Topo
pesquisar

Mecanismo de Defesa

Psicologia

Mecanismo de Defesa, saiba quais são os Mecanismo de Defesa, Sublimação, Deslocamento, Isolamento, Regressão, Identificação, Formação reativa, Racionalização.

Freud relacionou vários mecanismos de defesa utilizados por nós, veremos os mais importantes:

1.Repressão: impede que pensamentos dolorosos cheguem à consciência, afastando a lembrança de determinados fatos, apesar de continuar armazenados no inconsciente. EX: Sintomas histéricos, fobias, rigidez;

2.Cisão: divide o objeto entre o amor e o ódio, é mais analítico e procura convencer que não vale a pena, que não compensa, que deve ser evitado;

3.Negação: tiram da percepção os aspectos perigosos que machucam, procura negar fatos que perturbam. EX: a lembrança incorreta de um fato desagradável acontecido muito tempo atrás. Certas pessoas chegam a não lembrar nem mesmo de que houve o fato;

4.Projeção: projetamos ao mundo externo aquilo que não podemos ver em nós, que nos é doloroso, desagradável. Criticamos atos dos outros praticados, também, por nós, atribuímos defeitos aos outros que são nossos e não suportamos. Pode aparecer também no amor ou ódio que temos por um artista, que gostaríamos de ser igual. Nessa linha de pensamento,é uma maneira de dar sentido à nossa vida, mesmo que provisória;

5.Racionalização: são as premissas lógicas que ajudam a afastar da nossa vivência afetiva certos fatos que nos causam dor, sofrimento. São os motivos lógicos e racionais que encontramos para afastar pensamentos, lembranças etc. Disfarçamos os verdadeiros motivos que nos incomodam;

6.Formação reativa: hábito psicológico oposto ao desejo recalcado. É a inversão do verdadeiro desejo. Às vezes um problema nascido na infância ou na adolescência é contrariado a vida toda, mas o valor continua importante. Aquilo que causa sofrimento acaba recebendo uma reação contrária em nossos atos;

7.Identificação: identificamos com valores pessoas e procuramos imita-las. Para os estudiosos da Psicanálise, a imitação está relacionada, também, com a educação escolar, aprendemos, também, pela imitação, com aquilo que identificamos e preservamos como modelo;

8.Regressão: volta aos níveis anteriores, diante de frustração, é primitivo e não apresenta uma solução no momento, apenas regride e continua no inconsciente;

9.Isolamento: isolamos desejos permanentes, pensamentos, atitudes, comportamentos, para não sofrer;

10.Deslocamento: descarregamos a nossa agressividade em pessoas ou objetos menos perigosos. Diante do nosso chefe onde trabalhamos, mesmo sendo pisoteados, ficamos controlados, depois descarregamos em outras pessoas ou objetos. Muitas brigas em família são provocadas por acontecimentos externos e, às vezes, atiramos um objeto ao solo, descarregando a energia suficiente para agredir uma pessoa;

11.Sublimação: são os mais evoluídos de todos os mecanismos de defesa. Canalizamos os desejos afetivos para outras atividades ou alvos; descarregamos nossa energia acumulada em outras áreas, minorando a tensão e o sofrimento. 

FASES DO DESENVOLVIMENTO

Freud dividiu as fases do desenvolvimento de uma pessoa em oral,anal, fálica,latência e genital. Veremosas explicações sobre cada uma delas.

1. Fase Oral. Ao nascer, a estrutura sensorial do bebê é a boca. Por ela, começa a conhecer e ter contato com o mundo. A libido é a energia afetiva que mobiliza o organismo, e é em torno da zona oral, começando pelo seio da mãe, que se relaciona com o mundo exterior;

2. Fase Anal. Inicia por volta dos dois anos, começando a projeção e controle do próprio organismo. A libido vai para a localidade anal, a criança vai aprendendo a controlar suas necessidades fisiológicas e a brincar com ela mesma.

3. Fase Fálica. Inicia, aproximadamente, aos três anos de idade e vai até o próximo dos seis. Aos poucos, a libido passa para os órgãos genitais, começando a masturbação; surgem fantasias, mentiras e verdades. A criança conta uma história, que sabemos não ser verídica, mas ela tem toda a convicção. É uma época de fantasiar a realidade, período sincrético.Nessa época se começa a perceber a diferença entre os sexos opostos. Pode surgir o complexo de Édipo, quando o menino se apaixona pela mãe ou a menina pelo pai;

4. Fase da Latência. Aproximadamente dos seis aos doze anos, começa o interesse pelo sexo oposto, ajustando-se ao mundo externo. Há um aumento pela curiosidade sexual e é para onde o gosto vai aos poucos se direcionando;

5. Fase Genital. Atinge quando adulto; aprende a competir, amar, ter pleno prazer nas realizações, decisões. Desenvolve o intelecto e o social, vai se adaptando à sociedade, ao mundo que o cerca.


Publicado por: Renata Gonçalves

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola