Topo
pesquisar

Mesopotâmia

História

Mesopotâmia, O berço das primeiras civilizações, O Estado e as desigualdades sociais, Povos Mesopotâmicos, Uma história de sucessivas conquistas, Sumérios, Acádios, Amorritas, Assírios, Caldeus, Sociedade, A divisão entre ricos e pobres, Economia.

O berço das primeiras civilizações

Mesopotâmia (do grego, entre os rios) ficava entre os rios Tigre e Eufrates, no território do atual Iraque. Apesar de atualmente não ser uma região muito especial, exceto pelo petróleo e os conflitos constantes, na época era um lugar muito privilegiado. Com cheias dos rios as terras eram fertilizadas pelo limo e húmus (material orgânico em decomposição). Os rios favoreciam a pesca e havia caça abundante e condições para criar animais nas margens dos rios.

O Estado e as desigualdades sociais

Havia a necessidade da construção de diques para conter violentas enchentes, devido a isso precisava-se de planejamento e estocagem da produção, por isso organizou-se o Estado, como um meio de administrar essas necessidades. Os governantes aproveitaram-se da situação para enriquecerem.

Assim, as terras, que antes eram comunais, passaram a ser do Estado e, com o tempo, as elites guerreiras tomaram as melhores terras que o governo controlava. Essa elite associou-se a sacerdotes e grandes comerciantes, formando a classe exploradora.

Povos Mesopotâmicos

Uma história de sucessivas conquistas

Historia da Mesopotâmia é marcada pela sucessão de guerras entre povos que disputavam as melhores terras para cultivo. Além disso, os exércitos usavam táticas de pilhagem e escravizavam outros povos. Entre esses povos destacam-se sumérios, acádios, amorritas (antigos babilônios), assírios e caldeus (novos babilônios).

Dessa forma, vemos que a Mesopotâmia não era um só povo, mas sim um conjunto de povos que lutavam entre si pelo domínio das melhores terras.

Sumérios: a mais antiga civilização

Fundaram Ur, Uruk, Nippur, Lagash e Eridu. Todas essas cidades eram cidades-Estados e muito guerrearam por disputas comerciais e políticas.

O centro político, religioso e econômico das cidades sumerianas eram os templos e o chefe absoluto desses templos chamava-se patesi (vigário de Deus). O patesi era ajudado pela elite aristocrática (funcionários públicos que ocupavam altos cargos) e os sacerdotes.

Aos sumérios atribuem-se inovações como a roda e a escrita.

O aparecimento da escrita, inicialmente, destinava-se a contabilidade dos templos, que acumulavam através das oferendas de escravos, rebanhos e terras. Os sacerdotes tinham que registrar operações como empréstimos, pagamentos e mercadorias acumuladas. A partir de aproximadamente 3000aC passou a utilizar a escrita também no registro literário, religioso e jurídico. Originalmente, essa escrita era feita em argila mole com estiletes em forma de cunha, por isso ela é chamada de cuneiforme.

Acádios: os guerreiros de arco e flecha

Cidades sumerianas ocupavam melhores terras, por isso chamava a atenção dos acádios, povo da cidade de Acad. Em aproximadamente 2500aC, acádios dominaram cidades da Suméria. Os Acádios utilizavam arco e flechas, mostrando-se mais rápidos que a infantaria (tropas a pé) sumeriana, com seus escudos e lanças pesadas. Comandados por Sargão I, acádios fundaram o primeiro Império Mesopotâmico, que se expandiu do golfo Pérsico até as regiões de Amorru e Assíria. Com a morte de Sargão I, crescia luta de sumérios por sua liberdade.

Amorritas: a primeira idade da glória da Babilônia

Originários do deserto arábico, amorritas chegam a Mesopotâmia por volta 2000aC, estabelecendo-se na Babilônia, por isso eram conhecidos como babilônicos. Seu mais importante rei foi Hamurábi (1728-1686 aC), que ampliou poderes econômicos e políticos na região, derrotando os vizinhos e dominando toda a Mesopotâmia, desde o golfo Pérsico até o norte da Assíria.

Para regulamentar a vida econômica e a propriedade da terra, Hamurábi criou um código de leis, o Código de Hamurábi, primeiro código escrito que se tem noticias. Para a punição havia a Lei de Talião, determinando que a pena fosse a mesma que o crime cometido, olho por olho, dente por dente. Alguns exemplos de punições desse código eram: se um filho batesse com as mãos no pai, teria suas mãos cortadas; se um médico tratasse feridas graves com faca de bronze e o paciente morresse, o médico teria suas mãos cortadas; se um homem furasse o olho de um homem livre, teria seus olhos furados; se fosse de um escravo, teria que pagar metade do valor desse...

Após a morte de Hamurábi, Império Babilônico entrou em decadência e foi invadido por vários povos, como hititas e cassitas. Durante mais ou menos quatro séculos, os Cassitas dominaram a região, sendo por fim submetidos pelos assírios.

Assírios: os terríveis guerreiros

Derivado de Assur, que significa lugar de passagem, era uma região do norte da Mesopotâmia, utilizada como passagem natural entre a Ásia e o Mediterrâneo. Por ser de fácil acesso e ter muitos atrativos sofreu muitos ataques. Esse perigo constante provavelmente desenvolveu espírito guerreiro nos assírios. Eles organizaram um dos primeiros exércitos permanentes do mundo. Comandos por reis como Sargão II, Senequerib e Assurnipal, os assírios fizeram grandes conquistas e construíram um dos maiores Impérios da antiguidade. Do século VIII ao VI aC dominaram região que incluía Mesopotâmia, Egito e Síria.

Exercito assírio foi dos mais poderosos de seu tempo: infantaria era equipada de lanças, espadas e escudos de ferro; cavalaria de carroças de combate com rodas reforçadas.

Os Assírios eram um dos povos mais cruéis, não se contentavam com a simples vitória, mas massacravam os vencidos, torturando-os, queimando e destruindo as cidades conquistadas. Os povos submetidos procuravam libertar-se desse terror, promovendo várias revoltas e enfraquecendo paulatinamente os assírios. Em aproximadamente 612aC, os caldeus e os medos aliaram-se e destruindo o Império Assírio até seu fim.

Caldeus: a segunda idade de glória da Babilônia

Com o fim do Império Assírio a Babilônia ficou independente, mas logo após foi dominada pelos caldeus. Esses neobabilônicos reconstruíram-na, tornando-a uma das cidades mais opulentas da Antiguidade. Seu principal rei foi Nabucodonosor, responsável pela construção dos Jardins Suspensos da Babilônia e da Torre de Babel. Realizou diversas conquistas militares como a tomada de Jerusalém (586aC), submetendo os judeus como escravos. Apesar disso não durou muito o domínio caldeu. Em 539aC, os persas, liderados por Ciro, conquistaram e anexaram a Babilônia.

Sociedade
A divisão entre ricos e pobres

Organização social variou muito pelos séculos, mas de modo geral podemos falar:

· Dominantes: governantes, sacerdotes, militares e comerciantes.

· Dominados: camponeses, pequenos artesãos e escravos (normalmente presos de guerra).

Dominantes detinham o poder de quatro formas básicas de manifestação desse poder: riqueza, política, militar e saber. Posição mais elevada era do rei que detinha poderes políticos, religiosos e militares. Ele não era considerado um deus, mas sim representante dos deuses.

Os dominados consumiam diretamente o que produziam e eram obrigados a entregar excedentes para os dominantes.

Economia

O modo de produzir e as atividades econômicas

Organizava-se pelo modo de produção asiático:

· Terras pertenciam ao Estado e eram utilizadas pela comunidade;

· Classes dirigentes administravam o Estado;

· Estado dirigia o trabalho da sociedade;

· Maior parte da sociedade servia aos governantes, devendo-lhe obediência e tributos.

Atividade agropastoril

Agricultura era principal atividade mesopotâmica, destacando-se o cultivo de: cevada, trigo e tâmara. A agricultura estava ligada a pecuária, cuja criação mais importante era a bovina que fornecia carne (artigo de luxo), leite e couro, alem de ser usado para puxar carroças e para o arado. Também se destacava criação de asno, muito usado para transporte terrestre.

Atividades urbanas

Citamos as oficinas de artesãos onde se incluía os alfaiates, carpinteiros, metalúrgicos, ourives, cortadores de pedras, ceramistas, tecelões etc. O comércio a longa distancia também teve grande importância, caravanas terrestres levavam produtos agrícolas e artesanais, principalmente lã, em troca de matérias-primas da vizinhança, madeira, pedras duras, cobre, estanho, ouro e prata. Até o século VI não havia moeda cunhada na Mesopotâmia, a cevada e metais como ouro e prata eram usados como valor padrão, já o pagamento de mercadorias importadas era feita em lingotes de metal.

Cultura e Mentalidade

A importância dos deuses 

A Mesopotâmia foi marcada pela importância de deuses, ritos, da astrologia e por uma produção artística onde se destacava a arquitetura.

Deuses e astrologia

Eles eram politeístas (vários deuses), entre principais deuses estavam: Anu, deus do céu; Ishtar, deusa do amor; Shamash, deus do sol e justiça. Cada cidade-Estado tinha seu deus protetor e quando uma dominava outra, impunha seu deus.

Os mesopotâmicos também acreditavam em muitos demônios e, para evitá-los, praticavam vários rituais mágicos, onde animais eram sacrificados.

A astrologia também tinha muitos seguidores, os 12 signos já eram conhecidos e os astrólogos faziam os horóscopos.

Produção artística

A arquitetura mesopotâmica construía belos templos e palácios, destacando-se zigurates (construções de vários andares, cada um menor que o outro). Como a Mesopotâmia não tinha pedras duras as edificações eram feitas de tijolos e grande parte não resistiu à erosão.

Na literatura destaca-se a Epopéia de Gilgamesh, sobre as aventuras de amor e bravura de um herói que desejava o segredo da imortalidade.


Publicado por: Francisco Furtado Gomes Riet Vargas

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola