrelados um ao outro por meio de uma relação harmoniosa - fato que se dá por intermédio de determinados recursos linguísticos que tendem a fazer com que a articulação do discurso se dê de forma plausível. Recursos esses representados pelos conectivos, que nada mais são que as conjunções, preposições, pronomes e advérbios.

Dessa forma, pelo fato de representarem elementos conectores que se manifestam mediante o encadeamento semântico (relativo ao significado) e sintático (relativo aos mecanismos que unem uma oração à outra), cumprem o papel de estabelecerem a coesão. Dessa forma, lançando mão de uma diversidade de conectivos que a própria língua nos oferece, certifiquemo-nos de alguns deles, tendo em vista, sempre, o sentido que representam:

# Adição, continuação = também, por outro lado, não só...bem como, além disso, ainda mais, não apenas...como também.

# Semelhança, conformidade, comparação = da mesma forma, segundo, conforme, de acordo com, do mesmo modo, bem como, igualmente, assim também.

# Contraste, oposição, ressalva = exceto, todavia, pelo contrário, mas, contudo, embora.

# Causa e consequência, explicação = por conseguinte, de fato, pois, já que, de tal forma que, por isso.

# Alternativa = ou... ou, ora...ora; já...já; nem...nem; quer...quer. 

# Lugar, proximidade, distância = próximo a, perto de, aqui, onde, aonde, em que.

# Certeza, ênfase = inegavelmente, certamente, sem dúvida.

# Condição, hipótese = se, caso, eventualmente.

# Prioridade, relevância =principalmente, sobretudo, acima de tudo, em primeiro lugar, antes de mais nada.

# Resumo, recapitulação, conclusão = em resumo, em síntese, enfim, dessa forma, pois, dessa maneira.

# Propósito, finalidade, intenção = a fim de que, para que, com o propósito de.

# Tempo, indicando sucessão, frequência, duração, anterioridade, posterioridade = logo após, enfim, logo, atualmente, sempre, raramente, desde que, atualmente, então.

A coerência, como afirmado anteriormente, depende dessa relação harmônica entre os parágrafos, haja vista que se as ideias se evidenciam de forma ordenada, de forma bem distribuída, indubitavelmente o sentido, a clareza e a precisão expressos no discurso irão se manifestar de forma satisfatória. Portanto, cabe afirmar que ela (a coerência) diz respeito à lógica interna expressa no texto, levando em consideração alguns fatores, tais como o conhecimento de mundo do leitor, a adequação ao gênero textual em evidência (aspectos estruturais) e a própria lógica interna do texto (sentido).

Em face de tais pressupostos, caro(a) usuário(a), e por que não dizer caro(a) pesquisador(a), atente-se para o fato de que, entre os passos que terá de cumprir, um deles será a redação de tudo aquilo que desenvolveu durante o trabalho que se propôs a realizar. Por isso, dicas como essas tendem a ser bem-vindas e, portanto, bastante proveitosas. Nesse sentido, esperamos ter contribuído de maneira significativa para a edificação e solidez dos resultados, dos objetivos a serem conquistados.


Publicado por: Vânia Maria do Nascimento Duarte

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola