Topo
pesquisar

A motivação na educação a distância: o papel do tutor na educação a distância - EAD pela SENASP

Educação

Os cursos em Educação a Distância – EAD - envolvem diversas questões que vão além da educação presencial, essa modalidade de ensino conta com um personagem considerado essencial para o sucesso, o tutor.

índice

1. RESUMO

A educação a distância não é algo novo e está presente hoje, praticamente, em grande maioria das instituições de ensino. As instituições públicas se utilizam dessa modalidade para trabalhar o ensino com uma forma de investimento, valorização de seus quadros internos e aprimoramento de seu pessoal. Dessa forma, surge no ano de 2005 a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, com uma escola virtual que tem como objetivo o aperfeiçoamento do capital humano, focando seus cursos na melhoria da qualidade dos serviços de segurança pública oferecidos pelos órgãos de segurança pública em todo o país. 

Como os cursos em Educação a Distância – EAD - envolvem diversas questões que vão além da educação presencial, essa modalidade de ensino conta com um personagem considerado essencial para o sucesso o tutor. Este trabalho tem como objetivo analisar o papel dos tutores na REDE EAD – Senasp quanto à motivação e interação com seus alunos; propor formas de se trabalhar a interação, atividades, diálogo e a motivação juntos aos discentes que frequentam os cursos aferidos por essa secretaria.

Palavras chaves: Motivação, Interação, EAD e Tutor.

ABSTRACT

Distance education is not a new thing and is present today practically in most educational institutions. Public institutions have been used this type of teaching as a form of investment, valuation of its internal staff and improvement of its own staff. Thus arises in the year of 2005 the National Secretariat of Public Security of the Ministry of Justice with a virtual school that has goals in the improvement of human capital by focusing their courses on improving the quality of public safety services offered by public safety agencies throughout the country.

Because ODL course involve many issues beyond the classroom education also feature a character that is essential to the success of the learning: the tutor. This work aims to analyze the role of tutors in distance education NETWORK – Senasp about the motivation and interaction with their students. Propose ways of working interaction, activities, dialogue and motivation together with students who attend the courses inspected by this department.

Keywords: Motivation, Interaction, EAD and Tutor

2. INTRODUÇÃO

A motivação1 que também pode ser tida como um movimento interno que leva qualquer ser humano à ação, também deve estar presente nos cursos de Educação à Distância. Se o indivíduo compreende a motivação como algo que está ligado ao homem ao longo de sua vida, pode-se afirmar que diversos fatores contribuirão para que o mesmo esteja motivado.

Nas “organizações”, a motivação é o processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos trabalhos de uma pessoa para o busca/alcance de determinada meta (ROBBINS, 2002), onde intensidade refere-se a quanto trabalho uma pessoa despende.

Entretanto, a intensidade não é capaz de levar a resultados favoráveis, a menos que seja conduzida em uma direção que beneficie a “organização”. Os indivíduos motivados se mantêm na realização da tarefa até que seus objetivos sejam atingidos (ROBBINS, 2002).

A EAD, em vista disso, se caracteriza como um processo de ensinoaprendizagem mediado por tecnologias e/ou mídias, através das quais tutor e aluno se encontram, grande parte das vezes, separados. A educação a distância caracteriza-se, entretanto, como uma “nova forma de aprendizagem”, que exige formas peculiares de parceria entre aluno e tutor na construção do conhecimento.

De acordo com Behrens,

Num mundo globalizado, que derruba barreira de tempo e espaço, o acesso à tecnologia exige atitude crítica e inovadora, possibilitando o relacionamento com a sociedade como um todo. O desafio passa por criar e permitir uma nova ação docente na qual professor e alunos participam de um processo conjunto para aprender, de forma criativa, dinâmica e encorajadora, e que tenha como essência o diálogo e a descoberta (2000, p. 78).

Ainda, para Behrens (2000, p.69), “as exigências da economia globalizada afetam diretamente a formação dos profissionais em todas as áreas do conhecimento”. Isso significa que o discente – no contexto mundial – não pode se resumir a um ser passivo, que escuta, lê e repete os ensinamentos do professor.

No caso em especial da EAD o aluno quando se sente motivado se dedicará de forma mais tranquila e será seguro em suas atividades e estudos, o que o tornará mais dinâmico e autônomo quanto à realização de seus trabalhos. Pode-se dizer que um aluno motivado é um aluno dedicado, comprometido, curioso e interessado sempre em querer saber mais e explorar mais do que lhe é apresentado.

Sendo assim não se pode deixar de apontar o quão importante é o trabalho de uma tutoria comprometida e profissional, pois o tutor, mesmo em um processo de educação à distância, deve propiciar ao aluno condições para o seu desenvolvimento integral, entendido como a aquisição de consciência sobre si e a realidade que está à sua volta (Freire,1981, p.9).

A definição de educação a distância nos leva a pensar em distância geográfica e isolamento. Não obstante, este é o ponto chave da EAD: superar qualquer distância, aproximar e interagir utilizando para isso meios tecnológicos, como internet, Windows Live Messenger, meios sociais (Twitter, Facebook e outros), blogger, telefone, e-mail e o principal, pessoas. Apesar de os tutores e demais envolvidos nessa modalidade estarem “do outro lado” desse processo de se trabalhar a educação a distância e muitas das vezes serem visualizados apenas através de fotografias em seus perfis, estes, em boa parte do tempo, estão comprometidos no ato de orientar da melhor forma possível esse aluno “distante”.

Assim, a EAD contribui, fazendo com que a educação desloque-se do contexto habitual da sala de aula e passe a interagir com seus alunos por meio de outras formas e materiais tecnológicos, mediando a construção do conhecimento do aluno. Em parceria com o trabalho em EAD, encontra-se a participação de um individuo que facilitará o percurso do aluno nessa metodologia, o tutor.

O tutor deve mostrar ao o aluno que apesar dele estar numa modalidade de educação à distância, este não receberá nada “pronto” de forma que não venha a exigir seu esforço e comprometimento. Para Moran (2000, p. 59), “a educação a distância não é um fast-food aonde o aluno vai e se serve de algo pronto”, em particular, porque esta é uma construção permanente de aprendizado, tanto por parte do aluno quanto do tutor. E, assim, é nas discussões do dia a dia, na análise do material selecionado, nas questões levantadas e nas trocas de experiências, a princípio, que o processo de aprendizagem baseado na EAD acontece. E a tutoria, no contexto a SENASP2, realiza a mediação e a orientação nas discussões, explora o conteúdo, instiga o aluno a visualizar o todo com suas referidas particularidades.

Visto posto, visando propor uma forma mais dinâmica e produtiva de se trabalhar as tutorias nos cursos oferecidos pela SENASP este trabalho poderá servir como uma orientação aos futuros tutores acerca de como melhor motivar e instigar os seus alunos durante os cursos. Para tal, serão também propostas formas de se utilizar e explorar os recursos, hoje disponíveis pela internet. 

Pretende-se trabalhar a questão da motivação na educação à distância focando a pesquisa no papel do tutor como um coordenador, educador, orientador, um ponto de referência e apoio aos alunos da EAD pela SENASP; ou seja, aquele que sugere novos caminhos, fomenta pensamentos e faz, de forma gradativa, a interação entre os conteúdos e as práticas, induzindo o aluno a criar e/ou repensar conceitos que, sem dúvida, serão tão significativos quanto aos do ensino presencial. Sabe-se que a função e papel de uma tutoria é algo bem complexo, desafiador e que exige profissionais que estejam aptos e interessados em transformar por meio do conhecimento a rotina dos alunos. (SCHLOSSER, 2010).

Em suma, o tutor é aquele que em muitos momentos representa o curso e é por isso que autores depositam em sua atuação o sucesso ou não da educação a distância (SCHLOSSER, fev.2010).

Durante os diversos cursos feitos através da SENASP, é perceptível uma grande deficiência, por parte dos tutores, quanto à preocupação em estarem motivando e acompanhando os alunos durante todo o processo de aprendizado. A grande maioria desses profissionais se limitam apenas em acessar o Ambiente Virtual de Aprendizagem3 – AVA – criando as atividades, que são exigências para o exercício da tutoria, e alguns nem mesmo respondem ou interagem com seus alunos, quanto as participações nos fóruns. Este trabalho procura demonstrar o quanto é importante para o processo de aprendizagem e para o bom desempenho do aluno, o papel de um tutor que seja dedicado e interessado em despertar nos seus alunos a interatividade, motivação, o desejo pelo saber e acima de tudo a satisfação por estar, mesmo num processo de EAD, tendo a oportunidade de aprender. O tutor terá neste trabalho a oportunidade de vislumbrar o quanto é importante sua atuação e como ele, através de simples atitudes, poderá manter um aluno ativo e participativo, evitando assim que ocorra possíveis evasões nas turmas.

Diante disso foi aplicado um questionário para duas durmas de cursos da SENASP (Curso de Elaboração de Material para a Educação a Distância – EMEAD22SPMG03 – de 07/06/11 à 26/07/11 e o Curso de Gerenciamento de Crises – GDC23SPMG07 – de 13/09/2011 à 05/11/2011), além de terem sido realizadas entrevistas junto a alguns alunos que pertencem ao 27º BPM (Vigésimo Batalhão de Polícia Militar de Minas Gerais).

Também foi utilizada uma vasta bibliografia sobre os trabalhos de um tutoria com qualidade, motivação na EAD e outros. Este trabalho teve sua pesquisa dividida em capítulos onde se procura localizar a educação a distância no tempo e espaço; destacar a importância da tutoria para a SENASP, enfatizando as competências, habilidades e atitudes do tutor; os desafios da tutoria na motivação dos alunos na atualidade; o processo de ensino e aprendizagem na SENASP através dos fóruns e chat’s como ferramentas de motivação e de inclusão dos alunos; a utilização dos diversos recursos da internet como uma forma de melhor motivar os alunos; a relação tutor e aluno como base para o sucesso dos cursos oferecidos pela SENASP; e por último uma análise, do questionário aplicado a uma turma de alunos da SENASP, realizada através de uma comparação entre trabalhos de tutores antes e após o ciclo 22 (vinte e dois).

3. OBJETIVOS

3.1 Objetivo geral

O objetivo deste trabalho é demonstrar como a atuação efetiva do tutor junto aos alunos nos cursos da EAD pode refletir de forma positiva, atingindo assim os objetivos propostos nos curso de Educação a distância pela SENASP.4

3.2 Objetivos Específicos

Conscientizar os tutores da importância/responsabilidade de uma tutoria eficiente e focada na motivação dos alunos.

Demonstrar que a interação, principalmente os cursos da EAD, é o principal fundamento da educação e que esta irá garantir a qualidade de um curso à distância (PESSARINI, 2011).

Que a correta utilização dos recursos disponíveis pela internet é uma ótima ferramenta para se trabalhar a motivação e interação com os alunos na EAD. Servir de orientação aos futuros tutores da SENASP.

4. JUSTIFICATIVA

Tornou-se perceptível durante os diversos cursos feitos através da SENASP a grande deficiência por parte de um número considerável de tutores no quesito motivação dos alunos.

Percebe-se que muitos tutores se limitam apenas a acessarem o AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem), criando as atividade obrigatórias como fóruns e chats (MANUAL DO TUTOR, 2001, p. 17-18) não demonstrando assim preocupação com os andamentos das atividades, acessos, dificuldades e/ou formas de motivar os discentes no decorrer do curso.

É necessário que os tutores percebam que um dos grandes desafios a serem superados na EAD – educação a distância –, atualmente, é diminuir a distância que existe entre tutor e aluno. Que por mensagem de SMS5, Messenger6Blog7 e rede sociais8, os tutores devem está preparados para utilizarem de todos os recursos disponíveis ao seu alcance para se “aproximarem” dos alunos e assim instigá-los, motivando-os aos estudos e atividades. A SENASP, através de seu ambiente de aprendizagem dos cursos, já disponibiliza recursos que possibilitem certa interação, no entanto, não basta que os cursos sejam suficientes nestes aspectos, se os tutores não estiverem preparados para atender as expectativas básicas dos alunos.

[...] a questão da tutoria é, nesse momento, uma das mais relevantes a ser estudada e abordada, uma vez que a observação de alguns processos de formação, via EAD, vem apontando a atuação do tutor como decisiva para o sucesso da iniciativa e permanência do aluno até o final do curso. GIANNASI; ALMEIDA; CHANAN; LUNA; GATTI (2005 apud Villardi, 2005, p. 440).

Considerando também que a SENASP, através dos diversos cursos oferecidos, visa melhor capacitar os profissionais da área de segurança pública no país9 e considerando também que ela é “escola virtual destinada aos profissionais da segurança pública no Brasil” (Manual do Tutor, 2011, p. 8). Em razão disso verificou-se a necessidade da realização de um trabalho que, ao menos, pudesse servir de orientação aos que já são ou virão a ser futuros profissionais de tutoria da rede SENASP.

5. METODOLOGIA DE PESQUISA

Para atingir os objetivos propostos neste trabalho foi realizada uma pesquisa através de uma vasta bibliografia de diversos autores e obras relacionadas aos temas de motivação na educação, EAD, papel do tutor e diversos outros.

Também foi aplicado um questionário para duas turmas de cursos da SENASP (Curso de Elaboração de Material para a Educação a Distância – EMEAD22SPMG03 – de 07/06/11 à 26/07/11 e o Curso de Gerenciamento de Crises – GDC23SPMG07 – de 13/09/2011 à 05/11/2011), além de ter sido realizada uma entrevista junto a alguns alunos que pertencem ao 27º BPM (Vigésimo Batalhão de Polícia Militar de Minas Gerais).

Este trabalho, para melhor compreensão, foi divido em capítulos que explicitam a história da EAD, passando pela importância da tutoria para os cursos de EAD e os desafios do tutor na motivação dos alunos na atualidade, até a relação de interação entre tutor e aluno como base para o sucesso dos cursos oferecidos pela SENASP. Ao final será realizada uma análise quanto aos resultados obtidos pelo questionário aplicado e, a partir daí, será sugerida uma possível “linha de atuação” para os futuros tutores da rede SENASP.

6. A CONTEXTUALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SUAS DEFINIÇÕES

Neste capítulo será apresentada a contextualização da EAD no tempo e espaço. Demonstrar-se-á que a Educação a distância tem suas origens há bastante tempo, é longa e antiga, cheia de experimentações, sucessos e fracassos. Segundo trabalho exploratório ela teve seu marco inicial nas cartas de Platão e nas epístolas de São Paulo. Mais tarde, com o passar dos anos, surgiram novas iniciativas como as correspondências usadas no século XVII até meados do século XIX, chegando até os dias atuais.

Também serão apresentados alguns conceitos de EAD, procurando ressaltar a diferença quanto ao real significado de educação a distância e ensino a distância.

6.1 A EAD no mundo

Apesar de ter sua origem enraizada na história há muitos séculos, foi apenas no século XX, com o aprimoramento dos métodos utilizados, surgimento dos meios de comunicação mais eficientes e ágeis que ligavam tudo e todos em qualquer lugar do mundo, é que foi possível o surgimento de várias iniciativas que mudaram o cenário da educação a distância.

No século XVII, com o inicio da Revolução Científica, a modalidade de carta onde se comunicava pelo mundo e que era o recurso, naquela época, disponível para a trocar de conhecimento e informações foi uma forma clara de se ensinar. Segundo (LANDIM, 1997, p. 2, 3 e 4) podemos ter como marco da EAD naquele século o anúncio publicado na Gazeta de Bontom, no dia 20 de março de 1728, pelo professor de taquigrafia Cauçleb Phillips, que oferecia o seguinte anúncio: “[...] material para ensino e tutoria por correspondência[...]. Durante os anos que se seguiram ocorrem vários momentos que são considerados importantes para a EAD (LANDIM, 1997), como no século XIX quando no ano de 1840 é criado pelo inglês Isaac Pitman, um sistema de taquigrafia à base de fichas e intercâmbio postal com os alunos. Entre os anos de 1843 a 1891 surgem a Phonographic Correspondence Society, em Berlim, a Sociedade de Línguas Modernas patrocina os professores Charles Toussain e Gustav Laugenschied para ensinarem francês por correspondência, em Boston – EUA – surge a Sociedade para a Promoção do Estudo em Casa, também por iniciativa do reitor da Universidade de Chicago – W. Raineu Harper – é criado um Departamento de Ensino por Correspondência. Além desses marcos no século XIX existiram muitos outros no decorrer do século XX que reforçam a história da EAD.

O surgimento dos meios de comunicação em massa no século XX10 fez com que a educação a distância passasse a utilizar outras mídias como rádio e a televisão (ROMANI, 2000 apud ROCHA, 2002).

De acardo com (CHAVES, 1999) foi a escrita11, primeira tecnologia, que permitiu, de certa forma, a implementação da EAD como uma modalidade de se trabalhar o ensino/educação. Foi através dela que se criou a possibilidade do homem escrever/anotar tudo aquilo que antes só se podia dizer, permitindo assim a passagem do conhecimento de uns aos outros através da escrita e, consequentemente, o surgimento da primeira forma de EAD, ou seja, a transmissão do conhecimento/ensino através da grafia. Também sobre isso temos (Landim, 1997), que diz que a Educação a Distância teve seu início a partir do momento que o homem utilizou a linguagem escrita. Outro autor que destaca, como importante, essa questão das primeira formas de surgimento da EAD é DORNELLES (2001), que fala das epístolas12 do Novo Testamento como os melhores exemplos de EAD, na antiguidade, cujo alcance foi limitado, até que foram transformadas em livros. Além desses tem-se também a seguinte trajetória da origem da EAD:

Antes, a EAD existiu pela tradição oral– caso se queira considerar as epístolas dos apóstolos como cartas para ensinar os evangelhos às populações distantes e geograficamente dispersas. Depois, pelo correio– o chamado ensino por correspondência e, também pelo rádio, a partir das experiências pioneiras das escolas radiofônicas da Colômbia, do Brasil (em Natal), e de outros países da América do Sul, surgidas nos anos de 1920 e 1930. Hoje, por meio do uso combinado de recursos múltiplos que as tecnologias da informação e da comunicação (TICs) nos trazem, e pelas suas constantes inovações. [...] Se comparada ao ensino por correspondência, a EAD evoluiu muito nas últimas décadas. Hoje é possível se ter mediações mais diretas e imediatas por meio das modernas tecnologias da informação e da comunicação (TICs) com destaque para a rede mundial de computadores, a Internet, os vídeos e as teleconferências. Note que o avanço das tecnologias, em geral, aponta para algo nem sempre perceptível: o fato de que elas são, a um só tempo, objetos culturais e objetos de conhecimento. As tecnologias e os seus meios influenciam tudo: o modo de se ser, pensar, sentir, planejar e organizar o nosso tempo, as ações e a vida no seu todo. Há que se refletir sobre isso e intervir criticamente, sempre que preciso (SOUSA, 2007).

O avanço tecnológico e a Internet são suportes eficientes e ímpares para inovações na educação. Na atualidade há a possibilidade das pessoas acessarem salas de aula virtuais, grupos de trabalho em rede, campus eletrônicos e bibliotecas on-line. Atualmente, inúmeras ferramentas para EAD13 são propostas e desenvolvidas em todo o mundo. Os ambientes virtuais de aprendizagem possibilitam a autoria e gerenciamento de cursos a distância na Internet, facilitando o processo de cursos pela rede.

6.2 A EAD no Brasil

Enquanto que no mundo (nos séculos XIX e XX), já era presente a educação a distancia, no Brasil sua maior expressão surgiu a partir do final da década de 30 do século passado. Porém, na década de 20 já havia sinais da EAD com a Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro ( PIMENTEL, l995, p. 101-104). Como maiores expressões da EAD tivemos o Instituto Universal Brasileiro e o Instituto Padre Réus.

As primeiras iniciativas em educação a distância no Brasil se deram por meio de cursos por correspondência, o rádio e televisão foram usados como meios de apoio. Em meados dos anos 90, com a disseminação das tecnologias de informação e de comunicação, começam a surgir programas oficiais e formais de EAD, incentivados pelas secretarias de educação municipais e estaduais, algumas iniciativas isoladas e outras em parceria com as universidades.

As expressões dessa nova modalidade de se ensinar, tanto governamentais quanto privadas, foram muitas e representaram um grande avanço na educação a distância no país. A partir da segunda metade do século XX, em decorrência da expansão e das novas abordagens para a educação a distância, cresceu significativamente o número de pesquisadores dedicados aos estudos da EAD, discutindo-se, entre outros aspectos, suas diferentes interfaces, modos de distribuição, metodologia e forma de interação com os alunos. Esse último, que será bem abordado neste trabalho, veio as sofrer modificações, aprimorando e garantindo a melhor participação, interação e motivação dos alunos.

Após todo um processo de implementação e solidificação da EAD no Brasil, é promulgada a Lei de Diretrizes e Bases na Educação Nacional n°9.39414, de 20 de dezembro de 1996, que em seu art. 80 veio a expressar os princípios gerais para desenvolver a modalidade de educação a distância no Brasil. O caput do artigo 80 da LDB, o mais conhecido por quem trabalha ou deseja trabalhar com Educação a Distância, ratifica os artigos anteriores estabelecendo: O poder Público incentiva o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada.

6.3 Distinções entre Educação a Distância e Ensino a Distância

A Educação a Distância apesar de não ser algo novo como a grande maioria imagina, tem como um dos seus maiores objetivos gerar condições e possibilitar meio de acesso à educação para todos aqueles que acabam não sendo atendidos pelas formas tradicionais de educação, ou seja, ela vem a proporcionar uma forma eficiente de inclusão social, pois torna o ensino acessível a grande maioria.

Porém quando se fala em EAD tonar-se necessário conceituá-la e para tal temos alguns autores que podem nos ajudar num melhor entendimento sobre essa modalidade de ensinar.

• Educação a Distância: A expressão educação a distância cobre um amplo aspecto de diversas formas de estudo e estratégias educativas, que têm em comum o fato de que não se cumprem mediante a tradicional e contínua contiguidade física dos professores e alunos em lugares especiais para fins educativos; essa nova forma educativa inclui todos os métodos de ensino nos quais, devido a separação existente entre alunos e professores, as fases interativas e pré-ativas do ensino são conduzidas mediante a palavra impressa e/ou elementos mecânicos e eletrônicos (Armegol, 1987 apud Landim, 1997) .
• Educação a Distância: É uma forma de educação em que há, normalmente, uma separação entre professor e aluno. Assim, o mundo escrito ou impresso, o telefone e o computador por exemplo, são como pontes entre eles (Mugridge, 1991 apud Landim, 1997).
• Educação a Distância: É a aprendizagem planejada que geralmente ocorre num local diferente do ensino e, por causa disto, requer técnicas especiais de desenho de curso, técnicas especiais de instrução, técnicas especiais através da eletrônica e outras tecnologias, bem como arranjos essenciais e organizacionais e administrativos (Niskier, 1999 apud Landim, 1997).
• Educação a Distância: É um sistema tecnológico de comunicação bidirecional, e que substitui a interação pessoal, na sala de aula, de professor e aluno, como meio preferencial de ensino, pela ação sistemática e conjunta de diversos recursos didáticos e pelo apoio de uma organização e tutoria que propiciam a aprendizagem independente e flexível dos alunos (Garcia, 1994 apud Landim, 1997).
• A Educação a Distância: É um conjunto imbricado de técnicas, práticas, atitudes, modos de pensamentos e valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço, isto é: do novo ambiente comunicacional que surge com a interconexão mundial de computadores e das memórias comunicacionais dos computadores; principal suporte de troca e de memória da humanidade a partir do século XXI; novo espaço de comunicação, de sociabilidade, de organização, de informação, de conhecimento e, claro, de educação. (SILVA, 2003).

Diante desses conceitos para Educação a Distância e segundo (LANDIM, 1997), torna-se necessário apontar uma situação interessante estabelecendo a seguinte distinção entre Educação a Distância e Ensino a Distância. O primeiro refere-se à prática educativa e o processo de ensino-aprendizagem que faz com que o aluno aprenda, crie, construa seu conhecimento, participando assim de seu próprio crescimento, já o segundo está vinculado aos treinamentos, fazendo com que o aluno possa estar livre a escolher as informações necessárias para o trajeto que escolheu.

6.4 A EAD pela SENASP

A convivência nas cidades trouxe consigo a necessidade do respeito aos direitos alheios, condição indispensável à harmonia social, sob pena da impossibilidade da manutenção da vida em sociedade. Visto que desde Aristóteles, entendia-se a importância do homem pertencer a uma Polis15, para o Filósofo o homem vivendo sozinho "ou é um Deus ou um bruto".

Como o ser humano vive constantes mudanças e a sociedade está sempre se aprimorando, os órgãos encarregados da segurança pública precisam estar se adaptando e se aperfeiçoando.

A EAD como uma forma de inclusão social a todos que não são atendidos pelo sistema convencional de educação e que também proporciona a possibilidade de expansão do conhecimento sem fronteiras e/ou “barreiras”, torna-se uma ótima opção e ferramenta para levar aos Encarregados de Aplicação da Lei os mais variados conhecimentos que envolvem a área de segurança pública.

Atualmente a sociedade clama por profissionais capacitados, conhecedores do direito e bem qualificados para que possam lhe proporcionar tranquilidade e segurança. Diante disso os desafios colocados aos profissionais da segurança pública na sociedade brasileira contemporânea exigem deles uma constante atualização e aprimoramento de seus conhecimentos e técnicas; requerem a aproximação entre teoria e prática, aprofundando a reflexão sobre sua própria experiência e ampliando-a com novas informações e relações.

Para tal e como forma de garantir uma educação sempre permanente e continuada que tenha condições de atender a essas necessidades, a EAD se destaca, cada vez mais como uma opção eficiente, em razão do seu grande potencial de facilitadora ao acesso dos processos de aprendizagem, propiciando a diminuição das barreiras geográficas, de tempo e de despesas. Hoje, em uma única turma de um curso da EAD da SENASP pode-se ter alunos do sudeste até a região norte do Brasil.

Diante dessas questões, e visando garantir uma melhor qualificação, preparo e qualidade nas atividades desempenhadas pelos profissionais de segurança publica, foi criada em 2005 pela SENASP juntamente com a Academia Nacional de Polícia16 (ANP), a Rede Nacional de Educação a Distância17 (Rede EAD) que veio a ser uma escola virtual que visa a atender os profissionais de segurança pública, tendo como objetivo principal o investimento na pessoa do profissional, na valorização deste e, como reflexo, uma melhoria nas ações e atividades de segurança pública no Brasil. Com essas ações procura-se viabilizar aos Encarregados de Aplicação da Lei18 (EAL) a educação continuada, integrada e qualificada, de forma gratuita.

Dessa forma a SENASP, para tanto, procura adotar a seguinte linha de ação:

- Dotar as Unidades Federativas (UFs) de um ambiente de ensino, mediado pela tecnologia de TV digital e Internet para comunicação e informação;
- Disseminar/compartilhar conhecimentos e informações para todos os profissionais da área de segurança pública, estimulando doutrinas e práticas unificadas independentemente da distância;
- Favorecer o diálogo social entre as diversas instituições que 
compõem o Sistema de Segurança Pública (SSP);
- Ampliar a rede de pessoas que pensam e fazem a segurança pública;
- Contribuir para a integração dos profissionais da área de segurança pública;
- Promover a consolidação das políticas públicas na área de segurança pública;
- Implementar ações de formação permanente, de forma sistematizada;
- Registrar o capital intelectual das instituições/profissionais da área de segurança pública. (Manual do Tutor, 2011, p. 8).

A partir da implementação dessa rede de ensino, contínua e gratuita pela internet, a Secretaria Nacional de Segurança Pública passou a exercer um papel de destaque e verdadeira responsável pelos processos de educação em segurança pública. Promoveu-se assim a articulação, “quebra” de barreiras e a integração no que diz respeito a curso, instruções e formas de melhor qualificar os profissionais de segurança pública.

Através da EAD promoveu-se a integração das ações educacional presencial e a distância, respeitando e reconhecendo as peculiaridades e independência das instituições de segurança públicas em seu vários níveis.

No contexto de toda a estrutura da EAD – SENASP tem-se a participação desempenhada pelas tutorias. Essa rede de ensino é composta por uma gama de profissionais, meios e ferramentas que proporcionam o alcance dos objetivos propostos pela Matriz Curricular Nacional19. Dentre esses temos os tutores20, muita das vezes ex-alunos de diversos cursos oferecidos por essa rede de ensino, que serão os responsáveis por acompanhar os discentes no decorrer do curso, preparando atividades, resolvendo problemas, resgatando e motivando alunos.

É a partir do papel da tutoria, das funções e orientações estabelecidas pela Rede – EAD21 da SENASP, que se pretende mostrar o quanto é importante o papel de um tutor dedicado, compromissado e profissional na motivação e geração da interatividade entre os alunos durante todo o curso.

Através desta pesquisa será mostrado aos futuros tutores que a utilização de outros recursos, além do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), servirão de ferramentas para gerar a motivação, interatividade e resgate dos alunos. Ações simples como o uso de recursos extra como um blog, rede sociais, envio de sms e outros podem ser opções para o tutor diminuir a distância geográfica entre ele e os alunos, criando um vínculo de contato constante e passando assim ao discente aquela sensação de que o seu tutor está ali para ajudá-los e orientá-los em suas necessidades e dificuldades.

7. O PAPEL DA TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PELA SENASP: CARACTERÍSTICAS E QUALIFICAÇÕES DE UM TUTOR

Neste capítulo será abordado o papel de um tutor como um elemento importante na motivação e geração da interatividade nos alunos dos cursos da SENASP.

Também serão apresentados alguns conceitos, características e atribuições de um Tutor/Tutoria na EAD e na Rede SENASP.

7.1 O que é ser um Tutor na EAD e na Rede EAD – SENASP

Segundo LOCH (2009), tutor refere-se àquele que desempenha o papel de defender, guardar, preservar, sustentar e socorrer.

Analisando a trajetória da tutoria no tempo, tem-se que a mesma surgiu na Inglaterra, no século XV, com um dos objetivos de prestar apoio ao ensino universitário, e ajudar a cuidar da conduta dos alunos. Já em meado do século XIX, o tutor começa a ser visto como aquela pessoa que apóia o aluno individualmente, tendo agora sua atuação mais abrangida junto aos discentes. Naquela época o sucesso da tutoria refletiria do sucesso da universidade (LOCH, 2009, p. 12).

Com o passar dos anos em razão da evolução da sociedade e conseqüentemente do ensino, a tutor passa a ter um novo papel quanto a EAD. Na contemporaneidade esse profissional tem a função de orientar e acompanhar as atividades dos alunos. Atualmente este passou a se tornar um dos principais personagens para o sucesso da EAD (SCHLOSSER, fev. 2010).

É importante frisar que não existe um consenso quanto à definição de tutoria e que cada instituição de ensino estabelece as atribuições e orientações a seus tutores, naquilo que julgam mais importante para o alcance de seus objetivos e seu modelo de EAD.

A figura do Tutor na EAD surge dentro de um novo paradigma, ou seja, ele vem como uma figura educativa; mediador/facilitador do processo de ensino aprendizagem e um companheiro diante as dificuldades. Quanto às suas competências ele deve apresentar: domínio dos conhecimentos na área do saber, fluência tecnológica e comunicativa.

Também podemos definir tutor e tutoria desta maneira:

A tutoria pode ser entendida como uma ação orientadora global, chave para articular a instrução e o educativo. O sistema tutorial compreende, desta forma, um conjunto de ações educativas que contribuem para desenvolver e potencializar as capacidades básicas dos alunos, orientando-os a obterem crescimento intelectual e autonomia, e para ajudá-los a tomar decisões em vista de seus desempenhos e suas circunstâncias de participação como aluno. Por outro lado, a etimologia da palavra tutor traz implícito o termo tutela, proteção, tão comum no campo jurídico. A defesa de uma pessoa menor ou necessitada. Apropriada pelo sistema de Educação a Distância, (SÁ, 1998), tutor passou a ser visto como um orientador da aprendizagem do aluno solitário e isolado que, freqüentemente, necessita do docente ou de um orientador para indicar o que mais lhe convém em cada circunstância. Pode-se admitir plenamente que o Professor-Tutor seja denominado em outros sistemas similares como orientador acadêmico ou até facilitador (CARLOS, et al, 2004).

Para a REDE de Educação a Distância da SENASP, o tutor é aquele profissional, da área de segurança pública, indicados pelos tutores masters22 dos seus respectivos telecentros23. Esses tutores devem possuir conhecimentos necessários sobre os temas dos cursos nos quais atuam, por isso esses profissionais são selecionados para exercerem suas tutorias basicamente nos cursos dos quais já foram alunos. Através do manual do tutor todos os profissionais recebem todas as orientações necessárias sobre o AVA e sobre todos os recursos que eles dispõem para exercerem suas tutorias, além de contarem com apoio de uma equipe na estrutura Administrativa.

7.2 Funções e Competências de um Tutor

O tutor vem surgindo como um dos personagens-chave do processo educativo na EAD. Ele é o mediador das ações pedagógicas de interação entre professores, alunos e conteúdos. Além disso, deve atuar como um facilitador do processo de ensino-aprendizagem, tendo sua atuação voltada para a concretização dos princípios de autonomia e aprendizagem, contribuindo para a constituição de espaços colaborativos de aprendizagem nos ambientes virtuais.

Nesses e em outros ambientes de EAD, o tutor desempenha um papel. O mesmo poderá utilizar diferentes recursos tecnológicos, que vão desde os materiais impressos às modernas tecnologias da comunicação e informação, porém, sua principal atribuição em quaisquer das modalidades é proporcionar aos alunos a integração e interação com a proposta pedagógica do curso, conforme as orientações estabelecidas na Matriz Curricular Nacional24

O tutor deverá ainda ter a capacidade de realizar uma integração dos conteúdos trabalhados ao longo das disciplinas do curso. É necessário que ele tenha amplo conhecimento de sua função; que ele seja conhecedor de requisitos e estratégias que possam dar sustentação à sua atuação, de maneira que os conteúdos não se percam ou fiquem desconexos, mas tenham consistência suficiente para constituírem-se em um quadro que contemple o corpo de conhecimentos exigidos para cada curso.

Diante desses aspectos pode-se perceber também que o tutor deve apresentar algumas competências como domínio dos conhecimentos na área do saber, fluência tecnológica e ser comunicativo (DOMINGO, 2011).

Quanto às competências comunicativas esse profissional deve apresentar a dimensão cognitiva, ou seja, ter a habilidade e domínio quanto à expressão oral, a escrita, escuta e observação. Apresentando essas habilidades o profissional da tutoria terá condições de saber explicar aos seus alunos, através da fala e escrita, conseguirá escutá-los e terá condições de poder observá-los no decorrer das atividades. Também é necessário a um tutor o componente afetivo-motivacional que podemos explicar como sendo: primeiro, o componente afetivo que é aquela capacidade de ter a empatia, se colocar no lugar o outro; saber despertar na turma a emoção e contagiar os alunos com entusiasmo; conseguir propiciar a participação dos alunos na conversar e gerar a interatividade; ter o controle emocional. Já o segundo, o componente motivacional, está relacionado a ter disposição favorável para a comunicação e desfrutar da comunicação com todos.

Como trabalhar na EAD envolve lidar com alunos, muita das vezes, através apenas dos meio que não seja o contato pessoal, o profissional da tutoria deve possuir também, segundo Domingo (2011), a qualidade de uma personalidade com flexibilidade e assertividade. A flexibilidade diz respeito a aceitar as alternativas de respostas no processo de comunicação; ser adaptável e conseguir reajustar suas características de personalidade devido a lidar com um público variado e diversificado de alunos; saber mudar sua percepção dos outros se possível, e ter a capacidade de tolerar formas de pensar e concepções das mais variadas possíveis. Quanto à assertividade o tutor deve estar cônscio de que poderá ter que pedir ajuda ou ter que ajudar; que deve saber estabelecer limites no processo de comunicação, sem ser agressivo ou indelicado e que pode instituir uma harmonia entre a estimulação quanto aos acertos e censura dos erros.

Como esta pesquisa foca suas linhas de trabalho para a atividade de tutoria na Rede EAD da SENASP, é necessário destacar quais as competências que esses profissionais devem possuir para o correto exercício da tutoria na educação a distância voltada para os profissionais de segurança pública. Para isso temos o Manual do Tutor que defini os pré-requisitos para um Tutor, como se vê abaixo:

Em relação às ferramentas de trabalho:

- Saber utilizar a Internet e seus recursos de comunicação, tais como: e-mail, listas de discussão e salas de bate-papo;
- Utilizar todos os recursos disponíveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem para aplicar de forma completa e detalhada o material didático do curso.
Em relação ao conteúdo dos cursos sob sua tutoria:
- Identificar os pontos essenciais do conteúdo do curso;
- Dominar os principais conceitos e procedimentos abrangidos pelo curso;
- Relacionar casos, exemplos e problemas do dia-a-dia ao conteúdo do curso para ajudar na compreensão e motivação dos alunos.
Na relação com seus alunos:
- Identificar cada um de seus alunos e atendê-los individualmente e/ou em grupo;
- Esclarecer suas metas e atividades de tutoria no início do curso;
- Estabelecer com os alunos uma relação amistosa, cooperativa e incentivadora;
- Acompanhar o histórico, o “status” e os demais registros de cada aluno;
- Identificar as dificuldades dos alunos e auxiliá-los na sua superação;
- Estimular a colaboração entre alunos e/ou grupos de alunos com interesses comuns;
- Criar desafios, esclarecer dúvidas, estimular o estudo e facilitar a compreensão do conteúdo estudado;
- Orientar os alunos na realização de análises e sínteses, na avaliação de situações concretas e na aplicação de pontos da teoria às situações concretas analisadas;
- Corrigir e atribuir nota à participação nas atividades propostas, aos exercícios e provas.
Na relação com a Rede EAD:
- Estabelecer comunicação rápida e de nível elevado com os alunos, demais tutores, tutores masters e administração da Rede EAD, utilizando linguagem cordial, clara, simples e objetiva;
- Representar e defender o ponto de vista dos alunos junto aos responsáveis pelo curso e à administração da Rede EAD.
Na relação com seu próprio trabalho:
- Reconhecer as próprias limitações em face de uma dificuldade surgida durante a Tutoria e solicitar cooperação a um colega Tutor ou ao responsável pelo módulo ou curso;
- Manter compromisso constante com a qualidade do trabalho desenvolvido. (Manual do Tutor, 2008, p. 15-16). 

Nesse sentido, a atuação do tutor baseia-se em ter, além de capacidades pessoais e técnicas, consciência sobre a modalidade em que atua. Além disso, é necessário saber utilizar de forma competente as tecnologias de informação e comunicação, que, certamente, contribuem para desenvolver competências dos alunos e para gerar interatividade e colaboratividade entre o grupo.

7.3 O Tutor na EAD – Contribuições da Motivação para a aprendizagem On-line

A EAD é uma modalidade que possui potencialidade e versatilidade, pois ela proporciona ao aluno flexibilidade/controle do seu tempo e adaptabilidade de suas formas de estudo.

A discente da educação a distância deve estar ciente de que essa forma de se trabalhar o ensino irá exigir do mesmo as seguintes características: dedicação, esforço, tempo, comprometimento, autonomia e vontade de vencer seus objetivos.

Visando ser um facilitador e uma ferramenta que venha a despertar nos alunos a motivação e conseqüentemente gerar a interatividade, interesse e prazer pelos estudos, temos o Tutor, que através dos vários recursos disponíveis atuará durante o curso com um dos objetivos de motivar seus alunos na continuidade e no interesse para com as atividades, buscando assim não deixar o discente perder seu foco, evadindo do curso ou não interagindo nas atividades.

Para tanto e como já foi citado, uma das maiores ferramentas para a tutoria é a capacidade de trabalhar a motivação com os alunos através da EAD, ou seja, sem ter o contato pessoal/real com os mesmos e contando com os fatores da distância física e espacial, que, muitas das vezes, acabam sendo dificultadores de tal processo.

A motivação pode ser um elemento primordial para auxiliar os estudantes a superarem suas dificuldades, atingirem seus objetivos e alcançarem sucesso em seus estudos (MULLER, 2011).

Dessa a forma a motivação é defendida como um grande recurso para os tutores, quando bem usada, para estimular a permanência dos alunos no curso e gerar um aprendizado com qualidade. Para tal é necessário, como já foi dito anteriormente, compreender a motivação como algo que está ligado ao homem ao longo de sua vida.

Diante disso, é perceptível que através da motivação o tutor irá influenciar em uma aprendizagem com qualidade, no aprimoramento e melhoria da interação entre tutor e aluno.

8. A MOTIVAÇÃO COMO FORMA DE GERAR A INTERATIVIDADE NA REDE EAD: DESAFIOS E FACILITADORES

Neste capítulo serão apresentadas as formas de se trabalhar a motivação juntos aos alunos na Rede EAD – SENASP.

Este trabalho procurará mostrar como a motivação pode aproximar aproxima os alunos do curso e ajuda-los em seus rendimentos; e também como os fóruns, chats e recursos visuais são ótimas ferramentas aos tutores para gerirem/administrarem essa motivação.

8.1 Motivação na Rede EAD – SENASP.

Os cursos da SENASP apresentam uma característica peculiar: muitas vezes um tutor recebe uma turma para trabalhar e seus alunos são de variados Estados, podendo ser de São Paulo ao Maranhão. A motivação acaba ser tornando uma ferramenta de extrema necessidade e de alta importância para o exercício de uma tutoria com qualidade.

Quando do início de uma turma e visando mostrar ao aluno que ele pode contar com seu tutor, apesar da distância espacial, uma das ações motivacionais que esse profissional pode adotar é uma abordagem sincera, objetiva e direta sobre a importância do curso e sobre os motivos que o levaram a se inscrever em determinado curso pela EAD (GONZALEZ, 2005).

Percebe-se muita das vezes que alguns alunos escolhem um determinado curso sem conhecer suas especificidades, objetivos e público alvo, e assim no decorrer dos estudos vê que não era aquilo o que ele deseja. O tutor, adotando essa conduta do primeiro contato referida por Gonzáles, também levará o aluno a refletir sobre as atividades do curso e sobre o que ele deverá desempenhar, gerando nesse estudante a reflexão sobre a importância ou não de querer/desejar a permanência em determinado curso.

É importante ressaltar que o tutor não deve instigar o aluno a abandonar o curso ou pedir sua desistência (Manual do Tutor, 2008, p. 48), mas sim procurar conscientizá-lo de que sua participação, interesse, dedicação e compromisso para com aquele curso é de extrema importância para todos os demais inscritos e que a interação e rendimento dele e da turma dependem desse interesse.

Gonzalez (2005) também fala que o tutor (apoiador, orientador, gestor e motivador) precisa se comportar com um verdadeiro animador, ou seja, ele deve expor o curso, a dinâmica das atividades, falar sobre o conteúdo de forma critica lúdica e proporcionar a interação entre todos os envolvidos.

Quanto aos cursos da SENASP, o tutor deve, quando do início das atividades, utilizando-se do AVA e das várias ferramentas (caixa postal25, painel de avisos26, e-mail, plano de tutoria27 e outras), procurar mostrar ao aluno como será o curso, os materiais disponíveis, a ambientação com o local de estudo e que esse estudante poderá contar com ele para ajudá-lo no decorrer dos estudos para a superação das dificuldades e o desenvolvimento das atividades de forma produtiva.

O Tutor da REDE EAD deve estar cônscio de que ele teráterá que interagir com seus alunos, auxiliando-os e motivando-os para interagirem entre si. Assim sendo, para um bom desempenho da tutoria e como primeira atividade do mesmo, ele deve planejar a sua ação de tutoria, ou seja, o seu plano de tutoria (Manual do Tutor, 2011, p. 16).

8.2 A relação Tutor-Aluno como uma base para a interatividade na Senasp

Conforme Holmberg, 1985 (apud PESARINI, 2011), a comunicação de “ida e volta” tem propósitos muito importantes para o sucesso de um curso a distância e crê-se que este profissional deverá ter como principio básico, as seguintes características: apoiar a motivação e o interesse do estudante; apoiar e facilitar a aprendizagem do aluno, trocando com o aluno, comentários, explicações e orientações; proporcionar ao aluno a visualização de sua situação e suas necessidades educacionais; descobrir deficiências do curso que podem ser modificadas.

Assim, pode-se dizer que o processo de comunicação é definido muito mais pela criatividade e comprometimento do professor, adaptando-se ao novo processo, seja pedagógico, educacional, tecnológico, e principalmente pelos supostos limites originados pela distância. Segundo Moore, 1996 (apud PESARINI, 2011), por intermédio das mídias utilizadas, sejam elas materiais impressos, rádio, televisão, redes de computadores entre outras, é possível conduzir uma comunicação dinâmica entre professores e aprendizes. Tudo dependerá, portanto, da clareza pedagógica e conseqüentemente do cuidado no planejamento e elaboração de estratégias que garantam esta comunicação e na escolha ideal do perfil deste profissional.

Na modalidade EAD, a interação é o principal fundamento na comunicação. Mesmo tendo o aluno como foco de um programa educacional, o pilar que irá garantir a qualidade de um curso à distância é a interação entre professor e aluno, que, diga-se de passagem, está bastante simplificada pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação.

Essa interação, quando entendida pelo professor e também deve ser uma preocupação da instituição que oferece o curso, permitirá a trocas de conhecimento entre os alunos, o que facilitará o diálogo entre eles e entre tutor e aluno. Para uma boa interação, torna-se necessário que o tutor tenha a capacidade de motivar seus alunos, estimular a interação com e entre os alunos; incentivar e monitorar a participação dos alunos nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem; fornecer dicas de estudo; indicar novas fontes de leitura, saber utilizar dos mais variados recursos disponíveis na internet para assim gerar uma melhor participação e interesse do alunos para com as atividades. O tutor deve promover as discussões ou criar fóruns que, através da temática e ou do recurso utilizado, gere uma interatividade e provoque o desenvolvimento de uma autonomia entre todos os participantes.

Na educação a distância uma tutoria pautada em bases motivacionais poderá com certeza trazer uma interatividade altamente positiva não só para a instituição, mas principalmente para os alunos, pois esses podem se sentir “protegidos” e seguros em seu caminho de estudo.

Na Rede EAD, essa interação surgida de uma motivação eficiente, refletirá num aprendizado mais efetivo, numa troca de experiência e conhecimento que só tende a tornar os estudos contagiantes. Como nos cursos da SENASP o tutor lida com profissionais da área de segurança pública, das mais variadas categorias como bombeiros, policiais militares, policiais civis, agentes penitenciários, guardas municipais e outros, sabendo gerar a interação; utilizando-a da forma correta o tutor fará com que os alunos troquem suas experiências no dia a dia, levando para cada um dos estudantes um conhecimento único, importante para o aprendizado e aprimoramento pessoal e profissional.

No próprio ambiente virtual de aprendizagem da SENASP o tutor contará com algumas ferramentas básicas para gerar a interatividade, com se vê na imagem abaixo.

Ilustração 1
Ilustração 1 SENASP – Ambiente Virtual de Aprendizagem, Módulo de Tutoria.

É necessário destacar que o tutor não deve se limitar apenas aos recursos disponíveis no AVA. Muitos dos alunos são freqüentadores dos cursos oferecidos pela REDE EAD – SENASP e por isto já estão acostumados com esses recursos do AVA. Assim sendo, o tutor se baseando apenas na simples utilização dos recursos do módulo de tutoria28, muitas das vezes terá dificuldades na motivação dos alunos, pois a mesmice irá se tornar um obstáculo. Mas aquele tutor que souber utilizar bem outros recursos e explorá-los com compromisso e eficiência, terá uma grande ferramenta nas mãos para despertar nos alunos a motivação e gerar uma interação positiva para todos.

8.3 Fóruns, Chats e Recursos Visuais como ferramentas para motivação

Certamente, um importante marco para a EAD foram as facilidades proporcionadas pelos avanços tecnológicos. No entanto, essas ferramentas sozinhas não têm a capacidade de provocar, incentivar, despertas o aprendizado no aluno; caso isso ocorresse, a internet por si só já teria a capacidade de educar e ensinar os alunos. É nesse contexto que o professor, no caso da EAD, o tutor, faz-se extremamente necessário para o sucesso nos resultados pretendidos pela EAD.

Para que os alunos possam trocar idéias, tirar dúvidas, estabelecer relações afetivas e motivarem-se para o estudo, é importante que o tutor utilize os mais variados recursos disponíveis de interação, sejam eles síncronos29 ou assíncronos30.

Atualmente, devido à internet disponibilizar uma infinidade de recursos, tem-se nisso um facilitador para os trabalhos da EAD. Aquele profissional que souber explorar e empregar bem esses recursos terá nas mãos mais opções para trabalhar a educação à distância com seus alunos, além de possuir ferramentas que lhe proporcionarão provocar a motivação e gerar a interação entre aluno/tutor e aluno/aluno.

Na Educação a Distância, o aprendizado também é a meta primeira a ser atingida. Contudo, para se alcançá-la são necessários que sejam adequadas as ferramentas tecnológicas e as estratégias metodológicas, de modo que possibilitem a integração dos processos educativos aos objetivos do curso e ao contexto sóciocultural do público-alvo.

Particularmente, o fórum de discussão é uma ferramenta presente em grande parte dos cursos, pois se utiliza de uma discussão centrada em uma questão contextualizada, a qual será respondida pelo aluno. O fórum, sobretudo, permite tanto ao tutor quanto aos alunos complementarem as contribuições postadas. Assim, todos os envolvidos desenvolvem uma maior interação em torno da temática que está em discussão. Para garantir que seja despertada no aluno a motivação e conseqüentemente ocorra a interação entre os alunos, o tutor pode procurar trabalhar os fóruns, dos cursos da Rede EAD – SENASP, de uma forma mais inovadora, ou seja, ele pode utilizar vídeos, relacionados ao módulo de estudo em questão, e a partir desses recursos visuais estabelecer uma problemática ou reflexão.

Veremos mais à frente, quando da análise do questionário aplicado a alguns alunos de cursos da SENASP, que, segundo esses estudantes, a utilização por parte da tutoria de vídeos ou recursos extras tornaram as atividades mais prazerosas, motivando-os e influenciando-os na interatividade.

Contudo, como um tutor pode trabalhar esses recursos?

Cabe lembrar, ainda, que o papel do tutor na EAD é central, tendo em vista que, numa perspectiva de debates, é ele que irá complementar as discussões, facilitar o aprendizado e fomentar o aluno, ajudando esse discente em suas dúvidas e possíveis dificuldades, tornando-se assim um facilitador para o aprendizado dos estudantes. É neste momento que torna necessário o tutor utilizar de sua criatividade para enriquecer as prática educativa e facilitar a comunicação entre todos os envolvidos no processo da EAD.

9. METODOLOGIA

Este capítulo irá apresentar o método de pesquisa que foi utilizado junto aos alguns alunos da SENASP. Procurou-se descobrir as opiniões dos discentes sobre a atuação dos tutores, papel desempenhado por estes, formas de trabalhos e metodologia utilizadas pelas tutorias no que diz respeito a estarem criando interações e despertando a motivação nos alunos.

Através dessa pesquisa procurar-se-á estabelecer um pensamento reflexivo que poderá ser tornar um caminho para se conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais (LAKATOS e MARCONI, 1987, p. 15).

9.1 Caracterização da pesquisa

A Rede Nacional de Educação a Distância (Rede EAD) criada em 2005 pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP/MJ) em parceria com a Academia Nacional de Polícia (ANP), é uma escola virtual voltada aos profissionais da segurança pública no Brasil. Seu objetivo maior é investir no capital humano, na valorização destes profissionais e, conseqüentemente, na melhoria das ações de segurança pública no país. Procura-se assim proporcionar aos policiais federais, civis, militares, rodoviários federais, bombeiros, guardas municipais e agentes penitenciários a educação continuada, integrada e qualificada, de forma gratuita31.

Essa rede é formada por diversos profissionais que trabalham com o objetivo de garantir a fluidez e o alcance dos objetivos pretendidos pela SENASP. Dentre esses profissionais temos os Tutores que são capacitados para estimular e facilitar o processo de aprendizagem dos alunos (Manual do Tutor, 2011, p. 15).

Diante disso procurou-se mostrar o quanto é importante o exercício da tutoria no trabalho de motivação juntos aos alunos, com comprometimento, dedicação e profissionalismo.

9.2 Instrumento de coleta de dados

Foi realizado um trabalho de pesquisa qualitativa em que se procurou descobrir, dos discentes, os pontos em que as tutorias foram falhas quanto à motivação e utilização de recursos para criar interações entre os alunos.

Aplicou-se um questionário para duas durmas de cursos da SENASP (Curso de Elaboração de Material para a Educação a Distância – EMEAD22SPMG03 – de 07/06/11 à 26/07/11 e o Curso de Gerenciamento de Crises – GDC23SPMG07 – de 13/09/2011 à 05/11/2011), além de ter sido realizada uma entrevista junto a alguns alunos que pertencem ao 27º BPM (Vigésimo Batalhão de Polícia Militar de Minas Gerais).

O questionário foi enviado através de e-mail e do AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem – à 90 alunos, porém não mais que 16 responderam a pesquisa. Em razão dessa pequena margem de retorno foi também realizada uma entrevista

juntos aos policiais militares do Vigésimo Sétimo Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, localizado na cidade de Juiz de Fora. Essa entrevista foi desenvolvida junto a 20 (vinte) militares e veio a complementar e ajudar na pesquisa.

9.3 Análise do questionário

Considerando o que já foi mencionado no início deste trabalho quando foi afirmado que a motivação é a responsável pela intensidade, direção e persistência dos trabalhos para se alcançar uma determinada meta (ROBBINS, 2002). Percebese assim o quanto é importante do o papel dos tutores juntos aos alunos quando se fala de motivação.

É importante que se compreenda que o trabalho da motivação na EAD é um dos fatores primordiais para o bom andamento dos cursos. Nisso tem-se também que a tutoria focada nessa motivação ser torna essencial para garantir o sucesso e qualidade dos cursos em EAD.

O aluno motivado se sentirá a vontade para participar e interagir nos cursos. Ao mesmo tempo, aquele aluno que não consegue sentir no seu tutor um compromisso e dedicação também não se sentirá devidamente motivado. Tal situação leva o discente a não interagir e nem participar das atividades.

Foi observado nos questionários respondidos e nas entrevistas realizadas que a atuação do tutor, feita com comprometimento, é de extrema importância tanto para o sucesso de um curso, quanto para a satisfação dos alunos e um correto aprendizado.

Pode se observar, nos resultados alcançados no questionário e nas entrevistas, que ainda existe uma certa deficiência nas tutorias nos quesitos dedicação e comprometimento.

Verificou-se que os tutores que se limitava apenas na utilização de recursos do ambiente virtual de aprendizagem, sem buscar novos recursos ou incrementar suas atividades, não conseguiam manter alguns alunos motivados e nem despertavam neles o interesse em interagir. Muitos discentes declaram que se sentiam desinteressados durante o curso devido a ausência do tutor e que a conclusão das atividades ocorriam única e exclusivamente devido ao compromisso assumido pelo mesmo e em razão do receio de serem considerados evadidos ou reprovados, o que implicaria na não matrícula em outro ciclo de atividades da SENASP.

Também foi verificado que a utilização de recursos simples como envio de mensagem via SMS, vídeos relacionados ao curso e até o contato por redes sociais (MSN, Facebook e outros) criou uma aproximação entre tutor e aluno, o que de certa forma fez com que se diminuísse a distância geográfica entre ambos. Isso contribuiu para que a interação nas atividades se tornasse mais proveitosa e que a participação dos alunos fomentasse discussões e debates entre eles.

Dessa forma, percebe-se que a atuação do tutor é sim de extrema importância para o sucesso de um curso, dos alunos e para o alcance de um ensino de qualidade. É necessário ser compreendido que aquele profissional que se limita apenas a acessar ambientes virtuais de aprendizagem, criando atividades básicas, não interagindo com os alunos, não demonstrando uma preocupação para com o andamento de seus discentes e não procurando estar “junto” mostrando aos estudantes que ele – tutor – está ali para ser um facilitador, um companheiro e um aporte, estará na verdade contribuindo para uma insatisfação quanto ao curso e conseqüentemente uma má qualidade do ensino e aprendizado.

É importante que os tutores compreendam que mesmo na educação a distância, ele deve propiciar ao aluno condições para seu desenvolvimento integral, entendido como a aquisição de consciência sobre si e a realidade que o circunda, (Freire,1981).

9.4 Limitações da pesquisa

Devido ao pouco retorno por porte dos alunos dos cursos à distância (apenas 16 questionários foram enviados pelos alunos devidamente respondidos), foi alcançado apenas 17,7% de um universo de 90 alunos pesquisados. Como a pesquisa ficou aquém da quantidade de alunos, implementou-se desta forma uma entrevista junto aos policias militares do 27º BPM, que também são discentes dos cursos ofertados por aquela instituição. Tendo em vista que alguns militares trabalham na área operacional e outros na atividade administrativa, e isso gerava uma dificuldade na adequação de horário para as entrevistas, essa pesquisa foi focada nos policiais que estão na atividade interna – administrativa – o que proporcionou um universo de 20 (vinte) entrevistados.

10. CONCLUSÃO

Este trabalho de pesquisa teve como objetivo demonstrar como a atuação do Tutor nos cursos EAD oferecidos pela SENASP é essencial para o alcance dos objetivos pretendidos por esta. Também pretendeu-se, de certa forma, conscientizar os tutores acerca da responsabilidade e importância da realização de um tutoria exercida com comprometimento e focada na motivação dos alunos.

Procurou-se demonstrar aos tutores que estes têm uma gama de recursos disponíveis através da internet que podem facilitar e lhe proporcionar uma tutoria mais dinâmica, motivadora e interativa.

No decorrer da pesquisa foi observado uma deficiência desses profissionais quanto a trabalharem a motivação e interação com os alunos dos respectivos cursos. Percebeu-se ainda que persiste aquele profissional que se limita à explorar apenas as atividades básicas oferecidas no Ambiente Virtual de Aprendizagem, não interagindo nos fóruns, não proporcionado ao aluno novas atividades ou conhecimentos que vão além dos ofertados através dos materiais didáticos existentes nos cursos.

Os cursos da EAD tem a característica do não contato pessoal diário, como o ocorrido nas salas de aulas, porém eles proporcionam ao aluno uma flexibilidade e organização pessoal, que lhe seja melhor para adequar aos seus horários. Agora, a distância geográfica pode sim ser diminuída pelo tutor a partir do momento que ele passe a interagir mais com os alunos, demonstre preocupação com a participação/freqüência dos mesmos e procure contatá-los via telefone ou uma rede social, criando um vínculo de relação tutor/aluno.

Percebeu-se que o simples fato de um tutor enviar um sms ou ligar para seu aluno, durante as atividades ou curso, para muitos discentes foi estimulante por passar aquela impressão de que, apesar da distância geográfica, seu tutor estava preocupado com seu andamento e interessado em suas atividades. Em contrapartida, para aquelas turmas que os tutores foram inertes e não interagiam ou não demonstravam certa preocupação com os discentes, estes responderam que isso de certa forma gerou uma desmotivação e falta de interesse em participar/interagir nas atividades criadas.

Um maior compromisso, dedicação e profissionalismo dos tutores são características consideradas decisivas para o sucesso e permanência do aluno nos cursos. Entretanto, é de extrema importância que esse profissional conheça e saiba utilizar corretamente os recursos hora disponíveis para trabalhar a motivação e interação com seus alunos. É importante o tutor saber motivar seus discentes e procurar diminuir a distância entre ambos, contudo esse profissional necessita de um olhar crítico para conhecer e respeitar os seus limites e também os limites dos alunos, não invadido o espaço do estudante e não se tornando assim um incômodo ou inconvenientes, quando do envio demasiado de sms ou de contatos desnecessários.

11. REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Alaciel Francklin. Manual do Tutor. 2000 (Mimeo).

BARBOSA, Maria de Fátima S.O.; REZENDE, Flávia. A comunicação tutor-aluno e dificuldades da prática dos tutores de um curso de educação profissional a distância. Disponível em: < http :/ / www . abed . org . br / congresso 2004 / por / pd f /165- TC - D 4 . pd f>. Acesso em: 17 jul. 2011.

BEHRENS, Marilda Aparecida. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 67-132.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de qualidade para educação a distância, Brasília, Ago. 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2011.

CARLOS, Alberto de Souza; FERNANDO, José Spanhol, JEANE, Cristina de Oliveira Limas; MARLEI, Pereira Cassol. Tutoria na Educação a Distância. 11º Congresso Internacional de Educação a Distância, 9 set. 2004. Salvador, Bahia. Disponível em: < http :/ / www . abed . org . br / congresso 2004 / por / htm /088- TC - C 2 . htm >. Acesso em: 20 ago. 2011.

CAVACO, Nanci Azevedo. Educação: A importância da Motivação para a Aprendizagem. Revista EaDTUTOR, edição 2, ano 1, p. 38-39, mar. 2010. Disponível em: < http :/ / www . anated . org . br / revistaeadtutor />. Acessado em: 25 jul. 2011.

CHAVES, E. Resumo de palestra de Alvin Tofler In: EDUTECNET (Grupo de Discussão em Tecnologia Educacional). [Citado em 8 Nov. 1998 21:19]. Disponível na Internet: edutec@edutecnet.com.br.

COSTA, Maria Luisa Furlan. TRABALHO DE TUTORIA EM EAD: DIMENSÕES E FUNÇÕES. Curitiba, 2008.

DORNELLES, Ramão Jorge. Educação à distância: o caso da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul: PPGA/EA/UFRGS, 2001, Dissertação (Mestre em Administração) - Programa de Pós Graduação em Administração da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

Elaboração de Materiais para a Educação a Distância. Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. Última atualização em 20 out. 2008. Disponível em:< http :/ / ead . senasp . gov . br / modulos / educaciona l / conteudo /00979 / paginas / Elabora caoMaterialEAD completo . pd f>. Acesso em: 10 ago. 2011.

Formação de Tutor. Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. A EaD e a Educação Continuada dos Profissionais da Área de Segurança Pública, aula nr 1. Disponível em: < http :/ / ead . senasp . gov . br / modulos / educaciona l / materia l apoio / Formacaotutores 1%2 028.10.08 . pd f>. Acesso em: 15 ago. 2011.

Formação de Tutor. Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. Processo de Tutoria Efetiva, aula nr 2. Disponível em: < http :/ / ead . senasp . gov . br / modulos / educaciona l / materia l apoio / formacaotutores 2%2 017.10.08%20 . pd f>. Acesso em: 15 ago. 2011.

Formação de Tutor. Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. Tarefas do Tutor no Ambiente SEAT, aula nr 3. Disponível em: < http :/ / ead . senasp . gov . br / modulos / educaciona l / materia l apoio / formacaotutores 3 . pdf >. Acesso em: 15 ago. 2011.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados, 23ª ed., Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. Ação Cultural para Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 5ª ed., 1981. Coleção O Mundo, Hoje. Vol. 10

GIANNASI, Maria Júlia; ALMEIDA, Sérgio Antunes; CHANAN, Douglas dos Santos;

LUNA, Elisabeth Pereira; GATTI, Patrícia Inês. A prática pedagógica do tutor no Ensino a Distânica: Resultados preliminares. Encontro Internacional de Educación Superior, 20 a 24 jun. 2005. Cidade do México. Disponível em: uned.es/fez/view.php?pid=bibliuned:19515>. Acesso em: 11 ago. 2011.

INED, Instituto Nacional de Educação a Distância. Tutoria no EAD: um manual para tutores. Commonwealth of Learning, Vancouver: Canadá, 2003.

KOHANE, Walter Omar. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 24, n. 82, p. 221-228, abr. 2003. Disponível em: a12v24n82.pdf>. Acesso em: 04 ago. 2011.

LEAL, Regina Barros. A Importância do Tutor no Processo de Aprendizagem a Distância. Revista Iberoamaricana de Educación (ISSN: 1681-5663), nr 36/3, 25 jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2011.

LANDIM, Cláudia M. das M. P. F. Educação à Distância: algumas considerações. Rio de Janeiro: [ s.n ], 1997.

LAKATOS, Eva Marina; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MACHADO, Sedenilso Antonio. As ferramentas de comunicação em educação a distância: estudo de caso do portal educação. Estudo de caso em uma empresa de educação a distância. 117p. Dissertação (Mestrado em Organizações e Desenvolvimento) – FAE Centro Universitário. Curitiba, 2009.

MAIA, Carmem. Guia Brasileiro de Educação a Distância. São Paulo, Esfera, 2002.

Manual do Tutor. Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. Rede Nacional de Educação a Distância em Segurança Pública, Atualizado em set. 2011, versão 3.8. Disponível em: 1.doc>. Acesso em: 16 set. 2011.

Matriz Curricular Nacional: Para a Ações Formativas dos Profissionais da Área de Segurança Pública . Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Segurança Pública. Versão Modificada e Ampliada, 2008 . Disponível em:< http :/ / porta l . m j . gov . br / services / DocumentManagement / FileDownload . EZTSvc . as p ? DocumentID =%7 B 8456 C 526- F 024-4636-81 E 3-231 BFE 1 D 2 F 8 E %7 D & ServiceInstUID =%7 BB 78 EA 6 CB -3 FB 8-4814- AEF 6-31787003 C 745%7 D >. Acesso em: 05 ago. 2011.

MELO, Marineiva. Educação a Distância e Motivação e Motivação: Re (Significando) o Papel do Tutor. Motivação na EAD, 01 jun. 2009. Disponível em: < http :/ / blogs . universia . com . br / motivacaonaead /2009/06 />. Acesso em: 15 ago. 2011.

Ministério da Educação. Referencais de Qualidade para a Educação Superior a Distancia . Secretaria de Educação a Distancia, Brasília, ago. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2011.

MORAES, Carolina Roberta; VARELA, Simone. Motivação do alunos durante o processo de ensino-aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação, ano 1, nr 1, ago. / dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2011.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 11-66.

MUNHOZ, Antonio Suemsem. A educação à distância em busca do tutor ideal. Colabor@ – Revista Digital. Santos, v. 2, n. 5 - p. 32-46, agosto 2003.

NEVES, José Luis. Pesquisa Qualitativa – características, uso e possibilidades. Caderno de pesquisas em Administração, São Paulo, v.1, n. 3, 2º sem. 1996. Disponível em: . Acesso em 19 jan. 2012.

PESARINI, Sõnia. Qual é perfil dos professores para trabalhar na modalidade a distância? Revista Eletrônica Opet, Edição Atual, nr 5, 2011. Disponível em: www.opet.com.br/revista/administracao_e_cienciascontabeis/edicao-atual.html>. Acesso em: 12 ago.2011.

PIMENTEL, Nara. Educação a Distância. Florianópolis: SEAD/UFSF, 2006.

PIMENTEL, Nara. O ensino a distância na formação de professores. Revista Perspectiva, Florianópolis, n. 24, 1995.

PINTO, Andréa Schoch Marques. Expertise em Tutoria (Melhores Práticas). Material da disciplina do Curso de Especialização de Tutoria em EAD, 2008.

PRETI, Oreste. Autonomia do Aprendiz na Educação a Distância: significados e dimensões.. Cuiabá: UFMT/NEAD, 2005.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

ROCHA, Helena. O ambiente TelEduc para Educação à Distância baseada na Web: Princípios, Funcionalidades e Perspectivas de desenvolvimento . In: Moraes, M.C. (Org). Educação à Distância: Fundamentos e Práticas. Campinas, SP:Unicamp/Nied, 2002.

ROMISZOWSKI, Alexandre J. ROMISZOWSKI, Hermelinda P.; TTS, Tecnologia, Treinamento, Sistema. Dicionário de Terminologia de Educação a Distância. Rio de Janeiro, 1998. Disponível em: < http :/ / ead . senasp . gov . br / modulos / educaciona l / materia l apoio / dicionario de terminologia de EAD . pdf >. Acesso em: 18 ago. 2011.

SALGADO, Maria U. C. Orientação acadêmica e tutoria nos cursos de Educação a Distância. Disponível em: sa=t&source=web&cd=3&ved=0CEQQFjAC&url=http%3A%2F %2F200.156.15.182%2Fmoodle%2Ffile.php%2F1%2FBiblioteca_Virtual %2FOrientacao_academica_e_tutoria_nos_cursos_de_graduacao_a_distancia.doc&ei=PFpJTo_BDeHV0QGYsdnzBw&usg=AFQjCNE9x_JDfFJDltLnVDsOFP6OTFoSS Q> Acesso em: 15 ago. 2011.

SCHLOSSER, Rejane Leal. A atuação dos tutores nos cursos de educação a distância. Colabor@ – Revista Digital da CVA – Ricesu. v.6, n.22, fev.2010.

SILVA, Marco. Educação on-line: (colocar em negrito) Teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo. Edições Loyola. 2003.

SILVA, Marinilson Barbosa. O processo de construção de identidades individuais e coletivas do ser-tutor no contexto da educação a distância hoje. Tese de doutorado – Programa de Pós-graduação em Educação, UFRGS, Porto Alegre, 2008.

SOUSA, Maria de Fátima Guerra de. Fundamentos da Aprendizagem a Distância: Unidade I: Estratégias de Ensino e Aprendizagem a Distância. Pró-Licenciatura. Licenciatura em Artes Visuais. Módulo 2. Brasília, 2007.

STRUCHINER,M.; Rezende, F.; Ricciardi, R.M.V.; Carvalho, M.A.P. de. Elementos Fundamentais de Ambientes construtivistas de aprendizagem a distância. Tecnologia Educacional, v. 26, n. 142, p.3-10, 1998.

TAKAHASHI, Fábio. Lei autoriza ensino médio a distância em SP. Folha de S. Paulo, São Paulo, 20/10/2008.

TORNAZELLI, Débora. Retratos da Tutoria. Revista EaDTUTOR, edição 1, ano 1, p. 22-24, dez. 2010. Disponível em: < http :/ / www . anated . org . br / revistaeadtutor />. Acesso em: 23 jul. 2011.

Tutor e Ação Tutoria: conceitos e papel do tutor. Unidade 3 – Teoria e Prática Tutorial em EaD. Curso de Capacitação de Tutores em EaD- NEAD/UFPR. 2008.

VIEIRA, José. Considerações sobre formulação de questões de verificação de aprendizagem. 2001 (Mimeo).

WIKIPÉDIA, A enciclopédia livre. Motivação. Disponível em: wiki/Motiva%C3%A7%C3%A3o>. Acesso em: 16 ago. 2011.

1 Motivação (do Latim movere, mover) denomina em psicologia, em etologia e em outras ciências humanas a condição do organismo que influencia a direção (orientação para um objetivo) do comportamento.

2 Criada em 2005 pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP/MJ) em parceria com a Academia Nacional de Polícia (ANP), a Rede Nacional de Educação a Distância (Rede EAD) é uma escola virtual destinada aos profissionais da segurança pública no Brasil. Seu objetivo maior é investir no capital humano, na valorização destes profissionais e, conseqüentemente, na melhoria das ações de segurança pública no país. Pretende, assim, viabilizar aos policiais federais, civis, militares, rodoviários federais, bombeiros, guardas municipais e agentes penitenciários a educação continuada, integrada e qualificada, de forma gratuita. Manual do Tutor, 2011, p. 8.

3 O Ambiente Virtual de Aprendizagem apresenta-se como um conjunto de ferramentas que viabilizam o funcionamento da Rede EAD e a realização dos cursos. Através dele é possível integrar administradores, tutores masters, tutores e alunos, a partir do desenvolvimento de suas funções e atividades. Manual do Tutor, 2011, p. 21.

4 [...] Seu objetivo maior é investir no capital humano, na valorização destes profissionais e, conseqüentemente, na melhoria das ações de segurança pública no país. Pretende, assim, viabilizar aos policiais federais, civis, militares, rodoviários federais, bombeiros, guardas municipais e agentes penitenciários a educação continuada, integrada e qualificada, de forma gratuita. Manual do Tutor, 2011, p. 6.

5 Serviço de mensagens curtas (em inglês: Short Message Service, SMS) é um serviço disponível em telefones celulares (telemóveis) digitais que permite o envio de mensagens curtas (até 255 caracteres em GSM e 160 em CDMA) entre estes equipamentos e entre outros dispositivos de mão (handhelds), e até entre telefones fixos (linha-fixa), conhecidas popularmente como mensagens de texto.[...] (Disponível em:  . Acesso em: 8 set. 2011).

6 MSN Messenger é um programa da mensagens instantâneas criado pela Microsoft Corporation. O serviço nasceu a 22 de Julho de 1999, anunciando-se como um serviço que permitia falar com uma pessoa através de conversas instantâneas pela Internet. O programa permite que um usuário da Internet se relacione com outro que tenha o mesmo programa em tempo real, podendo ter uma lista de amigos "virtuais" e acompanhar quando eles entram e saem da rede. Ele foi fundido com o Windows Messenger e originou o Windows Live Messenger. [...] (Disponível em: . Acesso em: 8 set. 20110).

7 Um blog (contração do termo inglês Web log, diário da Web) é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos, ou posts. Estes são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática proposta do blog, podendo ser escritos por um número variável de pessoas, de acordo com a política do blog. Muitos blogs fornecem comentários ou notícias sobre um assunto em particular; outros funcionam mais como diários online. Um blog típico combina texto, imagnes e links para outros blogs, páginas da Web e mídias relacionadas a seu tema. A capacidade de leitores deixarem comentários de forma a interagir com o autor e outros leitores é uma parte importante de muitos blogs . (Diponível em: wiki/Blogs>. Acesso em: 8 set. 2011,  grifo nosso).

8 [...] As redes sociais podem operar em diferentes níveis, como, por exemplo, redes de relacionamentos (facebook, orkut, myspace, twitter), redes profissionais (Linkedln), redes comunitárias (redes sociais em bairros ou cidades), redes políticas, dentre outras, e permitem analisar a forma como as organizações desenvolvem a sua actividade, como os indivíduos alcançam os seus objectivos ou medir o capital social – o valor que os indivíduos obtêm da rede social. As redes sociais tem adquirido importância crescente na sociedade moderna. São caracterizadas primariamente pela autogeração de seu desenho, pela sua horizontalidade e sua descentralização. [...] (Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2011).

9 Os cursos da Rede EAD são considerados cursos de capacitação, alinhados a orientação do decreto 5.707/2006 que "Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990". No âmbito acadêmico, são aceitos como atividades complementares para os cursos de bacharelado ou licenciatura, de acordo com o regulamento de cada Instituição de Ensino Superior (IES). Manual do Tutor, 2011, p.6.

10 Entende-se como comunicação de massa a disseminação de informações através de jornais, televisão, rádios, cinema e também pela Internet, os quais se reúnem em um sistema denominado mídia. A comunicação de massa tem a característica de chegar a uma grande quantidade de receptores ao mesmo tempo, partindo de um único emissor[...]. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2011.

11 Escrita ou grafia consiste na utilização de sinais (símbolos) para exprimir as idéias humanas. A grafia é uma tecnologia de comunicação, historicamente criada e desenvolvida na sociedade humana, e basicamente consiste em registrar marcas em um suporte. [...] disponível em: . Acesso em: 03 out. 2011.

12 Epístola (do grego antigo πιστολή, “ordem, mensagem”, ἐ pelo latim epistòla,ae “carta, mensagem escrita e assinada”) é um texto escrito em forma de carta, para ser correspondido a uma ou várias pessoas, mas se distinguindo desta por expressar opiniões, manifestos, e discussões para além de questões ou interesses meramente pessoais ou utilitários, sem porém deixar o estilo coloquial, que combina paixões subjetivas e apelos intersubjetivos com o debate de temas abrangentes e abstratos. As epístolas reunidas de um autor podem vir a ser publicadas devido a seu interesse histórico, literário, institucional ou documental. [...] Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Ep%C3%ADstola>. Acesso em: 03 out. 2011

13 As ferramentas para a EAD são os recursos hora disponíveis ou que o próprio tutor irá utilizar para trabalhar com seus alunos nos ambientes virtuais de aprendizagem, podendo ser: blog, fóruns, chats, msn e outros.

14 A Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394/96)- LDB- é a lei orgânica e geral da educação brasileira. Como o próprio nome diz, dita as diretrizes e as bases da organização do sistema educacional. Segundo o ex-ministro Paulo Renato Souza- que ao lado do então presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a LDB que vigora até hoje- "o mais interessante da LDB é que ela foge do que é, infelizmente o mais comum na legislação brasileira: ser muito detalhista. A LDB não é detalhista, ela dá muita liberdade para as escolas, para os sistemas de ensino dos municípios e dos estados, fixando normas gerais. Acho que é realmente uma lei exemplar." Art. 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada.[...]. Acesso a lei disponível em: . Acesso em: 02 out. 2011.

15 Polis é a Cidade, entendida como a comunidade organizada, formada pelos cidadãos ( no grego “politikos” ), isto é, pelos homens nascidos no solo da Cidade, livres e iguais. É o que chamamos, ao estudarmos a Grécia Antiga, de Cidades-Estado. Os moradores das Polis eram os “politikos” (cidadãos), aqueles que exercem a civilidade.

16 A Academia Nacional de Polícia é a porta de entrada do Departamento de Polícia Federal - DP, e tem a missão de selecionar, formar e especializar profissionais de segurança pública para exercerem, com excelência, suas atribuições, bem como formular e difundir a doutrina policial em defesa da sociedade. A Academia atualmente, está dando continuidade ao projeto de modernização, iniciado em 2001, reformulando os currículos dos Cursos de Formação e democratizando o processo de seleção dos profissionais de ensino, buscando tornar-se um centro de excelência no desenvolvimento humano dos profissionais de segurança pública e referencial da doutrina policial em defesa da sociedade, sendo está a sua Visão de Futuro.

17 A Rede-EAD, passou a exercer o papel de efetivo órgão condutor dos processos de educação em segurança pública, promovendo a articulação das Academias, Escolas e Centros de Formação e Aperfeiçoamento dos Operadores de Segurança Pública, obviamente em um quadro de respeito aos princípios federativos.

18 O Encarregado de Aplicação da Lei é todo aquele profissional que trabalha direta ou indiretamente na área de Segurança Pública. São os profissionais que cumprindo a lei e seguindo as orientações estabelecidas no Código de Conduta para os Encarregados de Aplicação da Lei (CCEAL), promovem os Direitos Humanos garantindo assim a cidadania e a paz social.

19 A principal característica da Matriz Curricular Nacional – doravante denominada Matriz – é ser um referencial teórico-metodológico para orientar as Ações Formativas dos Profissionais da Área de Segurança Pública – Polícia Militar, Polícia Civil e Bombeiros Militares – independentemente da instituição, nível ou modalidade de ensino que se espera atender. Seus eixos articuladores e áreas temáticas norteiam, hoje, os mais diversos programas e projetos executados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública – Senasp. Matriz Curricular Nacional , 2008, p. 2.

20 Os tutores da Rede EAD são profissionais da área de segurança pública, indicados pelos tutores masters dos seus respectivos telecentros. Eles possuem conhecimentos necessários sobre os temas dos cursos nos quais atuam e são capacitados para estimular e facilitar tanto o processo de aprendizagem dos alunos quanto o compartilhamento de conhecimentos entre eles. Para ser indicado como tutor é preciso ter concluído com êxito, além dos cursos ‘Formação de Tutores’ e ‘Formação de Formadores’, outros 3 cursos da Rede EAD. Manual do Tutor, 2011, p. 15.

21 Rede Nacional de Educação a Distância (Rede EAD).

22 Responsável pela administração do telecentro e pelas ações da Rede EAD no seu estado/município. Manual do Tutor, 2011, p. 12.

23 O telecentro é um ambiente composto de tele sala, sala web, espaço para tutoria e sala do servidor de rede, com a infra-estrutura e os meios necessários para teleconferências, videoconferências, apacitação baseada em computador, e-learning, exibição de vídeos e filmes. Manual do Tutor, 2011, p. 9.

24 No sentido de valorizar a capacidade de utilização crítica e criativa dos conhecimentos, e não o simples acúmulo de informações, a Matriz Curricular Nacional fornece, na elaboração das competências e objetivos, nos significados dos eixos articuladores e das áreas temáticas, no desenho da Malha Curricular, nas diretrizes pedagógicas e na proposta metodológica, subsídios e instrumentos que possibilitam às Academias e Centro de Formação a elaboração de caminhos para que o profissional da área de Segurança Pública possa, de maneira autônoma e responsável, refletir e agir criticamente em situações complexas e rotineiras de trabalho. Matriz Curricular Nacional, 2008, p. 8.

25 A Caixa Postal é uma importante ferramenta de comunicação interna entre administradores, tutores masters, tutores e alunos da Rede EAD. Permite, além da troca de informações, lembrar a um aluno específico sobre sua participação, esclarecer dúvidas individuais sobre o Ambiente Virtual de Aprendizagem e sobre os cursos e enviar avisos personalizados. Manual do Tutor, 2011, p. 45.

26 É uma ferramenta em que o tutor pode enviar mensagens aos alunos e poderão ser lidas por todos da turma do ciclo atual. Eles irão visualizá-las através de um pop-up que se abre logo após o login do aluno no AVA. Estes avisos ficarão disponíveis, também, na página inicial do aluno, no ambiente “Painel de Avisos”. Manual do Tutor, 2011, p. 45.

27 O plano de tutoria é uma ferramenta que o tutor tem para se programar e estabelecer as atividades que serão empregadas no curso. Ele deve ser elaborado no sistema e disponibilizado para alunos e tutores masters. Além das atividades previstas, o tutor deve divulgar no plano os critérios de avaliação para atribuição de notas aos alunos. A elaboração do plano de tutoria é uma atividade obrigatória do tutor. Adaptado do Manual do Tutor, 2011, p. 23.

28 Recurso que oferece as ferramentas necessárias para desenvolvimento do trabalho de tutoria na Rede EaD – SENASP.

29 Materiais que requerem a interação síncrona: requer a participação simultânea de professores e participantes. Porém, tem a vantagem de poder ser realizada em tempo real. Entre elas, destacam-se a tele e a videoconferência. Elaboração de Materiais para a Educação a Distância, 2008, p .8.

30 Materiais que requerem a interação assíncrona: não requer a participação simultânea de todos os participantes e professores. Tem como vantagem o respeito ao ritmo de aprendizagem do estudante. Como pro exemplo, temos os materiais impressos, cursos via WEB (mesmo os que tenham ferramentas de interação síncrona. Ex chat) e as instruções assistidas por computador. Elaboração de Materiais para a Educação a Distância, 2008, p .8.


Publicado por: Umberto Peluso

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola