Topo
pesquisar

O desafio de trabalhar com a Op Arte em sala de aula

Arte e Cultura

A Op Arte é uma modalidade artística, que tem como objetivo criar a ilusão de movimento, interagindo com o observador. Como grande parte dos movimentos artísticos, ela também passou por vários estágios evolutivos através dos tempos.

índice

1.  RESUMO

A arte no século XX foi marcada por uma série de mudanças, a começar por pelo surgimento de vários seguimentos artísticos e por diversas transformações no que diz respeito ao conceito artístico.

Temos alguns exemplos de vanguardas e novos estilos de arte que emergiram no século XX: Arte neoconcreta; Pop art; Hiper realismo; Arte povera; entre várias outras.

Nesse contexto surgiram diversas vanguardas artísticas e uma dessas é a Op Arte que tem como principal característica, testar as diversas sensações da visão humana, causando ilusões de óptica desfiando a imaginação.

A Op Arte é uma modalidade artística, que tem como objetivo criar a ilusão de movimento, interagindo com o observador. Como grande parte dos movimentos artísticos, ela também passou por vários estágios evolutivos através dos tempos.

Nesse trabalho foca-se a Op Arte e seu principal artista, Victor Vasarely. O tema desenvolve seu estilo artístico e duas de suas obras, que são desenvolvidas no Projeto de curso junto aos alunos da 9ª série do ensino fundamental.

PALAVRAS-CHAVE: Op Arte, arte no século XX, Victor Vasarely

2. INTRODUÇÃO

Por volta da década de 60 surgiram as pesquisas sobre as sensações ópticas das telas, geralmente composta por formas geométricas e cores pretas e brancas, essas obras quando manuseadas da forma adequada gera a uma sensação de movimento na imagem. O tema da Arte moderna e da Op Art propiciará um maior entendimento sobre os estilos artísticos do século XX ampliando de modo geral a visão em relação à arte.

Alguns professores têm dificuldades em trabalhar determinados conteúdos em sala de aula, principalmente quando se trata do ensino de artes onde existe uma variedade enorme de materiais que podem ser utilizados. Essa abundancia de matérias geram algumas dificuldades ao docente, onde ele se vê sem saber como aplicar determinado conteúdo, por esse motivo é importante à pesquisa sobre a Arte moderna e a Op Art para ampliar os conteúdos.

Há poucos registros de atividades que exploram essa modalidade artística acentuando a dificuldade do professor em realizar tais atividades. A análise de obras de artes desse segmento também é diferenciada, exigindo uma maior atenção daqueles que as observam gerando assim mais dificuldades.

Partindo de uma pesquisa bibliográfica ao término desse trabalho busca-se atingir alguns objetivos como: conhecer o trabalho do artista Victor Vasarely, desenvolver um projeto e analisar com eficácia, obras da modalidade artística Op Art.

O primeiro capítulo trata da arte no século XX, os movimentos e as modalidades artísticas surgidas na época. Em seguida é mencionado a Op Arte, quando surgiu e seu principal percussor. No segundo capitulo tem como objetivo falar sobre Victor Vasarely, sua biografia, seu estilo artísticos e suas obras, nesse capitulo também será escolhida duas obras desse artista para analise. Por fim o projeto de curso relativo ao tema, para alunos do 9º ano do ensino fundamental.

3. CAPÍTULO I

3.1 BREVE HISTORICO DA ARTE NO SÉCULO XX

Com as mudanças ocorridas na sociedade desde o século XIX, inicia-se um novo modo de pensar, a expansão do pensamento democrático e a falência do sistema monárquico influenciado pela revolução francesa e industrial, criam um novo estilo de vida, essa transformação atinge vários campos inclusive a arte:

O início do século XX foi marcado pelos questionamentos dos valores autoritários, na política pelo colapso dos governos oligárquicos e na organização da sociedade pela difusão de deias democráticas de cidadania, expressando a liberdade. Nas artes essa questão se deu pelo repúdio à descrição impressionista em detrimento da liberdade da experimentação (ANDRADE, HENRIQUES, 2009, p.3).

A arte passa ser um segmento voltado para a liberdade de expressão e afastado de antigos paradigmas:

Essa nova maneira de ver o mundo mudou também a maneira de se expressar: na pintura os rígidos métodos de representação natural do impressionismo já não correspondiam mais à necessidade de liberdade de expressão dos artistas, exigida pela transformação do mundo: “embora essa paixão anti-tradicional pela renovação e pela mudança fosse típica de todas as artes, ela foi mais patente nas artes visuais, e foi nelas que primeiro prevaleceu e, depois, lentamente conquistou uma aceitação pública mais geral (ANDRADE, HENRIQUES,2009, p.3).

No inicio como todas as coisas novas, esse Novo Espírito da arte sofreu alguma rejeição (STANGOS, 1994), mas logo conseguiu seu lugar. Vale lembrar que dessa mudança ocorrida no inicio do século XX, surgiram os principais movimentos artísticos dessa época inclusive as Vanguardas Modernistas.

Logo depois surgiram outros seguimentos artísticos, como por exemplo: A abstração, a arte concreta, a Op. Art. e Arte cinética, Arte neoconcreta, Abstração informal, Pop Art, Hiper- realismo, Arte povera, Arte conceitual, entre outras (LEDUR, 2005).

No Brasil as mudanças ocorridas no contexto artístico acompanham as tendências mundiais, uma nova visão da arte é criada a partir de um movimento que marcou época. A Semana de arte moderna foi o ponto de partida para a quebra de paradigmas no contexto artístico e intelectual.

A Semana de Arte Moderna foi a primeira manifestação pública de um grupo de intelectuais e/ou artistas, majoritariamente paulistas, que reivindicavam, há algum tempo, uma renovação das artes brasileiras, sobretudo da literatura. Organizada para acontecer em 1922, ano em que se comemoraria o centenário da independência do Brasil, ela se tornou um marco simbólico do processo de modernização e de reflexão da cultura brasileira. Foi a partir dela que mudanças significativas começaram a se operar no âmbito da intelectualidade e da produção cultural (FERNANDES, 2009, p.11).

Esse movimento gerou um sistema intelectual e artístico que visava além de romper com o conceito artístico europeu, tentava criar uma nova identidade artística:

Entre tantos objetivos, o modernismo brasileiro pregava o fim da nossa submissão cultural aos padrões estrangeiros, embora reconhecesse que precisávamos estar sintonizados com as discussões estéticas presentes na Europa. Pregava, também, que o Brasil necessitava descobrir o Brasil. Para isso, seria preciso conhecer sua própria história, sua cultura, suas tradições, seu folclore, sua gente. (FERNANDES, 2009, p.11).

Na secunda metade do século XX houve outras mudanças devido aos avanças tecnológicos, a arte necessitava evoluir junto com o radio, a televisão e mais tarde com a internet, criando um novo conceito artístico. Na atualidade a arte já é digital e existe uma imensa variedade de segmentos artísticos.

3.1.1 A Op Arte

A Op. Arte é uma modalidade artística, que tem como objetivo criar a ilusão de movimento, interagindo com o observador. Como grande parte dos movimentos artísticos, ela também passou por vários estágios evolutivos através dos tempos.

A história deste movimento passa por um longo processo: começa na antiguidade, no bojo das teorias da geometria e prossegue pela influência dos desenhos decorativos da cultura islâmica. O holandês Mauritius Escher conheceu tais desenhos e os aplicou em suas obras para produzir efeitos de ilusão de ótica (FONSÊCA, 2012, p.2).

Como já foi dito este estilo artístico esteve presente também na cultura islâmica, em seus desenhos que privilegiavam as formas geométricas.

Apesar de conceitos tão antigos como a geometria, que está presente na essência e no movimento da Op. arte, existe uma grande influência também de conceitos modernos.

Dentro das bases conceituais, a geometria ocupa lugar de destaque assumindo um papel fundamental no desenvolvimento Op Art: ela, na verdade, é a alma do movimento. Seus componentes básicos estão presentes nos movimentos de arte mais recentes (FONSECA, 2012, p.2).

O termo Op Art, foi criado em 1965, que em português quer dizer arte ótica.

Os artistas envolvidos com essa vertente realizam pesquisas que privilegiam efeitos óticos, em função de um método ancorado na interação entre ilusão e superfície plana, entre visão e compreensão. Dialogando diretamente com o mundo da indústria e da mídia (publicidade, moda, design, cinema e televisão), os trabalhos da op art enfatizam a percepção a partir do movimento do olho sobre a superfície da tela. Nas composições - em geral, abstratas - linhas e formas seriadas se organizam em termos de padrões dinâmicos, que parecem vibrar, tremer e pulsar. O olhar, convocado a transitar entre a figura e o fundo, a passear pelos efeitos de sombra e luz produzidos pelos jogos entre o preto e o branco ou pelos contrastes tonais, é fisgado pelas artimanhas visuais e ilusionismos. (Disponível em . Acesso em: 13 de março de 2014.).

O artista que mais se destaca e desenvolve os conceitos da Op Art é Victor Vasarely.

4. CAPITULO II

4.1 VICTOR VASARELY

O capitulo trata do pintor húngaro Victor Vasarely, sua vida, seu estilo artístico e duas de suas obras.

4.1.1 Biografia de Victor Vasarely

Pintor e designer francês, Victor Vasarely nasceu em Pécs (Hungria) em 09 de abril de 1908. Victor Vasarely foi um dos artistas mais importantes no segmento artístico de abstração geométrica (Op Arte). Atingiu grande popularidade na Europa e nos Estados Unidos na década de 60, estudou em Budapeste (1925-27) na Academia de Pintura e na Academia Mühely ambas em Budapeste.

Em 1930 mudou-se para Paris onde trabalhou como designer gráfico durante dez anos. Na Bauhaus de Budapeste, Vasarely teve contato com a linguagem formal e geométrica que os mestres da Bauhaus tinham utilizado nos seus cursos para artistas e designers.

A partir de 1947 Vasarely apresenta certa desilusão com as técnicas utilizadas retornando a abstração geométrica.

Naturaliza-se Francês em 1959 e em 1976, concebeu um museu para a exibição das suas obras em Paris, em 1981, foi inaugurado o Museu Vasarely no Castelo de Gordes.

Morreu em Paris, em 15 de março de 1997, prestes há completar 89 anos.

4.1.2 Duas obras do autor

VASARELY, Victor (1908-1997) Riu-Kiu-C, 1960
VASARELY, Victor (1908-1997)
Riu-Kiu-C, 1960
Acrílico sobre tela – 115 x 115 cm

VASARELY, Victor (1908-1997)
VASARELY, Victor (1908-1997)
Exterior de um museu em Pécs, 1977

A primeira obra é Riu-Kiu, 1960, uma bela obra composta por linhas pretas e brancas dando origem a formas geométricas. A segunda está exposta no exterior de um museu em Pecs na Hungria, apesar de uma face bidimensional gera uma sensação de tridimensionalidade.

4.2 PROJETO DE CURSO

4.2.1 Apresentação

Para a atuação nas diversas áreas do conhecimento, todos os profissionais devem estudar e pesquisarem sobre o que trabalhar no que diz respeito ao curso de Artes Visuais não é diferente:

Para ser professor na área de Arte, é importante que se busque cursos de formação inicial e continua nesta área. É necessário conhecer a história da arte, e informar-se sobre a produção artística atual para participar da sociedade como cidadão cultivado, ampliando o próprio horizonte e o dos alunos. A formação cultural tanto de professores, quanto de profissionais que atuem nas mais diferentes agências de caráter social e cultural é parte do processo de construção da cidadania. --(BALBINOT, 2005, p.9)-

Dentro dessa formação continuada, o professor deve estar apto a desenvolver um projeto pedagógico.

Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais, deve ser de competência do profissional formado em um curso de Artes Visuais a elaboração de um projeto pedagógico, que necessita de um planejamento, uma escolha do que e como será trabalhado. De maneira resumida podemos fazer os seguintes apontamentos sobre a elaboração de um projeto pedagógico:

Pensar um projeto, um plano de ação pedagógico, pressupõe, também, o estabelecimento de critérios: o que vai se estudar, de que modo, junto a que fontes, em quais locais. Também é necessário definir as atividades, explicando e criando cada passo a ser seguido em sua elaboração (ZORDAN, 2005, p.6).

Seguindo esses parâmetros, o docente deve desenvolver seu projeto, dando continuidade ao seu trabalho e resolvendo seu problema do cotidiano profissional.

4.2.2 Projeto de Curso

CURSO: Artes Visuais

NÍVEL DE ENSINO: 9º do ensino Fundamental.

CARGA HORÁRIA: 8 horas

EMENTA:

Apresentação da Op. Arte, suas características, os principais nomes e precursores dessa modalidade artística. Temas, ilusão de ótica e utilização de formas geométricas em obras de artes.

OBJETIVOS:

-Ao terminar esse curso é esperado que o aluno consiga alcançar os seguintes objetivos:

-Identificar a modalidade artística Op Arte;

-Diferenciar alguns estilos artísticos diferentes;

-Explicar as principais características da Op Arte;

-Interpretar uma obra de arte;

-Compreender novos conceitos artísticos

-Conhecer a vida de alguns artistas desse sistema artístico

Entre outras coisas.

JUSTIFICATIVA

Com relação ao ensino de artes existem ainda algumas dificuldades tanto da parte docente quanto da parte discente alunos e professores de artes ainda encontram dificuldades no processo de ensino aprendizagem.

Essa proposta vem para ampliar o conhecimento de professores e alunos, expandindo as pesquisas no campo artístico aumentando o repertório de ensino.

METODOLOGIA

A metodologia para esse trabalho é basicamente composto de aulas expositivas, com exposição de imagens e atividades dialógicas desenvolvidas pelos alunos com a intervenção do professor.

Também poderão ser usados textos explicativos com o tema da atividade.

CONTEÚDOS

CONTEÚDOS

FACTUAIS

CONCEITUAIS

PROCEDIMENTAIS

ATITUDINAIS

 

Biografia de Victor Vasarely, suas obras e sua importância no desenvolvimento da Op Arte.

Analise de obras da Op Arte, estudo das suas linhas e formas geométricas. Bidimensionalidade, tridimensionalidade, entre outras coisas.

Os procedimentos serão a observação e discussão em grupo entre os alunos.

 

RECURSOS

Para o desenvolvimento dessa atividade é necessário materiais de uso no dia a dia escolar como lápis, papel, régua e materiais de apoio como DVD’s e retroprojetores.

ARTICULAÇÃO COM OUTRAS DISCIPLINAS OU ATIVIDADES

Devemos trabalhar essa atividade de maneira interdisciplinar, desenvolvendo o trabalho concomitantemente com as matérias de história, contextualizando o momento histórico das obras de artes e vida do artista.

Deve se trabalhar também a matemática, iniciando pelo ponto, a primeira dimensão, a segunda dimensão e a noção da terceira dimensão, chegando a fim à geometria.

AVALIAÇÃO

Para avaliar os alunos os critérios utilizados serão:

  • O quanto eles conseguiram aprender sobre a Op Arte;

  • O quanto eles aprenderam sobre a vida do autor;

  • Se eles conseguem identificar uma obra de op arte.

CRONOGRAMA

AULA

CONTEÚDO

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS

1

Apresentação do tema

Comunicação

Dialogar sobre o tema.

 

2

Apresentação de uma obra de arte relacionada ao tema.

Representação

Fazer um desenho seguindo o estilo da obra de arte.

3

Biografia do autor.

Investigação e compreensão.

Pesquisar sobre a vida do artista e o momento histórico que ele viveu.

4

Vídeo, sobre o tema.

Investigação e compreensão.

Mostrar as diversas obras existentes nesse seguimento e apreciar as obras e suas características.

5

Pesquisa sobre o tema na região.

Contextualização sócio-cultural

Pesquisar se existe na cidade ou região obras desse estilo artístico.

6

Desenho geométrico.

Representação espacial

Desenhar diversas formas geométricas e colori-las de acordo com o tema.

7

Sólidos geométricos

Representação espacial

Desenhar formas geométricas em cartolina, colorir e recortar.

8

Avaliação

 

Pedir para que os alunos escrevam o que sabem sobre o tema.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BALBINOT, Jucilene. Aprendendo e ensinando artes através da sua história e sua conceitualização.

PARAMETROS CURRICULARES NACIONAIS. Ministério da Educação e Desporto, Brasília, 1997.

ZORDAN, Paola Basso Menna Barreto Gomes. Concepções didáticas e perspectivas teóricas para o ensino das Artes Visuais, Porto Alegre, 2005.

6. CONSIDERAÇÔES FINAIS

Ao percorrermos a história da arte no século XX, podemos notar as transformações sofridas por ela a partir desse momento histórico, e com essas grandes mudanças, nós podemos citar a provável existência de dificuldades didáticas com relação ao trabalho desse conteúdo em sala de aula.

Esse trabalho mostrou que realmente é de grande complexidade desenvolver atividades de artes relacionadas com a arte moderna, divido ao grande número de seguimentos artísticos.

No que diz respeito à Op Arte, também existe essa dificuldade de desenvolvimento de práticas pedagógicas sobre o tema.

Podemos perceber nesse trabalho que realmente trabalhar com a Op Arte é um desafio para o professor, porém é um desafio realizável e que pode contribuir para a melhoria da qualidade do ensino de artes.

7. BIBLIOGRAFIA

ANDRADE, Emilio; HENRIQUES, Rogério. A Arte do Século XX como a Exaltação de todos os Sentidos, Ed.3, Viçosa-MG, Revista de artes e humanidades, 2009.

CCB, Centro Cultural de Belém. Museu coleção Berardo arte moderna e contemporânea, Belém, (1960-2010).

FERNANDES, Denise. Representação da arte moderna e dos modernistas na imprensa de Porto Alegre (1922-1928); Porto Alegre, UFRGS, 2009.

-FONSÊCA, Flávio Lopes da. Produção de Op Art com auxílio de ferramentas digitais, Revista temática vol VIII. n.7, 2012.

LEDUR, Rejane Reckziegel. Professores de arte e arte contemporânea: Contextos de produção do sentido, Porto Alegre, UFRGS, 2005.

STANGOS, Nikos. Conceitos da Arte Moderna. Rio de Janeiro: Zorge Zahar Editor. 1994.

Sites

. Acesso em: 13 de março de 2014.

. Acesso em: 13 de março de 2014.

<-http://educacao.uol.com.br/biografias/klick/0,5387,2095-biografia-9,00.jhtm>. Acesso em: 01 de abril de 2014.

. Acesso em: 01 de abril de 2014.

Angela Pereira da Silva Nunes
Cleidiane Dutra de Andrade
Daiane Maria da Silva de Lima
Fernanda Gasparotto Angelico
Marcos de Freitas Santos
Vanessa de Oliveira

  


Publicado por: MARCOS DE FREITAS SANTOS

PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Monografias Brasil Escola